Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Ebilfumin (oseltamivir) – Resumo das características do medicamento - J05AH02

Updated on site: 06-Oct-2017

Nome do medicamentoEbilfumin
Código ATCJ05AH02
Substânciaoseltamivir
FabricanteActavis Group PTC ehf

1.NOME DO MEDICAMENTO

Ebilfumin 30 mg cápsulas

Ebilfumin 45 mg cápsulas

Ebilfumin 75 mg cápsulas

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Ebilfumin 30 mg cápsulas

Cada cápsula contém fosfato de oseltamivir equivalente a 30 mg de oseltamivir. Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

Ebilfumin 45 mg cápsulas

Cada cápsula contém fosfato de oseltamivir equivalente a 30 mg de oseltamivir. Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

Ebilfumin 75 mg cápsulas

Cada cápsula contém fosfato de oseltamivir equivalente a 30 mg de oseltamivir. Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Ebilfumin 30 mg cápsulas

A cápsula consiste num corpo amarelo rico e uma cabeça com a inscrição “OS 30” a preto. Tamanho da cápsula: 4

A cápsula contém um pó granulado branco.

Ebilfumin 45 mg cápsulas

A cápsula consiste num corpo branco opaco e uma cabeça com a inscrição “OS 45” a preto. Tamanho da cápsula: 4

A cápsula contém um pó granulado branco.

Ebilfumin 75 mg cápsulas

A cápsula consiste num corpo branco opaco e uma cabeça de um amarelo rico com a inscrição “OS 75” a preto. Tamanho da cápsula: 2

A cápsula contém um pó granulado branco.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1Indicações terapêuticas

Tratamento da gripe

Ebilfumin é indicado em adultos e crianças, incluindo recém-nascidos de termo, que apresentem sintomas típicos de gripe quando o vírus da gripe circula na comunidade. Foi demonstrada a eficácia quando o tratamento é iniciado nos dois dias seguintes à primeira manifestação dos sintomas.

Prevenção da gripe

-Prevenção após exposição, em indivíduos com idade igual ou superior a 1 ano, depois de um contacto com um caso de gripe diagnosticado clinicamente, durante um surto de vírus da gripe.

-A utilização correta de Ebilfumin na prevenção da gripe deve ser determinada, caso a caso, tendo em conta as circunstâncias e as necessidades de proteção da população. Em situações excecionais (por exemplo, no caso das estirpes do vírus em circulação não coincidirem com as que constituem a vacina, ou no caso de uma situação pandémica) deve considerar-se a prevenção sazonal nos indivíduos com idade igual ou superior a um ano.

-Ebilfumin é indicado para a prevenção da gripe após exposição em lactentes com idade inferior a 1 ano, durante um surto de pandemia de gripe (ver secção 5.2).

Ebilfumin não é um substituto da vacinação contra a gripe.

O uso de fármacos antivíricos para o tratamento e prevenção da gripe deve ser determinado com base nas recomendações oficiais. As decisões relativas à utilização de oseltamivir para o tratamento e prevenção devem ter em consideração o que se conhece sobre as características dos vírus influenza em circulação, a informação disponível sobre os padrões de suscetibilidade dos fármacos para a gripe em cada época e o impacto da doença em diferentes áreas geográficas e populações de doentes (ver secção 5.1).

4.2Posologia e modo de administração

Posologia

Ebilfumin cápsulas são formulações bioequivalentes. Doses de 75 mg podem ser administradas sob a forma de:

-uma cápsula de 75 mg ou

-uma cápsula de 30 mg mais uma cápsula de 45 mg.

Oseltamivir pó para suspensão oral (6 mg/ml) fabricado comercialmente é a apresentação preferível para doentes pediátricos e adultos que tenham dificuldades em engolir cápsulas ou quando são necessárias doses mais baixas.

Adultos e adolescentes com 13 anos ou mais

Tratamento: A dose oral recomendada é de 75 mg de oseltamivir, duas vezes por dia, durante 5 dias para adolescentes (com idades compreendidas entre os 13 e os 17 anos) e adultos.

Peso Corporal

Dose recomendada durante 5 dias

> 40 kg

75 mg duas vezes por dia

O tratamento deve ser iniciado, assim que possível, nos dois primeiros dias seguintes ao aparecimento dos sintomas de gripe.

Prevenção após exposição: A dose recomendada para a prevenção da gripe, após contacto próximo com um indivíduo infetado, é de 75 mg de oseltamivir, uma vez por dia, durante 10 dias para adolescentes (com idades compreendidas entre os 13 e os 17 anos) e adultos.

Peso Corporal

Dose recomendada durante 10 dias

> 40 kg

75 mg uma vez por dia

O tratamento deve ser iniciado, assim que possível, nos dois dias seguintes à exposição a um indivíduo infetado.

Prevenção durante um surto de gripe na comunidade: A dose recomendada para a prevenção da gripe durante um surto na comunidade é de 75 mg de oseltamivir, uma vez por dia, durante um

período de até 6 semanas.

População pediátrica

Crianças entre 1 ano e 12 anos de idade

Ebilfumin 30 mg, 45 mg e 75 mg cápsulas estão disponíveis para lactentes e crianças com idade igual ou superior a 1 ano

Tratamento: Para lactentes e crianças com idade igual ou superior a 1 ano, recomendam-se os seguintes regimes posológicos, ajustados ao peso:

Peso Corporal

Dose recomendada durante 5 dias

10 kg a 15 kg

30 mg duas vezes por dia

> 15 kg a 23 kg

45 mg duas vezes por dia

> 23 kg a 40 kg

60 mg duas vezes por dia

> 40 kg

75 mg duas vezes por dia

O tratamento deve ser iniciado, assim que possível, nos dois primeiros dias seguintes ao aparecimento dos sintomas de gripe.

Prevenção após exposição: A dose de Ebilfumin recomendada para a prevenção após a exposição é:

Peso Corporal

Dose recomendada durante 10 dias

10 kg a 15 kg

30 mg uma vez por dia

> 15 kg a 23 kg

45 mg uma vez por dia

> 23 kg a 40 kg

60 mg uma vez por dia

> 40 kg

75 mg uma vez por dia

Prevenção durante um surto de gripe na comunidade: A prevenção durante uma epidemia de gripe não foi estudada em crianças com idade inferior a 12 anos.

Lactentes com 0 – 12 meses de idade

Tratamento: A dose recomendada para tratamento de lactentes com 0 – 12 meses de idade é de

3 mg/kg duas vezes por dia. A dose referida baseia-se em dados de farmacocinética e de segurança do fármaco que indicam que esta dose em lactentes com 0 – 12 meses origina concentrações plasmáticas do pró-fármaco e do metabolito ativo que se admitem como clinicamente eficazes e com um perfil de segurança comparável ao observado em crianças com idade superior e adultos (ver secção 5.2). Para tratamento de lactentes com 0 – 12 meses de idade, recomenda-se o seguinte regime posológico:

Peso corporal*

Dose recomendada durante 5 dias

3 kg

9 mg duas vezes por dia

4 kg

12 mg duas vezes por dia

5 kg

15 mg duas vezes por dia

6 kg

18 mg duas vezes por dia

7 kg

21 mg duas vezes por dia

8 kg

24 mg duas vezes por dia

9 kg

27 mg duas vezes por dia

10 kg

30 mg duas vezes por dia

* Esta tabela não pretende conter todos os pesos possíveis para esta população. Para todos os doentes com menos de 1 ano de idade, deverá utilizar-se 3 mg/kg para determinar a dose independentemente do peso do doente.

O tratamento deve ser iniciado, assim que possível, nos dois primeiros dias seguintes ao aparecimento dos sintomas de gripe.

Esta recomendação de dose não se destina a lactentes prematuros, ou seja, aqueles com idade pós- conceção inferior a 36 semanas. Os dados disponíveis para estes doentes são insuficientes, para os quais podem ser necessárias doses diferentes devido à imaturidade das funções fisiológicas.

Prevenção após exposição: A dose recomendada para profilaxia em lactentes com idade inferior a 1 ano, durante um surto de pandemia de gripe, é metade da dose diária para tratamento. Tal baseia-se em dados clínicos de lactentes e crianças com idade igual ou superior a 1 ano e adultos, que demonstram que uma dose de profilaxia equivalente a metade da dose diária de tratamento é clinicamente eficaz na prevenção da gripe. Para profilaxia em lactentes com 0 – 12 meses de idade recomenda-se o seguinte regime posológico ajustado à idade (ver Secção 5.2 para simulação de exposição):

Idade

Dose recomendada durante 10 dias

0 - 12 meses

3 mg/kg uma vez por dia

Esta recomendação de dose não se destina a lactentes prematuros, ou seja, aqueles com idade pós- conceção inferior a 36 semanas. Os dados disponíveis para estes doentes são insuficientes, para os quais podem ser necessárias doses diferentes devido à imaturidade das funções fisiológicas.

Prevenção durante um surto de gripe na comunidade: A prevenção durante uma epidemia de gripe não foi estudada em crianças entre os 0 e os 12 meses de idade.

Para obter instruções sobre como preparar a formulação extemporânea, ver secção 6.6.

Populações especiais

Compromisso hepático

Não é necessário qualquer ajuste da dose, terapêutica ou profilática, em doentes com disfunção hepática. Não se realizaram estudos em doentes pediátricos com afeção hepática.

Compromisso renal

Tratamento da gripe: Recomenda-se o ajuste da dose em adultos e adolescentes (com idade entre 13 e 17 anos) com compromisso renal moderado ou grave. Na tabela seguinte apresentam-se as doses recomendadas.

Clearance da creatinina

Dose recomendada para tratamento

> 60 (ml/min)

75 mg duas vezes por dia

> 30 a 60 (ml/min)

30 mg duas vezes por dia

> 10 a 30 (ml/min)

30 mg uma vez por dia

≤ 10 (ml/min)

Não recomendado (não existem dados disponíveis)

Doentes em hemodiálise

30 mg após cada sessão de hemodiálise

Doentes em diálise peritoneal*

30 mg dose única

* Dados obtidos de estudos com doentes em diálise peritoneal contínua ambulatória (DPCA); é expectável que a depuração do carboxilato de oseltamivir seja superior quando se utiliza o método de diálise peritoneal automatizada (APD). O método de tratamento pode ser alterado de DPA para DPCA, se tal for considerado necessário pelo nefrologista.

Prevenção da gripe: Recomenda-se o ajuste da dose em adultos e adolescentes (com idade entre 13 e 17 anos) com compromisso renal moderado ou grave, conforme indicado na tabela seguinte.

Clearance da creatinina

 

Dose recomendada para prevenção

> 60 (ml/min)

 

75 mg uma vez por dia

> 30 a 60 (ml/min)

 

30 mg uma vez por dia

 

 

> 10 a 30 (ml/min)

30 mg em dias alternados

≤ 10 (ml/min)

Não recomendado (não existem dados disponíveis)

Doentes em hemodiálise

30 mg após cada segunda sessão de hemodiálise

Doentes em diálise peritoneal*

30 mg uma vez por semana

* Dados obtidos de estudos com doentes em diálise peritoneal contínua ambulatória (DPCA); é expectável que a depuração do carboxilato de oseltamivir seja superior quando se utiliza o método de diálise peritoneal automatizada (APD). O método de tratamento pode ser alterado de DPA para DPCA, se tal for considerado necessário pelo nefrologista.

Não existem dados clínicos suficientes disponíveis em lactentes e crianças (com idade igual ou inferior a 12 anos) com compromisso renal, que permitam fazer qualquer recomendação de dose.

Idosos

Não é necessário o ajuste da dose a não ser que haja evidência de compromisso renal moderado ou grave.

Doentes imunocomprometidos

Em doentes imunocomprometidos foi estudada uma duração superior da profilaxia sazonal até 12 semanas (ver secções 4.4, 4.8 e 5.1).

Modo de administração

Via oral.

Doentes que sejam incapazes de engolir as cápsulas podem receber uma formulação extemporânea apropriada, ver secção 6.6 para preparação.

4.3Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Oseltamivir é eficaz apenas contra doenças causadas por vírus influenza. Não há indícios da eficácia do oseltamivir em qualquer doença causada por outros agentes que não os vírus influenza (ver secção 5.1).

Oseltamivir não é um substituto da vacina contra a gripe. A utilização de oseltamivir não pode afetar a avaliação dos indivíduos para a vacinação anual contra a gripe. A proteção contra a gripe persiste apenas durante a administração de oseltamivir. Oseltamivir deve ser utilizado no tratamento e na prevenção da gripe apenas quando dados epidemiológicos fiáveis indiquem a existência de um surto de gripe. A suscetibilidade ao oseltamivir das estirpes de vírus da gripe em circulação demonstrou ser bastante variável (ver secção 5.1). Consequentemente, quando decidem sobre a utilização de oseltamivir, os médicos prescritores devem considerar a informação disponível mais recente sobre os padrões de suscetibilidade ao oseltamivir dos vírus atualmente em circulação.

Doença concomitante grave

Não há informações disponíveis, relativas à segurança e eficácia do oseltamivir, obtidas em doentes com situações clínicas suficientemente graves ou instáveis para serem considerados em risco eminente de hospitalização.

Doentes imunocomprometidos

A eficácia do oseltamivir, no tratamento ou na profilaxia da gripe em doentes imunocomprometidos não foi firmemente estabelecida (ver secção 5.1).

Doença cardíaca/respiratória

A eficácia do oseltamivir no tratamento de doentes com doença cardíaca e/ou doença respiratória crónicas não foi estabelecida. Não foi observada diferença na incidência de complicações, nesta população, entre os grupos de tratamento e de placebo (ver secção 5.1).

População pediátrica

Atualmente não se encontram disponíveis dados que permitam uma recomendação de dose para crianças prematuras (< 36 semanas de idade pós-conceção).

Compromisso renal grave

Recomenda-se o ajuste da dose, de tratamento ou prevenção, em adolescentes (com idade entre 13 e 17 anos) e adultos com compromisso renal grave. Não existem dados clínicos suficientes disponíveis em lactentes e crianças (com idade igual ou superior a 1 ano) com compromisso renal, que permitam fazer qualquer recomendação de dose (ver secções 4.2 e 5.2).

Acontecimentos neuropsiquiátricos

Foram notificados acontecimentos neuropsiquiátricos durante a administração de oseltamivir a doentes com gripe, especialmente crianças e adolescentes. Estes acontecimentos também ocorrem em doentes com gripe sem administração de oseltamivir. Os doentes devem ser monitorizados de perto relativamente a alterações comportamentais e os riscos e benefícios da continuação do tratamento devem ser avaliados cuidadosamente para cada doente (ver secção 4.8).

4.5Interações medicamentosas e outras formas de interação

As propriedades farmacocinéticas do oseltamivir, tais como a reduzida ligação às proteínas e o metabolismo independente dos sistemas de metabolização com intervenção do CYP450 e da glucuronidase (ver secção 5.2), sugerem que é improvável a ocorrência de interações medicamentosas clinicamente relevantes, por estes mecanismos.

Probenecida

Não é necessário o ajuste da dose quando o fármaco é coadministrado com o probenecida, em doentes com função renal normal. A coadministração de probenecida, um inibidor potente da via aniónica da secreção tubular renal, resulta num aumento da exposição ao metabolito ativo do oseltamivir de aproximadamente duas vezes.

Amoxicilina

O oseltamivir não tem qualquer interação cinética com a amoxicilina, que é eliminada pela mesma via, o que sugere uma reduzida interação do oseltamivir com esta via de eliminação.

Eliminação renal

É improvável a ocorrência de interações medicamentosas clinicamente importantes que envolvam a competição para a secreção tubular renal, devido às margens de segurança conhecidas para a maior parte destas substâncias, às características de eliminação do metabolito ativo (filtração glomerular e secreção tubular aniónica) e à capacidade de excreção destas vias. No entanto, deve tomar-se cuidado ao prescrever oseltamivir a indivíduos que estejam a tomar fármacos com estreita margem terapêutica, excretados pela mesma via (como por exemplo clorpropamida, metotrexato, fenilbutazona).

Informação adicional

Não se observaram interações farmacocinéticas entre o oseltamivir ou os seus principais metabolitos ao coadministrar oseltamivir e paracetamol, ácido acetilsalicílico, cimetidina, antiácidos (hidróxidos de magnésio e alumínio e carbonatos de cálcio), rimantadina ou varfarina (em indivíduos estáveis a tomar varfarina e sem gripe).

4.6Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Embora não tenham sido conduzidos estudos clínicos controlados sobre a utilização de oseltamivir em mulheres grávidas, foi recolhida informação sobre a utilização do fármaco durante a gravidez baseada em estudos pós-comercialização e observacionais (ver secção 5.1 “Tratamento da gripe em mulheres grávidas”; para informação sobre a exposição em mulheres grávidas ver secção 5.2). Estes dados, em conjunto com os estudos em animais, não indicam que hajam efeitos nocivos diretos ou indiretos no que diz respeito à gravidez, desenvolvimento embrionário/fetal ou pós-natal (ver seção 5.3). As mulheres grávidas podem tomar oseltamivir após consideração da informação de segurança disponível, da patogenicidade da estirpe do vírus da gripe em circulação e do quadro subjacente da mulher grávida.

Amamentação

Nas fêmeas de rato lactantes, o oseltamivir e o metabolito ativo são excretados no leite. Está disponível informação muito limitada sobre crianças amamentadas por mães a tomar oseltamivir ou sobre a excreção de oseltamivir no leite materno. Os dados limitados demonstraram que o oseltamivir e o metabolito ativo foram detetados no leite materno, apesar de em níveis baixos, o que resultará numa dose sub-terapêutica para o lactente.

Considerando esta informação, a patogenicidade da estirpe do vírus da gripe em circulação e o quadro subjacente da mulher a amamentar, a administração de oseltamivir pode ser considerada quando existam claros benefícios potenciais para as mães a amamentar.

Fertilidade

Com base nos dados pré-clínicos, não existe evidência de que oseltamivir tenha efeito na fertilidade masculina ou feminina (ver secção 5.3).

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Os efeitos do oseltamivir sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas são nulos.

4.8Efeitos indesejáveis

Sumário do perfil de segurança

O perfil de segurança global de oseltamivir é baseado nos dados de estudos clínicos de 6049 doentes adultos/adolescentes e 1473 doentes pediátricos em tratamento da gripe, com oseltamivir ou placebo, e nos dados de 3990 doentes adultos/adolescentes e 253 doentes pediátricos que receberam oseltamivir ou placebo/nenhum tratamento para a profilaxia da gripe. Adicionalmente, 475 doentes imunocomprometidos (incluindo 18 crianças, destas 10 com oseltamivir e 8 com placebo) receberam oseltamivir ou placebo para a profilaxia da gripe.

Nos adultos/adolescentes, as reações adversas (RAs) notificadas mais frequentemente nos estudos de tratamento foram náuseas e vómitos, e nos estudos de prevenção foram náuseas. A maioria dessas RAs foi notificada numa única ocasião, quer no primeiro quer no segundo dia de tratamento e resolveu-se espontaneamente em 1-2 dias. Nas crianças, a reação adversa notificada mais frequentemente foi vómitos. Na maioria dos doentes, estas RAs não levaram à descontinuação de oseltamivir.

As seguintes reações adversas graves foram notificadas raramente desde a comercialização do oseltamivir: reações anafiláticas e anafilatoides, afeções hepáticas (hepatite fulminante, disfunção hepática e icterícia), edema angioneurótico, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica, hemorragia gastrointestinal e afeções neuropsiquiátricas.

(Relativamente a afeções neuropsiquiátricas, ver secção 4.4)

Lista tabelada das reações adversas

As RAs apresentadas nas tabelas abaixo pertencem às seguintes classes: Muito frequentes (≥ 1/10), frequentes (≥ 1/100 a < 1/10), pouco frequentes (≥ 1/1.000 a < 1/100), raros (≥ 1/10.000 a < 1/1.000), e muito raros (< 1/10.000). As RAs são incluídas na classe adequada das tabelas, de acordo com a análise agrupada de estudos clínicos.

Tratamento e prevenção da gripe em adultos e adolescentes:

Nos estudos de tratamento e de prevenção em adultos/adolescentes, as RAs que ocorreram mais frequentemente com a dose recomendada (no tratamento 75 mg duas vezes por dia, durante 5 dias e na profilaxia 75 mg uma vez por dia, durante um período de até 6 semanas) são indicadas na Tabela 1.

O perfil de segurança notificado nos indivíduos que receberam a dose recomendada de oseltamivir para a profilaxia (75 mg uma vez por dia, durante um período de até 6 semanas) foi qualitativamente semelhante ao demonstrado nos estudos de tratamento, apesar da duração da terapêutica ser superior nos estudos de profilaxia.

Tabela 1 Reações adversas em estudos de investigação de oseltamivir no tratamento e prevenção da gripe em adultos e adolescentes, ou através de vigilância pós- comercialização

Classe de Sistema

 

Reações adversas de acordo com a frequência

de Órgãos (SOC)

 

 

 

 

 

Muito

 

Frequentes

Pouco frequentes

Raros

 

 

 

frequentes

 

 

 

 

Infeções e

 

 

Bronquite,

 

 

infestações

 

 

Herpes simplex,

 

 

 

 

 

Nasofaringite,

 

 

 

 

 

Infeções do trato

 

 

 

 

 

respiratório

 

 

 

 

 

superior, Sinusite

 

 

Doenças do

 

 

 

 

Trombocitopenia

sangue e do

 

 

 

 

 

sistema linfático

 

 

 

 

 

Doenças do

 

 

 

Reação de

Reações

sistema

 

 

 

hipersensibilidade

anafiláticas,

imunitário

 

 

 

 

Reações

 

 

 

 

 

anafilatoides

Perturbações do

 

 

 

 

Agitação,

foro psiquiátrico

 

 

 

 

Comportamento

 

 

 

 

 

anormal,

 

 

 

 

 

Ansiedade,

 

 

 

 

 

Confusão, Ideias

 

 

 

 

 

delirantes, Delírio,

 

 

 

 

 

Alucinação,

 

 

 

 

 

Pesadelos,

 

 

 

 

 

Autolesão

Doenças do

Cefaleias

 

Insónia

Estado de

 

sistema nervoso

 

 

 

consciência

 

 

 

 

 

alterado,

 

 

 

 

 

Convulsão

 

Afeções oculares

 

 

 

 

Perturbação visual

Doenças

 

 

 

Arritmia cardíaca

 

cardíacas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Doenças

 

Tosse,

 

 

respiratórias,

 

Faringite,

 

 

torácicas e do

 

Rinorreia

 

 

mediastino

 

 

 

 

Doenças

Náuseas

Vómitos,

 

Hemorragia

gastrointestinais

 

Dor abdominal

 

gastrointestinal,

 

 

(incluindo dor

 

Colite

 

 

abdominal

 

hemorrágica

 

 

superior),

 

 

 

 

Dispepsia

 

 

Afeções

 

 

Enzimas hepáticas

Hepatite

hepatobiliares

 

 

elevadas

fulminante,

 

 

 

 

Insuficiência

 

 

 

 

hepática, Hepatite

Afeções dos

 

 

Eczema,

Edema

tecidos cutâneos

 

 

Dermatite,

angioneurótico,

e subcutâneos

 

 

Erupção cutânea,

Eritema

 

 

 

Urticária

multiforme,

 

 

 

 

Síndrome de

 

 

 

 

Stevens-Johnson,

 

 

 

 

Necrólise

 

 

 

 

epidérmica tóxica

Perturbações

 

Dor,

 

 

gerais e

 

Tonturas

 

 

alterações no

 

(incluindo

 

 

local de

 

vertigens),

 

 

administração

 

Fadiga, Pirexia,

 

 

 

 

Dor nos membros

 

 

Tratamento e prevenção da gripe nas crianças:

Um total de 1473 crianças (incluindo crianças saudáveis com idade entre 1 e 12 anos e crianças asmáticas com idade entre 6 e 12 anos) participou em estudos clínicos em que foi administrado oseltamivir para tratamento da gripe. Destas, 851 crianças receberam tratamento com suspensão de oseltamivir. Um total de 158 crianças recebeu a dose recomendada de oseltamivir uma vez por dia, num estudo de profilaxia após exposição em lares domésticos (n = 99), num estudo pediátrico de profilaxia sazonal de 6 semanas (n = 49) e num estudo pediátrico de profilaxia sazonal em indivíduos imunocomprometidos (n = 10).

A tabela 2 apresenta as RAs notificadas mais frequentemente nos estudos clínicos pediátricos.

Tabela 2 Reações adversas em estudos de investigação de oseltamivir no tratamento e prevenção da gripe em crianças (posologia com base na idade/peso [30 mg a 75 mg por dia])

Classe de Sistema

Reações adversas de acordo com a frequência

 

de Órgãos (SOC)

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

 

Raros

Infeções e

 

Otite média,

 

 

 

infestações

 

 

 

 

 

Doenças do

 

Cefaleias

 

 

 

sistema nervoso

 

 

 

 

 

Afeções oculares:

 

Conjuntivite

 

 

 

 

(incluindo olhos

 

 

 

 

vermelhos,

 

 

 

 

exsudado ocular e

 

 

 

 

dor ocular)

 

 

Afeções do ouvido

 

Dor de ouvidos

Alteração da

 

e do labirinto:

 

 

membrana do

 

 

 

 

tímpano

 

Doenças

Tosse,

Rinorreia

 

 

respiratórias,

Congestão nasal

 

 

 

torácicas e do

 

 

 

 

mediastino

 

 

 

 

Doenças

Vómitos

Dor abdominal

 

 

gastrointestinais

 

(incluindo dor

 

 

 

 

abdominal

 

 

 

 

superior), Dispepsia,

 

 

 

 

Náuseas

 

 

Afeções dos tecidos

 

 

Dermatite

 

cutâneos e

 

 

(incluindo dermatite

 

subcutâneos

 

 

alérgica e atópica)

 

 

 

 

 

 

Descrição de reações adversas selecionadas

Perturbações do foro psiquiátrico e doenças do sistema nervoso

A gripe pode ser associada a uma variedade de sintomas neurológicos e comportamentais que podem incluir acontecimentos como alucinações, delírio, e comportamento anormal, em alguns casos resultando em consequências fatais. Estes acontecimentos podem ocorrer no contexto duma encefalite ou encefalopatia, mas podem ocorrer sem doença grave evidente.

Em doentes com gripe que se encontravam a receber oseltamivir, ocorreram notificações pós- comercialização de convulsões e delírio (incluindo sintomas como nível de consciência alterado, confusão, comportamento anormal, ideias delirantes, alucinações, agitação, ansiedade, pesadelos), resultando, em muito poucos casos, em autolesão ou consequências fatais. Estes acontecimentos foram notificados principalmente em doentes pediátricos e adolescentes e tiveram frequentemente um início repentino e resolução rápida. A contribuição de oseltamivir para estes acontecimentos é desconhecida. Tais acontecimentos neuropsiquiátricos foram também notificados em doentes com gripe que não estavam a tomar oseltamivir.

Afeções hepatobiliares

Alterações do sistema hepatobiliar, incluindo hepatite e enzimas hepáticas aumentadas, em doentes com doença tipo gripe. Estes casos incluem hepatite fulminante/insuficiência hepática fatais.

Outras populações especiais

População pediátrica (lactentes com idade inferior a 1 ano)

Em dois estudos que caracterizaram a farmacocinética, farmacodinâmica e perfil de segurança da terapêutica com oseltamivir em 135 crianças com menos de um ano de idade infetadas pelo vírus da gripe, o perfil de segurança foi semelhante entre as faixas etárias. Os efeitos adversos mais frequentemente notificados foram vómitos, diarreia e erupção cutânea das fraldas (ver secção 5.2). Não estão disponíveis dados suficientes para lactentes com idade pós-conceção inferior a

36 semanas.

A informação de segurança disponível sobre oseltamivir administrado para o tratamento da gripe em

lactentes com idade inferior a 1 ano, obtida de estudos observacionais prospetivos e retrospetivos (englobando no total mais de 2.400 lactentes desta faixa etária), de pesquisa de bases de dados epidemiológicas e de notificações pós-comercialização, sugere que o perfil de segurança em lactentes com idade inferior a 1 ano é semelhante ao perfil de segurança estabelecido para crianças com idade igual ou superior a 1 ano.

Pessoas idosas e doentes com doença cardíaca e/ou respiratória crónica

A população incluída nos estudos de tratamento da gripe era composta por adultos/adolescentes saudáveis e doentes “em risco” (doentes com um maior risco de desenvolver complicações associadas à gripe, por exemplo pessoas idosas e doentes com doença cardíaca crónica ou respiratória). Em geral, o perfil de segurança nos doentes “em risco” foi qualitativamente semelhante ao observado nos adultos/adolescentes saudáveis.

Doentes imunocomprometidos

Num estudo de profilaxia de 12 semanas, em 475 doentes imunocomprometidos, incluindo 18 crianças com idade entre 1 e 12 anos e superior, o perfil de segurança nos 238 doentes que receberam oseltamivir foi consistente com o previamente observado nos estudos clínicos de profilaxia com oseltamivir.

Crianças com asma brônquica pré-existente

Em geral, o perfil de reações adversas em crianças com asma brônquica pré-existente foi qualitativamente semelhante ao observado em crianças saudáveis.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento.

Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9Sobredosagem

Foram recebidas notificações de sobredosagem com oseltamivir em ensaios clínicos e durante a experiência pós-comercialização. Na maioria dos casos de sobredosagem notificados, não foram notificados acontecimentos adversos.

Os acontecimentos adversos notificados no seguimento de sobredosagem foram semelhantes, na natureza e na distribuição, aos observados com as doses terapêuticas de oseltamivir descritos na secção 4.8 Efeitos indesejáveis.

Não se conhece nenhum antídoto específico.

População pediátrica

A sobredosagem foi notificada mais frequentemente em crianças do que em adultos e adolescentes. Deve-se ter precaução quando se prepara oseltamivir suspensão oral e quando se administra oseltamivir a crianças.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Antivíricos para utilização sistémica, inibidores da neuraminidase, código ATC: J05AH02

O fosfato de oseltamivir é um pró-fármaco do metabolito ativo (carboxilato de oseltamivir). O metabolito ativo é um inibidor seletivo das enzimas neuraminidase do vírus influenza, que são glicoproteínas que se encontram na superfície do virião. A atividade da neuraminidase viral é importante quer para a entrada do vírus nas células não infetadas quer para a libertação das partículas virais recentemente formadas em células infetadas e para a posterior disseminação de vírus infeciosos no organismo.

O carboxilato de oseltamivir inibe as neuraminidases dos vírus influenza A e B in vitro. O fosfato de oseltamivir inibe a infeção pelo vírus influenza e a replicação in vitro. O oseltamivir, administrado por via oral, inibe a replicação dos vírus influenza A e B e a sua patogenicidade in vivo em modelos animais da infeção pelo influenza, para exposições antivirais semelhantes às alcançadas no Homem com 75 mg, duas vezes por dia.

A atividade antivírica do oseltamivir foi apoiada por estudos de infeção experimental com vírus influenza A e B realizados em voluntários saudáveis.

Os valores de CI50 da enzima neuraminidase para o oseltamivir, para vírus influenza A isolado clinicamente, variaram entre 0,1 nM a 1,3 nM. Para o vírus influenza B o valor foi de 2,6 nM. Em estudos publicados, foram observados valores mais elevados de CI50, até um valor médio de 8,5 nM, para o vírus influenza B.

Estudos clínicos

Tratamento da infeção por vírus influenza

Esta indicação é baseada em estudos clínicos de gripe adquirida na comunidade, em que a infeção predominante foi causada por vírus influenza A.

Oseltamivir é eficaz apenas contra a doença causada pelo vírus influenza. Desta forma, as análises estatísticas que são apresentadas realizaram-se unicamente com dados obtidos em doentes infetados por vírus influenza. Nos dados consolidados obtidos na população do ensaio de tratamento que incluiu doentes influenza positivos e negativos (ITT), a eficácia primária diminuiu proporcionalmente com o número de doentes influenza negativos. No conjunto da população dos estudos do tratamento, confirmou-se a presença de infeção por vírus influenza em 67% (entre 46% e 74%) dos doentes recrutados. Dos indivíduos idosos 64% eram influenza-positivos e dos que apresentavam doença cardíaca e/ou respiratória crónica, 62% eram influenza-positivos. Em todos os ensaios de fase III de tratamento, os doentes foram recrutados apenas durante um surto local de gripe.

Adultos e adolescentes com idade igual ou superior a 13 anos: Os doentes eram elegíveis se se apresentassem até 36 horas após a manifestação dos sintomas, com febre ≥37,8ºC, acompanhada de pelo menos um sintoma do foro respiratório (tosse, sintomas nasais ou garganta inflamada) e pelo menos um sintoma sistémico (mialgia, arrepios/suores, mal-estar, fadiga ou cefaleias). Numa análise consolidada de todos os adultos e adolescentes influenza positivos (N = 2.413) envolvidos nos ensaios de tratamento, o oseltamivir 75 mg, duas vezes por dia, durante 5 dias, diminuiu a duração média da infeção por vírus influenza em aproximadamente 1 dia, de 5,2 dias (IC 95% 4,9 – 5,5 dias) no grupo tratado com placebo, para 4,2 dias (IC 95% 4,0 – 4,4 dias: p ≤ 0,0001).

A proporção de doentes que desenvolveram complicações especificadas do trato respiratório inferior (principalmente bronquite) tratadas com antibióticos diminuiu de 12,7% (135/1.063) no grupo placebo, para 8,6% (116/1.350) na população tratada com oseltamivir (p = 0,0012).

Tratamento da gripe em populações de “alto risco”: A duração média da doença causada pelo vírus influenza em indivíduos idosos (≥ 65 anos) e nos indivíduos com doença cardíaca e/ou respiratória crónicas, tratados com oseltamivir 75 mg, duas vezes por dia, durante 5 dias, não diminuiu

significativamente. A duração total de febre diminuiu 1 dia nos grupos tratados com oseltamivir. Em pessoas idosas influenza positivas, o oseltamivir diminuiu significativamente a incidência de complicações especificadas do trato respiratório inferior (principalmente bronquite), de 19% (52/268) no grupo placebo para 12% (29/250) na população tratada com oseltamivir (p = 0,0156).

Em doentes com doença cardíaca e/ou respiratória crónicas, influenza positivos, a incidência combinada de complicações do trato respiratório inferior (principalmente bronquite) tratada com antibióticos foi de 17% (22/133) no grupo placebo e de 14% (16/118) na população tratada com oseltamivir (p = 0,5976).

Tratamento da gripe em mulheres grávidas: Não foram conduzidos estudos clínicos controlados sobre a utilização de oseltamivir em mulheres grávidas, no entanto existe evidência baseada em estudos pós-comercialização e observacionais retrospetivos que demostram o benefício do regime posológico atual nesta população de doentes em termos de morbilidade/mortalidade reduzida. Resultados obtidos em análises farmacocinéticas indicam uma menor exposição ao metabolito ativo, no entanto não se recomendam ajustes de dose em mulheres grávidas, no tratamento ou na profilaxia para a infeção pelo vírus influenza (ver secção 5.2 Propriedades farmacocinéticas, Populações especiais).

Tratamento da gripe nas crianças: Num ensaio realizado com crianças saudáveis (65% influenza positivas), com idade entre 1 e 12 anos (idade média de 5,3 anos), com febre (≥ 37,8ºC) acompanhada de tosse ou coriza, 67% dos doentes influenza positivos estavam infetados com influenza A e 33% com influenza B. O tratamento com oseltamivir, iniciado nas 48 horas seguintes à manifestação dos sintomas, reduziu significativamente o tempo da doença (definido como a recuperação simultânea de saúde e da atividade normal e o alívio da febre, tosse e rinite) em 1,5 dias (IC 95% 0,6 – 2,2 dias; p< 0,0001), comparativamente com o placebo. O oseltamivir reduziu a incidência de otite média aguda de 26,5% (53/200) no grupo tratado com placebo para 16% (29/183) nas crianças tratadas com oseltamivir (p = 0,013).

Foi concluído um segundo ensaio em 334 crianças asmáticas, com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos, das quais 53,6% estavam influenza positivas. A duração média da doença não diminuiu significativamente no grupo tratado com oseltamivir. Por volta do dia 6 (o último dia de tratamento), FEV1 tinha aumentado cerca de 10,8% no grupo de tratamento com oseltamivir, comparativamente com 4,7% no grupo placebo (p=0,0148) nesta população.

A Agência Europeia de Medicamentos diferiu a obrigação de submissão dos resultados dos estudos com oseltamivir em um ou mais subgrupos da população pediátrica na gripe. Ver secção 4.2 para informação sobre utilização pediátrica.

A indicação em lactentes com idade inferior a 1 ano baseia-se na extrapolação de dados de eficácia em crianças com idade superior e a posologia recomendada baseia-se em dados de modelização farmacocinética (ver Secção 5.2).

Tratamento da infeção por vírus influenza B: Globalmente, 15% da população influenza positiva estava infetada por influenza B, proporção que variou entre 1 e 33% consoante o estudo. A duração média da doença em indivíduos infetados por influenza B não diferiu significativamente entre os grupos de tratamento de cada estudo. Procedeu-se à reunião dos dados provenientes de 504 indivíduos infetados por influenza B em todos os estudos, a fim de serem analisados. O oseltamivir diminuiu o tempo decorrido até ao alívio de todos os sintomas em 0,7 dias (IC 95% 0,1 – 1,6 dias; p = 0,022) e a duração da febre (≥ 37,8ºC), tosse e coriza em um dia (IC 95% 0,4 – 1,7 dias; p < 0,001), comparativamente com o placebo.

Prevenção da gripe

A eficácia do oseltamivir na prevenção da gripe adquirida naturalmente foi demonstrada num estudo

de prevenção após a exposição em ambiente familiar e em dois estudos sazonais de prevenção. O parâmetro de eficácia primária para todos estes estudos foi a incidência de gripe confirmada por valores laboratoriais. Não se pode prever a virulência da epidemia de gripe, que varia de região para região e de época para época, pelo que o número de casos tratados necessário (NNT) para poder prevenir um caso de infeção por vírus influenza é variável.

Prevenção após a exposição: Num estudo realizado em indivíduos em contacto (12,6% vacinados contra o vírus influenza) com um caso referenciado de gripe, iniciou-se o oseltamivir 75 mg, uma vez por dia, até 2 dias após a manifestação dos sintomas no caso referenciado, tendo este prosseguido durante sete dias. A gripe foi confirmada em 163 de 377 casos referenciados. O oseltamivir diminuiu significativamente a incidência de infeção por vírus influenza clinicamente comprovada, ocorrida nos indivíduos em contacto com casos confirmados de gripe, de 24/200 (12%) no grupo placebo, para 2/205 (1%) no grupo tratado com oseltamivir (redução de 92%, [IC 95% 6 – 16, p ≤ 0,0001]). O “número necessário para tratar” (NNT) em indivíduos em contacto com casos confirmados de gripe foi de 10 (IC 95% 9 – 12) e de 16 (IC 95% 15 – 19) entre toda a população (ITT), independentemente do estado da infeção no caso referenciado.

A eficácia do oseltamivir na prevenção da gripe que ocorre naturalmente foi demonstrada num estudo de prevenção após exposição, realizado em ambiente familiar, que incluiu adultos, adolescentes e crianças com idades compreendidas entre os 1 e 12 anos, incluindo casos referenciados e contactos familiares. O principal parâmetro de eficácia para este estudo foi a incidência de gripe em ambiente familiar, confirmada laboratorialmente. A profilaxia com oseltamivir durou 10 dias. Na população total, houve uma redução da incidência de gripe em ambiente familiar, confirmada laboratorialmente, de 20% (27/136) no grupo que não fez prevenção para 7% (10/135) no grupo que fez prevenção (62,7% de redução, [IC 95% 26,0 – 81,2; p = 0,0042]). Nos casos de infeção de gripe referenciados, em ambiente familiar, houve uma redução da incidência de gripe de 26% (23/89) no grupo que não fez prevenção para 11% (9/84) no grupo que fez prevenção (redução de 58,5%, [IC 95% 15,6 – 79,6; p = 0,0114]). De acordo com a análise do subgrupo de crianças com idade entre 1 e 12 anos, a incidência de gripe confirmada laboratorialmente entre as crianças foi significativamente reduzida de 19% (21/111) no grupo que não fez prevenção para 7% (7/104) no grupo que fez prevenção (redução de 64,4%, [IC 95% 15,8 – 85,0; p = 0,0188]). Entre as crianças que, no início do estudo ainda não eliminavam o vírus, a incidência de gripe confirmada laboratorialmente diminuiu de 21% (15/70) no grupo que não fez prevenção para 4% (2/47) no grupo que fez prevenção (redução de 80,1%, [IC 95% 22,0 – 94,9; p = 0,0206]). O NNT para a população pediátrica total foi de 9 (IC 95% 7 – 24) e 8 (IC 95% 6, limite superior não estimado) na população total (ITT) e nos contactos pediátricos dos casos infetados referenciados (ITTII), respetivamente.

Prevenção da gripe após a exposição em lactentes com idade inferior a 1 ano durante uma pandemia:

A prevenção durante uma pandemia de gripe não foi estudada em estudos clínicos controlados em crianças com 0-12 meses de idade. Ver Secção 5.2 para detalhes da simulação de exposição.

Prevenção durante uma epidemia de gripe na comunidade: Numa análise consolidada de dados obtidos a partir de outros dois estudos realizados em adultos saudáveis não vacinados, o oseltamivir 75 mg, uma vez por dia, administrado durante 6 semanas, diminuiu significativamente a incidência de doença gripal clinicamente comprovada de 25/519 (4,8%) no grupo tratado com placebo, para 6/520 (1,2%) no grupo tratado com oseltamivir (redução de 76%, [IC 95% 1,6 – 5,7; p = 0,0006]) durante um surto de gripe. O NNT neste estudo foi de 28 (IC 95% 24 – 50). Num ensaio realizado em em pessoas idosas residentes em lares, dos quais 80% dos participantes no estudo tinham sido vacinados na época do ensaio, o oseltamivir 75 mg, uma vez por dia, durante 6 semanas, diminuiu significativamente a incidência de infeção por vírus influenza, clinicamente comprovada, de 12/272 (4,4%) no grupo placebo, para 1/276 (0,4%) no grupo tratado com oseltamivir (diminuição de 92%, [IC 95% 1,5 – 6,6; p = 0,0015]). O NNT neste estudo foi de 25 (IC 95% 23 – 62).

Profilaxia da gripe em doentes imunocomprometidos: Foi conduzido um estudo aleatorizado, controlado por placebo, em dupla ocultação, para a profilaxia sazonal da gripe, em 475 doentes imunocomprometidos (388 doentes com transplante de órgão sólido [placebo 195; oseltamivir 193], 87 doentes com transplante de células estaminais hematopoiéticas [placebo 43; oseltamivir 44], nenhum doente com outros estados imunossupressivos), incluindo 18 crianças com idades entre 1 e 12 anos. O objetivo primário deste estudo foi a incidência de gripe clínica confirmada laboratorialmente, determinada por cultura viral e/ou por aumento de 4 vezes dos anticorpos HAI. A incidência de gripe clínica confirmada laboratorialmente foi de 2,9% (7/238) no grupo placebo e de 2,1% (5/237) no grupo oseltamivir (IC 95%, -2,3% – 4,1%; p = 0,772).

Não foram conduzidos estudos específicos relativos à redução do risco de complicações.

Resistência ao oseltamivir

Estudos clínicos: O risco de emergência de vírus influenza com suscetibilidade reduzida ou franca resistência ao oseltamivir foi examinado durante estudos clínicos promovidos pela Roche. O desenvolvimento de vírus resistentes ao oseltamivir durante o tratamento foi mais frequente em crianças do que em adultos, variando de menos de 1% em adultos a 18% em lactentes com idade inferior a 1 ano. As crianças que eram portadoras de vírus resistentes ao oseltamivir, em geral, eliminaram o vírus durante um período prolongado, comparativamente a indivíduos com vírus suscetíveis. Contudo, a resistência emergente ao tratamento com oseltamivir não afetou a resposta ao tratamento nem causou prolongamento dos sintomas de gripe.

População de Doentes

Doentes com Mutações de Resistência (%)

Fenotipagem *

Genotipagem e Fenotipagem

Adultos e adolescentes

0,62% (14/2253)

0,67% (15/2253)

 

 

 

Crianças (1-12 anos)

3,89% (66/1698)

4,24% (72/1698)

 

 

 

Lactentes (< 1 ano)

18,31% (13/71)

18,31% (13/71)

* A genotipagem completa não foi realizada em todos os estudos.

Em estudos clínicos conduzidos até à data, não tem havido evidência de aparecimento de resistência medicamentosa associada à utilização de oseltamivir em doentes imunocompetentes, na prevenção da gripe após exposição (7 dias), após exposição em grupos familiares (10 dias) e sazonal (42 dias). Não se observou resistência durante um estudo de profilaxia de 12 semanas em doentes imunocomprometidos.

Dados clínicos e de vigilância: Foram detetadas mutações naturais, associadas a reduzida suscetibilidade in vitro ao oseltamivir, em vírus da gripe A e B isolados de doentes não expostos ao oseltamivir. Foram isoladas estirpes resistentes, selecionadas durante o tratamento com oseltamivir, em doentes imunocompetentes e imunocomprometidos. Os doentes imunocomprometidos e as crianças mais novas têm um risco mais elevado de desenvolverem vírus resistentes ao oseltamivir durante o tratamento.

Foram encontradas mutações nas neuraminidases N1 e N2 em vírus resistentes ao oseltamivir isolados de doentes tratados com oseltamivir e em estirpes laboratoriais de vírus influenza resistentes ao oseltamivir. As mutações de resistência têm tendência para serem específicas de subtipo viral. Desde 2007, foi detetada esporadicamente resistência associada à mutação H275Y, que ocorre naturalmente nas estirpes H1N1 sazonais. A suscetibilidade ao oseltamivir e a prevalência destes vírus parecem variar sazonalmente e geograficamente. Em 2008, o H275Y foi encontrado em > 99% dos isolados de gripe H1N1 em circulação na Europa. Em 2009, a gripe H1N1 (“gripe suína”) foi

quase uniformemente suscetível ao oseltamivir, com notificações apenas esporádicas de resistência relacionada tanto com regimes de tratamento como de prevenção.

5. 2 Propriedades farmacocinéticas

Informações gerais

Absorção

O oseltamivir é prontamente absorvido a partir do trato gastrointestinal após administração oral de fosfato de oseltamivir (pró-fármaco), sendo extensamente convertido pelas esterases, predominantemente hepáticas, no metabolito ativo (carboxilato de oseltamivir). Pelo menos 75% de uma dose oral alcança a circulação sistémica sob a forma de metabolito ativo. A exposição ao pró- fármaco é inferior a 5% relativamente ao metabolito ativo. As concentrações plasmáticas do pró- fármaco e do metabolito ativo são proporcionais à dose e não são afetadas pela coadministração com alimentos.

Distribuição

No Homem, o valor médio do volume de distribuição do carboxilato de oseltamivir, no estado estacionário, é de aproximadamente 23 litros, um volume equivalente ao do fluido orgânico extracelular. Uma vez que a atividade da neuraminidase é extracelular, o carboxilato de oseltamivir distribui-se a todos os locais de disseminação do vírus influenza.

A ligação do carboxilato de oseltamivir às proteínas do plasma humano é negligenciável (aproximadamente 3%).

Biotransformação

O oseltamivir é extensamente convertido a carboxilato de oseltamivir por esterases localizadas predominantemente no fígado. Ensaios in vitro demonstraram que nem o oseltamivir nem o metabolito ativo, são um substrato ou um inibidor das principais isoformas do citocromo P450. Não foram identificados conjugados de fase 2 de qualquer dos compostos in vivo.

Eliminação

O oseltamivir absorvido é eliminado essencialmente (> 90%) pela conversão no carboxilato de oseltamivir. Este não sofre metabolização posterior sendo eliminado na urina. A concentração plasmática máxima do carboxilato de oseltamivir diminui com uma semivida de 6 a 10 horas, na maior parte dos indivíduos. O metabolito ativo é eliminado totalmente por excreção renal. A depuração renal (18,8 l/h) excede a taxa de filtração glomerular (7,5 l/h), indicando a ocorrência de secreção tubular para além da filtração glomerular. Menos de 20% de uma dose oral radiomarcada é eliminada nas fezes.

Outras populações especiais

População pediátrica

Lactentes com idade inferior a 1 ano: A farmacocinética, farmacodinâmica e segurança de oseltamivir foram avaliadas em dois estudos abertos não controlados que incluíram crianças com menos de um ano de idade infetadas pelo vírus da gripe (n = 135). A taxa de depuração do metabolito ativo, corrigida para o peso corporal, diminui em idades inferiores a um ano. A exposição aos metabolitos foi também mais variável nos lactentes mais novos. Os dados disponíveis indicam que a exposição após uma dose de 3 mg/kg, em lactentes com 0 – 12 meses de idade, origina exposição ao pró-fármaco e metabolito ativo que se admite como eficaz e com um perfil de segurança comparável ao observado em crianças com idade superior e em adultos que usaram a dose aprovada (ver secções 4.1 e 4.2). Os efeitos adversos notificados foram consistentes com o perfil de segurança estabelecido em crianças mais velhas.

Não existem dados disponíveis para lactentes com idade inferior a 1 ano para prevenção após exposição à gripe. A prevenção durante uma epidemia de gripe na comunidade não foi estudada em crianças com idade inferior a 12 anos.

Prevenção da gripe após a exposição em lactentes com idade inferior a 1 ano durante uma pandemia:

A simulação de uma dose diária de 3 mg/kg em lactentes com <1 ano demonstrou uma exposição no mesmo intervalo ou superior que uma dose diária de 75 mg em adultos. A exposição não excede a do tratamento de lactentes com <1 ano (3 mg/kg duas vezes por dia) e espera-se que resulte num perfil de segurança comparável (ver Secção 4.8). Não foram realizados estudos clínicos de profilaxia em lactentes com <1 ano.

Lactentes e crianças com idade igual ou superior a 1 ano: A farmacocinética do oseltamivir foi avaliada em ensaios de farmacocinética de dose única, realizados em lactentes, crianças e adolescentes com idade entre 1 e 16 anos. Estudaram-se os parâmetros farmacocinéticos de doses múltiplas num reduzido número de crianças envolvidas num ensaio de eficácia clínica. As crianças mais jovens eliminaram mais depressa o pró-fármaco e o seu metabolito ativo do que os adultos, o que resultou numa menor exposição para uma determinada dose expressa em mg/kg. Doses de 2 mg/kg originam exposições ao carboxilato de oseltamivir comparáveis às alcançadas nos adultos que receberam uma única dose de 75 mg (aproximadamente 1 mg/kg). A farmacocinética do oseltamivir em crianças e adolescentes com idade igual ou superior a 12 anos é semelhante à observada no adulto.

Idosos

No estado estacionário, a exposição ao metabolito ativo foi 25 a 35% maior em pessoas idosas (com idade entre 65 e 78 anos), comparativamente com a observada em adultos com idade inferior a 65 anos de idade, submetidos a tratamento com doses comparáveis de oseltamivir. Os valores do tempo de semivida observados em pessoas idosas foram semelhantes aos observados no adulto jovem. Com base na exposição e tolerabilidade ao fármaco, não é necessário o ajuste da dose em pessoas idosas, a não ser que haja evidência de compromisso renal moderado ou grave (depuração da creatinina inferior a 60 ml/min) (ver secção 4.2).

Compromisso renal

A administração de 100 mg de fosfato de oseltamivir, duas vezes por dia, durante 5 dias, a doentes com graus diversos de compromisso renal, demonstrou que a exposição ao carboxilato de oseltamivir é inversamente proporcional ao grau da função renal. Para estabelecimento da posologia, ver secção 4.2.

Compromisso hepático

Os estudos in vitro permitiram concluir que não é previsível que a exposição ao oseltamivir aumente de forma significativa, nem que a exposição ao metabolito ativo diminua significativamente, no doente com compromisso hepático (ver secção 4.2).

Mulheres grávidas

Uma análise farmacocinética de um grupo da população indica que o regime posológico de Ebilfumin, descrito na Secção 4.2 Posologia e modo de administração, resultou numa menor exposição (em média 30% ao longo de todos os trimestres) ao metabolito ativo em mulheres grávidas comparativamente com mulheres não grávidas. No entanto, a menor exposição prevista mantém-se acima das concentrações inibitórias (valores IC95) e num nível terapêutico para uma série de estirpes de vírus influenza. Adicionalmente, estudos observacionais evidenciam benefício do regime posológico atual nesta população de doentes. Assim, não se recomendam ajustes de dose em mulheres grávidas em tratamento ou em profilaxia para infeção pelo vírus influenza (ver secção 4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento).

5.3Dados de segurança pré-clínica

Os dados pré-clínicos não revelaram riscos especiais para o ser humano, segundo estudos convencionais de farmacologia de segurança, toxicidade de dose repetida e de genotoxicidade. Os resultados de estudos convencionais de carcinogenicidade em roedores indicaram uma tendência para um aumento dose-dependente da incidência de alguns tumores típicos das estirpes utilizadas. Considerando as margens de exposição, em relação à exposição esperada no Homem, esta tendência não altera a relação benefício-risco do oseltamivir nas indicações aprovadas.

Os estudos de teratologia foram realizados no rato e no coelho, com doses até 1.500 mg/kg/dia e 500 mg/kg/dia, respetivamente. Não se observaram efeitos sobre o desenvolvimento fetal. Um estudo da fertilidade no rato, com doses até 1.500 mg/kg/dia mostrou a inexistência de reações adversas em qualquer dos sexos. Em estudos realizados no rato, no período pré- e pós-natal, verificou-se atraso no parto, com 1.500 mg/kg/dia: a margem de segurança entre a exposição no Homem e a maior das doses desprovidas de efeito (500 mg/kg/dia), no rato, é de 480 vezes para o oseltamivir e de 44 vezes para o metabolito ativo, respetivamente. A exposição fetal no rato e no coelho foi aproximadamente 15 a 20% da materna.

Nas fêmeas de rato lactantes, o oseltamivir e o metabolito ativo são excretados no leite. Os dados limitados indicam que o oseltamivir e o metabolito ativo são excretados no leite humano. A extrapolação dos dados obtidos no animal fornece uma estimativa de 0,01 mg/dia e de 0,3 mg/dia para cada um dos compostos, respetivamente.

Observou-se um potencial para sensibilização cutânea ao oseltamivir num teste de “maximização” realizado na cobaia. Aproximadamente 50% dos animais tratados com a substância ativa não formulada mostraram eritema após provocação dos animais induzidos. Detetou-se irritação ocular reversível no coelho.

Enquanto que doses únicas orais muito elevadas do sal fosfato de oseltamivir, até à dose máxima testada (1.310 mg/kg), não provocaram reações adversas no rato adulto, tais doses originaram toxicidade em crias com 7 dias de idade, incluindo morte. Estas reações foram observadas com doses de 657 mg/kg e superiores. Com 500 mg/kg não se observaram reações adversas, incluindo no tratamento crónico (500 mg/kg/dia, administrados entre 7 e 21 dias após o parto).

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1Lista dos excipientes

Ebifulmin 30 mg cápsulas

Núcleo da cápsula

Amido pré-gelificado (proveniente de amido de milho)

Talco

Povidona (K-29/32)

Croscarmelose sódica

Fumarato sódico de estearilo

Invólucro da cápsula

Gelatina

Óxido de ferro amarelo (E172) Dióxido de titânio (E171)

Tinta de impressão

Shellac Glaze-45% (20% esterificado)

Óxido de ferro preto (E172) Propilenoglicol (E1520) Hidróxido de amónio 28% (E527)

Ebifulmin 45 mg cápsulas

Núcleo da cápsula

Amido pré-gelificado (proveniente de amido de milho) Talco

Povidona (K-29/32) Croscarmelose sódica Fumarato sódico de estearilo

Invólucro da cápsula

Gelatina

Dióxido de titânio (E171)

Tinta de impressão

Shellac Glaze-45% (20% esterificado) Óxido de ferro preto (E172) Propilenoglicol (E1520)

Hidróxido de amónio 28% (E527)

Ebifulmin 75 mg cápsulas

Núcleo da cápsula

Amido pré-gelificado (proveniente de amido de milho) Talco

Povidona (K-29/32) Croscarmelose sódica Fumarato sódico de estearilo

Invólucro da cápsula

Cabeça:

Gelatina

Óxido de ferro amarelo (E172) Dióxido de titânio (E171) Corpo:

Gelatina

Dióxido de titânio (E171)

Tinta de impressão

Shellac Glaze-45% (20% esterificado) Óxido de ferro preto (E172) Propilenoglicol (E1520)

Hidróxido de amónio 28% (E527)

6.2Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3Prazo de validade

5 anos

Conservação da suspensão preparada na farmácia

Validade de 3 semanas quando conservada a temperatura inferior a 25ºC.

Prazo de validade de 6 semanas a 2ºC – 8ºC.

6.4Precauções especiais de conservação

Não conservar acima de 25°C.

Condições de conservação da suspensão preparada na farmácia, ver secção 6.3.

6.5Natureza e conteúdo do recipiente

Blisters em PVC/PE/PVdC/Al ou recipientes em PEAD com tampa PEBD (e um excicante). Tamanho das embalagens 10 cápsulas.

6.6Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

Formulação extemporânea

Quando o pó de oseltamivir para a suspensão oral não se encontrar disponível

Oseltamivir pó para suspensão oral (6 mg/ml) fabricado comercialmente é a apresentação preferível para doentes pediátricos e adultos que tenham dificuldades em engolir cápsulas ou quando são necessárias doses mais baixas. Na eventualidade de oseltamivir pó para suspensão oral fabricado comercialmente não se encontrar disponível, o farmacêutico pode preparar uma suspensão (6 mg/ml) a partir de Ebilfumin cápsulas ou os doentes podem preparar a suspensão a partir das cápsulas em casa.

A preparação na farmácia é preferível à preparação em casa. A informação detalhada sobre a preparação em casa encontra-se no Folheto Informativo de Ebilfumin cápsulas em “Preparar Ebilfumin líquido em casa”.

Devem ser fornecidas seringas com volume e marcações adequados para administração da suspensão preparada na farmácia, assim como para os procedimentos envolvidos na preparação em casa. Em ambos os casos, os volumes corretos devem ser preferencialmente marcados nas seringas.

Manipulação galénica na farmácia

Suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia a partir das cápsulas

Adultos, adolescentes e lactentes e crianças com idade igual ou superior a 1 ano que sejam incapazes de engolir cápsulas intactas

Este procedimento descreve a preparação de uma suspensão de 6 mg/ml, que irá fornecer a um doente medicamento suficiente para 5 dias de tratamento ou 10 dias de profilaxia.

O farmacêutico pode preparar uma suspensão de 6 mg/ml a partir de Ebilfumin cápsulas 30 mg, 45 mg ou 75 mg, utilizando água contendo 0,05% p/v de benzoato de sódio, adicionado como conservante.

Em primeiro lugar, calcular o volume total que é necessário preparar e dispensar ao doente, para 5 dias de tratamento ou 10 dias de profilaxia. O volume total necessário é determinado pelo peso do doente, de acordo com a recomendação da tabela abaixo. Para permitir a extração do volume exato de até 10 doses (2 extrações por dose diária de tratamento durante 5 dias), a coluna que indica perdas na

medição deve ser considerada para a preparação.

Volume de suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia com base no peso do doente

Peso corporal Volume total a preparar para o peso

Volume total a preparar para o peso

(kg)

do doente

do doente

 

(ml)

(ml)

 

Perda de medição não considerada

Perda de medição considerada

10 kg a 15 kg

50 ml

60 ml ou 75 ml*

> 15 kg a 23 kg

75 ml

90 ml ou 100 ml*

> 23 kg a 40 kg

100 ml

125 ml

> 40 kg

125 ml

137,5 ml (ou 150 ml)*

* Dependendo da dosagem da cápsula utilizada.

Seguidamente é necessário determinar o número de cápsulas e a quantidade de veículo (água contendo 0,05% p/v de benzoato de sódio, adicionado como conservante) necessários à preparação do volume total (calculado pela tabela acima) da suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia, como apresentado na tabela abaixo:

Número de cápsulas e quantidade de veículo necessários à preparação do volume total da suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia

Volume total da

Número necessário de cápsulas de Ebilfumin

 

suspensão

 

(mg de oseltamivir)

 

 

manipulada a ser

 

 

 

Volume necessário de

preparada

75 mg

45 mg

30 mg

veículo

60 ml

Por favor utilizar

8 cápsulas

12 cápsulas

59,5 ml

 

uma dosagem

(360 mg)

(360 mg)

 

 

alternativa de

 

 

 

 

cápsulas*

 

 

 

75 ml

6 cápsulas

10 cápsulas

15 cápsulas

74 ml

 

(450 mg)

(450 mg)

(450 mg)

 

90 ml

Por favor utilizar

12 cápsulas

18 cápsulas

89 ml

 

uma dosagem

(540 mg)

(540 mg)

 

 

alternativa de

 

 

 

 

cápsulas*

 

 

 

100 ml

8 cápsulas

Por favor utilizar

20 cápsulas

98,5 ml

 

(600 mg)

uma dosagem

(600 mg)

 

 

 

alternativa de

 

 

 

 

cápsulas*

 

 

125 ml

10 cápsulas

Por favor utilizar

 

123,5 ml

 

(750 mg)

uma dosagem

25 cápsulas

 

 

 

alternativa de

(750 mg)

 

 

 

cápsulas*

 

 

137,5 ml

11 cápsulas

Por favor utilizar

Por favor utilizar

136 ml

 

(825 mg)

uma dosagem

uma dosagem

 

 

 

alternativa de

alternativa de

 

 

 

cápsulas*

cápsulas*

 

* Não existe associação desta dosagem de cápsulas que possa ser utilizada para atingir a concentração alvo; como tal, por favor utilizar uma dosagem alternativa de cápsulas.

Em terceiro lugar, seguir o procedimento abaixo para a preparação da suspensão de 6 mg/ml a partir de Ebilfumin cápsulas:

1.Num gobelé de vidro de tamanho adequado colocar a quantidade mencionada de água contendo 0,05% p/v de benzoato de sódio adicionado como conservante.

2.Abrir a quantidade especificada de Ebilfumin cápsulas e transferir o conteúdo de cada cápsula diretamente para a água conservada no gobelé de vidro.

3.Com um dispositivo de agitação adequado, agitar durante 2 minutos.

(Nota: A substância ativa, fosfato de oseltamivir, dissolve-se rapidamente em água. A suspensão é causada por alguns dos excipientes de Ebilfumin cápsulas, que são insolúveis.

4.Transferir a suspensão para um frasco de vidro âmbar ou de politereftalato de etileno (PET) âmbar. Pode utilizar-se um funil para evitar qualquer derramamento.

5.Fechar o frasco com uma tampa resistente à abertura por crianças.

6.Colocar um rótulo auxiliar no frasco com a indicação “Agitar Suavemente Antes de Utilizar”. (Nota: Esta suspensão manipulada dever ser agitada suavemente antes da administração para minimizar a tendência para entrada de ar.)

7.Informar os pais ou os prestadores de cuidados de que qualquer material remanescente deve ser eliminada após a conclusão da terapêutica. Recomenda-se que esta informação seja fornecida colocando um rótulo auxiliar no frasco ou adicionando uma frase nas instruções do rótulo da farmácia.

8.Colocar um rótulo com a data de validade adequada, de acordo com as condições de conservação (ver secção 6.3).

Colocar um rótulo da farmácia no frasco, incluindo o nome do doente, instruções posológicas, data de validade, nome do medicamento e qualquer outra informação requerida de acordo com os regulamentos locais das farmácias. Consultar as instruções posológicas adequadas na tabela abaixo.

Tabela posológica para a suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia a partir de Ebilfumin cápsulas, para lactentes e crianças com idade igual ou superior a 1 ano

Peso corporal

Posologia

Volume por dose

Dose para tratamento

Dose para profilaxia

(kg)

(mg)

6 mg/ml

(durante 5 dias)

(durante 10 dias)

10 kg a 15 kg

30 mg

5 ml

5 ml duas vezes por dia

5 ml uma vez por dia

> 15 kg a 23 kg

45 mg

7,5 ml

7,5 ml duas vezes por dia

7,5 ml uma vez por dia

> 23 kg a 40 kg

60 mg

10 ml

10 ml duas vezes por dia

10 ml uma vez por dia

> 40 kg

75 mg

12,5 ml

12,5 ml duas vezes por

12,5 ml uma vez por dia

Dispensar a suspensão preparada na farmácia com uma seringa oral graduada para medição de pequenas quantidades da suspensão. Se possível, marcar ou salientar na seringa oral a graduação correspondente à dose (de acordo com a tabela posológica acima) apropriada para cada doente.

A dose apropriada deve ser misturada, pelo prestador de cuidados de saúde, com uma quantidade igual de um alimento líquido doce, tal como água com açúcar, xarope de chocolate, xarope de cereja, coberturas de sobremesa (como caramelo ou molho de chocolate) para mascarar o sabor amargo.

Lactentes com idade inferior a 1 ano

Este procedimento descreve a preparação de uma suspensão de 6 mg/ml, que irá fornecer a um doente medicamento suficiente para 5 dias de tratamento ou 10 dias de profilaxia.

O farmacêutico pode preparar uma suspensão de 6 mg/ml a partir de Ebilfumin cápsulas 30 mg, 45 mg ou 75 mg, utilizando água contendo 0,05% p/v de benzoato de sódio, adicionado como conservante.

Em primeiro lugar, calcular o volume total que é necessário preparar e dispensar ao doente. O volume total necessário é determinado pelo peso do doente, de acordo com a recomendação da tabela abaixo. Para permitir a retirada do volume exato de até 10 doses (2 retiradas por dose diária de tratamento durante 5 dias), a coluna indicando perda de medição a ser considerada para a preparação.

Volume de suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia com base no peso do doente

Peso corporal

Volume total a preparar para o peso

Volume total a preparar para o peso

(kg)

do doente

do doente

 

(ml)

(ml)

 

Perda de medição não considerada

Perda de medição considerada

≤ 7 kg

até 40 ml

50 ml

> 7 kg a 10 kg

50 ml

60 ml ou 75 ml*

* Dependendo da dosagem da cápsula utilizada.

Seguidamente é necessário determinar o número de cápsulas e a quantidade de veículo (água contendo 0,05% p/v de benzoato de sódio, adicionado como conservante) necessários à preparação do volume total (calculado pela tabela acima) da suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia, como apresentado na tabela abaixo:

Número de cápsulas e quantidade de veículo necessários à preparação do volume total da suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia

Volume total da

Número necessário de cápsulas de Ebilfumin

 

suspensão

 

(mg de oseltamivir)

 

 

manipulada a ser

 

 

 

Volume necessário

preparada

75 mg

45 mg

30 mg

de veículo

50 ml

4 cápsulas

Por favor utilizar

10 cápsulas

49,5 ml

 

(300 mg)

uma dosagem

(300 mg)

 

 

 

alternativa de

 

 

 

 

cápsulas*

 

 

60 ml

Por favor utilizar

8 cápsulas

12 cápsulas

59,5 ml

 

uma dosagem

(360 mg)

(360 mg)

 

 

alternativa de

 

 

 

 

cápsulas*

 

 

 

75 ml

6 cápsulas

10 cápsulas

15 cápsulas

74 ml

 

(450 mg)

(450 mg)

(450 mg)

 

* Não existe associação desta dosagem de cápsulas que possa ser utilizada para atingir a concentração alvo; como tal, por favor utilizar uma dosagem alternativa de cápsulas.

Em terceiro lugar, seguir o procedimento abaixo para a preparação da suspensão de 6 mg/ml a partir de Ebilfumin cápsulas:

1.Num gobelé de vidro de tamanho adequado colocar a quantidade mencionada de água contendo 0,05% p/v de benzoato de sódio adicionado como conservante.

2.Abrir a quantidade especificada de Ebilfumin cápsulas e transferir o conteúdo de cada cápsula diretamente para a água conservada no gobelé de vidro.

3.Com um dispositivo de agitação adequado, agitar durante 2 minutos.

(Nota: A substância ativa, fosfato de oseltamivir, dissolve-se rapidamente em água. A suspensão é causada por alguns dos excipientes de Ebilfumin cápsulas, que são insolúveis.)

4.Transferir a suspensão para um frasco de vidro âmbar ou de politereftalato de etileno (PET) âmbar. Pode utilizar-se um funil para evitar qualquer derramamento.

5.Fechar o frasco com uma tampa resistente à abertura por crianças.

6.Colocar um rótulo auxiliar no frasco com a indicação “Agitar Suavemente Antes de Utilizar”. (Nota: Esta suspensão manipulada dever ser agitada suavemente antes da administração para minimizar a tendência para entrada de ar.)

7.Informar os pais ou os prestadores de cuidados de que qualquer solução remanescente deve ser eliminada após a conclusão da terapêutica. Recomenda-se que esta informação seja fornecida colocando um rótulo auxiliar no frasco ou adicionando uma frase nas instruções do rótulo da farmácia.

8.Colocar um rótulo com a data de validade adequada, de acordo com as condições de conservação (ver secção 6.3).

Colocar um rótulo da farmácia no frasco, incluindo o nome do doente, instruções posológicas, data de validade, nome do medicamento e qualquer outra informação requerida de acordo com os regulamentos locais das farmácias. Consultar as instruções posológicas adequadas na tabela abaixo.

Tabela posológica para a suspensão de 6 mg/ml preparada na farmácia a partir de Ebilfumin cápsulas, para lactentes com idade inferior a 1 ano

Peso corporal

 

 

 

 

Dimensão do

(arredondado

 

 

 

 

dispositivo a

ao 0,5 kg mais

 

Volume

Dose para

Dose para

utilizar

próximo)

Dose

por dose

tratamento

Profilaxia

(graduações de

 

(mg)

(6 mg/ml)

(durante 5 dias)

(durante 10 dias)

0,1 ml)

3 kg

9 mg

1,5 ml

1,5 ml

1,5 ml

2,0 ml ou 3,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

3,5 kg

10,5 mg

1,8 ml

1,8 ml

1,8 ml

2,0 ml ou 3,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

4 kg

12 mg

2,0 ml

2,0 ml

2,0 ml

3,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

4,5 kg

13,5 mg

2,3 ml

2,3 ml

2,3 ml

3,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

5 kg

15 mg

2,5 ml

2,5 ml

2,5 ml

3,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

5,5 kg

16,5 mg

2,8 ml

2,8 ml

2,8 ml

3,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

6 kg

18 mg

3,0 ml

3,0 ml

3,0 ml

3,0 ml (ou 5,0 ml)

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

6,5 kg

19,5 mg

3,3 ml

3,3 ml

3,3 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

7 kg

21 mg

3,5 ml

3,5 ml

3,5 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

7,5 kg

22,5 mg

3,8 ml

3,8 ml

3,8 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

8 kg

24 mg

4,0 ml

4,0 ml

4,0 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

8,5 kg

25,5 mg

4,3 ml

4,3 ml

4,3 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

9 kg

27 mg

4,5 ml

4,5 ml

4,5 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

9,5 kg

28,5 mg

4,8 ml

4,8 ml

4,8 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

10 kg

30 mg

5,0 ml

5,0 ml

5,0 ml

5,0 ml

 

 

 

duas vezes por dia

uma vez por dia

 

Dispensar a suspensão preparada na farmácia com uma seringa oral graduada para medição de pequenas quantidades da suspensão. Se possível, marcar ou salientar na seringa oral a graduação correspondente à dose (de acordo com a tabela posológica acima) apropriada para cada doente.

A dose apropriada deve ser misturada, pelo prestador de cuidados de saúde, com uma quantidade igual de um alimento líquido doce, tal como água com açúcar, xarope de chocolate, xarope de cereja, coberturas de sobremesa (como caramelo ou molho de chocolate) para mascarar o sabor amargo.

Preparação em casa

Quando oseltamivir pó para suspensão oral fabricado comercialmente não se encontrar disponível,

deve utilizar-se uma suspensão preparada na farmácia a partir de Ebilfumin cápsulas (instruções detalhadas acima). Se oseltamivir pó para suspensão oral fabricado comercialmente e a suspensão preparada na farmácia também não estiver disponível, Ebilfumin suspensão pode ser preparado em casa.

Quando as dosagens apropriadas das cápsulas se encontram disponíveis para a dose necessária, a dose é administrada abrindo a cápsula e misturando o seu conteúdo com uma colher de chá, no máximo, de um produto alimentar doce adequado. O sabor amargo pode ser mascarado por produtos tais como água com açúcar, xarope de chocolate, xarope de cereja, coberturas de sobremesa (como caramelo ou molho de chocolate). A mistura deve ser agitada e deve ser administrado ao doente todo o seu conteúdo. A mistura deve ser engolida imediatamente após a sua preparação.

Quando forem necessárias doses de 30 mg ou 45 mg e só se encontrarem disponíveis cápsulas de 75 mg, a preparação da suspensão de Ebilfumin envolve passos adicionais. As instruções detalhadas encontram-se na secção “Preparar Ebilfumin líquido em casa” do Folheto Informativo de Ebilfumin cápsulas.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Actavis Group PTC ehf. Reykjavíkurvegi 76-78 220 Hafnarfjörður Islândia

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Ebifulmin 30 mg cápsulas

EU/1/14/915/001 (10 cápsulas, blister)

EU/1/14/915/002 (10 cápsulas, recipiente)

Ebifulmin 45 mg cápsulas

EU/1/14/915/003 (10 cápsulas, blister)

EU/1/14/915/004 (10 cápsulas, recipiente)

Ebifulmin 75 mg cápsulas

EU/1/14/915/005 (10 cápsulas, blister)

EU/1/14/915/006 (10 cápsulas, recipiente)

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 22 de maio de 2014

10.DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência Europeia de Medicamentos: http://www.ema.europa.eu.

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados