Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Imprida (amlodipine (as besylate) / valsartan) – Resumo das características do medicamento - C09DB01

Updated on site: 07-Oct-2017

Nome do medicamentoImprida
Código ATCC09DB01
Substânciaamlodipine (as besylate) / valsartan
FabricanteNovartis Europharm Ltd

1.NOME DO MEDICAMENTO

Imprida 5 mg/80 mg comprimidos revestidos por película

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido revestido por película contém 5 mg de amlodipina (como besilato de amlodipina) e 80 mg de valsartan.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película

autorizado

 

Comprimido revestido por película, redondo, amarelo escuro, com bordos bisel dos, com impressão

“NVR” numa face e “NV” na outra face.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

não

Tratamento da hipertensão essencial.

 

Imprida é indicado em adultos cuja pressão arterial ão esteja adequadamente controlada com

amlodipina ou valsartan em monoterapia.

 

Medicamento

4.2 Posologia e modo de administração

 

Posologia

A dose recomendada de Imprida é de um comprimido por dia.

Imprida 5 mg/80 mg pode ser ad inistrado em doentes cuja pressão arterial não esteja adequadamente

controlada com 5 mg de

lodipina ou 80 mg de valsartan isoladamente.

Imprida pode ser tomado

om ou sem alimentos.

Recomenda-se a titulação individual da dose com os componentes (i.e. amlodipina e valsartan) antes da mudança para a associação de dose fixa. Quando for clinicamente apropriado, pode ser considerada a mudança direta da monoterapia para a associação de dose fixa.

Por conveniência, os doentes a tomar valsartan e amlodipina em comprimidos/cápsulas separados podem mudar para Imprida contendo os componentes nas mesmas doses.

Compromisso renal

Não existem dados clínicos disponíveis em doentes com compromisso renal grave. Não é necessário proceder a qualquer ajustamento da posologia em doentes com compromisso renal ligeiro a moderado. Recomenda-se a monitorização dos níveis de potássio e da creatinina em caso de compromisso renal moderado.

Compromisso hepático

Imprida é contraindicado em doentes com compromisso hepático grave (ver secção 4.3).

Deve ter-se cautela ao administrar Imprida a doentes com compromisso hepático ou perturbações obstrutivas das vias biliares (ver secção 4.4). Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado sem colestase, a dose máxima recomendada é de 80 mg de valsartan. Não foram estabelecidas recomendações de dose de amlodipina em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado. Ao alterar a terapêutica em doentes hipertensos elegíveis (ver secção 4.1) com compromisso hepático, para amlodipina ou Imprida, deve ser utilizada a dose mais baixa de amlodipina disponível em monoterapia ou em associação, respetivamente.

Idosos (idade igual ou superior a 65 anos)

Em doentes idosos é necessária precaução ao aumentar a posologia. Ao alterar a terapêutica em

doentes hipertensos idosos elegíveis (ver secção 4.1) para amlodipina ou Imprida, deve ser utilizada a

dose mais baixa de amlodipina disponível em monoterapia ou em associação, respetivamente.

População pediátrica

autorizado

 

A segurança e eficácia de Imprida em crianças com idade inferior a 18 anos não for m estabelecidas. Não existem dados disponíveis.

Modo de administração

Via oral.

Recomenda-se a ingestão de Imprida com um pouco de água.

Hipersensibilidade às substâncias ativas, aos derivadosnãoda di-hidropiridina ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

Compromisso hepático grave, cirrose biliarou colostase.

O uso concomitante de Imprida com medicamentos contendo aliscireno é contraindicado em doentesMedicamentocom diabetes mellitus ou c mpr misso renal (TFG <60 ml/min/1,73 m2) (ver secções 4.5 e 5.1).

Segundo e terceiro trimestres de gravidez (ver secções 4.4 e 4.6).

Hipotensão grave.

Choque (incluindo choque cardiogénico).

Obstrução do infundíbulo do ventrículo esquerdo (por ex. cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva e grau de estenose órtica elevado).

Insuficiência ardía a hemodinamicamente instável após enfarte agudo do miocárdio.

4.3 Contraindicações

Gravidez

Os Antagonistas dos Recetores da Angiotensina II (ARAII) não devem ser iniciados durante a gravidez. A não ser em situações em que a manutenção da terapêutica com ARAII seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar o tratamento deve ser alterado para anti-hipertensores cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com ARAII deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa (ver secções 4.3 e 4.6).

Doentes com hiponatremia e/ou hipovolémia

Em estudos controlados com placebo foi observada hipotensão acentuado em 0,4% dos doentes com hipertensão não complicada tratados com Imprida. Em doentes com um sistema renina-angiotensina ativado (tais como doentes com depleção do volume e/ou de sal tratados com doses elevadas de diuréticos) que estão a receber bloqueadores dos recetores da angiotensina, pode ocorrer hipotensão sintomática. Recomenda-se a correção desta situação antes da administração de Imprida ou supervisão médica cuidadosa no início do tratamento.

Se ocorrer hipotensão com Imprida, o doente deve ser colocado em posição supina e, se necessário, deve ser-lhe administrada uma perfusão intravenosa de soro fisiológico. Uma vez estabilizada a pressão arterial o tratamento pode ser continuado.

Hipercaliemia

A medicação concomitante com suplementos de potássio, diuréticos poupadores de potássio, substitutos do sal contendo potássio ou outros fármacos que possam aumentar os níveis de potássio (heparina, etc.) deve ser usada com precaução e com monitorização frequente dos níveis de potássio.

Estenose da artéria renal

Imprida deve ser utilizado com precaução no tratamento de hipertensão em doentes com estenose da artéria renal unilateral ou bilateral ou estenose de rim solitário dado que a u e a no sangue e a creatinina sérica podem aumentar nestes doentes.

Transplante renal

Até à data não existem dados de segurança sobre a utilização de Imprida em doentes submetidos a um

transplante renal recente.

não

autorizado

 

Compromisso hepático

 

 

 

O valsartan é eliminado na sua maior parte inalterado através da bílis. A semivida da amlodipina é

prolongada e os valores da AUC são superioresnos doe tes com compromisso da função hepática;

não foram determinadas recomendações de dosagem. Deve ter-se uma precaução particular ao

Em doentes com compromisso h pático ligeiro a moderado sem colestase, a dose máxima recomendada é de 80 mg de valsartan.

administrar Imprida a doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado ou perturbações obstrutivasMedicamentodas vias biliares.

Compromisso renal

Não é necessário pro eder qualquer ajustamento da posologia de Imprida em doentes com compromisso renal l ge ro a moderado (TFG >30 ml/min/1,73 m2). Recomenda-se a monitorização dos níveis de potássio e da creatinina em caso de compromisso renal moderado.

Hiperaldosteronismo primário

Os doentes com hiperaldosteronismo primário não devem ser tratados com o antagonista da angiotensina II valsartan uma vez que o seu sistema renina-angiotensina se encontra afetado pela patologia primária.

Angioedema

Foi notificado angioedema, incluindo edema da laringe e da glote, causando obstrução das vias aéreas e/ou edema da face, lábios, faringe e/ou língua em doentes tratados com valsartan. Alguns destes doentes apresentaram angioedema anteriormente com outros medicamentos, incluindo inibidores da ECA. Imprida deve ser imediatamente interrompido em doentes que desenvolveram angioedema e não deve voltar a ser administrado.

Insuficiência cardíaca/pós-enfarte do miocárdio

Em consequência da inibição do sistema renina-angiotensina podem ser esperadas alterações na função renal em indíviduos suscetíveis. Em doentes com insuficiência cardíaca grave cuja função renal possa depender da atividade do sistema renina-angiotensina, o tratamento com inibidores da ECA e

antagonistas dos recetores de angiotensina foi associado a oligúria e/ou urémia progressiva e (em casos raros) a insuficiência renal aguda e/ou morte. Foram notificados quadros semelhantes com valsartan. A avaliação de doentes com insuficiência cardíaca ou pós enfarte do miocárdio deve sempre incluir avaliação da função renal.

Num estudo de longa duração com amlodipina, controlado com placebo (PRAISE-2) em doentes com insuficiência cardíaca de etiologia não-isquémica das classes III e IV da NYHA (New York Heart Association Classification), a amlodipina foi associada a um aumento de notificações de edema pulmonar apesar da ausência de diferença significativa na incidência de agravamento da insuficiência cardíaca, em comparação com o placebo.

Os bloqueadores de canais de cálcio, incluindo a amlodipina, devem ser utilizados com precaução em doentes com insuficiência cardíaca congestiva, pois podem aumentar o risco futuro de acontecimentos cardiovasculares e mortalidade.

Estenose valvular aórtica e mitral

autorizado

 

 

Tal como com todos os outros vasodilatadores, deve ter-se um cuidado especial em

oentes com

estenose da válvula mitral ou estenose significativa da válvula aórtica que não seja

e grau elevado.

Duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

Existe evidência de que o uso concomitante de inibidores da ECA, antag nistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno aumenta o risco de hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda). O duplo bloqueio do SRAA através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou liscireno, é portanto, não recomendado (ver secções 4.5 e 5.1).

Se a terapêutica de duplo bloqueio for considerada absolutamentenão necessária, esta só deverá ser

utilizada sob a supervisão de um especialista e sujeita a uma monitorização frequente e apertada da

função renal, eletrólitos e pressão arterial. Os inibidores da ECA e os antagonistas dos recetores da

angiotensina II não devem ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética.

4.5 Interações medicamentosas outras formas de interação

Imprida nãoMedicamentofoi estudado em qualquer p pulação de doentes que não a hipertensa.

Interações frequentes com a associação

Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Imprida e outros medicamentos.

A ter em consideração aquando da utilização concomitante

Outros agentes anti-hipertensivos

Os agentes anti-hip rtensivos frequentemente usados (ex. bloqueadores alfa, diuréticos) e outros medicamentos que possam provocar efeitos adversos hipotensivos (ex. antidepressivos tricíclicos, bloqueadores alfa para tratamento da hipertrofia benigna da próstata) podem aumentar o efeito anti- hipertensivo da associação.

Interações associadas à amlodipina

Utilização concomitante não recomendada Toranja ou sumo de toranja

A administração de amlodipina com toranja ou sumo de toranja não é recomendada uma vez que a biodisponibilidade pode aumentar nalguns doentes, resultando em aumento do efeito de redução da pressão arterial.

Precaução requerida com a utilização concomitante de Inibidores do CYP3A4

A utilização concomitante de amlodipina com inibidores fortes ou moderados do CYP3A4 (inibidores das proteases, antifúngicos azóis, macrólidos como a eritromicina ou a claritromicina, verapamil e diltiazem) podem conduzir a um aumento significativo da exposição à amlodipina. A tradução clínica

destas variações farmacocinéticas pode ser mais pronunciada nos idosos. Monitorização clínica e ajuste de dose poderão assim, ser necessários.

Indutores do CYP3A4 (agentes anticonvulsivantes [ex. carbamazepina, fenobarbital, fenitoína, fosfenitoína, primidona], rifampicina, Hypericum perforatum)

Não existem dados disponíveis sobre o efeito dos indutores da CYP3A4 na amlodipina. O uso concomitante de indutores da CYP3A4 (por exemplo, rifampicina, Hypericum perforatum) pode originar concentrações plasmáticas mais baixas de amlodipina. A amlodipina deve ser utilizada com precaução quando administrada simultaneamente com indutores da CYP3A4.

Sinvastatina

A administração concomitante de doses múltiplas de 10 mg de amlodipina com 80 mg de sinvastatina resultou num aumento de 77% na exposição à sinvastatina comparativamente com a sinvastatina isoladamente. Recomenda-se limitar a dose diária de sinvastatina a 20 mg em doentes a tomar amlodipina.

Dantroleno (perfusão)

autorizado

 

Em animais, foram observadas fibrilhação ventricular letal e colapso cardiovascul r em associação com hipercaliemia, após administração de verapamil e dantroleno intravenoso. Devido ao risco de hipercaliemia, é recomendada que a administração concomitante de bloqueado es de canais de cálcio, como a amlodipina, seja evitada em doentes suscetíveis a hipertermia maligna e na manutenção da hipertermia maligna.

A ter em consideração aquando da utilização concomitante

Outras

 

 

não

 

 

 

Em estudos de interação clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina,

digoxina, varfarina ou ciclosporina.

 

Interações associadas ao valsartan

 

 

 

Utilização concomitante não recomendada

 

 

Lítio

Medicamento

 

 

 

 

 

Foram notificados aumentos reversíveis das c ncentrações séricas de lítio e toxicidade durante a

administração concomitante de lítio com i ibidores da enzima de conversão da angiotensina ou antagonistas dos recetores da angiot si a II, incluindo valsartan. Assim, durante o uso concomitante é recomendada a monitorização cuidadosa das concentrações séricas de lítio. Se for utilizado também um diurético, o risco de toxicidade por lítio pode ser presumivelmente potenciado com Imprida.

Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio e outras substâncias que possam aumentar os níveis de potássio

Se um medicamento que afete os níveis de potássio for prescrito em associação ao valsartan é aconselhável a monitorização dos níveis plasmáticos de potássio.

Requerida precaução com a utilização concomitante

Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo inibidores seletivos da COX-2, ácido acetilsalicílico (>3 g/dia) e AINEs não seletivos

Quando os antagonistas da angiotensina II são administrados simultaneamente com AINEs pode ocorrer a atenuação do efeito anti-hipertensivo. Adicionalmente, a utilização concomitante de antagonistas da angiotensina II e AINEs pode levar a um aumento do risco de degradação da função renal e a um aumento dos níveis plasmáticos de potássio. Assim, é recomendada a monitorização da função renal no início do tratamento, assim como hidratação adequada do doente.

Inibidores dos mediadores de transporte de captação (rifampicina, ciclosporina) ou transportador do efluxo (ritonavir)

Os resultados de um estudo in vitro com tecido de fígado humano indicam que o valsartan é um substrato do transportador de captação hepático OATP1B1 e do transportador do efluxo hepático MRP2. A administração concomitante de inibidores do transportador de captação (rifampicina, ciclosporina) ou transportador de efluxo (ritonavir) pode aumentar a exposição sistémica ao valsartan.

Bloqueio duplo do SRAA com ARA, inibidores da ECA ou aliscireno

Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina- aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA (ver secções 4.3, 4.4 e 5.1).

Outras

Em monoterapia com valsartan não se verificaram interações clinicamente significativas com as seguintes substâncias: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida.

4.6Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

autorizado

 

Amlodipina

A segurança da amlodipina na gravidez humana não foi estabelecida. Em estudos em nimais, foi observada toxicidade reprodutiva em doses elevadas (ver secção 5.3). A adm n str ção durante a gravidez só é recomendada quando não exista alternativa mais segura e a doença em si acarrete maior risco tanto para a mãe como para o feto.

Valsartan

A administração de Antagonistas dos Recetores da Angiotensina II (ARAIIs) não é recomendada durante o primeiro trimestre de gravidez (ver secção 4.4). A administração de ARAIIs é contraindicada durante o segundo e terceiro trimestresnãode gravidez (ver secções 4.3 e 4.4).

A evidência epidemiológica relativa ao risco de teratoge icidade após a exposição aos IECAs durante

o 1º trimestre de gravidez não é conclusiva; contudo,não é possível excluir um ligeiro aumento do

risco. Enquanto não existem dados de estudos epidemiológicos controlados relativos ao risco

associado aos antagonistas dos recetores da angiotensina II (ARAII), os riscos para esta classe de fármacos poderãoMedicamentoser semelhantes. A não ser que a manutenção do tratamento com ARAII seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar a medicação deve ser substituída por

terapêuticas anti-hipertensoras alt r ativas cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com ARAII deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa.

A exposição a ARAII dur nte o segundo e terceiro trimestres de gravidez está reconhecidamente associada à indução de toxi idade fetal em humanos (diminuição da função renal, oligohidrâmnio, atraso na ossificação o crânio) e toxicidade neonatal (insuficiência renal, hipotensão, hipercaliemia) (ver secção 5.3).

No caso de a exposição a ARAII ter ocorrido a partir do segundo trimestre de gravidez, recomenda-se a monitorização ultrassonográfica da função renal e dos ossos do crânio.

Lactentes cujas mães estiveram expostas a ARAII devem ser cuidadosamente observados no sentido de diagnosticar hipotensão (ver secções 4.3 e 4.4).

Amamentação

Não se encontra disponível informação sobre a utilização de Imprida durante o aleitamento, assim a terapêutica com Imprida não está recomendada e são preferíveis terapêuticas alternativas cujo perfil de segurança durante o aleitamento esteja melhor estabelecido, particularmente em recém-nascidos ou prematuros.

Fertilidade

Não existem estudos clínicos de fertilidade com Imprida.

Valsartan

Valsartan não teve efeitos adversos sobre o desempenho reprodutivo de ratos machos e fêmeas com doses orais até 200 mg/kg/dia. Esta dose é 6 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos assumem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente com 60-kg).

Amlodipina

Foram notificados casos de alterações bioquímicas reversíveis na cabeça dos espermatozoides em alguns doentes tratados com bloqueadores de canais de cálcio. Os dados clínicos sobre o potencial efeito da amlodipina na fertilidade são insuficientes. Num estudo efetuado em ratos, foram detetadas reações adversas na fertilidade de ratos machos (ver secção 5.3).

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Doentes a tomar Imprida e a conduzir veículos ou a utilizar máquinas devem ter em conta que podem ocorrer ocasionalmente tonturas ou fadiga.

A amlodipina pode ter uma influência ligeira a moderada na capacidadeautorizadode conduzir e utilizar

máquinas. Se os doentes em tratamento com amlodipina sentirem tonturas, dor de c beça, fadiga ou náuseas a capacidade de reação pode estar comprometida.

4.8Efeitos indesejáveis

Resumo do perfil de segurança

A segurança de Imprida foi avaliada em cinco estudos clínicos controlados com 5.175 doentes, dos quais 2.613 receberam valsartan em associação com amlodipina. As seguintes reações adversas foram as que ocorreram mais frequentemente ou as mais significativas ou mais graves: nasofaringite, gripe, hipersensibilidade, cefaleia, síncope, hipotensão ortostática, edema, edema depressível, edema facial,

edema periférico, fadiga, rubor, astenia e rubor cutâ eo.

Tabela de reações adversas

não

 

 

 

As reações adversas foram classificadas em classes de frequência usando a seguinte convenção: muito

frequentes (≥1/10); frequentes (≥1/100, <1/10); pouco frequentes (≥1/1.000, <1/100); raros

(≥1/10.000, <1/1.000); muito raros (<1/10.000), desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis).

Os efeitos indesejáveis são apresentados por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência.

Classes de

Reações adversas

 

Frequência

 

sistemas de

 

Imprida

Amlodipina

Valsartan

órgãos

 

 

 

 

 

MedDRA

 

 

 

 

Infeções e

Nasofaringite

Frequentes

--

--

infestações

Gripe

Frequentes

--

--

 

Medicamento

 

 

 

Doenças do

Hemoglobina e hematócrito

--

--

Desconheci

sangue e do

diminuídos

 

 

dos

sistema linfático

Leucopenia

--

Muito raros

--

 

 

Neutropenia

--

--

Desconheci

 

 

 

 

 

dos

 

 

Trombocitopenia, por vezes

--

Muito raros

Desconheci

 

 

com púrpura

 

 

dos

Doenças do

Hipersensibilidade

 

Raros

Muito raros

Desconheci

sistema

 

 

 

 

dos

imunitário

 

 

 

 

 

Doenças do

Anorexia

 

Pouco

--

--

metabolismo e da

 

 

Frequentes

 

 

nutrição

Hipercalcemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hiperglicemia

 

--

Muito raros

--

 

Hiperlipidemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hiperuricemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hipocalemia

 

Frequentes

--

--

 

Hiponatremia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Perturbações do

Depressão

 

--

Pouco

--

foro psiquiátrico

 

 

 

Frequentes

 

 

Ansiedade

 

Raros

--

--

 

Insónia/alterações do sono

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Alterações de humor

 

--

P uco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Confusão

 

--

Raros

--

Doenças do

Coordenação anormal

 

Pouco

--

--

sistema nervoso

 

 

Frequentes

autorizado

 

Tonturas

 

P uco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Tontura postural

 

Pouco

--

--

 

 

 

nãoFrequentes

 

 

 

Disgeusia

--

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Síndrome extrapiramidal

 

--

Desconheci

--

 

 

 

 

dos

 

 

Cefaleias

 

Frequentes

Frequentes

--

 

Hipertonia

 

--

Muito raros

--

 

Parestesia

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Neuropatia periférica,

 

--

Muito raros

--

 

neuropatia

 

 

 

 

 

Sonolência

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Síncope

 

--

Pouco

--

Medicamento

 

 

Frequentes

 

 

Tremor

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Hipoestesia

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

Afeções oculares

Perturbações da visão

 

Raros

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Perda de visão

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

Afeções do

Acufenos

 

Raros

Pouco

--

ouvido e do

 

 

 

Frequentes

 

labirinto

Vertigens

 

Pouco

--

Pouco

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

Cardiopatias

Palpitações

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Síncope

 

Raros

--

--

 

Taquicardia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Arritmias (incluindo

 

--

Muito raros

--

 

bradicardia, taquicardia

 

 

 

 

 

ventricular e fibrilhação

 

 

 

 

 

auricular)

 

 

 

 

 

Enfarte do miocárdio

 

--

Muito raros

--

Vasculopatias

Rubor

 

--

Frequentes

--

 

Hipotensão

 

Raros

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Hipotensão ortostática

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Vasculite

 

--

Muito raros

Desc nheci

 

 

 

 

 

os

Doenças

Tosse

 

Pouco

Muito raros

Pouco

respiratórias,

 

 

Frequentes

 

Frequentes

torácicas e do

Dispneia

 

--

Pouco

--

mediastino

 

 

 

Frequentes

 

 

Dor faringolaríngea

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Rinite

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

 

autorizado

Doenças

Desconforto abdominal, dor

P uco

Frequentes

Pouco

gastrointestinais

na zona superior do

 

Frequentes

 

Frequentes

 

abdómen

 

não

 

 

 

Mau hálito

--

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Obstipação

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Diarreia

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Boca seca

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Dispepsia

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Gastrite

 

--

Muito raros

--

 

Hiperplasia gengival

 

--

Muito raros

--

 

Náuseas

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Pancreatite

 

--

Muito raros

--

Medicamento

 

 

 

 

 

Vómitos

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

Afeções

Prova da função hepática

 

--

Muito

Desconheci

hepatobiliares

anormal, incluindo

 

 

raros*

dos

 

bilirrubinemia aumentada

 

 

 

 

Hepatite

 

--

Muito raros

--

 

Colestase intrahepática,

 

--

Muito raros

--

 

icterícia

 

 

 

 

Afeções dos

Alopécia

 

 

tecidos cutâneos

 

 

 

e subcutâneos

Angioedema

 

 

 

 

Dermatite bolhosa

 

 

 

 

Eritema

 

 

 

 

Eritema multiforme

 

 

 

 

Exantema

 

 

 

 

Hiperhidrose

 

 

 

 

Reação de fotosensibilidade

 

 

 

Prurido

 

 

 

 

Púrpura

 

 

 

 

Erupção cutânea

 

 

 

 

Descoloração da pele

 

 

 

 

Urticária e outras formas de

 

 

 

erupção cutânea

 

 

 

 

Dermatite exfoliativa

 

 

 

 

Síndrome de Stevens-

 

 

 

 

Johnson

 

 

 

Edema de Quincke

 

Afeções

 

Artralgia

 

 

Medicamento

 

musculosquelétic

 

 

as e dos tecidos

Dor nas costas

 

 

conjuntivos

 

 

 

 

 

Edema das articulações

 

 

 

 

Esp s os usculares

 

 

 

 

M algia

 

 

 

 

E ema dos tornozelos

 

 

 

 

Sensação de peso

 

 

Doenças renais e Creatininemia aumentada

 

 

urinárias

 

 

 

 

 

 

Perturbações da micção

 

 

 

 

Noctúria

 

 

 

 

Polaquiúria

 

 

 

 

Poliúria

 

 

 

 

Insuficiência e compromisso

 

 

 

renal

 

 

--Pouco--

 

Frequentes

 

--

Muito raros

Desconheci

 

 

dos

--

--

Desconheci

 

 

dos

Pouco

--

--

Frequentes

 

 

--

Muito raros

--

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

--Pouco--

 

autorizado

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

Desc nheci

 

Frequentes

os

--

Pouco

--

 

Frequentes

 

Pouco

Pouco

Desconheci

Frequentes

Frequentes

dos

--

Pouco

--

 

Frequentes

 

--

Muito raros

--

não--

Muito raros

--

--

Muito raros

--

--

Muito raros

--

Pouco

Pouco

--

Frequentes

Frequentes

 

Pouco

Pouco

--

Frequentes

Frequentes

 

Pouco

--

--

Frequentes

 

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

--Pouco Desconheci

 

Frequentes

dos

--

Frequentes

--

Raros

--

--

--

--

Desconheci

 

 

dos

--Pouco--

Frequentes

--Pouco--

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

Raros

--

--

--

--

Desconheci

 

 

dos

Doenças dos

Impotência

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

órgãos genitais e

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

da mama

Disfunção eréctil

 

 

 

Raros

 

--

--

 

 

 

Ginecomastia

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Perturbações

Astenia

 

 

 

Frequentes

 

Pouco

--

 

gerais e

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

alterações no

Desconforto, mal-estar

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

local de

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

administração

Fadiga

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

Pouco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Edema facial

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

 

 

Rubor, afrontamentos

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

autorizado

 

 

 

Dor no peito não cardíaca

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

Edema

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

--

 

 

 

Edema periférico

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

 

 

Dor

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

Edema depressível

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

Exames

 

Caliemia aumentada

 

 

 

--

 

--

Desconheci

 

complementares

 

 

 

 

 

 

 

dos

 

de diagnóstico

Aumento de peso

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

Perda de peso

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

não

 

Frequentes

 

 

*

Principalmente relacionado com colestase

 

 

 

 

Informação adicional sobre a associação

 

2,3

2,1

2,4

 

AmlodipinaMedicamento53,1

4,8

 

Edema periférico, um efeito secundário rec

nhecido para a amlodipina, foi normalmente observado

com menor incidência em doentes que receberam a associação amlodipina/valsartan do que nos que receberam amlodipina isoladam nte. Em ensaios clínicos controlados, em dupla ocultação, a incidência de edema periférico por dose foi a seguinte:

% de doentes com edema

Valsartan (mg)

 

 

 

 

 

 

periférico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3,0

 

5,5

2,4

1,6

 

0,9

 

 

 

2,5

 

8,0

 

2,3

5,4

2,4

 

3,9

 

(mg)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10,3

 

 

ND

 

ND

9,0

 

9,5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A incidência média de edema periférico ponderada com todas as doses foi de 5,1% com a associação amlodipina/valsartan.

Informação adicional sobre os componentes individuais

As reações adversas previamente notificadas com um dos componentes individuais (amlodipina ou valsartan) podem ser também potenciais reações adversas de Imprida, mesmo que não tenham sido observados em ensaios clínicos ou durante o período pós-comercialização.

Amlodipina

 

 

Frequentes

Sonolência, tonturas, palpitações, dores abdominais, náuseas, edema dos

 

tornozelos.

 

Pouco

Insónias, alterações do humor (incluindo ansiedade), depressão, tremores,

frequentes

disgeusia, síncope, hipoestesia, alterações da visão (incluindo diplopia), zumbidos,

 

hipotensão, dispneia, rinite, vómitos, dispepsia, alopécia, púrpura, descoloração da

 

pele, hipersudorese, prurido, exantema, mialgias, câibras musculares, dor,

 

alterações da micção, aumento da frequência urinária, impotência, ginecomastia,

 

dor torácica, mal-estar geral, aumento de peso, diminuição de peso.

Raros

Confusão.

 

Muito raros

Leucopenia, trombocitopenia, reação alérgica. hiperglicemia, hipertonia, neuropatia

 

periférica,enfarte do miocárdio, arritmia (incluindo bradicardia, taquicardia

 

ventricular e fibrilhação auricular), vasculite, pancreatite, gastrite, hiperplasia

 

gengival, hepatite, icterícia e aumento das enzimas hepáticas*, angioedema, eritema

 

multiforme, urticária, dermatite exfoliativa, síndrome de Stevens-Johnson, edema

 

de Quincke, fotosensibilidade..

 

* Principalmente relacionado com colestase

 

Foram notificados casos excecionais de síndrome extrapiramidal.

Valsartan

 

 

Desconhecidos

Diminuição dos valores de hemoglobina, diminuição do hematócrito, neutropenia,

 

trombocitopenia, aumento do potássio sérico, elevação dos valores da função

 

hepática incluindo aumento da bilirrubina séric , compromisso renal e insuficiência

 

renal, aumento da creatinina sérica, angioedem , mialgia, vasculite,

 

 

autorizado

 

hipersensibilidade incluindo doença do s ro.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma

não

 

 

 

vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos

profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional deMedicamentonotificação mencionado no Apêndice V.

4.9 Sobredosagem

Sintomas

Não há experiência de sobredosagem com Imprida. O principal sintoma de sobredosagem com valsartan é possivelmente hipotensão acentuada com tonturas. A sobredosagem com amlodipina pode resultar em vasodilatação periférica excessiva e, possivelmente, taquicárdia reflexa. Foram descritas hipotensão sistémica acentuada e potencialmente prolongada até, e incluindo, choque com desfecho fatal.

Tratamento

Se a ingestão é recente podem ser consideradas indução do vómito ou lavagem gástrica. A administração de carvão ativado a voluntários saudáveis imediatamente ou até duas horas após a ingestão de amlodipina demonstrou diminuir significativamente a absorção de amlodipina. A hipotensão clinicamente significativa devido a sobredosagem de Imprida requer suporte cardiovascular ativo, incluindo a monitorização frequente das funções cardíaca e respiratória, elevação dos membros inferiores, vigilância da volémia e do débito urinário. Um vasoconstritor pode auxiliar a restabelecer o tónus vascular e a pressão arterial, desde que não haja qualquer contraindicação à sua utilização. O gluconato de cálcio intravenoso pode ser benéfico na reversão dos efeitos do bloqueio dos canais de cálcio.

Não é provável que o valsartan e a amlodipina sejam eliminados por hemodiálise.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: agentes com ação sobre o sistema renina-angiotensina, antagonistas da angiotensina II, associações, antagonistas da angiotensina II e bloqueadores da entrada do cálcio, código ATC: C09DB01

Imprida associa dois compostos anti-hipertensivos com mecanismos de ação complementares para controlar a pressão arterial em doentes com hipertensão essencial: a amlodipina pertence à classe dos antagonistas do cálcio e o valsartan à classe de medicamentos dos antagonistas da angiotensina II. A associação destas substâncias tem um efeito anti-hipertensivo aditivo, reduzindo a pressão arterial em maior grau do que qualquer um dos seus componentes isoladamente.

Amlodipina/Valsartan

A associação de amlodipina e valsartan produz uma redução aditiva relacionada com a dose na pressão autorizado

arterial ao longo do seu intervalo de dose terapêutica. O efeito anti-hipertensor de uma d se única da associação persistiu durante 24 horas.

Ensaios controlados com placebo

Mais de 1.400 doentes hipertensos receberam Imprida uma vez por dia em do s ensaios controlados

com placebo. Forem incluídos adultos com hipertensão essencial ligeira a m derada não complicada (pressão arterial diastólica média na posição sentada 95 e <110 mmHg). F ram excluídos doentes com risco cardiovascular elevado – insuficiência cardíaca, diabetes tipo I e diabetes tipo II

insuficientemente controlada e antecedentes de enfarte do miocárdio ou AVC no intervalo de um ano.

Ensaios controlados com fármaco ativo em doentes quenãonão responderam à monoterapia

Um ensaio clínico multicêntrico, aleatorizado, sob dupla ocultação, controlado com ativo, de grupos paralelos demonstrou normalização da pressão arterial (pressão arterial diastólica na posição sentada <90 mmHg no final do ensaio) em doentes insuficientementecontrolados com valsartan 160 mg em

75% dos doentes tratados com amlodipina/valsartan 10 mg/160 mg e em 62% dos doentes tratados com amlodipina/valsartanMedicamento5 mg/160 mg, em c mparação com 53% dos doentes que permaneceram com valsartan 160 mg. A adição de aml dipina 10 mg e 5 mg produziu uma redução adicional na

pressão arterial sistólica/diastólica de 6,0/4,8 mmHg e 3,9/2,9 mmHg, respetivamente, em comparação com os doentes que continuaram ap as com valsartan 160 mg.

Um ensaio multicêntrico, aleatorizado, sob dupla ocultação, controlado com ativo, de grupos paralelos demonstrou normalização da pressão arterial (pressão arterial diastólica na posição sentada <90 mmHg no final do ensaio) em doentes insuficientemente controlados com amlodipina 10 mg em 78% dos doentes tratados com amlodipina/valsartan 10 mg/160 mg, em comparação com 67% dos doentes que permaneceram com amlodipina 10 mg. A adição de valsartan 160 mg produziu uma redução adicional na pressão art rial sistólica/diastólica de 2,9/2,1 mmHg em comparação com os doentes que continuaram apenas com amlodipina 10 mg.

Imprida também foi estudado num estudo controlado com ativo de 130 doentes hipertensos com pressão arterial diastólica média na posição sentada ≥110 mmHg e <120 mmHg. Neste estudo (pressão arterial inicial de 171/113 mmHg), um regime de Imprida de 5 mg/160 mg titulado até 10 mg/160 mg reduziu a pressão arterial na posição sentada em 36/29 mmHg em comparação com 32/28 mmHg com um regime de lisinopril/hidroclorotiazida 10 mg/12,5 mg titulado até 20 mg/12,5 mg.

Em dois estudos de follow-up de longa duração o efeito de Imprida foi mantido durante mais de um ano. A interrupção súbita de Imprida não esteve associada a um rápido aumento da pressão arterial.

A idade, o sexo, a raça ou o índice de massa corporal (≥30 kg/m2, <30 kg/m2) não influenciam a resposta ao Imprida.

Imprida não foi estudado em qualquer população de doentes que não a hipertensa. O valsartan foi estudado em doentes após enfarte do miocárdio e com insuficiência cardíaca. A amlodipina foi estudada em doentes com angina vasospática e doença das artérias coronárias documentada angiograficamente.

Amlodipina

O componente amlodipina de Imprida inibe a entrada transmembranar de iões de cálcio na musculatura lisa cardíaca e vascular. O mecanismo da ação anti-hipertensivo da amlodipina deve-se a um efeito relaxante direto no músculo liso vascular, que provoca reduções na resistência vascular periférica e na pressão arterial. Dados experimentais sugerem que a amlodipina se liga a ambos os locais de ligação da di-hidropiridina e não-di-hidropiridina. O processo contráctil do músculo cardíaco e do músculo liso vascular dependem do movimento de iões cálcio extracelulares nestas células através de canais iónicos específicos.

Após a administração de doses terapêuticas a doentes com doses com hipertensão, a amlodipina

Em doentes hipertensos com função renal normal, doses terapêuticasautorizadode amlodipina resultaram numa diminuição na resistência vascular renal e num aumento da taxa de filtração glomerular e fluxo

produz vasodilatação, resultando na redução das pressões arteriais nas posições supina e rt stática.

Com a administração crónica, estas reduções na pressão arterial não são acompanha as por uma alteração significativa na frequência cardíaca ou níveis de plasmáticos de catecol min s.

As concentrações plasmáticas estão correlacionadas com o efeito quer em doentes jovens, quer em idosos.

plasmático renal efetivo, sem alteração na fração de filtração ou proteinúria.

Tais como com outros bloqueadores dos canais de cálcio, as determinações hemodinâmicas da função

cardíaca em repouso e durante exercício (ou pacing) em doentes com função ventricular normal

tratados com amlodipina demonstraram geralmente um pequeno aumento no indíce cardíaco, sem

não

influência significativa na dP/dt ou na pressão ou volume ventricular esquerda diastólica. Em estudos

hemodinâmicos, a amlodipina não foi associada a um efeito inotrópico negativo quando administrada no intervalo de doses terapêuticas a animais intactos ou a humanos, mesmo quando administrada simultaneamente com bloqueadores be a a humanos.

UtilizaçãoMedicamentoem doentes com hipertensão

A amlodipina não altera a função nodal sinoauricular ou a condução auriculo-ventricular em animais intactos ou em humanos. Em estudos clínicos nos quais a amlodipina foi administrada em associação

com bloqueadores beta

doentes com hipertensão ou angina, não foram observados efeitos adversos

nos parâmetros eletro

rdiográficos.

Um estudo de morbilidade-mortalidade, em dupla ocultação, aleatorizado, denominado

Antihypertensive and Lipid-Lowering treatment to prevent Heart Attack Trial (ALLHAT) foi realizado para comparar terapêuticas mais recentes: amlodipina 2,5-10 mg/por dia (antagonista dos canais do cálcio) ou lisinopril 10-40 mg/dia (inibidor da ECA) como terapêuticas de primeira linha com diuréticos tiazídicos, clortalidona 12,5-25 mg por dia na hipertensão ligeira a moderada.

Um total de 33.357 doentes hipertensos com idade igual ou superior a 55 anos foram aleatorizados e acompanhados durante uma média de 4,9 anos. Os doentes tinham pelo menos um fator de risco adicional de doença coronária, incluindo: enfarte do miocárdio anterior ou acidente vascular cerebral (>6 meses antes da inclusão) ou outra doença cardiovascular aterosclerótica documentada (global 51,5%), diabetes tipo 2 (36,1%), colesterol - lipoproteína de alta densidade <35 mg/dl ou

<0,906 mmol/l (11,6%), hipertrofia ventricular esquerda diagnosticada por eletrocardiograma ou ecocardiografia (20,9%), fumador atual (21,9%).

O objetivo primário foi um conjunto de doença coronária fatal ou enfarte do miocárdio não-fatal. Não houve diferença significativa no objetivo primário entre a terapêutica baseada em amlodipina e a terapêutica baseada em clortalidona: razão do risco (RR) 0,98; 95% IC (0,90-1,07) p=0,65. Entre os objetivos secundários, a incidência de insuficiência cardíaca (componente de um objetivo cardiovascular composto) foi significativamente superior no grupo da amlodipina comparativamente com o grupo de clortalidona (10,2% versus 7,7%, RR 1,38; 95% IC [1,25-1,52] p<0,001). No entanto, não houve diferença significativa na mortalidade por todas as causas entre a terapêutica baseada em amlodipina e a terapêutica baseada em clortalidona RR 0,96; 95% IC [0,89-1,02] p=0,20.

Valsartan

O valsartan é um antagonista dos recetores da angiotensina II específico, potente e oralmente ativo. Atua de forma seletiva no subtipo de recetores AT1, que é responsável pelas ações conhecidas da angiotensina II. O aumento dos níveis plasmáticos de angiotensina II após o bloqueio dos recetores

AT1 com valsartan pode estimular os recetores do subtipo AT2 não bloqueados, que parecem

contrabalançar o efeito dos recetores AT1. O valsartan não apresenta qualquer atividade agonista

 

autorizado

parcial no recetor AT1 e apresenta uma afinidade muito maior para o recetor AT1

(20.000 vezes

superior) do que para o recetor AT2.

 

 

O valsartan não inibe a ECA, também conhecida como quininase II, que converte

ngiotensina I em

angiotensina II e degrada a bradiquinina. Uma vez que não há efeito na ECA nem potenciação da

bradiquinina ou substância P é improvável que os antagonistas da angi tensina II estejam associados a tosse. Nos ensaios clínicos em que valsartan foi comparado com um inibid r da ECA, a incidência de tosse seca foi significativamente menor (p <0,05) nos doentes tratados com valsartan do que nos doentes tratados com um inibidor da ECA (2,6% versus 7,9%, respetivamente). Num ensaio clínico realizado em doentes com história de tosse seca durante a terapêutica com inibidor da ECA, ocorreu tosse em 19,5% dos indivíduos tratados com valsartan e em 19,0% dos tratados com um diurético tiazídico, comparativamente a 68,5% dos indivíduos tratados com um inibidor da ECA (p <0,05). O valsartan não se liga nem bloqueia outros recetores hormonais ou canais iónicos reconhecidamente

importantes na regulação cardiovascular.

não

 

A administração de valsartan a doentes com hipertensão provoca uma redução da pressão arterial sem afetar a frequênciaMedicamentocardíaca.

Na maioria dos doentes, após a admi istração de uma dose oral única, o início da atividade anti- hipertensiva ocorre no intervalo de 2 horas, atingindo-se a redução máxima da pressão arterial no intervalo de 4-6 horas. O efeito anti-hipertensivo persiste ao longo de 24 horas após a administração. Durante a administração de doses repetidas, a redução máxima da pressão arterial com qualquer dose é geralmente obtida de orrid s 2-4 semanas, mantendo-se durante o tratamento prolongado. A interrupção súbita de valsartan não está associada a hipertensão de rebound ou a quaisquer outros efeitos clínicos a versos.

Outros: Duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

Dois grandes estudos aleatorizados e controlados (ONTARGET [“ONgoing Telmisartan Alone and in combination with Ramipril Global Endpoint Trial”] e VA NEPHRON-D [“The Veterans Affairs Nephropathy in Diabetes”]) têm examinado o uso da associação de um inibidor da ECA com um antagonista dos recetores da angiotensina II.

O estudo ONTARGET foi realizado em doentes com história de doença cardiovascular ou cerebrovascular, ou diabetes mellitus tipo 2 acompanhada de evidência de lesão de órgão-alvo. O estudo VA NEPHRON-D foi conduzido em doentes com diabetes mellitus tipo 2 e nefropatia diabética.

Estes estudos não mostraram nenhum efeito benéfico significativo nos resultados renais e/ou cardiovasculares e mortalidade, enquanto foi observado um risco aumentado de hipercaliemia, insuficiência renal aguda e/ou hipotensão, em comparação com monoterapia. Dadas as suas propriedades farmacodinâmicas semelhantes, estes resultados são também relevantes para outros inibidores da ECA e antagonistas dos recetores da angiotensina II.

Os inibidores da ECA e os antagonistas dos recetores da angiotensina II não devem assim, ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética (ver seção 4.4).

O estudo ALTITUDE (“Aliskiren Trial in Type 2 Diabetes Using Cardiovascular and Renal Disease Endpoints”) foi concebido para testar o benefício da adição de aliscireno a uma terapêutica padrão com um inibidor da ECA ou um antagonista dos recetores da angiotensina II em doentes com diabetes mellitus tipo 2 e doença renal crónica, doença cardiovascular ou ambas. O estudo terminou precocemente devido a um risco aumentado de resultados adversos. A morte cardiovascular e o acidente vascular cerebral foram ambos numericamente mais frequentes no grupo tratado com aliscireno, do que no grupo tratado com placebo e os acontecimentos adversos e acontecimentos adversos graves de interesse (hipercaliemia, hipotensão e disfunção renal) foram mais frequentemente notificados no grupo tratado com aliscireno que no grupo tratado com placebo.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

autorizado

Linearidade

A amlodipina e o valsartan exibem uma farmacocinética linear.

Amlodipina/Valsartan

Após a administração oral de Imprida, as concentrações plasmáticas máximas de valsartan e amlodipina são alcançadas em 3 e 6-8 horas, respetivamente. A taxa e a extensão da absorção de Imprida são equivalentes à biodisponibilidade do valsartan e da amlodipina quando administrados como comprimidos individuais.

Amlodipina

não

 

Absorção: Após a administração oral de doses terapêuticas de amlodipina isoladamente, as concentracões plasmáticas máximas de amlodipina são alcançadas em 6-12 horas. A biodisponibilidade

 

 

absoluta varia entre 64% e 80%. A biodisponibilidade da amlodipina não é afetada pela ingestão de

alimentos.

Medicamento

 

 

 

Distribuição: O volume de distribuição é de aproximadamente 21 l/kg. Estudos in vitro com

amlodipina demonstraram que aproximadamente 97,5% do fármaco em circulação está ligado às proteínas plasmáticas.

Biotransformação: A amlodipina é amplamente (aproximadamente 90%) metabolizada pelo fígado em metabolitos inativos.

Eliminação: A elim nação da amlodipina do plasma é bifásica, com uma semivida de eliminação terminal de aproxima amente 30 a 50 horas. Os níveis plasmáticos no estado estacionário são alcançados após a administração contínua durante 7-8 dias. Na urina são excretados dez por cento da amlodipina original e 60% de m tabolitos da amlodipina.

Valsartan

Absorção: Após a administração oral de valsartan isoladamente, as concentracões plasmáticas máximas de valsartan são alcançadas em 2-4 horas. A biodisponibilidade média absoluta é de 23%. Os alimentos reduzem a exposição (como determinado pela AUC) ao valsartan em cerca de 40% e as concentracões plasmáticas máximas (Cmáx) em cerca de 50%, embora aproximadamente a partir das

8 horas após a administração, as concentrações plasmáticas de valsartan sejam semelhantes nos grupos pós-prandial e em jejum. Esta redução da AUC não é, contudo, acompanhada por uma redução clinicamente significativa do efeito terapêutico e o valsartan pode, portanto, ser administrado com ou sem alimentos.

Distribuição: O volume de distribuição do valsartan no estado estacionário após administração intravenosa é de cerca de 17 litros, o que indica que o valsartan não se distribui extensivamente nos tecidos. O valsartan apresenta uma elevada taxa de ligação às proteínas séricas (94-97%), principalmente à albumina sérica.

Biotransformação: O valsartan não é transformado numa elevada extensão já que apenas 20% da dose é recuperada como metabolitos. Foi identificado um hidroximetabolito no plasma em baixas concentrações (menos do que 10% da AUC de valsartan). Este metabolito é farmacologicamente inativo.

Eliminação: O valsartan apresenta uma cinética de degradação multiexponencial (t½α <1 h e t½ß aproximadamente igual a 9 h).O valsartan é excretado principalmente nas fezes (cerca de 83% da dose) e na urina (cerca de 13% da dose), principalmente como composto inalterado. Após administração intravenosa, a depuração plasmática do valsartan é cerca de 2 l/h e a sua depuração renal é de 0,62 l/h (cerca de 30% da depuração total). A semivida do valsartan é de 6 horas.

Populações especiais

População pediátrica (idade inferior a 18 anos)

 

Não estão disponíveis dados de farmacocinética na população pediátrica.

Idosos (idade 65 anos ou superior)

autorizado

 

O tempo até às concentracões plasmáticas máximas de amlodipina é semelhante em oentes jovens e idosos. Em doentes idosos, a depuração da amlodipina tem tendência a dim nu r, provocando aumentos na área sob a curva (AUC) e semivida de eliminação. A AUC sistém ca média do valsartan é 70% mais elevada nos idosos do que nos jovens, pelo que é necessária p ecaução quando se aumenta a dose.

Compromisso renal

A farmacocinética da amlodipina não é significativamente influenci da pelo compromisso renal. Tal como esperado para um composto em que a depuração renal c ntribui para apenas 30% da depuração plasmática total, não foi observada qualquer correlaç o entre a função renal e a exposição sistémica ao valsartan.

Compromisso hepático

 

não

 

 

 

 

 

A informação clínica disponível sobre a administração da amlodipina em doentes com compromisso

Medicamento

 

 

hepático é muito limitada. Os doentes c

m c mpromisso hepático apresentam uma reduzida depuração

da amlodipina, com o consequente aume

o de aproximadamente 40-60% na AUC. Em média, em

doentes com doença hepática crónica ligeira a moderada, a exposição ao valsartan (determinada pelos valores da AUC) é o dobro da obs rvada em voluntários saudáveis (emparelhados por idade, sexo e peso). Deve ter-se cuidado em doentes com doença hepática (ver secção 4.2).

5.3 Dados de segur nça pré-clínica

Amlodipina/Valsartan

As reações adv rsas observadas em estudos em animais com possível relevância clínica foram as seguintes:

Foram observados sinais histopatológicos de inflamação da mucosa gástrica em ratos macho com uma exposição de cerca de 1,9 (valsartan) e 2,6 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. Com exposições superiores, verificou-se ulceração e erosão da mucosa do estômago em machos e fêmeas. Alterações semelhantes foram também observadas no grupo de valsartan isolado (exposição 8,5-11,0 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan).

Verificou-se um aumento da incidência e gravidade de basofilia/hialinização, dilatação e cilindros tubulares renais, assim como inflamação intersticial com predomínio de linfócitos e hipertrofia da camada média arteriolar com uma exposição de 8-13 (valsartan) e 7-8 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. Alterações semelhantes foram observadas no grupo de valsartan isolado (exposição 8,5-11,0 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan).

Num estudo de desenvolvimento embrio-fetal efetuado em ratos, foi observada um aumento da incidência de dilatações ureterais, malformações do esterno e vertebras e de falanges das patas dianteiras não ossificadas com exposições de cerca de 12 (valsartan) e 10 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. As dilatações dos ureteres também foram observadas no grupo tratado com valsartan isolado (exposição 12 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan). Neste estudo verificaram-se apenas sinais modestos de toxicidade materna (redução moderada do peso corporal). O nível de efeito não observado para efeitos no desenvolvimento foi observado com 3 (valsartan) e 4 (amlodipina) vezes a exposição clínica (com base na AUC).

Para os compostos isolados não se observou evidência de mutagenicidade, clastogenicidade ou carcinogenicidade.

Amlodipina

Toxicologia reprodutiva

Estudos de reprodução em ratos e ratinhos mostraram um atraso na data do parto, duração prolongada do trabalho de parto e diminuição da sobrevivência das crias em doses aproximadamente 50 vezes superiores à dose máxima recomendada para humanos, com base nas mg/kg.

Compromisso da fertilidade

Não houve efeito na fertilidade de ratos tratados com amlodipina (machos du ante 64 dias e fêmeas 14 dias antes do acasalamento) em doses até 10 mg/kg/dia (8 vezes* a d se máxima recomendada para o humano de 10 mg com base nas mg/m2 ). Noutro estudo com ratos, no qual os ratos machos eram tratados com besilato de amlodipina durante 30 dias com uma dose comparável à dose humana com base nas mg/kg, foi observada uma diminuição da hormona folíc lo-estimulante e da testosterona

assim como uma diminuição da densidade do esperma e do número de espermatídeos maduros e

células de Sertoli.

autorizado

 

Carcinogénese, mutagénese

Ratos e ratinhos tratados com amlodipina na dieta,duranãote dois anos, em concentrações calculadas

para fornecerem níveis de dose diária de 0,5, 1,25 e 2,5 mg/kg/dia não mostraram evidência de

carcinogenicidade. A dose mais elevada (para ratinhos, semelhante à, e para os ratos a duplicar*, dose máxima recomendadaMedicamentode 10 mg com base nas mg/m ) foi próxima da dose máxima tolerada para os ratinhos mas não para os ratos.

Estudos de mutagénese não demonstraram efeitos relacionados com o medicamento tanto a nível dos genes como dos cromosso as.

* baseado num peso de doente de 50 kg.

Valsartan

Os dados não clínicos não revelam qualquer risco especial para o ser humano baseados em estudos convencionais de s gurança farmacológica, toxicidade de dosagem repetida, genotoxicidade, potencial carcinogénico, toxicidade reprodutiva e do desenvolvimento.

Nos ratos, doses tóxicas a nível materno (600 mg/kg/dia) durante os últimos dias de gestação e aleitamento levaram a menor sobrevivência, menos aumento de peso e atraso no desenvolvimento (descolamento do pavilhão da orelha e abertura do canal auricular) das crias (ver secção 4.6). Estas doses em ratos (600 mg/kg/dia) foram aproximadamente 18 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos assumem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente de 60 kg).

Em estudos não clínicos de segurança, doses elevadas de valsartan (200 a 600 mg/kg de peso corporal) provocaram em ratos a redução dos parâmetros dos glóbulos vermelhos (eritrócitos, hemoglobina, hematócritos) e evidência de alterações hemodinâmicas renais (uremia levemente aumentada e hiperplasia tubular renal e basofilia nos machos). Estas doses em ratos (200 a 600 mg/kg/dia) foram aproximadamente 6 e 18 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos pressupõem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente de 60 kg).

Em macacos saguís com doses comparáveis, as alterações foram similares apesar de com maior gravidade, particularmente nos rins onde as alterações evoluíram para nefropatia incluindo aumento de ureia e creatinina no sangue.

Foram também verificadas em ambas as espécies hipertrofia das células renais justaglomerulares. Considerou-se que todas as alterações foram causadas pela ação farmacológica de valsartan, o qual produz uma hipotensão prolongada, particularmente nos macacos saguís. Para doses terapêuticas de valsartan no ser humano, a hipertrofia das células renais justaglomerulares parece não ter qualquer relevância.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1

Lista dos excipientes

 

 

autorizado

Núcleo do comprimido:

 

 

 

 

 

Celulose microcristalina

 

 

 

Crospovidona Tipo A

 

 

 

Sílica coloidal anidra

 

 

 

Estearato de magnésio

 

 

 

Revestimento:

 

 

 

Hipromelose

 

 

 

Dióxido de titânio (E171)

 

não

 

Óxido de ferro amarelo (E172)

 

 

 

 

 

Macrogol 4000

 

 

 

Talco

 

 

 

 

6.2

Incompatibilidades

 

 

 

 

 

 

 

Medicamento

 

 

 

Não aplicável.

 

 

 

6.3

Prazo de validade

 

 

 

3 anos.

 

 

 

 

6.4

Precauções espe is de conservação

 

 

 

Não conservar acima e 30°C.

 

 

 

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade.

6.5

Natureza e conteúdo do recipiente

 

 

 

Blisters de PVC/PVDC. Um blister contém 7, 10 ou 14 comprimidos revestidos por película. Apresentações: 7, 14, 28, 30, 56, 90, 98 ou 280 comprimidos revestidos por película e embalagens múltiplas contendo 280 (4x70 ou 20x14) comprimidos revestidos por película.

Blisters destacáveis de PVC/PVDC para dose unitária: Um blister contém 7, 10 ou 14 comprimidos revestidos por película.

Apresentações. 56, 98 ou 280 comprimidos revestidos por película.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Não existem requisitos especiais.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Novartis Europharm Limited

Frimley Business Park

Camberley GU16 7SR

Reino Unido

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/06/373/001

 

autorizado

 

 

EU/1/06/373/002

 

 

EU/1/06/373/003

 

 

EU/1/06/373/004

 

 

EU/1/06/373/005

 

 

EU/1/06/373/006

 

 

EU/1/06/373/007

 

 

EU/1/06/373/008

 

 

EU/1/06/373/025

 

 

EU/1/06/373/026

não

 

EU/1/06/373/027

 

EU/1/06/373/034

 

EU/1/06/373/037

 

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO

DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃOMedicamentoNO MERCADOAgência

1. NOME DO MEDICAMENTO
Imprida 5 mg/160 mg comprimidos revestidos por película
2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA
Cada comprimido revestido por película contém 5 mg de amlodipina (como besilato de amlodipina) e 160 mg de valsartan.
Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.
3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película

 

autorizado

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Indicações terapêuticas

Tratamento da hipertensão essencial.

Comprimido revestido por película, oval, amarelo escuro, com impressão “NVR” numa face e “ECE” na outra face.

Imprida é indicado em adultos cuja pressão arterial ão esteja adequadamente controlada com

Posologia

amlodipina ou valsartan em monoterapia.

 

não

 

 

4.2 Posologia e modo de administração

 

 

 

Medicamento

 

A dose recomendada de Imprida é de um comprimido por dia.

Imprida 5 mg/160 mg pode ser ad

inistrado em doentes cuja pressão arterial não esteja

adequadamente control da com 5

g de amlodipina ou 160 mg de valsartan isoladamente.

Imprida pode ser tomado om ou sem alimentos.

Recomenda-se a titulação individual da dose com os componentes (i.e. amlodipina e valsartan) antes da mudança para a associação de dose fixa. Quando for clinicamente apropriado, pode ser considerada a mudança direta da monoterapia para a associação de dose fixa.

Por conveniência, os doentes a tomar valsartan e amlodipina em comprimidos/cápsulas separados podem mudar para Imprida contendo os componentes nas mesmas doses.

Compromisso renal

Não existem dados clínicos disponíveis em doentes com compromisso renal grave. Não é necessário proceder a qualquer ajustamento da posologia em doentes com compromisso renal ligeiro a moderado. Recomenda-se a monitorização dos níveis de potássio e da creatinina em caso de compromisso renal moderado.

Compromisso hepático

Imprida é contraindicado em doentes com compromisso hepático grave (ver secção 4.3).

Deve ter-se cautela ao administrar Imprida a doentes com compromisso hepático ou perturbações obstrutivas das vias biliares (ver secção 4.4). Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado sem colestase, a dose máxima recomendada é de 80 mg de valsartan. Não foram estabelecidas recomendações de dose de amlodipina em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado. Ao alterar a terapêutica em doentes hipertensos elegíveis (ver secção 4.1) com compromisso hepático, para amlodipina ou Imprida, deve ser utilizada a dose mais baixa de amlodipina disponível em monoterapia ou em associação, respetivamente.

Idosos (idade igual ou superior a 65 anos)

Em doentes idosos é necessária precaução ao aumentar a posologia. Ao alterar a terapêutica em doentes hipertensos idosos elegíveis (ver secção 4.1) para amlodipina ou Imprida, deve ser utilizada a dose mais baixa de amlodipina disponível em monoterapia ou em associação, respetivamente.

População pediátrica

Hipersensibilidade às substâncias ativas, aos derivados daautorizadodi-hidropiridina ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

Compromisso hepático grave, cirrose biliar ounãocol stase.

O uso concomitante de Imprida com medicamentos contendo aliscireno é contraindicado em

doentes com diabetes mellitus ou compromisso re al (TFG <60 ml/min/1,73 m2) (ver secções 4.5 e 5.1).

Segundo e terceiro trimestres de gravidez (ver secções 4.4 e 4.6).

HipotensãoMedicamentograve.

Choque (incluindo choque cardi génic ).

Obstrução do infundíbulo do ve trículo esquerdo (por ex. cardiomiopatia hipertrófica obstrutivaessencial, nas doentes que planeiem engravidar o tratamento deve ser alterado para anti-hipertensoresA segurança e eficácia de Imprida em crianças com idade inferior a 18 anos não foram estabelecidas.

cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com ARAII deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa (ver secções 4.3 e 4.6).

Doentes com hiponatremia e/ou hipovolémia

Em estudos controlados com placebo foi observada hipotensão acentuado em 0,4% dos doentes com hipertensão não complicada tratados com Imprida. Em doentes com um sistema renina-angiotensina ativado (tais como doentes com depleção do volume e/ou de sal tratados com doses elevadas de diuréticos) que estão a receber bloqueadores dos recetores da angiotensina, pode ocorrer hipotensão sintomática. Recomenda-se a correção desta situação antes da administração de Imprida ou supervisão médica cuidadosa no início do tratamento.

Se ocorrer hipotensão com Imprida, o doente deve ser colocado em posição supina e, se necessário, deve ser-lhe administrada uma perfusão intravenosa de soro fisiológico. Uma vez estabilizada a pressão arterial o tratamento pode ser continuado.

Hipercaliemia

A medicação concomitante com suplementos de potássio, diuréticos poupadores de potássio, substitutos do sal contendo potássio ou outros fármacos que possam aumentar os níveis de potássio (heparina, etc.) deve ser usada com precaução e com monitorização frequente dos níveis de potássio.

Estenose da artéria renal

Imprida deve ser utilizado com precaução no tratamento de hipertensão em doentes com estenose da artéria renal unilateral ou bilateral ou estenose de rim solitário dado que a ureia no sangue e a creatinina sérica podem aumentar nestes doentes.

Transplante renal

autorizado

Até à data não existem dados de segurança sobre a utilização de Imprida em doentes submetidos a um transplante renal recente.

Compromisso hepático

O valsartan é eliminado na sua maior parte inalterado através da bílis. A sem v da da amlodipina é prolongada e os valores da AUC são superiores nos doentes com compr misso da função hepática; não foram determinadas recomendações de dosagem. Deve ter-se uma precaução particular ao administrar Imprida a doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado ou perturbações obstrutivas das vias biliares.

 

 

não

Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado sem colestase, a dose máxima

recomendada é de 80 mg de valsartan.

 

Compromisso renal

 

 

 

Não é necessário proceder a qualquer ajustamento da posologia de Imprida em doentes com

Os doentes com hiperaldosteronismo primário não devem ser tratados com o antagonista da angiotensina II valsartan u a vez que o seu sistema renina-angiotensina se encontra afetado pela patologia primária.

compromisso renal ligeiro a moderado (TFG >30 ml/min/1,73 m2). Recomenda-se a monitorização dos níveisMedicamentode potássio e da creatinina em caso de compromisso renal moderado. Hiperaldosteronismo primário

Angioedema

Foi notificado angioe ema, incluindo edema da laringe e da glote, causando obstrução das vias aéreas e/ou edema da fac , lábios, faringe e/ou língua em doentes tratados com valsartan. Alguns destes doentes apres ntaram angioedema anteriormente com outros medicamentos, incluindo inibidores da ECA. Imprida deve ser imediatamente interrompido em doentes que desenvolveram angioedema e não deve voltar a ser administrado.

Insuficiência cardíaca/pós-enfarte do miocárdio

Em consequência da inibição do sistema renina-angiotensina podem ser esperadas alterações na função renal em indíviduos suscetíveis. Em doentes com insuficiência cardíaca grave cuja função renal possa depender da atividade do sistema renina-angiotensina, o tratamento com inibidores da ECA e antagonistas dos recetores de angiotensina foi associado a oligúria e/ou urémia progressiva e (em casos raros) a insuficiência renal aguda e/ou morte. Foram notificados quadros semelhantes com valsartan. A avaliação de doentes com insuficiência cardíaca ou pós enfarte do miocárdio deve sempre incluir avaliação da função renal.

Num estudo de longa duração com amlodipina, controlado com placebo (PRAISE-2) em doentes com insuficiência cardíaca de etiologia não-isquémica das classes III e IV da NYHA (New York Heart Association Classification), a amlodipina foi associada a um aumento de notificações de edema pulmonar apesar da ausência de diferença significativa na incidência de agravamento da insuficiência cardíaca, em comparação com o placebo.

Os bloqueadores de canais de cálcio, incluindo a amlodipina, devem ser utilizados com precaução em doentes com insuficiência cardíaca congestiva, pois podem aumentar o risco futuro de acontecimentos cardiovasculares e mortalidade.

Estenose valvular aórtica e mitral

Tal como com todos os outros vasodilatadores, deve ter-se um cuidado especial em doentes com estenose da válvula mitral ou estenose significativa da válvula aórtica que não seja de grau elevado.

Duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

 

autorizado

Existe evidência de que o uso concomitante de inibidores da ECA, antagonistas dos recet

res da

angiotensina II ou aliscireno aumenta o risco de hipotensão, hipercaliemia e função renal

iminuída

(incluindo insuficiência renal aguda). O duplo bloqueio do SRAA através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno, é port nto, não recomendado (ver secções 4.5 e 5.1).

Se a terapêutica de duplo bloqueio for considerada absolutamente necessária, esta só deverá ser utilizada sob a supervisão de um especialista e sujeita a uma monitorização frequente e apertada da função renal, eletrólitos e pressão arterial. Os inibidores da ECA e os antagonistas dos recetores da

angiotensina II não devem ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética.

 

 

não

Imprida não foi estudado em qualquer população de doentes que não a hipertensa.

 

 

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de i teração

Interações frequentes com a associação

 

 

Medicamento

 

 

Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Imprida e outros medicamentos.

A ter em consideração aquando da utilização concomitante Outros agentes anti-hipertensivos

Os agentes anti-hipertensivos frequentemente usados (ex. bloqueadores alfa, diuréticos) e outros medicamentos que poss m provocar efeitos adversos hipotensivos (ex. antidepressivos tricíclicos, bloqueadores alfa para tr t mento da hipertrofia benigna da próstata) podem aumentar o efeito anti- hipertensivo da asso ação.

Interações associadas à amlodipina

Utilização concomitante não recomendada Toranja ou sumo de toranja

A administração de amlodipina com toranja ou sumo de toranja não é recomendada uma vez que a biodisponibilidade pode aumentar nalguns doentes, resultando em aumento do efeito de redução da pressão arterial.

Precaução requerida com a utilização concomitante de Inibidores do CYP3A4

A utilização concomitante de amlodipina com inibidores fortes ou moderados do CYP3A4 (inibidores das proteases, antifúngicos azóis, macrólidos como a eritromicina ou a claritromicina, verapamil e diltiazem) podem conduzir a um aumento significativo da exposição à amlodipina. A tradução clínica destas variações farmacocinéticas pode ser mais pronunciada nos idosos. Monitorização clínica e ajuste de dose poderão assim, ser necessários.

Indutores do CYP3A4 (agentes anticonvulsivantes [ex. carbamazepina, fenobarbital, fenitoína, fosfenitoína, primidona], rifampicina, Hypericum perforatum)

Não existem dados disponíveis sobre o efeito dos indutores da CYP3A4 na amlodipina. O uso concomitante de indutores da CYP3A4 (por exemplo, rifampicina, Hypericum perforatum) pode originar concentrações plasmáticas mais baixas de amlodipina. A amlodipina deve ser utilizada com precaução quando administrada simultaneamente com indutores da CYP3A4.

Sinvastatina

A administração concomitante de doses múltiplas de 10 mg de amlodipina com 80 mg de sinvastatina resultou num aumento de 77% na exposição à sinvastatina comparativamente com a sinvastatina isoladamente. Recomenda-se limitar a dose diária de sinvastatina a 20 mg em doentes a tomar amlodipina.

Dantroleno (perfusão)

Em animais, foram observadas fibrilhação ventricular letal e colapso cardiovascular em associação com hipercaliemia, após administração de verapamil e dantroleno intravenoso. Devido ao risco de

hipercaliemia, é recomendada que a administração concomitante de bloqueadores de canais de cálcio, autorizado

como a amlodipina, seja evitada em doentes suscetíveis a hipertermia maligna e na manutenção da hipertermia maligna.

A ter em consideração aquando da utilização concomitante

Outras

Em estudos de interação clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina.

Interações associadas ao valsartan

 

 

Utilização concomitante não recomendada

 

não

Lítio

 

 

 

Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a

administração concomitante de lítio com inibidores da e zima de conversão da angiotensina ou

 

 

antagonistas dos recetores da angiotensina II, inclui do valsartan. Assim, durante o uso concomitante é recomendada a monitorização cuidadosa das concentrações séricas de lítio. Se for utilizado também

um diurético, o risco de toxicidade por lítio pode ser presumivelmente potenciado com Imprida.

Se um medicamento que afete os nív is de potássio for prescrito em associação ao valsartan é aconselhável a monitorização dos níveis plasmáticos de potássio.

DiuréticosMedicamentopoupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio e outras substâncias que possam aum tar os níveis de potássio

Requerida precaução om utilização concomitante

Medicamentos anti- nflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo inibidores seletivos da COX-2, ácido acetilsalicílico (>3 g/dia) e AINEs não seletivos

Quando os antagonistas da angiotensina II são administrados simultaneamente com AINEs pode ocorrer a atenuação do efeito anti-hipertensivo. Adicionalmente, a utilização concomitante de antagonistas da angiotensina II e AINEs pode levar a um aumento do risco de degradação da função renal e a um aumento dos níveis plasmáticos de potássio. Assim, é recomendada a monitorização da função renal no início do tratamento, assim como hidratação adequada do doente.

Inibidores dos mediadores de transporte de captação (rifampicina, ciclosporina) ou transportador do efluxo (ritonavir)

Os resultados de um estudo in vitro com tecido de fígado humano indicam que o valsartan é um substrato do transportador de captação hepático OATP1B1 e do transportador do efluxo hepático MRP2. A administração concomitante de inibidores do transportador de captação (rifampicina, ciclosporina) ou transportador de efluxo (ritonavir) pode aumentar a exposição sistémica ao valsartan.

Bloqueio duplo do SRAA com ARA, inibidores da ECA ou aliscireno

Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina- aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA (ver secções 4.3, 4.4 e 5.1).

Outras

Em monoterapia com valsartan não se verificaram interações clinicamente significativas com as seguintes substâncias: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

autorizado

Amlodipina

 

A segurança da amlodipina na gravidez humana não foi estabelecida. Em estudos em animais, foi observada toxicidade reprodutiva em doses elevadas (ver secção 5.3). A administr ção urante a gravidez só é recomendada quando não exista alternativa mais segura e a doença em si acarrete maior risco tanto para a mãe como para o feto.

Valsartan

A administração de Antagonistas dos Recetores da Angiotensina II (ARAIIs) não é recomendada durante o primeiro trimestre de gravidez (ver secção 4.4). A administração de ARAIIs é contraindicada durante o segundo e terceiro trimestres de gravidez (ver secções 4.3 e 4.4).

A evidência epidemiológica relativa ao risco de teratogenicidadenão após a exposição aos IECAs durante

o 1º trimestre de gravidez não é conclusiva; contudo, ão é possível excluir um ligeiro aumento do risco. Enquanto não existem dados de estudosepidemiológicos controlados relativos ao risco

associado aos antagonistas dos recetores da angiotensina II (ARAII), os riscos para esta classe de fármacosMedicamentopoderão ser semelhantes. A não ser que a manutenção do tratamento com ARAII seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar a medicação deve ser substituída por

terapêuticas anti-hipertensoras alter a ivas cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com ARAII deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, d v rá ser iniciada terapêutica alternativa.

A exposição a ARAII dur nte o segundo e terceiro trimestres de gravidez está reconhecidamente associada à indução de toxi id de fetal em humanos (diminuição da função renal, oligohidrâmnio, atraso na ossificação do rânio) e toxicidade neonatal (insuficiência renal, hipotensão, hipercaliemia) (ver secção 5.3).

No caso de a exposição a ARAII ter ocorrido a partir do segundo trimestre de gravidez, recomenda-se a monitorização ultrassonográfica da função renal e dos ossos do crânio.

Lactentes cujas mães estiveram expostas a ARAII devem ser cuidadosamente observados no sentido de diagnosticar hipotensão (ver secções 4.3 e 4.4).

Amamentação

Não se encontra disponível informação sobre a utilização de Imprida durante o aleitamento, assim a terapêutica com Imprida não está recomendada e são preferíveis terapêuticas alternativas cujo perfil de segurança durante o aleitamento esteja melhor estabelecido, particularmente em recém-nascidos ou prematuros.

Fertilidade

Não existem estudos clínicos de fertilidade com Imprida.

Valsartan

Valsartan não teve efeitos adversos sobre o desempenho reprodutivo de ratos machos e fêmeas com doses orais até 200 mg/kg/dia. Esta dose é 6 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos assumem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente com 60-kg).

Amlodipina

Foram notificados casos de alterações bioquímicas reversíveis na cabeça dos espermatozoides em alguns doentes tratados com bloqueadores de canais de cálcio. Os dados clínicos sobre o potencial efeito da amlodipina na fertilidade são insuficientes. Num estudo efetuado em ratos, foram detetadas reações adversas na fertilidade de ratos machos (ver secção 5.3).

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Doentes a tomar Imprida e a conduzir veículos ou a utilizar máquinas devem ter em conta que podem ocorrer ocasionalmente tonturas ou fadiga.

A amlodipina pode ter uma influência ligeira a moderada na capacidadeautorizadode conduzir e utilizar

máquinas. Se os doentes em tratamento com amlodipina sentirem tonturas, dor de c beça, fadiga ou náuseas a capacidade de reação pode estar comprometida.

4.8 Efeitos indesejáveis

Resumo do perfil de segurança

A segurança de Imprida foi avaliada em cinco estudos clínicos controlados com 5.175 doentes, dos quais 2.613 receberam valsartan em associação com amlodipina. As seguintes reações adversas foram as que ocorreram mais frequentemente ou as mais significativas ou mais graves: nasofaringite, gripe, hipersensibilidade, cefaleia, síncope, hipotensão ortostática, edema, edema depressível, edema facial,

edema periférico, fadiga, rubor, astenia e rubor cutâ eo.

Tabela de reações adversas

não

 

 

 

As reações adversas foram classificadas em classes de frequência usando a seguinte convenção: muito

frequentes (≥1/10); frequentes (≥1/100, <1/10); pouco frequentes (≥1/1.000, <1/100); raros

(≥1/10.000, <1/1.000); muito raros (<1/10.000), desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis).

Os efeitos indesejáveis são apresentados por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência.

Classes de

Reações adversas

 

Frequência

 

sistemas de

 

Imprida

Amlodipina

Valsartan

órgãos

 

 

 

 

 

MedDRA

 

 

 

 

Infeções e

Nasofaringite

Frequentes

--

--

infestações

Gripe

Frequentes

--

--

 

Medicamento

 

 

 

Doenças do

Hemoglobina e hematócrito

--

--

Desconheci

sangue e do

diminuídos

 

 

dos

sistema linfático

Leucopenia

--

Muito raros

--

 

 

Neutropenia

--

--

Desconheci

 

 

 

 

 

dos

 

 

Trombocitopenia, por vezes

--

Muito raros

Desconheci

 

 

com púrpura

 

 

dos

Doenças do

Hipersensibilidade

 

Raros

Muito raros

Desconheci

sistema

 

 

 

 

dos

imunitário

 

 

 

 

 

Doenças do

Anorexia

 

Pouco

--

--

metabolismo e da

 

 

Frequentes

 

 

nutrição

Hipercalcemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hiperglicemia

 

--

Muito raros

--

 

Hiperlipidemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hiperuricemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hipocalemia

 

Frequentes

--

--

 

Hiponatremia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Perturbações do

Depressão

 

--

Pouco

--

foro psiquiátrico

 

 

 

Frequentes

 

 

Ansiedade

 

Raros

--

--

 

Insónia/alterações do sono

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Alterações de humor

 

--

P uco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Confusão

 

--

Raros

--

Doenças do

Coordenação anormal

 

Pouco

--

--

sistema nervoso

 

 

Frequentes

autorizado

 

Tonturas

 

P uco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Tontura postural

 

Pouco

--

--

 

 

 

nãoFrequentes

 

 

 

Disgeusia

--

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Síndrome extrapiramidal

 

--

Desconheci

--

 

 

 

 

dos

 

 

Cefaleias

 

Frequentes

Frequentes

--

 

Hipertonia

 

--

Muito raros

--

 

Parestesia

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Neuropatia periférica,

 

--

Muito raros

--

 

neuropatia

 

 

 

 

 

Sonolência

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Síncope

 

--

Pouco

--

Medicamento

 

 

Frequentes

 

 

Tremor

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Hipoestesia

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

Afeções oculares

Perturbações da visão

 

Raros

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Perda de visão

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

Afeções do

Acufenos

 

Raros

Pouco

--

ouvido e do

 

 

 

Frequentes

 

labirinto

Vertigens

 

Pouco

--

Pouco

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

Cardiopatias

Palpitações

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Síncope

 

Raros

--

--

 

Taquicardia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Arritmias (incluindo

 

--

Muito raros

--

 

bradicardia, taquicardia

 

 

 

 

 

ventricular e fibrilhação

 

 

 

 

 

auricular)

 

 

 

 

 

Enfarte do miocárdio

 

--

Muito raros

--

Vasculopatias

Rubor

 

--

Frequentes

--

 

Hipotensão

 

Raros

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Hipotensão ortostática

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Vasculite

 

--

Muito raros

Desc nheci

 

 

 

 

 

os

Doenças

Tosse

 

Pouco

Muito raros

Pouco

respiratórias,

 

 

Frequentes

 

Frequentes

torácicas e do

Dispneia

 

--

Pouco

--

mediastino

 

 

 

Frequentes

 

 

Dor faringolaríngea

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Rinite

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

 

autorizado

Doenças

Desconforto abdominal, dor

P uco

Frequentes

Pouco

gastrointestinais

na zona superior do

 

Frequentes

 

Frequentes

 

abdómen

 

não

 

 

 

Mau hálito

--

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Obstipação

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Diarreia

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Boca seca

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Dispepsia

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Gastrite

 

--

Muito raros

--

 

Hiperplasia gengival

 

--

Muito raros

--

 

Náuseas

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Pancreatite

 

--

Muito raros

--

Medicamento

 

 

 

 

 

Vómitos

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

Afeções

Prova da função hepática

 

--

Muito

Desconheci

hepatobiliares

anormal, incluindo

 

 

raros*

dos

 

bilirrubinemia aumentada

 

 

 

 

Hepatite

 

--

Muito raros

--

 

Colestase intrahepática,

 

--

Muito raros

--

 

icterícia

 

 

 

 

Afeções dos

Alopécia

 

 

tecidos cutâneos

 

 

 

e subcutâneos

Angioedema

 

 

 

 

Dermatite bolhosa

 

 

 

 

Eritema

 

 

 

 

Eritema multiforme

 

 

 

 

Exantema

 

 

 

 

Hiperhidrose

 

 

 

 

Reação de fotosensibilidade

 

 

 

Prurido

 

 

 

 

Púrpura

 

 

 

 

Erupção cutânea

 

 

 

 

Descoloração da pele

 

 

 

 

Urticária e outras formas de

 

 

 

erupção cutânea

 

 

 

 

Dermatite exfoliativa

 

 

 

 

Síndrome de Stevens-

 

 

 

 

Johnson

 

 

 

Edema de Quincke

 

Afeções

 

Artralgia

 

 

Medicamento

 

musculosquelétic

 

 

as e dos tecidos

Dor nas costas

 

 

conjuntivos

 

 

 

 

 

Edema das articulações

 

 

 

 

Esp s os usculares

 

 

 

 

M algia

 

 

 

 

E ema dos tornozelos

 

 

 

 

Sensação de peso

 

 

Doenças renais e Creatininemia aumentada

 

 

urinárias

 

 

 

 

 

 

Perturbações da micção

 

 

 

 

Noctúria

 

 

 

 

Polaquiúria

 

 

 

 

Poliúria

 

 

 

 

Insuficiência e compromisso

 

 

 

renal

 

 

Doenças dos

Impotência

 

 

órgãos genitais e

 

 

 

da mama

 

Disfunção eréctil

 

 

--Pouco--

 

Frequentes

 

--

Muito raros

Desconheci

 

 

dos

--

--

Desconheci

 

 

dos

Pouco

--

--

Frequentes

 

 

--

Muito raros

--

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

--Pouco--

 

autorizado

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

Desc nheci

 

Frequentes

os

--

Pouco

--

 

Frequentes

 

Pouco

Pouco

Desconheci

Frequentes

Frequentes

dos

--

Pouco

--

 

Frequentes

 

--

Muito raros

--

não--

Muito raros

--

--

Muito raros

--

--

Muito raros

--

Pouco

Pouco

--

Frequentes

Frequentes

 

Pouco

Pouco

--

Frequentes

Frequentes

 

Pouco

--

--

Frequentes

 

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

--Pouco Desconheci

 

Frequentes

dos

--

Frequentes

--

Raros

--

--

--

--

Desconheci

 

 

dos

--Pouco--

Frequentes

--Pouco--

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

Raros

--

--

--

--

Desconheci

 

 

dos

--Pouco--

 

Frequentes

 

Raros

--

--

 

 

Ginecomastia

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

Frequentes

 

Perturbações

Astenia

Frequentes

 

Pouco

--

gerais e

 

 

 

 

Frequentes

 

alterações no

Desconforto, mal-estar

--

 

Pouco

--

local de

 

 

 

 

Frequentes

 

administração

Fadiga

Frequentes

 

Frequentes

Pouco

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Edema facial

Frequentes

 

--

--

 

 

Rubor, afrontamentos

Frequentes

 

--

--

 

 

Dor no peito não cardíaca

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Edema

Frequentes

 

Frequentes

--

 

 

Edema periférico

Frequentes

 

--

--

 

 

Dor

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Edema depressível

Frequentes

 

--

--

Exames

 

Caliemia aumentada

--

 

--

Desconheci

complementares

 

 

 

 

dos

de diagnóstico

Aumento de peso

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Perda de peso

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

Frequentes

 

*

Principalmente relacionado com colestase

 

autorizado

 

 

 

 

Informação adicional sobre a associação

Edema periférico, um efeito secundário reconhecido para a amlodipina, foi normalmente observado

com menor incidência em doentes que receberam a associaçãonãoamlodipina/valsartan do que nos que

receberam amlodipina isoladamente. Em ensaios clínicos controlados, em dupla ocultação, a

 

 

Medicamento

 

 

 

 

 

 

 

 

 

incidência de edema periférico por dose f

i a seguinte:

 

 

 

 

 

 

 

 

% de doentes com edema

Valsartan (mg)

 

 

 

 

 

 

 

 

periférico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3,0

 

5,5

2,4

1,6

 

0,9

 

 

 

 

 

 

2,5

 

8,0

 

2,3

5,4

2,4

 

3,9

 

 

 

Amlodipina

 

 

3,1

 

4,8

2,3

2,1

 

2,4

 

 

 

(mg)

 

 

 

10,3

 

 

ND

 

ND

9,0

 

9,5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A incidência média de edema periférico ponderada com todas as doses foi de 5,1% com a associação amlodipina/valsartan.

Informação adicional sobre os componentes individuais

As reações adversas previamente notificadas com um dos componentes individuais (amlodipina ou valsartan) podem ser também potenciais reações adversas de Imprida, mesmo que não tenham sido observados em ensaios clínicos ou durante o período pós-comercialização.

Amlodipina

Frequentes Sonolência, tonturas, palpitações, dores abdominais, náuseas, edema dos tornozelos.

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos

Pouco

Insónias, alterações do humor (incluindo ansiedade), depressão, tremores,

frequentes

disgeusia, síncope, hipoestesia, alterações da visão (incluindo diplopia), zumbidos,

 

hipotensão, dispneia, rinite, vómitos, dispepsia, alopécia, púrpura, descoloração da

 

pele, hipersudorese, prurido, exantema, mialgias, câibras musculares, dor,

 

alterações da micção, aumento da frequência urinária, impotência, ginecomastia,

 

dor torácica, mal-estar geral, aumento de peso, diminuição de peso.

Raros

Confusão.

 

 

 

Muito raros

Leucopenia, trombocitopenia, reação alérgica. hiperglicemia, hipertonia, neuropatia

 

periférica,enfarte do miocárdio, arritmia (incluindo bradicardia, taquicardia

 

ventricular e fibrilhação auricular), vasculite, pancreatite, gastrite, hiperplasia

 

gengival, hepatite, icterícia e aumento das enzimas hepáticas*, angioedema, eritema

 

multiforme, urticária, dermatite exfoliativa, síndrome de Stevens-Johnson, edema

 

de Quincke, fotosensibilidade..

 

 

 

* Principalmente relacionado com colestase

 

 

 

Foram notificados casos excecionais de síndrome extrapiramidal.

 

Valsartan

 

 

 

 

Desconhecidos

Diminuição dos valores de hemoglobina, diminuição do hematócrito, neutropenia,

 

trombocitopenia, aumento do potássio sérico, elevação d

s valores da função

 

hepática incluindo aumento da bilirrubina sérica, c mpr

misso renal e insuficiência

 

renal, aumento da creatinina sérica, angioedema, mialgia, vasculite,

 

hipersensibilidade incluindo doença do soro.

 

Notificação de suspeitas de reações adversas

não

autorizado

 

 

 

 

 

 

 

 

profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas

através do sistema

nacional de notificação mencionado no Apêndice V

.

Medicamento

 

 

 

4.9 Sobredosagem

 

 

 

Sintomas

Não há experiência de sobredosag m com Imprida. O principal sintoma de sobredosagem com valsartan é possivelmente hipotensão acentuada com tonturas. A sobredosagem com amlodipina pode resultar em vasodilatação periférica excessiva e, possivelmente, taquicárdia reflexa. Foram descritas hipotensão sistémica a entu da e potencialmente prolongada até, e incluindo, choque com desfecho fatal.

Tratamento

Se a ingestão é r c nte podem ser consideradas indução do vómito ou lavagem gástrica. A administração de carvão ativado a voluntários saudáveis imediatamente ou até duas horas após a ingestão de amlodipina demonstrou diminuir significativamente a absorção de amlodipina. A hipotensão clinicamente significativa devido a sobredosagem de Imprida requer suporte cardiovascular ativo, incluindo a monitorização frequente das funções cardíaca e respiratória, elevação dos membros inferiores, vigilância da volémia e do débito urinário. Um vasoconstritor pode auxiliar a restabelecer o tónus vascular e a pressão arterial, desde que não haja qualquer contraindicação à sua utilização. O gluconato de cálcio intravenoso pode ser benéfico na reversão dos efeitos do bloqueio dos canais de cálcio.

Não é provável que o valsartan e a amlodipina sejam eliminados por hemodiálise.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: agentes com ação sobre o sistema renina-angiotensina, antagonistas da angiotensina II, associações, antagonistas da angiotensina II e bloqueadores da entrada do cálcio, código ATC: C09DB01

Imprida associa dois compostos anti-hipertensivos com mecanismos de ação complementares para controlar a pressão arterial em doentes com hipertensão essencial: a amlodipina pertence à classe dos antagonistas do cálcio e o valsartan à classe de medicamentos dos antagonistas da angiotensina II. A associação destas substâncias tem um efeito anti-hipertensivo aditivo, reduzindo a pressão arterial em maior grau do que qualquer um dos seus componentes isoladamente.

Amlodipina/Valsartan

autorizado

 

A associação de amlodipina e valsartan produz uma redução aditiva relacionada com a d

se na pressão

arterial ao longo do seu intervalo de dose terapêutica. O efeito anti-hipertensor de uma

ose única da

associação persistiu durante 24 horas.

 

 

 

Ensaios controlados com placebo

 

 

 

Mais de 1.400 doentes hipertensos receberam Imprida uma vez por dia em d

is ensaios controlados

com placebo. Forem incluídos adultos com hipertensão essencial ligeira a m

derada não complicada

(pressão arterial diastólica média na posição sentada 95 e <110 mmHg). Foram excluídos doentes com risco cardiovascular elevado – insuficiência cardíaca, di betes tipo I e diabetes tipo II insuficientemente controlada e antecedentes de enfarte do mi cárdio ou AVC no intervalo de um ano.

não paralelos demonstrou normalização da pressãoarterial (pressão arterial diastólica na posição sentada

Ensaios controlados com fármaco ativo em doentes que n o responderam à monoterapia

Um ensaio clínico multicêntrico, aleatorizado, sob dupla ocultação, controlado com ativo, de grupos

<90 mmHg no final do ensaio) em doentes insuficientemente controlados com valsartan 160 mg em

75% dos doentes tratados com amlodipina/valsartan 10 mg/160 mg e em 62% dos doentes tratados com amlodipina/valsartanMedicamento5 mg/160 mg, em c mparação com 53% dos doentes que permaneceram com valsartan 160 mg. A adição de amlodipina 10 mg e 5 mg produziu uma redução adicional na

pressão arterial sistólica/diastólica de 6,0/4,8 mmHg e 3,9/2,9 mmHg, respetivamente, em comparação com os doentes que continuaram ap nas com valsartan 160 mg.

Um ensaio multicêntrico, le torizado, sob dupla ocultação, controlado com ativo, de grupos paralelos demonstrou normal zação da pressão arterial (pressão arterial diastólica na posição sentada <90 mmHg no final do ensaio) em doentes insuficientemente controlados com amlodipina 10 mg em 78% dos doentes tratados com amlodipina/valsartan 10 mg/160 mg, em comparação com 67% dos doentes que permaneceram com amlodipina 10 mg. A adição de valsartan 160 mg produziu uma redução adicional na pressão arterial sistólica/diastólica de 2,9/2,1 mmHg em comparação com os doentes que continuaram apenas com amlodipina 10 mg.

Imprida também foi estudado num estudo controlado com ativo de 130 doentes hipertensos com pressão arterial diastólica média na posição sentada ≥110 mmHg e <120 mmHg. Neste estudo (pressão arterial inicial de 171/113 mmHg), um regime de Imprida de 5 mg/160 mg titulado até 10 mg/160 mg reduziu a pressão arterial na posição sentada em 36/29 mmHg em comparação com 32/28 mmHg com um regime de lisinopril/hidroclorotiazida 10 mg/12,5 mg titulado até 20 mg/12,5 mg.

Em dois estudos de follow-up de longa duração o efeito de Imprida foi mantido durante mais de um ano. A interrupção súbita de Imprida não esteve associada a um rápido aumento da pressão arterial.

A idade, o sexo, a raça ou o índice de massa corporal (≥30 kg/m2, <30 kg/m2) não influenciam a resposta ao Imprida.

Imprida não foi estudado em qualquer população de doentes que não a hipertensa. O valsartan foi estudado em doentes após enfarte do miocárdio e com insuficiência cardíaca. A amlodipina foi estudada em doentes com angina vasospática e doença das artérias coronárias documentada angiograficamente.

Amlodipina

O componente amlodipina de Imprida inibe a entrada transmembranar de iões de cálcio na musculatura lisa cardíaca e vascular. O mecanismo da ação anti-hipertensivo da amlodipina deve-se a um efeito relaxante direto no músculo liso vascular, que provoca reduções na resistência vascular periférica e na pressão arterial. Dados experimentais sugerem que a amlodipina se liga a ambos os locais de ligação da di-hidropiridina e não-di-hidropiridina. O processo contráctil do músculo cardíaco e do músculo liso vascular dependem do movimento de iões cálcio extracelulares nestas células através de canais iónicos específicos.

Após a administração de doses terapêuticas a doentes com doses com hipertensão, a amlodipina

Em doentes hipertensos com função renal normal, doses terapêuticasautorizadode amlodipina resultaram numa diminuição na resistência vascular renal e num aumento da taxa de filtração glomerular e fluxo

produz vasodilatação, resultando na redução das pressões arteriais nas posições supina e rt stática.

Com a administração crónica, estas reduções na pressão arterial não são acompanha as por uma alteração significativa na frequência cardíaca ou níveis de plasmáticos de catecol min s.

As concentrações plasmáticas estão correlacionadas com o efeito quer em doentes jovens, quer em idosos.

plasmático renal efetivo, sem alteração na fração de filtração ou proteinúria.

Tais como com outros bloqueadores dos canais de cálcio, as determinações hemodinâmicas da função

cardíaca em repouso e durante exercício (ou pacing) em doentes com função ventricular normal

tratados com amlodipina demonstraram geralmente um pequeno aumento no indíce cardíaco, sem

não

influência significativa na dP/dt ou na pressão ou volume ventricular esquerda diastólica. Em estudos

hemodinâmicos, a amlodipina não foi associada a um efeito inotrópico negativo quando administrada no intervalo de doses terapêuticas a animais intactos ou a humanos, mesmo quando administrada simultaneamente com bloqueadores be a a humanos.

UtilizaçãoMedicamentoem doentes com hipertensão

A amlodipina não altera a função nodal sinoauricular ou a condução auriculo-ventricular em animais intactos ou em humanos. Em estudos clínicos nos quais a amlodipina foi administrada em associação

com bloqueadores beta

doentes com hipertensão ou angina, não foram observados efeitos adversos

nos parâmetros eletro

rdiográficos.

Um estudo de morbilidade-mortalidade, em dupla ocultação, aleatorizado, denominado

Antihypertensive and Lipid-Lowering treatment to prevent Heart Attack Trial (ALLHAT) foi realizado para comparar terapêuticas mais recentes: amlodipina 2,5-10 mg/por dia (antagonista dos canais do cálcio) ou lisinopril 10-40 mg/dia (inibidor da ECA) como terapêuticas de primeira linha com diuréticos tiazídicos, clortalidona 12,5-25 mg por dia na hipertensão ligeira a moderada.

Um total de 33.357 doentes hipertensos com idade igual ou superior a 55 anos foram aleatorizados e acompanhados durante uma média de 4,9 anos. Os doentes tinham pelo menos um fator de risco adicional de doença coronária, incluindo: enfarte do miocárdio anterior ou acidente vascular cerebral (>6 meses antes da inclusão) ou outra doença cardiovascular aterosclerótica documentada (global 51,5%), diabetes tipo 2 (36,1%), colesterol - lipoproteína de alta densidade <35 mg/dl ou

<0,906 mmol/l (11,6%), hipertrofia ventricular esquerda diagnosticada por eletrocardiograma ou ecocardiografia (20,9%), fumador atual (21,9%).

O objetivo primário foi um conjunto de doença coronária fatal ou enfarte do miocárdio não-fatal. Não houve diferença significativa no objetivo primário entre a terapêutica baseada em amlodipina e a terapêutica baseada em clortalidona: razão do risco (RR) 0,98; 95% IC (0,90-1,07) p=0,65. Entre os objetivos secundários, a incidência de insuficiência cardíaca (componente de um objetivo cardiovascular composto) foi significativamente superior no grupo da amlodipina comparativamente com o grupo de clortalidona (10,2% versus 7,7%, RR 1,38; 95% IC [1,25-1,52] p<0,001). No entanto, não houve diferença significativa na mortalidade por todas as causas entre a terapêutica baseada em amlodipina e a terapêutica baseada em clortalidona RR 0,96; 95% IC [0,89-1,02] p=0,20.

Valsartan

O valsartan é um antagonista dos recetores da angiotensina II específico, potente e oralmente ativo. Atua de forma seletiva no subtipo de recetores AT1, que é responsável pelas ações conhecidas da angiotensina II. O aumento dos níveis plasmáticos de angiotensina II após o bloqueio dos recetores

AT1 com valsartan pode estimular os recetores do subtipo AT2 não bloqueados, que parecem

contrabalançar o efeito dos recetores AT1. O valsartan não apresenta qualquer atividade agonista

 

autorizado

parcial no recetor AT1 e apresenta uma afinidade muito maior para o recetor AT1

(20.000 vezes

superior) do que para o recetor AT2.

 

 

O valsartan não inibe a ECA, também conhecida como quininase II, que converte

ngiotensina I em

angiotensina II e degrada a bradiquinina. Uma vez que não há efeito na ECA nem potenciação da

bradiquinina ou substância P é improvável que os antagonistas da angi tensina II estejam associados a tosse. Nos ensaios clínicos em que valsartan foi comparado com um inibid r da ECA, a incidência de tosse seca foi significativamente menor (p <0,05) nos doentes tratados com valsartan do que nos doentes tratados com um inibidor da ECA (2,6% versus 7,9%, respetivamente). Num ensaio clínico realizado em doentes com história de tosse seca durante a terapêutica com inibidor da ECA, ocorreu tosse em 19,5% dos indivíduos tratados com valsartan e em 19,0% dos tratados com um diurético tiazídico, comparativamente a 68,5% dos indivíduos tratados com um inibidor da ECA (p <0,05). O valsartan não se liga nem bloqueia outros recetores hormonais ou canais iónicos reconhecidamente

importantes na regulação cardiovascular.

não

 

A administração de valsartan a doentes com hipertensão provoca uma redução da pressão arterial sem afetar a frequênciaMedicamentocardíaca.

Na maioria dos doentes, após a admi istração de uma dose oral única, o início da atividade anti- hipertensiva ocorre no intervalo de 2 horas, atingindo-se a redução máxima da pressão arterial no intervalo de 4-6 horas. O efeito anti-hipertensivo persiste ao longo de 24 horas após a administração. Durante a administração de doses repetidas, a redução máxima da pressão arterial com qualquer dose é geralmente obtida de orrid s 2-4 semanas, mantendo-se durante o tratamento prolongado. A interrupção súbita de valsartan não está associada a hipertensão de rebound ou a quaisquer outros efeitos clínicos a versos.

Outros: Duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

Dois grandes estudos aleatorizados e controlados (ONTARGET [“ONgoing Telmisartan Alone and in combination with Ramipril Global Endpoint Trial”] e VA NEPHRON-D [“The Veterans Affairs Nephropathy in Diabetes”]) têm examinado o uso da associação de um inibidor da ECA com um antagonista dos recetores da angiotensina II.

O estudo ONTARGET foi realizado em doentes com história de doença cardiovascular ou cerebrovascular, ou diabetes mellitus tipo 2 acompanhada de evidência de lesão de órgão-alvo. O estudo VA NEPHRON-D foi conduzido em doentes com diabetes mellitus tipo 2 e nefropatia diabética.

Estes estudos não mostraram nenhum efeito benéfico significativo nos resultados renais e/ou cardiovasculares e mortalidade, enquanto foi observado um risco aumentado de hipercaliemia, insuficiência renal aguda e/ou hipotensão, em comparação com monoterapia. Dadas as suas propriedades farmacodinâmicas semelhantes, estes resultados são também relevantes para outros inibidores da ECA e antagonistas dos recetores da angiotensina II.

Os inibidores da ECA e os antagonistas dos recetores da angiotensina II não devem assim, ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética (ver seção 4.4).

O estudo ALTITUDE (“Aliskiren Trial in Type 2 Diabetes Using Cardiovascular and Renal Disease Endpoints”) foi concebido para testar o benefício da adição de aliscireno a uma terapêutica padrão com um inibidor da ECA ou um antagonista dos recetores da angiotensina II em doentes com diabetes mellitus tipo 2 e doença renal crónica, doença cardiovascular ou ambas. O estudo terminou precocemente devido a um risco aumentado de resultados adversos. A morte cardiovascular e o acidente vascular cerebral foram ambos numericamente mais frequentes no grupo tratado com aliscireno, do que no grupo tratado com placebo eaos acontecimentos adversos e acontecimentos adversos graves de interesse (hipercaliemia, hipotensão e disfunção renal) foram mais frequentemente notificados no grupo tratado com aliscireno que no grupo tratado com placebo.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

autorizado

Linearidade

A amlodipina e o valsartan exibem uma farmacocinética linear.

Amlodipina/Valsartan

Após a administração oral de Imprida, as concentrações plasmáticas máximas de valsartan e amlodipina são alcançadas em 3 e 6-8 horas, respetivamente. A taxa e a extensão da absorção de Imprida são equivalentes à biodisponibilidade do valsartan e da amlodipina quando administrados como comprimidos individuais.

Amlodipina

não

 

Absorção: Após a administração oral de doses terapêuticas de amlodipina isoladamente, as concentracões plasmáticas máximas de amlodipina são alcançadas em 6-12 horas. A biodisponibilidade

 

 

absoluta varia entre 64% e 80%. A biodisponibilidade da amlodipina não é afetada pela ingestão de

alimentos.

Medicamento

 

 

 

Distribuição: O volume de distribuição é de aproximadamente 21 l/kg. Estudos in vitro com

amlodipina demonstraram que aproximadamente 97,5% do fármaco em circulação está ligado às proteínas plasmáticas.

Biotransformação: A amlodipina é amplamente (aproximadamente 90%) metabolizada pelo fígado em metabolitos inativos.

Eliminação: A elim nação da amlodipina do plasma é bifásica, com uma semivida de eliminação terminal de aproxima amente 30 a 50 horas. Os níveis plasmáticos no estado estacionário são alcançados após a administração contínua durante 7-8 dias. Na urina são excretados dez por cento da amlodipina original e 60% de m tabolitos da amlodipina.

Valsartan

Absorção: Após a administração oral de valsartan isoladamente, as concentracões plasmáticas máximas de valsartan são alcançadas em 2-4 horas. A biodisponibilidade média absoluta é de 23%. Os alimentos reduzem a exposição (como determinado pela AUC) ao valsartan em cerca de 40% e as concentracões plasmáticas máximas (Cmáx) em cerca de 50%, embora aproximadamente a partir das

8 horas após a administração, as concentrações plasmáticas de valsartan sejam semelhantes nos grupos pós-prandial e em jejum. Esta redução da AUC não é, contudo, acompanhada por uma redução clinicamente significativa do efeito terapêutico e o valsartan pode, portanto, ser administrado com ou sem alimentos.

Distribuição: O volume de distribuição do valsartan no estado estacionário após administração intravenosa é de cerca de 17 litros, o que indica que o valsartan não se distribui extensivamente nos tecidos. O valsartan apresenta uma elevada taxa de ligação às proteínas séricas (94-97%), principalmente à albumina sérica.

Biotransformação: O valsartan não é transformado numa elevada extensão já que apenas 20% da dose é recuperada como metabolitos. Foi identificado um hidroximetabolito no plasma em baixas concentrações (menos do que 10% da AUC de valsartan). Este metabolito é farmacologicamente inativo.

Eliminação: O valsartan apresenta uma cinética de degradação multiexponencial (t½α <1 h e t½ß aproximadamente igual a 9 h).O valsartan é excretado principalmente nas fezes (cerca de 83% da dose) e na urina (cerca de 13% da dose), principalmente como composto inalterado. Após administração intravenosa, a depuração plasmática do valsartan é cerca de 2 l/h e a sua depuração renal é de 0,62 l/h (cerca de 30% da depuração total). A semivida do valsartan é de 6 horas.

Populações especiais

População pediátrica (idade inferior a 18 anos)

 

Não estão disponíveis dados de farmacocinética na população pediátrica.

Idosos (idade 65 anos ou superior)

autorizado

 

O tempo até às concentracões plasmáticas máximas de amlodipina é semelhante em oentes jovens e idosos. Em doentes idosos, a depuração da amlodipina tem tendência a dim nu r, provocando aumentos na área sob a curva (AUC) e semivida de eliminação. A AUC sistém ca média do valsartan é 70% mais elevada nos idosos do que nos jovens, pelo que é necessária p ecaução quando se aumenta a dose.

Compromisso renal

A farmacocinética da amlodipina não é significativamente influenci da pelo compromisso renal. Tal como esperado para um composto em que a depuração renal c ntribui para apenas 30% da depuração plasmática total, não foi observada qualquer correlaç o entre a função renal e a exposição sistémica ao valsartan.

Compromisso hepático

 

não

 

 

 

 

 

A informação clínica disponível sobre a administração da amlodipina em doentes com compromisso

Medicamento

 

 

hepático é muito limitada. Os doentes c

m c mpromisso hepático apresentam uma reduzida depuração

da amlodipina, com o consequente aume

o de aproximadamente 40-60% na AUC. Em média, em

doentes com doença hepática crónica ligeira a moderada, a exposição ao valsartan (determinada pelos valores da AUC) é o dobro da obs rvada em voluntários saudáveis (emparelhados por idade, sexo e peso). Deve ter-se cuidado em doentes com doença hepática (ver secção 4.2).

5.3 Dados de segur nça pré-clínica

Amlodipina/Valsartan

As reações adv rsas observadas em estudos em animais com possível relevância clínica foram as seguintes:

Foram observados sinais histopatológicos de inflamação da mucosa gástrica em ratos macho com uma exposição de cerca de 1,9 (valsartan) e 2,6 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. Com exposições superiores, verificou-se ulceração e erosão da mucosa do estômago em machos e fêmeas. Alterações semelhantes foram também observadas no grupo de valsartan isolado (exposição 8,5-11,0 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan).

Verificou-se um aumento da incidência e gravidade de basofilia/hialinização, dilatação e cilindros tubulares renais, assim como inflamação intersticial com predomínio de linfócitos e hipertrofia da camada média arteriolar com uma exposição de 8-13 (valsartan) e 7-8 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. Alterações semelhantes foram observadas no grupo de valsartan isolado (exposição 8,5-11,0 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan).

Num estudo de desenvolvimento embrio-fetal efetuado em ratos, foi observada um aumento da incidência de dilatações ureterais, malformações do esterno e vertebras e de falanges das patas dianteiras não ossificadas com exposições de cerca de 12 (valsartan) e 10 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. As dilatações dos ureteres também foram observadas no grupo tratado com valsartan isolado (exposição 12 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan). Neste estudo verificaram-se apenas sinais modestos de toxicidade materna (redução moderada do peso corporal). O nível de efeito não observado para efeitos no desenvolvimento foi observado com 3 (valsartan) e 4 (amlodipina) vezes a exposição clínica (com base na AUC).

Para os compostos isolados não se observou evidência de mutagenicidade, clastogenicidade ou carcinogenicidade.

Amlodipina

Toxicologia reprodutiva

Estudos de reprodução em ratos e ratinhos mostraram um atraso na data do parto, duração prolongada do trabalho de parto e diminuição da sobrevivência das crias em doses aproximadamente 50 vezes superiores à dose máxima recomendada para humanos, com base nas mg/kg.

Compromisso da fertilidade

Não houve efeito na fertilidade de ratos tratados com amlodipina (machos du ante 64 dias e fêmeas 14 dias antes do acasalamento) em doses até 10 mg/kg/dia (8 vezes* a d se máxima recomendada para o humano de 10 mg com base nas mg/m2 ). Noutro estudo com ratos, no qual os ratos machos eram tratados com besilato de amlodipina durante 30 dias com uma dose comparável à dose humana com base nas mg/kg, foi observada uma diminuição da hormona folíc lo-estimulante e da testosterona

assim como uma diminuição da densidade do esperma e do número de espermatídeos maduros e

células de Sertoli.

autorizado

 

Carcinogénese, mutagénese

Ratos e ratinhos tratados com amlodipina na dieta,duranãote dois anos, em concentrações calculadas

para fornecerem níveis de dose diária de 0,5, 1,25 e 2,5 mg/kg/dia não mostraram evidência de

carcinogenicidade. A dose mais elevada (para ratinhos, semelhante à, e para os ratos a duplicar*, dose máxima recomendadaMedicamentode 10 mg com base nas mg/m ) foi próxima da dose máxima tolerada para os ratinhos mas não para os ratos.

Estudos de mutagénese não demonstraram efeitos relacionados com o medicamento tanto a nível dos genes como dos cromosso as.

* baseado num peso de doente de 50 kg.

Valsartan

Os dados não clínicos não revelam qualquer risco especial para o ser humano baseados em estudos convencionais de s gurança farmacológica, toxicidade de dosagem repetida, genotoxicidade, potencial carcinogénico, toxicidade reprodutiva e do desenvolvimento.

Nos ratos, doses tóxicas a nível materno (600 mg/kg/dia) durante os últimos dias de gestação e aleitamento levaram a menor sobrevivência, menos aumento de peso e atraso no desenvolvimento (descolamento do pavilhão da orelha e abertura do canal auricular) das crias (ver secção 4.6). Estas doses em ratos (600 mg/kg/dia) foram aproximadamente 18 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos assumem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente de 60 kg).

Em estudos não clínicos de segurança, doses elevadas de valsartan (200 a 600 mg/kg de peso corporal) provocaram em ratos a redução dos parâmetros dos glóbulos vermelhos (eritrócitos, hemoglobina, hematócritos) e evidência de alterações hemodinâmicas renais (uremia levemente aumentada e hiperplasia tubular renal e basofilia nos machos). Estas doses em ratos (200 a 600 mg/kg/dia) foram aproximadamente 6 e 18 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos pressupõem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente de 60 kg).

Em macacos saguís com doses comparáveis as alterações foram similares apesar de com maior gravidade, particularmente nos rins onde as alterações evoluíram para nefropatia incluindo aumento de ureia e creatinina no sangue.

Foram também verificadas em ambas as espécies hipertrofia das células renais justaglomerulares. Considerou-se que todas as alterações foram causadas pela ação farmacológica de valsartan, o qual produz uma hipotensão prolongada, particularmente nos macacos saguís. Para doses terapêuticas de valsartan no ser humano, a hipertrofia das células renais justaglomerulares parece não ter qualquer relevância.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1

Lista dos excipientes

 

 

autorizado

Núcleo do comprimido:

 

 

 

 

 

Celulose microcristalina

 

 

 

Crospovidona Tipo A

 

 

 

Sílica coloidal anidra

 

 

 

Estearato de magnésio

 

 

 

Revestimento:

 

 

 

Hipromelose

 

 

 

Dióxido de titânio (E171)

 

não

 

Óxido de ferro amarelo (E172)

 

 

 

 

 

Macrogol 4000

 

 

 

Talco

 

 

 

 

6.2

Incompatibilidades

 

 

 

 

 

 

 

Medicamento

 

 

 

Não aplicável.

 

 

 

6.3

Prazo de validade

 

 

 

3 anos.

 

 

 

 

6.4

Precauções espe is de conservação

 

 

 

Não conservar acima e 30°C.

 

 

 

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade.

6.5

Natureza e conteúdo do recipiente

 

 

 

Blisters de PVC/PVDC. Um blister contém 7, 10 ou 14 comprimidos revestidos por película. Apresentações: 7, 14, 28, 30, 56, 90, 98 ou 280 comprimidos revestidos por película e embalagens múltiplas contendo 280 (4x70 ou 20x14) comprimidos revestidos por película.

Blisters destacáveis de PVC/PVDC para dose unitária: Um blister contém 7, 10 ou 14 comprimidos revestidos por película.

Apresentações. 56, 98 ou 280 comprimidos revestidos por película.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Não existem requisitos especiais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Novartis Europharm Limited

Frimley Business Park

Camberley GU16 7SR

Reino Unido

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/06/373/009

 

autorizado

 

 

EU/1/06/373/010

 

 

EU/1/06/373/011

 

 

EU/1/06/373/012

 

 

EU/1/06/373/013

 

 

EU/1/06/373/014

 

 

EU/1/06/373/015

 

 

EU/1/06/373/016

 

 

EU/1/06/373/028

 

 

EU/1/06/373/029

não

 

EU/1/06/373/030

 

EU/1/06/373/035

 

EU/1/06/373/038

 

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃODA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃOMedicamentoNO MERCADOAgência

1. NOME DO MEDICAMENTO
Imprida 10 mg/160 mg comprimidos revestidos por película
2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA
Cada comprimido revestido por película contém 10 mg de amlodipina (como besilato de amlodipina) e 160 mg de valsartan.
Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.
3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película

 

autorizado

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Indicações terapêuticas

Tratamento da hipertensão essencial.

Comprimido revestido por película, oval, amarelo claro, com impressão “NVR” numa face e “UIC” na outra face.

Imprida é indicado em adultos cuja pressão arterial ão esteja adequadamente controlada com

Posologia

amlodipina ou valsartan em monoterapia.

 

não

 

 

4.2 Posologia e modo de administração

 

 

 

Medicamento

 

A dose recomendada de Imprida é de um comprimido por dia.

Imprida 10 mg/160 mg pode ser ad inistrado em doentes cuja pressão arterial não esteja adequadamente control da com 10 mg de amlodipina ou 160 mg de valsartan isoladamente ou com Imprida 5 mg/160 mg.

Imprida pode ser toma o com ou sem alimentos.

Recomenda-se a titulação individual da dose com os componentes (i.e. amlodipina e valsartan) antes da mudança para a associação de dose fixa. Quando for clinicamente apropriado, pode ser considerada a mudança direta da monoterapia para a associação de dose fixa.

Por conveniência, os doentes a tomar valsartan e amlodipina em comprimidos/cápsulas separados podem mudar para Imprida contendo os componentes nas mesmas doses.

Compromisso renal

Não existem dados clínicos disponíveis em doentes com compromisso renal grave. Não é necessário proceder a qualquer ajustamento da posologia em doentes com compromisso renal ligeiro a moderado. Recomenda-se a monitorização dos níveis de potássio e da creatinina em caso de compromisso renal moderado.

Compromisso hepático

Imprida é contraindicado em doentes com compromisso hepático grave (ver secção 4.3).

Deve ter-se cautela ao administrar Imprida a doentes com compromisso hepático ou perturbações obstrutivas das vias biliares (ver secção 4.4). Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado sem colestase, a dose máxima recomendada é de 80 mg de valsartan. Não foram estabelecidas recomendações de dose de amlodipina em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado. Ao alterar a terapêutica em doentes hipertensos elegíveis (ver secção 4.1) com compromisso hepático, para amlodipina ou Imprida, deve ser utilizada a dose mais baixa de amlodipina disponível em monoterapia ou em associação, respetivamente.

Idosos (idade igual ou superior a 65 anos)

Em doentes idosos é necessária precaução ao aumentar a posologia. Ao alterar a terapêutica em doentes hipertensos idosos elegíveis (ver secção 4.1) para amlodipina ou Imprida, deve ser utilizada a dose mais baixa de amlodipina disponível em monoterapia ou em associação, respetivamente.

População pediátrica

Hipersensibilidade às substâncias ativas, aos derivados daautorizadodi-hidropiridina ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

Compromisso hepático grave, cirrose biliar ounãocol stase.

O uso concomitante de Imprida com medicamentos contendo aliscireno é contraindicado em

doentes com diabetes mellitus ou compromisso re al (TFG <60 ml/min/1,73 m2) (ver secções 4.5 e 5.1).

Segundo e terceiro trimestres de gravidez (ver secções 4.4 e 4.6).

HipotensãoMedicamentograve.

Choque (incluindo choque cardi génic ).

Obstrução do infundíbulo do ve trículo esquerdo (por ex. cardiomiopatia hipertrófica obstrutivaessencial, nas doentes que planeiem engravidar o tratamento deve ser alterado para anti-hipertensoresA segurança e eficácia de Imprida em crianças com idade inferior a 18 anos não foram estabelecidas.

cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com ARAII deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa (ver secções 4.3 e 4.6).

Doentes com hiponatremia e/ou hipovolémia

Em estudos controlados com placebo foi observada hipotensão acentuado em 0,4% dos doentes com hipertensão não complicada tratados com Imprida. Em doentes com um sistema renina-angiotensina ativado (tais como doentes com depleção do volume e/ou de sal tratados com doses elevadas de diuréticos) que estão a receber bloqueadores dos recetores da angiotensina, pode ocorrer hipotensão sintomática. Recomenda-se a correção desta situação antes da administração de Imprida ou supervisão médica cuidadosa no início do tratamento.

Se ocorrer hipotensão com Imprida, o doente deve ser colocado em posição supina e, se necessário, deve ser-lhe administrada uma perfusão intravenosa de soro fisiológico. Uma vez estabilizada a pressão arterial o tratamento pode ser continuado.

Hipercaliemia

A medicação concomitante com suplementos de potássio, diuréticos poupadores de potássio, substitutos do sal contendo potássio ou outros fármacos que possam aumentar os níveis de potássio (heparina, etc.) deve ser usada com precaução e com monitorização frequente dos níveis de potássio.

Estenose da artéria renal

Imprida deve ser utilizado com precaução no tratamento de hipertensão em doentes com estenose da artéria renal unilateral ou bilateral ou estenose de rim solitário dado que a ureia no sangue e a creatinina sérica podem aumentar nestes doentes.

Transplante renal

autorizado

Até à data não existem dados de segurança sobre a utilização de Imprida em doentes submetidos a um transplante renal recente.

Compromisso hepático

O valsartan é eliminado na sua maior parte inalterado através da bílis. A sem v da da amlodipina é prolongada e os valores da AUC são superiores nos doentes com compr misso da função hepática; não foram determinadas recomendações de dosagem. Deve ter-se uma precaução particular ao administrar Imprida a doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado ou perturbações obstrutivas das vias biliares.

 

 

não

Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado sem colestase, a dose máxima

recomendada é de 80 mg de valsartan.

 

Compromisso renal

 

 

 

Não é necessário proceder a qualquer ajustamento da posologia de Imprida em doentes com

Os doentes com hiperaldosteronismo primário não devem ser tratados com o antagonista da angiotensina II valsartan u a vez que o seu sistema renina-angiotensina se encontra afetado pela patologia primária.

compromisso renal ligeiro a moderado (TFG >30 ml/min/1,73 m2). Recomenda-se a monitorização dos níveisMedicamentode potássio e da creatinina em caso de compromisso renal moderado. Hiperaldosteronismo primário

Angioedema

Foi notificado angioe ema, incluindo edema da laringe e da glote, causando obstrução das vias aéreas e/ou edema da fac , lábios, faringe e/ou língua em doentes tratados com valsartan. Alguns destes doentes apres ntaram angioedema anteriormente com outros medicamentos, incluindo inibidores da ECA. Imprida deve ser imediatamente interrompido em doentes que desenvolveram angioedema e não deve voltar a ser administrado.

Insuficiência cardíaca/pós-enfarte do miocárdio

Em consequência da inibição do sistema renina-angiotensina podem ser esperadas alterações na função renal em indíviduos suscetíveis. Em doentes com insuficiência cardíaca grave cuja função renal possa depender da atividade do sistema renina-angiotensina, o tratamento com inibidores da ECA e antagonistas dos recetores de angiotensina foi associado a oligúria e/ou urémia progressiva e (em casos raros) a insuficiência renal aguda e/ou morte. Foram notificados quadros semelhantes com valsartan. A avaliação de doentes com insuficiência cardíaca ou pós enfarte do miocárdio deve sempre incluir avaliação da função renal.

Num estudo de longa duração com amlodipina, controlado com placebo (PRAISE-2) em doentes com insuficiência cardíaca de etiologia não-isquémica das classes III e IV da NYHA (New York Heart Association Classification), a amlodipina foi associada a um aumento de notificações de edema pulmonar apesar da ausência de diferença significativa na incidência de agravamento da insuficiência cardíaca, em comparação com o placebo.

Os bloqueadores de canais de cálcio, incluindo a amlodipina, devem ser utilizados com precaução em doentes com insuficiência cardíaca congestiva, pois podem aumentar o risco futuro de acontecimentos cardiovasculares e mortalidade.

Estenose valvular aórtica e mitral

Tal como com todos os outros vasodilatadores, deve ter-se um cuidado especial em doentes com estenose da válvula mitral ou estenose significativa da válvula aórtica que não seja de grau elevado.

Duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

 

autorizado

Existe evidência de que o uso concomitante de inibidores da ECA, antagonistas dos recet

res da

angiotensina II ou aliscireno aumenta o risco de hipotensão, hipercaliemia e função renal

iminuída

(incluindo insuficiência renal aguda). O duplo bloqueio do SRAA através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno, é port nto, não recomendado (ver secções 4.5 e 5.1).

Se a terapêutica de duplo bloqueio for considerada absolutamente necessária, esta só deverá ser utilizada sob a supervisão de um especialista e sujeita a uma monitorização frequente e apertada da função renal, eletrólitos e pressão arterial. Os inibidores da ECA e os antagonistas dos recetores da

angiotensina II não devem ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética.

 

 

não

Imprida não foi estudado em qualquer população de doentes que não a hipertensa.

 

 

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de i teração

Interações frequentes com a associação

 

 

Medicamento

 

 

Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Imprida e outros medicamentos.

A ter em consideração aquando da utilização concomitante Outros agentes anti-hipertensivos

Os agentes anti-hipertensivos frequentemente usados (ex. bloqueadores alfa, diuréticos) e outros medicamentos que poss m provocar efeitos adversos hipotensivos (ex. antidepressivos tricíclicos, bloqueadores alfa para tr t mento da hipertrofia benigna da próstata) podem aumentar o efeito anti- hipertensivo da asso ação.

Interações associadas à amlodipina

Utilização concomitante não recomendada Toranja ou sumo de toranja

A administração de amlodipina com toranja ou sumo de toranja não é recomendada uma vez que a biodisponibilidade pode aumentar nalguns doentes, resultando em aumento do efeito de redução da pressão arterial.

Precaução requerida com a utilização concomitante de Inibidores do CYP3A4

A utilização concomitante de amlodipina com inibidores fortes ou moderados do CYP3A4 (inibidores das proteases, antifúngicos azóis, macrólidos como a eritromicina ou a claritromicina, verapamil e diltiazem) podem conduzir a um aumento significativo da exposição à amlodipina. A tradução clínica destas variações farmacocinéticas pode ser mais pronunciada nos idosos. Monitorização clínica e ajuste de dose poderão assim, ser necessários.

Indutores do CYP3A4 (agentes anticonvulsivantes [ex. carbamazepina, fenobarbital, fenitoína, fosfenitoína, primidona], rifampicina, Hypericum perforatum)

Não existem dados disponíveis sobre o efeito dos indutores da CYP3A4 na amlodipina. O uso concomitante de indutores da CYP3A4 (por exemplo, rifampicina, Hypericum perforatum) pode originar concentrações plasmáticas mais baixas de amlodipina. A amlodipina deve ser utilizada com precaução quando administrada simultaneamente com indutores da CYP3A4.

Sinvastatina

A administração concomitante de doses múltiplas de 10 mg de amlodipina com 80 mg de sinvastatina resultou num aumento de 77% na exposição à sinvastatina comparativamente com a sinvastatina isoladamente. Recomenda-se limitar a dose diária de sinvastatina a 20 mg em doentes a tomar amlodipina.

Dantroleno (perfusão)

Em animais, foram observadas fibrilhação ventricular letal e colapso cardiovascular em associação com hipercaliemia, após administração de verapamil e dantroleno intravenoso. Devido ao risco de

hipercaliemia, é recomendada que a administração concomitante de bloqueadores de canais de cálcio, autorizado

como a amlodipina, seja evitada em doentes suscetíveis a hipertermia maligna e na manutenção da hipertermia maligna.

A ter em consideração aquando da utilização concomitante

Outras

Em estudos de interação clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina.

Interações associadas ao valsartan

 

 

Utilização concomitante não recomendada

 

não

Lítio

 

 

 

Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a

administração concomitante de lítio com inibidores da e zima de conversão da angiotensina ou

 

 

antagonistas dos recetores da angiotensina II, inclui do valsartan. Assim, durante o uso concomitante é recomendada a monitorização cuidadosa das concentrações séricas de lítio. Se for utilizado também

um diurético, o risco de toxicidade por lítio pode ser presumivelmente potenciado com Imprida.

Se um medicamento que afete os nív is de potássio for prescrito em associação ao valsartan é aconselhável a monitorização dos níveis plasmáticos de potássio.

DiuréticosMedicamentopoupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio e outras substâncias que possam aum tar os níveis de potássio

Requerida precaução om utilização concomitante

Medicamentos anti- nflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo inibidores seletivos da COX-2, ácido acetilsalicílico (>3 g/dia) e AINEs não seletivos

Quando os antagonistas da angiotensina II são administrados simultaneamente com AINEs pode ocorrer a atenuação do efeito anti-hipertensivo. Adicionalmente, a utilização concomitante de antagonistas da angiotensina II e AINEs pode levar a um aumento do risco de degradação da função renal e a um aumento dos níveis plasmáticos de potássio. Assim, é recomendada a monitorização da função renal no início do tratamento, assim como hidratação adequada do doente.

Inibidores dos mediadores de transporte de captação (rifampicina, ciclosporina) ou transportador do efluxo (ritonavir)

Os resultados de um estudo in vitro com tecido de fígado humano indicam que o valsartan é um substrato do transportador de captação hepático OATP1B1 e do transportador do efluxo hepático MRP2. A administração concomitante de inibidores do transportador de captação (rifampicina, ciclosporina) ou transportador de efluxo (ritonavir) pode aumentar a exposição sistémica ao valsartan.

Bloqueio duplo do SRAA com ARA, inibidores da ECA ou aliscireno

Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina- aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA (ver secções 4.3, 4.4 e 5.1).

Outras

Em monoterapia com valsartan não se verificaram interações clinicamente significativas com as seguintes substâncias: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

autorizado

Amlodipina

 

A segurança da amlodipina na gravidez humana não foi estabelecida. Em estudos em animais, foi observada toxicidade reprodutiva em doses elevadas (ver secção 5.3). A administr ção urante a gravidez só é recomendada quando não exista alternativa mais segura e a doença em si acarrete maior risco tanto para a mãe como para o feto.

Valsartan

A administração de Antagonistas dos Recetores da Angiotensina II (ARAIIs) não é recomendada durante o primeiro trimestre de gravidez (ver secção 4.4). A administração de ARAIIs é contraindicada durante o segundo e terceiro trimestres de gravidez (ver secções 4.3 e 4.4).

A evidência epidemiológica relativa ao risco de teratogenicidadenão após a exposição aos IECAs durante

o 1º trimestre de gravidez não é conclusiva; contudo, ão é possível excluir um ligeiro aumento do risco. Enquanto não existem dados de estudosepidemiológicos controlados relativos ao risco

associado aos antagonistas dos recetores da angiotensina II (ARAII), os riscos para esta classe de fármacosMedicamentopoderão ser semelhantes. A não ser que a manutenção do tratamento com ARAII seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar a medicação deve ser substituída por

terapêuticas anti-hipertensoras alter a ivas cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com ARAII deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, d v rá ser iniciada terapêutica alternativa.

A exposição a ARAII dur nte o segundo e terceiro trimestres de gravidez está reconhecidamente associada à indução de toxi id de fetal em humanos (diminuição da função renal, oligohidrâmnio, atraso na ossificação do rânio) e toxicidade neonatal (insuficiência renal, hipotensão, hipercaliemia) (ver secção 5.3).

No caso de a exposição a ARAII ter ocorrido a partir do segundo trimestre de gravidez, recomenda-se a monitorização ultrassonográfica da função renal e dos ossos do crânio.

Lactentes cujas mães estiveram expostas a ARAII devem ser cuidadosamente observados no sentido de diagnosticar hipotensão (ver secções 4.3 e 4.4).

Amamentação

Não se encontra disponível informação sobre a utilização de Imprida durante o aleitamento, assim a terapêutica com Imprida não está recomendada e são preferíveis terapêuticas alternativas cujo perfil de segurança durante o aleitamento esteja melhor estabelecido, particularmente em recém-nascidos ou prematuros.

Fertilidade

Não existem estudos clínicos de fertilidade com Imprida.

Valsartan

Valsartan não teve efeitos adversos sobre o desempenho reprodutivo de ratos machos e fêmeas com doses orais até 200 mg/kg/dia. Esta dose é 6 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos assumem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente com 60-kg).

Amlodipina

Foram notificados casos de alterações bioquímicas reversíveis na cabeça dos espermatozoides em alguns doentes tratados com bloqueadores de canais de cálcio. Os dados clínicos sobre o potencial efeito da amlodipina na fertilidade são insuficientes. Num estudo efetuado em ratos, foram detetadas reações adversas na fertilidade de ratos machos (ver secção 5.3).

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Doentes a tomar Imprida e a conduzir veículos ou a utilizar máquinas devem ter em conta que podem ocorrer ocasionalmente tonturas ou fadiga.

A amlodipina pode ter uma influência ligeira a moderada na capacidadeautorizadode conduzir e utilizar

máquinas. Se os doentes em tratamento com amlodipina sentirem tonturas, dor de c beça, fadiga ou náuseas a capacidade de reação pode estar comprometida.

4.8 Efeitos indesejáveis

Resumo do perfil de segurança

A segurança de Imprida foi avaliada em cinco estudos clínicos controlados com 5.175 doentes, dos quais 2.613 receberam valsartan em associação com amlodipina. As seguintes reações adversas foram as que ocorreram mais frequentemente ou as mais significativas ou mais graves: nasofaringite, gripe, hipersensibilidade, cefaleia, síncope, hipotensão ortostática, edema, edema depressível, edema facial,

edema periférico, fadiga, rubor, astenia e rubor cutâ eo.

Tabela de reações adversas

não

 

 

 

As reações adversas foram classificadas em classes de frequência usando a seguinte convenção: muito

frequentes (≥1/10); frequentes (≥1/100, <1/10); pouco frequentes (≥1/1.000, <1/100); raros

(≥1/10.000, <1/1.000); muito raros (<1/10.000), desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis).

Os efeitos indesejáveis são apresentados por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência.

Classes de

Reações adversas

 

Frequência

 

sistemas de

 

Imprida

Amlodipina

Valsartan

órgãos

 

 

 

 

 

MedDRA

 

 

 

 

Infeções e

Nasofaringite

Frequentes

--

--

infestações

Gripe

Frequentes

--

--

 

Medicamento

 

 

 

Doenças do

Hemoglobina e hematócrito

--

--

Desconheci

sangue e do

diminuídos

 

 

dos

sistema linfático

Leucopenia

--

Muito raros

--

 

 

Neutropenia

--

--

Desconheci

 

 

 

 

 

dos

 

 

Trombocitopenia, por vezes

--

Muito raros

Desconheci

 

 

com púrpura

 

 

dos

Doenças do

Hipersensibilidade

 

Raros

Muito raros

Desconheci

sistema

 

 

 

 

dos

imunitário

 

 

 

 

 

Doenças do

Anorexia

 

Pouco

--

--

metabolismo e da

 

 

Frequentes

 

 

nutrição

Hipercalcemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hiperglicemia

 

--

Muito raros

--

 

Hiperlipidemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hiperuricemia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Hipocalemia

 

Frequentes

--

--

 

Hiponatremia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Perturbações do

Depressão

 

--

Pouco

--

foro psiquiátrico

 

 

 

Frequentes

 

 

Ansiedade

 

Raros

--

--

 

Insónia/alterações do sono

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Alterações de humor

 

--

P uco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Confusão

 

--

Raros

--

Doenças do

Coordenação anormal

 

Pouco

--

--

sistema nervoso

 

 

Frequentes

autorizado

 

Tonturas

 

P uco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Tontura postural

 

Pouco

--

--

 

 

 

nãoFrequentes

 

 

 

Disgeusia

--

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Síndrome extrapiramidal

 

--

Desconheci

--

 

 

 

 

dos

 

 

Cefaleias

 

Frequentes

Frequentes

--

 

Hipertonia

 

--

Muito raros

--

 

Parestesia

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Neuropatia periférica,

 

--

Muito raros

--

 

neuropatia

 

 

 

 

 

Sonolência

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Síncope

 

--

Pouco

--

Medicamento

 

 

Frequentes

 

 

Tremor

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Hipoestesia

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

Afeções oculares

Perturbações da visão

 

Raros

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Perda de visão

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

Afeções do

Acufenos

 

Raros

Pouco

--

ouvido e do

 

 

 

Frequentes

 

labirinto

Vertigens

 

Pouco

--

Pouco

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

Cardiopatias

Palpitações

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Síncope

 

Raros

--

--

 

Taquicardia

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Arritmias (incluindo

 

--

Muito raros

--

 

bradicardia, taquicardia

 

 

 

 

 

ventricular e fibrilhação

 

 

 

 

 

auricular)

 

 

 

 

 

Enfarte do miocárdio

 

--

Muito raros

--

Vasculopatias

Rubor

 

--

Frequentes

--

 

Hipotensão

 

Raros

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Hipotensão ortostática

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Vasculite

 

--

Muito raros

Desc nheci

 

 

 

 

 

os

Doenças

Tosse

 

Pouco

Muito raros

Pouco

respiratórias,

 

 

Frequentes

 

Frequentes

torácicas e do

Dispneia

 

--

Pouco

--

mediastino

 

 

 

Frequentes

 

 

Dor faringolaríngea

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Rinite

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

 

autorizado

Doenças

Desconforto abdominal, dor

P uco

Frequentes

Pouco

gastrointestinais

na zona superior do

 

Frequentes

 

Frequentes

 

abdómen

 

não

 

 

 

Mau hálito

--

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

 

 

Obstipação

 

Pouco

--

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Diarreia

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Boca seca

 

Pouco

Pouco

--

 

 

 

Frequentes

Frequentes

 

 

Dispepsia

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Gastrite

 

--

Muito raros

--

 

Hiperplasia gengival

 

--

Muito raros

--

 

Náuseas

 

Pouco

Frequentes

--

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Pancreatite

 

--

Muito raros

--

Medicamento

 

 

 

 

 

Vómitos

 

--

Pouco

--

 

 

 

 

Frequentes

 

Afeções

Prova da função hepática

 

--

Muito

Desconheci

hepatobiliares

anormal, incluindo

 

 

raros*

dos

 

bilirrubinemia aumentada

 

 

 

 

Hepatite

 

--

Muito raros

--

 

Colestase intrahepática,

 

--

Muito raros

--

 

icterícia

 

 

 

 

Afeções dos

Alopécia

 

 

tecidos cutâneos

 

 

 

e subcutâneos

Angioedema

 

 

 

 

Dermatite bolhosa

 

 

 

 

Eritema

 

 

 

 

Eritema multiforme

 

 

 

 

Exantema

 

 

 

 

Hiperhidrose

 

 

 

 

Reação de fotosensibilidade

 

 

 

Prurido

 

 

 

 

Púrpura

 

 

 

 

Erupção cutânea

 

 

 

 

Descoloração da pele

 

 

 

 

Urticária e outras formas de

 

 

 

erupção cutânea

 

 

 

 

Dermatite exfoliativa

 

 

 

 

Síndrome de Stevens-

 

 

 

 

Johnson

 

 

 

Edema de Quincke

 

Afeções

 

Artralgia

 

 

Medicamento

 

musculosquelétic

 

 

as e dos tecidos

Dor nas costas

 

 

conjuntivos

 

 

 

 

 

Edema das articulações

 

 

 

 

Esp s os usculares

 

 

 

 

M algia

 

 

 

 

E ema dos tornozelos

 

 

 

 

Sensação de peso

 

 

Doenças renais e Creatininemia aumentada

 

 

urinárias

 

 

 

 

 

 

Perturbações da micção

 

 

 

 

Noctúria

 

 

 

 

Polaquiúria

 

 

 

 

Poliúria

 

 

 

 

Insuficiência e compromisso

 

 

 

renal

 

 

--Pouco--

 

Frequentes

 

--

Muito raros

Desconheci

 

 

dos

--

--

Desconheci

 

 

dos

Pouco

--

--

Frequentes

 

 

--

Muito raros

--

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

--Pouco--

 

autorizado

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

Desc nheci

 

Frequentes

os

--

Pouco

--

 

Frequentes

 

Pouco

Pouco

Desconheci

Frequentes

Frequentes

dos

--

Pouco

--

 

Frequentes

 

--

Muito raros

--

não--

Muito raros

--

--

Muito raros

--

--

Muito raros

--

Pouco

Pouco

--

Frequentes

Frequentes

 

Pouco

Pouco

--

Frequentes

Frequentes

 

Pouco

--

--

Frequentes

 

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

--Pouco Desconheci

 

Frequentes

dos

--

Frequentes

--

Raros

--

--

--

--

Desconheci

 

 

dos

--Pouco--

Frequentes

--Pouco--

 

Frequentes

 

Raros

Pouco

--

 

Frequentes

 

Raros

--

--

--

--

Desconheci

 

 

dos

Doenças dos

Impotência

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

órgãos genitais e

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

da mama

Disfunção eréctil

 

 

 

Raros

 

--

--

 

 

 

Ginecomastia

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

Perturbações

Astenia

 

 

 

Frequentes

 

Pouco

--

 

gerais e

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

alterações no

Desconforto, mal-estar

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

local de

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

administração

Fadiga

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

Pouco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

Edema facial

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

 

 

Rubor, afrontamentos

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

autorizado

 

 

 

Dor no peito não cardíaca

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

Edema

 

 

 

Frequentes

 

Frequentes

--

 

 

 

Edema periférico

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

 

 

Dor

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

Edema depressível

 

 

 

Frequentes

 

--

--

 

Exames

 

Caliemia aumentada

 

 

 

--

 

--

Desconheci

 

complementares

 

 

 

 

 

 

 

dos

 

de diagnóstico

Aumento de peso

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frequentes

 

 

 

 

Perda de peso

 

 

 

--

 

Pouco

--

 

 

 

 

 

 

 

não

 

Frequentes

 

 

*

Principalmente relacionado com colestase

 

 

 

 

Informação adicional sobre a associação

 

2,3

2,1

2,4

 

AmlodipinaMedicamento53,1

4,8

 

Edema periférico, um efeito secundário rec

nhecido para a amlodipina, foi normalmente observado

com menor incidência em doentes que receberam a associação amlodipina/valsartan do que nos que receberam amlodipina isoladam nte. Em ensaios clínicos controlados, em dupla ocultação, a incidência de edema periférico por dose foi a seguinte:

% de doentes com edema

Valsartan (mg)

 

 

 

 

 

 

periférico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3,0

 

5,5

2,4

1,6

 

0,9

 

 

 

2,5

 

8,0

 

2,3

5,4

2,4

 

3,9

 

(mg)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10,3

 

 

ND

 

ND

9,0

 

9,5

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A incidência média de edema periférico ponderada com todas as doses foi de 5,1% com a associação amlodipina/valsartan.

Informação adicional sobre os componentes individuais

As reações adversas previamente notificadas com um dos componentes individuais (amlodipina ou valsartan) podem ser também potenciais reações adversas de Imprida, mesmo que não tenham sido observados em ensaios clínicos ou durante o período pós-comercialização.

Amlodipina

 

 

Frequentes

Sonolência, tonturas, palpitações, dores abdominais, náuseas, edema dos

 

tornozelos.

 

Pouco

Insónias, alterações do humor (incluindo ansiedade), depressão, tremores,

frequentes

disgeusia, síncope, hipoestesia, alterações da visão (incluindo diplopia), zumbidos,

 

hipotensão, dispneia, rinite, vómitos, dispepsia, alopécia, púrpura, descoloração da

 

pele, hipersudorese, prurido, exantema, mialgias, câibras musculares, dor,

 

alterações da micção, aumento da frequência urinária, impotência, ginecomastia,

 

dor torácica, mal-estar geral, aumento de peso, diminuição de peso.

Raros

Confusão.

 

Muito raros

Leucopenia, trombocitopenia, reação alérgica. hiperglicemia, hipertonia, neuropatia

 

periférica,enfarte do miocárdio, arritmia (incluindo bradicardia, taquicardia

 

ventricular e fibrilhação auricular), vasculite, pancreatite, gastrite, hiperplasia

 

gengival, hepatite, icterícia e aumento das enzimas hepáticas*, angioedema, eritema

 

multiforme, urticária, dermatite exfoliativa, síndrome de Stevens-Johnson, edema

 

de Quincke, fotosensibilidade..

 

* Principalmente relacionado com colestase

 

Foram notificados casos excecionais de síndrome extrapiramidal.

Valsartan

 

 

Desconhecidos

Diminuição dos valores de hemoglobina, diminuição do hematócrito, neutropenia,

 

trombocitopenia, aumento do potássio sérico, elevação dos valores da função

 

hepática incluindo aumento da bilirrubina séric , compromisso renal e insuficiência

 

renal, aumento da creatinina sérica, angioedem , mialgia, vasculite,

 

 

autorizado

 

hipersensibilidade incluindo doença do s ro.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma

não

 

 

 

vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos

profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional deMedicamentonotificação mencionado no Apêndice V.

4.9 Sobredosagem

Sintomas

Não há experiência de sobredosagem com Imprida. O principal sintoma de sobredosagem com valsartan é possivelmente hipotensão acentuada com tonturas. A sobredosagem com amlodipina pode resultar em vasodilatação periférica excessiva e, possivelmente, taquicárdia reflexa. Foram descritas hipotensão sistémica acentuada e potencialmente prolongada até, e incluindo, choque com desfecho fatal.

Tratamento

Se a ingestão é recente podem ser consideradas indução do vómito ou lavagem gástrica. A administração de carvão ativado a voluntários saudáveis imediatamente ou até duas horas após a ingestão de amlodipina demonstrou diminuir significativamente a absorção de amlodipina. A hipotensão clinicamente significativa devido a sobredosagem de Imprida requer suporte cardiovascular ativo, incluindo a monitorização frequente das funções cardíaca e respiratória, elevação dos membros inferiores, vigilância da volémia e do débito urinário. Um vasoconstritor pode auxiliar a restabelecer o tónus vascular e a pressão arterial, desde que não haja qualquer contraindicação à sua utilização. O gluconato de cálcio intravenoso pode ser benéfico na reversão dos efeitos do bloqueio dos canais de cálcio.

Não é provável que o valsartan e a amlodipina sejam eliminados por hemodiálise.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: agentes com ação sobre o sistema renina-angiotensina, antagonistas da angiotensina II, associações, antagonistas da angiotensina II e bloqueadores da entrada do cálcio, código ATC: C09DB01

Imprida associa dois compostos anti-hipertensivos com mecanismos de ação complementares para controlar a pressão arterial em doentes com hipertensão essencial: a amlodipina pertence à classe dos antagonistas do cálcio e o valsartan à classe de medicamentos dos antagonistas da angiotensina II. A associação destas substâncias tem um efeito anti-hipertensivo aditivo, reduzindo a pressão arterial em maior grau do que qualquer um dos seus componentes isoladamente.

Amlodipina/Valsartan

autorizado

 

A associação de amlodipina e valsartan produz uma redução aditiva relacionada com a d

se na pressão

arterial ao longo do seu intervalo de dose terapêutica. O efeito anti-hipertensor de uma

ose única da

associação persistiu durante 24 horas.

 

 

 

Ensaios controlados com placebo

 

 

 

Mais de 1.400 doentes hipertensos receberam Imprida uma vez por dia em d

is ensaios controlados

com placebo. Forem incluídos adultos com hipertensão essencial ligeira a m

derada não complicada

(pressão arterial diastólica média na posição sentada 95 e <110 mmHg). Foram excluídos doentes com risco cardiovascular elevado – insuficiência cardíaca, di betes tipo I e diabetes tipo II insuficientemente controlada e antecedentes de enfarte do mi cárdio ou AVC no intervalo de um ano.

não paralelos demonstrou normalização da pressãoarterial (pressão arterial diastólica na posição sentada

Ensaios controlados com fármaco ativo em doentes que n o responderam à monoterapia

Um ensaio clínico multicêntrico, aleatorizado, sob dupla ocultação, controlado com ativo, de grupos

<90 mmHg no final do ensaio) em doentes insuficientemente controlados com valsartan 160 mg em

75% dos doentes tratados com amlodipina/valsartan 10 mg/160 mg e em 62% dos doentes tratados com amlodipina/valsartanMedicamento5 mg/160 mg, em c mparação com 53% dos doentes que permaneceram com valsartan 160 mg. A adição de amlodipina 10 mg e 5 mg produziu uma redução adicional na

pressão arterial sistólica/diastólica de 6,0/4,8 mmHg e 3,9/2,9 mmHg, respetivamente, em comparação com os doentes que continuaram ap nas com valsartan 160 mg.

Um ensaio multicêntrico, le torizado, sob dupla ocultação, controlado com ativo, de grupos paralelos demonstrou normal zação da pressão arterial (pressão arterial diastólica na posição sentada <90 mmHg no final do ensaio) em doentes insuficientemente controlados com amlodipina 10 mg em 78% dos doentes tratados com amlodipina/valsartan 10 mg/160 mg, em comparação com 67% dos doentes que permaneceram com amlodipina 10 mg. A adição de valsartan 160 mg produziu uma redução adicional na pressão arterial sistólica/diastólica de 2,9/2,1 mmHg em comparação com os doentes que continuaram apenas com amlodipina 10 mg.

Imprida também foi estudado num estudo controlado com ativo de 130 doentes hipertensos com pressão arterial diastólica média na posição sentada ≥110 mmHg e <120 mmHg. Neste estudo (pressão arterial inicial de 171/113 mmHg), um regime de Imprida de 5 mg/160 mg titulado até 10 mg/160 mg reduziu a pressão arterial na posição sentada em 36/29 mmHg em comparação com 32/28 mmHg com um regime de lisinopril/hidroclorotiazida 10 mg/12,5 mg titulado até 20 mg/12,5 mg.

Em dois estudos de follow-up de longa duração o efeito de Imprida foi mantido durante mais de um ano. A interrupção súbita de Imprida não esteve associada a um rápido aumento da pressão arterial.

A idade, o sexo, a raça ou o índice de massa corporal (≥30 kg/m2, <30 kg/m2) não influenciam a resposta ao Imprida.

Imprida não foi estudado em qualquer população de doentes que não a hipertensa. O valsartan foi estudado em doentes após enfarte do miocárdio e com insuficiência cardíaca. A amlodipina foi estudada em doentes com angina vasospática e doença das artérias coronárias documentada angiograficamente.

Amlodipina

O componente amlodipina de Imprida inibe a entrada transmembranar de iões de cálcio na musculatura lisa cardíaca e vascular. O mecanismo da ação anti-hipertensivo da amlodipina deve-se a um efeito relaxante direto no músculo liso vascular, que provoca reduções na resistência vascular periférica e na pressão arterial. Dados experimentais sugerem que a amlodipina se liga a ambos os locais de ligação da di-hidropiridina e não-di-hidropiridina. O processo contráctil do músculo cardíaco e do músculo liso vascular dependem do movimento de iões cálcio extracelulares nestas células através de canais iónicos específicos.

Após a administração de doses terapêuticas a doentes com doses com hipertensão, a amlodipina

Em doentes hipertensos com função renal normal, doses terapêuticasautorizadode amlodipina resultaram numa diminuição na resistência vascular renal e num aumento da taxa de filtração glomerular e fluxo

produz vasodilatação, resultando na redução das pressões arteriais nas posições supina e rt stática.

Com a administração crónica, estas reduções na pressão arterial não são acompanha as por uma alteração significativa na frequência cardíaca ou níveis de plasmáticos de catecol min s.

As concentrações plasmáticas estão correlacionadas com o efeito quer em doentes jovens, quer em idosos.

plasmático renal efetivo, sem alteração na fração de filtração ou proteinúria.

Tais como com outros bloqueadores dos canais de cálcio, as determinações hemodinâmicas da função

cardíaca em repouso e durante exercício (ou pacing) em doentes com função ventricular normal

tratados com amlodipina demonstraram geralmente um pequeno aumento no indíce cardíaco, sem

não

influência significativa na dP/dt ou na pressão ou volume ventricular esquerda diastólica. Em estudos

hemodinâmicos, a amlodipina não foi associada a um efeito inotrópico negativo quando administrada no intervalo de doses terapêuticas a animais intactos ou a humanos, mesmo quando administrada simultaneamente com bloqueadores be a a humanos.

UtilizaçãoMedicamentoem doentes com hipertensão

A amlodipina não altera a função nodal sinoauricular ou a condução auriculo-ventricular em animais intactos ou em humanos. Em estudos clínicos nos quais a amlodipina foi administrada em associação

com bloqueadores beta

doentes com hipertensão ou angina, não foram observados efeitos adversos

nos parâmetros eletro

rdiográficos.

Um estudo de morbilidade-mortalidade, em dupla ocultação, aleatorizado, denominado

Antihypertensive and Lipid-Lowering treatment to prevent Heart Attack Trial (ALLHAT) foi realizado para comparar terapêuticas mais recentes: amlodipina 2,5-10 mg/por dia (antagonista dos canais do cálcio) ou lisinopril 10-40 mg/dia (inibidor da ECA) como terapêuticas de primeira linha com diuréticos tiazídicos, clortalidona 12,5-25 mg por dia na hipertensão ligeira a moderada.

Um total de 33.357 doentes hipertensos com idade igual ou superior a 55 anos foram aleatorizados e acompanhados durante uma média de 4,9 anos. Os doentes tinham pelo menos um fator de risco adicional de doença coronária, incluindo: enfarte do miocárdio anterior ou acidente vascular cerebral (>6 meses antes da inclusão) ou outra doença cardiovascular aterosclerótica documentada (global 51,5%), diabetes tipo 2 (36,1%), colesterol - lipoproteína de alta densidade <35 mg/dl ou

<0,906 mmol/l (11,6%), hipertrofia ventricular esquerda diagnosticada por eletrocardiograma ou ecocardiografia (20,9%), fumador atual (21,9%).

O objetivo primário foi um conjunto de doença coronária fatal ou enfarte do miocárdio não-fatal. Não houve diferença significativa no objetivo primário entre a terapêutica baseada em amlodipina e a terapêutica baseada em clortalidona: razão do risco (RR) 0,98; 95% IC (0,90-1,07) p=0,65. Entre os objetivos secundários, a incidência de insuficiência cardíaca (componente de um objetivo cardiovascular composto) foi significativamente superior no grupo da amlodipina comparativamente com o grupo de clortalidona (10,2% versus 7,7%, RR 1,38; 95% IC [1,25-1,52] p<0,001). No entanto, não houve diferença significativa na mortalidade por todas as causas entre a terapêutica baseada em amlodipina e a terapêutica baseada em clortalidona RR 0,96; 95% IC [0,89-1,02] p=0,20.

Valsartan

O valsartan é um antagonista dos recetores da angiotensina II específico, potente e oralmente ativo. Atua de forma seletiva no subtipo de recetores AT1, que é responsável pelas ações conhecidas da angiotensina II. O aumento dos níveis plasmáticos de angiotensina II após o bloqueio dos recetores

AT1 com valsartan pode estimular os recetores do subtipo AT2 não bloqueados, que parecem

contrabalançar o efeito dos recetores AT1. O valsartan não apresenta qualquer atividade agonista

 

autorizado

parcial no recetor AT1 e apresenta uma afinidade muito maior para o recetor AT1

(20.000 vezes

superior) do que para o recetor AT2.

 

 

O valsartan não inibe a ECA, também conhecida como quininase II, que converte

ngiotensina I em

angiotensina II e degrada a bradiquinina. Uma vez que não há efeito na ECA nem potenciação da

bradiquinina ou substância P é improvável que os antagonistas da angi tensina II estejam associados a tosse. Nos ensaios clínicos em que valsartan foi comparado com um inibid r da ECA, a incidência de tosse seca foi significativamente menor (p <0,05) nos doentes tratados com valsartan do que nos doentes tratados com um inibidor da ECA (2,6% versus 7,9%, respetivamente). Num ensaio clínico realizado em doentes com história de tosse seca durante a terapêutica com inibidor da ECA, ocorreu tosse em 19,5% dos indivíduos tratados com valsartan e em 19,0% dos tratados com um diurético tiazídico, comparativamente a 68,5% dos indivíduos tratados com um inibidor da ECA (p <0,05). O valsartan não se liga nem bloqueia outros recetores hormonais ou canais iónicos reconhecidamente

importantes na regulação cardiovascular.

não

 

A administração de valsartan a doentes com hipertensão provoca uma redução da pressão arterial sem afetar a frequênciaMedicamentocardíaca.

Na maioria dos doentes, após a admi istração de uma dose oral única, o início da atividade anti- hipertensiva ocorre no intervalo de 2 horas, atingindo-se a redução máxima da pressão arterial no intervalo de 4-6 horas. O efeito anti-hipertensivo persiste ao longo de 24 horas após a administração. Durante a administração de doses repetidas, a redução máxima da pressão arterial com qualquer dose é geralmente obtida de orrid s 2-4 semanas, mantendo-se durante o tratamento prolongado. A interrupção súbita de valsartan não está associada a hipertensão de rebound ou a quaisquer outros efeitos clínicos a versos.

Outros: Duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

Dois grandes estudos aleatorizados e controlados (ONTARGET [“ONgoing Telmisartan Alone and in combination with Ramipril Global Endpoint Trial”] e VA NEPHRON-D [“The Veterans Affairs Nephropathy in Diabetes”]) têm examinado o uso da associação de um inibidor da ECA com um antagonista dos recetores da angiotensina II.

O estudo ONTARGET foi realizado em doentes com história de doença cardiovascular ou cerebrovascular, ou diabetes mellitus tipo 2 acompanhada de evidência de lesão de órgão-alvo. O estudo VA NEPHRON-D foi conduzido em doentes com diabetes mellitus tipo 2 e nefropatia diabética.

Estes estudos não mostraram nenhum efeito benéfico significativo nos resultados renais e/ou cardiovasculares e mortalidade, enquanto foi observado um risco aumentado de hipercaliemia, insuficiência renal aguda e/ou hipotensão, em comparação com monoterapia. Dadas as suas propriedades farmacodinâmicas semelhantes, estes resultados são também relevantes para outros inibidores da ECA e antagonistas dos recetores da angiotensina II.

Os inibidores da ECA e os antagonistas dos recetores da angiotensina II não devem assim, ser utilizados concomitantemente em doentes com nefropatia diabética (ver seção 4.4).

O estudo ALTITUDE (“Aliskiren Trial in Type 2 Diabetes Using Cardiovascular and Renal Disease Endpoints”) foi concebido para testar o benefício da adição de aliscireno a uma terapêutica padrão com um inibidor da ECA ou um antagonista dos recetores da angiotensina II em doentes com diabetes mellitus tipo 2 e doença renal crónica, doença cardiovascular ou ambas. O estudo terminou precocemente devido a um risco aumentado de resultados adversos. A morte cardiovascular e o acidente vascular cerebral foram ambos numericamente mais frequentes no grupo tratado com aliscireno, do que no grupo tratado com placebo e os acontecimentos adversos e acontecimentos adversos graves de interesse (hipercaliemia, hipotensão e disfunção renal) foram mais frequentemente notificados no grupo tratado com aliscireno que no grupo tratado com placebo.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

autorizado

Linearidade

A amlodipina e o valsartan exibem uma farmacocinética linear.

Amlodipina/Valsartan

Após a administração oral de Imprida, as concentrações plasmáticas máximas de valsartan e amlodipina são alcançadas em 3 e 6-8 horas, respetivamente. A taxa e a extensão da absorção de Imprida são equivalentes à biodisponibilidade do valsartan e da amlodipina quando administrados como comprimidos individuais.

Amlodipina

não

 

Absorção: Após a administração oral de doses terapêuticas de amlodipina isoladamente, as concentracões plasmáticas máximas de amlodipina são alcançadas em 6-12 horas. A biodisponibilidade

 

 

absoluta varia entre 64% e 80%. A biodisponibilidade da amlodipina não é afetada pela ingestão de

alimentos.

Medicamento

 

 

 

Distribuição: O volume de distribuição é de aproximadamente 21 l/kg. Estudos in vitro com

amlodipina demonstraram que aproximadamente 97,5% do fármaco em circulação está ligado às proteínas plasmáticas.

Biotransformação: A amlodipina é amplamente (aproximadamente 90%) metabolizada pelo fígado em metabolitos inativos.

Eliminação: A elim nação da amlodipina do plasma é bifásica, com uma semivida de eliminação terminal de aproxima amente 30 a 50 horas. Os níveis plasmáticos no estado estacionário são alcançados após a administração contínua durante 7-8 dias. Na urina são excretados dez por cento da amlodipina original e 60% de m tabolitos da amlodipina.

Valsartan

Absorção: Após a administração oral de valsartan isoladamente, as concentracões plasmáticas máximas de valsartan são alcançadas em 2-4 horas. A biodisponibilidade média absoluta é de 23%. Os alimentos reduzem a exposição (como determinado pela AUC) ao valsartan em cerca de 40% e as concentracões plasmáticas máximas (Cmáx) em cerca de 50%, embora aproximadamente a partir das

8 horas após a administração, as concentrações plasmáticas de valsartan sejam semelhantes nos grupos pós-prandial e em jejum. Esta redução da AUC não é, contudo, acompanhada por uma redução clinicamente significativa do efeito terapêutico e o valsartan pode, portanto, ser administrado com ou sem alimentos.

Distribuição: O volume de distribuição do valsartan no estado estacionário após administração intravenosa é de cerca de 17 litros, o que indica que o valsartan não se distribui extensivamente nos tecidos. O valsartan apresenta uma elevada taxa de ligação às proteínas séricas (94-97%), principalmente à albumina sérica.

Biotransformação: O valsartan não é transformado numa elevada extensão já que apenas 20% da dose é recuperada como metabolitos. Foi identificado um hidroximetabolito no plasma em baixas concentrações (menos do que 10% da AUC de valsartan). Este metabolito é farmacologicamente inativo.

Eliminação: O valsartan apresenta uma cinética de degradação multiexponencial (t½α <1 h e t½ß aproximadamente igual a 9 h).O valsartan é excretado principalmente nas fezes (cerca de 83% da dose) e na urina (cerca de 13% da dose), principalmente como composto inalterado. Após administração intravenosa, a depuração plasmática do valsartan é cerca de 2 l/h e a sua depuração renal é de 0,62 l/h (cerca de 30% da depuração total). A semivida do valsartan é de 6 horas.

Populações especiais

População pediátrica (idade inferior a 18 anos)

 

Não estão disponíveis dados de farmacocinética na população pediátrica.

Idosos (idade 65 anos ou superior)

autorizado

 

O tempo até às concentracões plasmáticas máximas de amlodipina é semelhante em oentes jovens e idosos. Em doentes idosos, a depuração da amlodipina tem tendência a dim nu r, provocando aumentos na área sob a curva (AUC) e semivida de eliminação. A AUC sistém ca média do valsartan é 70% mais elevada nos idosos do que nos jovens, pelo que é necessária p ecaução quando se aumenta a dose.

Compromisso renal

A farmacocinética da amlodipina não é significativamente influenci da pelo compromisso renal. Tal como esperado para um composto em que a depuração renal c ntribui para apenas 30% da depuração plasmática total, não foi observada qualquer correlaç o entre a função renal e a exposição sistémica ao valsartan.

Compromisso hepático

 

não

 

 

 

 

 

A informação clínica disponível sobre a administração da amlodipina em doentes com compromisso

Medicamento

 

 

hepático é muito limitada. Os doentes c

m c mpromisso hepático apresentam uma reduzida depuração

da amlodipina, com o consequente aume

o de aproximadamente 40-60% na AUC. Em média, em

doentes com doença hepática crónica ligeira a moderada, a exposição ao valsartan (determinada pelos valores da AUC) é o dobro da obs rvada em voluntários saudáveis (emparelhados por idade, sexo e peso). Deve ter-se cuidado em doentes com doença hepática (ver secção 4.2).

5.3 Dados de segur nça pré-clínica

Amlodipina/Valsartan

As reações adv rsas observadas em estudos em animais com possível relevância clínica foram as seguintes:

Foram observados sinais histopatológicos de inflamação da mucosa gástrica em ratos macho com uma exposição de cerca de 1,9 (valsartan) e 2,6 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. Com exposições superiores, verificou-se ulceração e erosão da mucosa do estômago em machos e fêmeas. Alterações semelhantes foram também observadas no grupo de valsartan isolado (exposição 8,5-11,0 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan).

Verificou-se um aumento da incidência e gravidade de basofilia/hialinização, dilatação e cilindros tubulares renais, assim como inflamação intersticial com predomínio de linfócitos e hipertrofia da camada média arteriolar com uma exposição de 8-13 (valsartan) e 7-8 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. Alterações semelhantes foram observadas no grupo de valsartan isolado (exposição 8,5-11,0 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan).

Num estudo de desenvolvimento embrio-fetal efetuado em ratos, foi observada um aumento da incidência de dilatações ureterais, malformações do esterno e vertebras e de falanges das patas dianteiras não ossificadas com exposições de cerca de 12 (valsartan) e 10 (amlodipina) vezes as doses clínicas de 160 mg de valsartan e 10 mg de amlodipina. As dilatações dos ureteres também foram observadas no grupo tratado com valsartan isolado (exposição 12 vezes a dose clínica de 160 mg de valsartan). Neste estudo verificaram-se apenas sinais modestos de toxicidade materna (redução moderada do peso corporal). O nível de efeito não observado para efeitos no desenvolvimento foi observado com 3 (valsartan) e 4 (amlodipina) vezes a exposição clínica (com base na AUC).

Para os compostos isolados não se observou evidência de mutagenicidade, clastogenicidade ou carcinogenicidade.

Amlodipina

Toxicologia reprodutiva

Estudos de reprodução em ratos e ratinhos mostraram um atraso na data do parto, duração prolongada do trabalho de parto e diminuição da sobrevivência das crias em doses aproximadamente 50 vezes superiores à dose máxima recomendada para humanos, com base nas mg/kg.

Compromisso da fertilidade

Não houve efeito na fertilidade de ratos tratados com amlodipina (machos du ante 64 dias e fêmeas 14 dias antes do acasalamento) em doses até 10 mg/kg/dia (8 vezes* a d se máxima recomendada para o humano de 10 mg com base nas mg/m2 ). Noutro estudo com ratos, no qual os ratos machos eram tratados com besilato de amlodipina durante 30 dias com uma dose comparável à dose humana com base nas mg/kg, foi observada uma diminuição da hormona folíc lo-estimulante e da testosterona

assim como uma diminuição da densidade do esperma e do número de espermatídeos maduros e

células de Sertoli.

autorizado

 

Carcinogénese, mutagénese

Ratos e ratinhos tratados com amlodipina na dieta,duranãote dois anos, em concentrações calculadas

para fornecerem níveis de dose diária de 0,5, 1,25 e 2,5 mg/kg/dia não mostraram evidência de

carcinogenicidade. A dose mais elevada (para ratinhos, semelhante à, e para os ratos a duplicar*, dose máxima recomendadaMedicamentode 10 mg com base nas mg/m ) foi próxima da dose máxima tolerada para os ratinhos mas não para os ratos.

Estudos de mutagénese não demonstraram efeitos relacionados com o medicamento tanto a nível dos genes como dos cromosso as.

* baseado num peso de doente de 50 kg.

Valsartan

Os dados não clínicos não revelam qualquer risco especial para o ser humano baseados em estudos convencionais de s gurança farmacológica, toxicidade de dosagem repetida, genotoxicidade, potencial carcinogénico, toxicidade reprodutiva e do desenvolvimento.

Nos ratos, doses tóxicas a nível materno (600 mg/kg/dia) durante os últimos dias de gestação e aleitamento levaram a menor sobrevivência, menos aumento de peso e atraso no desenvolvimento (descolamento do pavilhão da orelha e abertura do canal auricular) das crias (ver secção 4.6). Estas doses em ratos (600 mg/kg/dia) foram aproximadamente 18 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos assumem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente de 60 kg).

Em estudos não clínicos de segurança, doses elevadas de valsartan (200 a 600 mg/kg de peso corporal) provocaram em ratos a redução dos parâmetros dos glóbulos vermelhos (eritrócitos, hemoglobina, hematócritos) e evidência de alterações hemodinâmicas renais (uremia levemente aumentada e hiperplasia tubular renal e basofilia nos machos). Estas doses em ratos (200 a 600 mg/kg/dia) foram aproximadamente 6 e 18 vezes a dose máxima recomendada para o ser humano numa base de mg/m2 (os cálculos pressupõem uma dose oral de 320 mg/dia e um doente de 60 kg).

Em macacos saguís com doses comparáveis as alterações foram similares apesar de com maior gravidade, particularmente nos rins onde as alterações evoluíram para nefropatia incluindo aumento de ureia e creatinina no sangue.

Foram também verificadas em ambas as espécies hipertrofia das células renais justaglomerulares. Considerou-se que todas as alterações foram causadas pela ação farmacológica de valsartan, o qual produz uma hipotensão prolongada, particularmente nos macacos saguís. Para doses terapêuticas de valsartan no ser humano, a hipertrofia das células renais justaglomerulares parece não ter qualquer relevância.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1

Lista dos excipientes

 

 

autorizado

Núcleo do comprimido:

 

 

 

 

 

Celulose microcristalina

 

 

 

Crospovidona Tipo A

 

 

 

Sílica coloidal anidra

 

 

 

Estearato de magnésio

 

 

 

Revestimento:

 

 

 

Hipromelose

 

 

 

Dióxido de titânio (E171)

 

não

 

Óxido de ferro amarelo (E172)

 

 

 

 

 

Óxido de ferro vermelho (E172)

 

 

 

Macrogol 4000

 

 

Talco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6.2

Incompatibilidades

 

 

 

 

 

Medicamento

 

 

 

Não aplicável.

 

 

 

6.3

Prazo de validade

 

 

 

3 anos.

 

 

 

 

6.4

Precauções espe ais de conservação

 

 

 

Não conservar acima de 30°C.

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Blisters de PVC/PVDC. Um blister contém 7, 10 ou 14 comprimidos revestidos por película. Apresentações: 7, 14, 28, 30, 56, 90, 98 ou 280 comprimidos revestidos por película e embalagens múltiplas contendo 280 (4x70 ou 20x14) comprimidos revestidos por película.

Blisters destacáveis de PVC/PVDC para dose unitária: Um blister contém 7, 10 ou 14 comprimidos revestidos por película.

Apresentações. 56, 98 ou 280 comprimidos revestidos por película.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Não existem requisitos especiais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Novartis Europharm Limited

Frimley Business Park

Camberley GU16 7SR

Reino Unido

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/06/373/017

 

autorizado

 

 

EU/1/06/373/018

 

 

EU/1/06/373/019

 

 

EU/1/06/373/020

 

 

EU/1/06/373/021

 

 

EU/1/06/373/022

 

 

EU/1/06/373/023

 

 

EU/1/06/373/024

 

 

EU/1/06/373/031

 

 

EU/1/06/373/032

não

 

EU/1/06/373/033

 

EU/1/06/373/036

 

EU/1/06/373/039

 

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃODA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃOMedicamentoNO MERCADOAgência

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados