Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Levitra (vardenafil) – Resumo das características do medicamento - G04BE09

Updated on site: 08-Oct-2017

Nome do medicamentoLevitra
Código ATCG04BE09
Substânciavardenafil
FabricanteBayer AG  

1.NOME DO MEDICAMENTO

Levitra 5 mg comprimidos revestidos por película

Levitra 10 mg comprimidos revestidos por película

Levitra 20 mg comprimidos revestidos por película

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido de 5 mg comprimidos revestidos por película contém 5 mg de vardenafil (na forma de cloridrato).

Cada comprimido de 10 mg comprimidos revestidos por película contém 10 mg de vardenafil (na forma de cloridrato).

Cada comprimido de 20 mg comprimidos revestidos por película contém 20 mg de vardenafil (na forma de cloridrato).

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película.

Levitra 5 mg comprimidos revestidos por película

Comprimidos circulares de cor laranja, com a cruz-BAYER gravada numa das faces e “5” na outra face.

Levitra 10 mg comprimidos revestidos por película

Comprimidos circulares de cor laranja, com a cruz-BAYER gravada numa das faces e “10” na outra face.

Levitra 20 mg comprimidos revestidos por película

Comprimidos circulares de cor laranja, com a cruz-BAYER gravada numa das faces e “20” na outra face.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1Indicações terapêuticas

Tratamento da disfunção erétil em homens adultos. Disfunção erétil é a incapacidade para obter ou manter uma ereção do pénis suficiente para um desempenho sexual satisfatório.

Para que Levitra seja eficaz é necessário que haja estimulação sexual.

4.2Posologia e modo de administração

Posologia

Utilização em homens adultos

A dose recomendada é de 10 mg administrada de acordo com as necessidades aproximadamente 25 a 60 minutos antes da atividade sexual. Com base na eficácia e tolerabilidade a dose pode ser aumentada para 20 mg ou diminuída para 5 mg. A dose máxima recomendada é de 20 mg. A frequência máxima de administração recomendada é de uma vez ao dia. Levitra pode ser administrado com ou sem alimentos. O início de atividade pode ser atrasado se administrado juntamente com uma refeição com elevado teor em gorduras (ver secção 5.2).

Populações especiais

População idosa (≥ 65 anos de idade)

Não são necessários ajustes posológicos em doentes idosos. No entanto, um aumento para um máximo de 20 mg de dose deverá ser atentamente considerado, dependendo da tolerabilidade individual (ver secções 4.4 e 4.8).

Compromisso hepático

Em doentes com compromisso hepático ligeiro e moderado (Child-Pugh A-B) deve ser considerada uma dose inicial de 5 mg. Com base na tolerabilidade e na eficácia a dose pode posteriormente ser aumentada. A dose máxima recomendada em doentes com compromisso hepático moderado (Child-Pugh B) é de 10 mg (ver secções 4.3 e 5.2).

Compromisso renal

Nos doentes com compromisso renal ligeiro a moderado não é necessário ajuste posológico.

Em doentes com compromisso renal grave (taxa de depuração de creatinina <30 ml/min.), deve considerar-se uma dose inicial de 5 mg. Com base na tolerabilidade e na eficácia a dose pode ser aumentada para 10 mg e 20 mg.

População pediátrica

Levitra não se encontra indicado para indivíduos de idade inferior a 18 anos. Não existe nenhuma indicação relevante para utilização de Levitra em crianças.

Utilização em doentes a usar outros medicamentos

Utilização concomitante de inibidores do CYP3A4

Quando usado em associação com os inibidores do CYP3A4, tais como eritromicina ou claritromicina, a dose de vardenafil não deve exceder os 5 mg (ver secção 4.5).

Modo de administração

Por via oral.

4.3Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

A coadministração de vardenafil com nitratos ou dadores de óxido nítrico (tais como o nitrito de amilo) em qualquer forma é contraindicada (ver secções 4.5 e 5.1).

Levitra está contraindicado em doentes que tenham perda de visão num dos olhos devido a neuropatia ótica isquémica anterior não arterítica (NAION), independentemente se este acontecimento esteve ou não relacionado com a exposição prévia a um inibidor da fosfodiesterase 5 (PDE5) (ver secção 4.4).

Os medicamentos para o tratamento da disfunção erétil não devem geralmente ser usados em homens para os quais não é aconselhável atividade sexual (por ex. doentes com doenças cardiovasculares graves tais como angina instável ou insuficiência cardíaca grave [New York Heart Association III ou IV]).

A segurança de vardenafil não foi estudada nos seguintes sub-grupos de doentes, pelo que a sua utilização está contraindicada até estar disponível mais informação:

-compromisso hepático grave (Child-Pugh C),

-doença renal terminal carecendo de diálise,

-hipotensão (pressão sanguínea <90/50 mmHg),

-antecedentes recentes de acidente vascular cerebral ou enfarte do miocárdio (nos últimos 6 meses),

-angina instável e perturbações hereditárias degenerativas da retina tais como retinite pigmentosa.

A utilização concomitante de vardenafil com os inibidores potentes do CYP3A4 cetoconazol e itraconazol (forma oral) está contraindicada em homens com mais de 75 anos de idade.

A utilização concomitante de vardenafil com inibidores da protease do VIH tais como o ritonavir e indinavir está contraindicada, pois são inibidores muito potentes do CYP3A4 (ver secção 4.5).

A administração concomitante de inibidores da PDE5, incluindo vardenafil, com estimuladores da guanilato ciclase como, por exemplo, o riociguat, está contraindicada, devido à possibilidade de originar hipotensão sintomática (ver secção 4.5).

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Antes de se considerar o tratamento farmacológico deve proceder-se à realização de um exame físico e da história clínica para diagnóstico da disfunção erétil e determinação das potenciais causas subjacentes.

Antes de iniciar qualquer tratamento para a disfunção erétil o médico deve considerar a situação cardiovascular dos seus doentes, uma vez que existe um grau de risco cardíaco associado à atividade sexual (ver secção 4.3). Vardenafil possui propriedades vasodilatadoras de onde resultam diminuições ligeiras e transitórias da pressão sanguínea (ver secção 5.1). Doentes com obstrução do fluxo ventricular esquerdo, por ex.: estenose aórtica e estenose subaórtica hipertrófica idiopática, podem ser sensíveis à ação de vasodilatadores, incluindo os inibidores da fosfodiesterase Tipo 5.

Os medicamentos para o tratamento da disfunção erétil devem ser usados com prudência em doentes com deformações anatómicas do pénis (tais como angulação, fibrose cavernosa ou doença de Peyronie), ou em doentes com condições predisponentes à ocorrência de priapismo (tais como anemia das células falciformes, mieloma múltiplo ou leucemia).

A segurança e eficácia de associações de Levitra comprimidos revestidos por película com Levitra comprimidos orodispersíveis, ou com outros tratamentos para a disfunção erétil, não foram estudadas. Por este motivo, a utilização deste tipo de associações não é recomendada.

A tolerabilidade à dose máxima de 20 mg pode ser menor em doentes idosos (≥ 65 anos de idade) (ver secções 4.2 e 4.8).

Utilização concomitante de bloqueadores-alfa

A utilização concomitante de bloqueadores-alfa e de vardenafil pode, em alguns doentes, resultar em hipotensão sintomática, pois ambos são vasodilatadores. O tratamento concomitante com vardenafil só deve ser iniciado caso o doente esteja estabilizado com o tratamento com o bloqueador-alfa. Naqueles doentes que estão estabilizados com terapêutica com bloqueadores-alfa, vardenafil deve ser iniciado com a dose inicial recomendada mais baixa de 5 mg comprimidos revestidos por película. Vardenafil pode ser administrado em qualquer altura com tansulosina ou com alfuzosina. Deve-se considerar fazer um intervalo entre tomas quando vardenafil é prescrito concomitantemente com outros bloqueadores- alfa (ver secção 4.5). Em doentes já a tomar uma dose de vardenafil otimizada, o tratamento com bloqueadores-alfa deve ser iniciado com a dose mais baixa. O aumento gradual da dose do bloqueador- alfa pode estar associado a uma diminuição acrescida da pressão arterial em doentes que estão a tomar vardenafil.

Utilização concomitante de inibidores do CYP3A4

A utilização concomitante de vardenafil com inibidores potentes do CYP3A4 tais como o itraconazol e o cetoconazol (forma oral) deve ser evitada pois obtém-se concentrações plasmáticas de vardenafil muito elevadas quando estes medicamentos são associados (ver secções 4.5 e 4.3).

Em caso de administração concomitante de inibidores moderados do CYP3A4, tais como eritromicina e claritromicina, pode ser necessário ajustar a dose de vardenafil (ver secções 4.5 e 4.2).

A ingestão simultânea de toranja ou de sumo de toranja é esperada que aumente as concentrações plasmáticas de vardenafil. Esta associação deve ser evitada (ver secção 4.5).

Efeito no intervalo QTc

Foi demonstrado que doses orais individuais de 10 mg e 80 mg de vardenafil provocam um prolongamento do intervalo QTc num valor médio de 8 mseg. e 10 mseg., respetivamente. E doses individuais de 10 mg de vardenafil coadministrado concomitantemente com 400 mg de gatifloxacina, uma substância ativa com efeito QT comparável, demonstraram um efeito QTc aditivo de 4 mseg. quando comparado com qualquer das substâncias ativas sozinhas. O impacto clínico destas alterações QT é desconhecido (ver secção 5.1).

A relevância clínica desta observação é desconhecida e não pode ser generalizada a todos os doentes, em todas as circunstâncias, pois depende de fatores de risco e suscetibilidades individuais que se podem manifestar em qualquer momento em qualquer doente. É conveniente evitar o uso de medicamentos que podem prolongar o intervalo QTc, incluindo o vardenafil, em doentes com fatores de risco relevantes, tais como, hipocaliemia, prolongamento congénito do intervalo QT, administração concomitante de medicamentos antiarritmicos da Classe IA (por ex.: quinidina, procainamida) ou da Classe III (por ex.: amiodarona, sotalol).

Efeito na visão

Têm sido notificadas anomalias visuais e casos de neuropatia ótica isquémica anterior não arterítica (NAION) relacionados com a toma de Levitra e de outros inibidores da PDE5. O doente deve ser avisado que, em caso de anomalia visual súbita, deve parar de tomar Levitra e consultar imediatamente o médico (ver secção 4.3).

Efeito na hemostase

Estudos efetuados in vitro, com plaquetas humanas, indicam que vardenafil não possui por si só efeitos antiagregantes, embora em concentrações elevadas (superterapêuticas) potencie o efeito anti-agregante do dador de óxido nítrico, nitroprussiato de sódio. Nos humanos, vardenafil não exerce efeito sobre o tempo de hemorragia, tanto sozinho como em associação com ácido acetilsalicílico (ver secção 4.5). Não existe informação disponível sobre a segurança de administração de vardenafil em doentes com alterações da hemostase ou úlcera péptica ativa. Por este motivo vardenafil apenas deve ser administrado a estes doentes após uma cautelosa avaliação risco-benefício.

4.5Interações medicamentosas e outras formas de interação

Efeitos de outros medicamentos sobre vardenafil

Estudos in vitro

Vardenafil é metabolizado predominantemente por enzimas hepáticas através da isoforma 3A4 do citocromo P450 (CYP), com alguma contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C. Assim, os inibidores destas isoenzimas podem reduzir a taxa de depuração do vardenafil.

Estudos in vivo

A administração concomitante do inibidor das proteases do VIH indinavir (800 mg três vezes ao dia), um potente inibidor do CYP3A4, com vardenafil (10 mg comprimido revestido por película) resultou

num aumento de 16 vezes da AUC de vardenafil e de 7 vezes da Cmax de vardenafil. Ao fim de 24 horas, os níveis plasmáticos de vardenafil tinham diminuído para aproximadamente 4% dos níveis

plasmáticos máximos de vardenafil (Cmax).

A administração concomitante de vardenafil 5 mg com ritonavir (600 mg duas vezes ao dia) resultou

num aumento de 13 vezes da Cmax do vardenafil e num aumento de 49 vezes na AUC0-24 do vardenafil. A interação é uma consequência do bloqueio do metabolismo hepático do vardenafil pelo ritonavir,

um inibidor do CYP3A4 muito potente, que também inibe o CYP2C9. O ritonavir prolongou significativamente a semivida do vardenafil para 25,7 horas (ver secção 4.3).

A administração concomitante de cetoconazol (200 mg), um potente inibidor do CYP3A4, com

vardenafil (5 mg) resultou num aumento de 10 vezes da AUC do vardenafil e de 4 vezes da Cmax do vardenafil (ver secção 4.4).

Embora não se tenham realizado estudos de interação específicos, é previsível que a utilização concomitante de outros inibidores potentes do CYP3A4 (tais como o itraconazol) produzam níveis plasmáticos de vardenafil comparáveis aos produzidos pelo cetoconazol. A utilização concomitante de vardenafil com inibidores potentes do CYP3A4 tais como o itraconazol e o cetoconazol (via oral) deve ser evitada (ver secções 4.3 e 4.4). A utilização concomitante de vardenafil com itraconazol ou cetoconazol é contraindicada em homens com idade superior a 75 anos (ver secção 4.3).

A administração concomitante de eritromicina (500 mg três vezes ao dia), um inibidor do CYP3A4,

com vardenafil (5 mg) resultou num aumento de 4 vezes da AUC do vardenafil e de 3 vezes da Cmax. Embora não tenha sido conduzido um estudo de interação específica, prevê-se que a coadministração

de claritromicina resulte em efeitos similares na AUC e Cmax do vardenafil. Pode ser necessário ajustar a posologia de vardenafil quando usado em associação com um inibidor moderado do CYP3A4, tal como a eritromicina ou a claritromicina (ver secções 4.2 e 4.4). A cimetidina (400 mg duas vezes ao dia), um inibidor não específico do citocromo P450, não exerceu efeito sobre a AUC e a Cmax do vardenafil, quando coadministrada com vardenafil (20 mg) a voluntários saudáveis.

Sendo um inibidor fraco do metabolismo do CYP3A4 a nível da parede intestinal, o sumo de toranja poderá dar origem a aumentos modestos dos níveis plasmáticos de vardenafil (ver secção 4.4).

A farmacocinética do vardenafil (20 mg) não foi afetada pela administração concomitante do antagonista-H2 ranitidina (150 mg duas vezes ao dia), digoxina, varfarina, glibenclamida, álcool (nível sanguíneo máximo médio de álcool de 73 mg/dl) ou doses únicas de antiácido (hidróxido de magnésio/hidróxido de alumínio).

Apesar de não se terem realizado estudos específicos de interação para todos os medicamentos, a análise farmacocinética da população não mostrou que a administração concomitante dos medicamentos seguidamente indicados exercesse efeito sobre a farmacocinética de vardenafil: ácido acetilsalicílico, IECAs, bloqueadores-beta, inibidores fracos do CYP3A4, diuréticos e medicamentos para o tratamento da diabetes (sulfonilureias e metformina).

Efeitos do vardenafil sobre outros medicamentos

Não existem dados sobre a interação do vardenafil e de inibidores não específicos da fosfodiesterase, tais como a teofilina ou o dipiridamol.

Estudos in vivo

Num estudo realizado em 18 voluntários saudáveis do sexo masculino não se observou potenciação do efeito hipotensor da nitroglicerina sublingual (0,4 mg) quando se administrou vardenafil (10 mg) a intervalos variáveis (de 1 h a 24 h) antes da dose de nitroglicerina. Em indivíduos saudáveis de meia idade vardenafil 20 mg comprimido revestido por película potenciou os efeitos hipotensores da nitroglicerina sub-lingual (0,4 mg) tomada 1 e 4 horas após a administração de vardenafil. Não se observou efeito sobre a pressão sanguínea quando a nitroglicerina foi tomada 24 horas após a administração de uma dose individual de 20 mg comprimido revestido por película de vardenafil. Contudo, não existe informação em doentes sobre a possível potenciação dos efeitos hipotensores dos nitratos pelo vardenafil, estando por isso contraindicado o seu uso concomitante (ver secção 4.3).

O nicorandilo é um composto híbrido ativador dos canais de potássio (abertura) e nitrato. Devido ao seu componente nitrato, este fármaco tem o potencial de gerar interações graves com o vardenafil.

Uma vez que a monoterapia com bloqueadores-alfa pode provocar uma acentuada descida da pressão sanguínea, especialmente hipotensão postural e síncope, realizaram-se estudos de interação com vardenafil. Em dois estudos de interações em voluntários saudáveis normotensos, após titulação forçada a doses elevadas dos bloqueadores-alfa tansulosina ou terazosina, foi notificada hipotensão (sintomática em alguns casos) num número significativo de indivíduos, após coadministração de vardenafil. Entre os indivíduos tratados com terazosina, observou-se com mais frequência hipotensão quando vardenafil e terazosina foram administrados simultaneamente, do que quando a administração foi separada por um intervalo de 6 horas.

Com base em resultados de estudos de interações conduzidos com vardenafil em doentes com hiperplasia benigna da próstata (HBP) com terapêutica estabilizada com tansulosina, terazosina ou alfuzosina:

Quando se administrou vardenafil (comprimidos revestidos por película) em doses de 5, 10 ou 20 mg, num quadro de terapêutica estabilizada com tansulosina, não se verificou uma redução sintomática da pressão sanguínea, ainda que 3/21 dos indivíduos tratados com tansulosina tenham exibido uma pressão sanguínea sistólica transitória inferior a 85 mmHg.

Quando se administrou 5 mg de vardenafil (comprimidos revestidos por película) simultaneamente com 5 ou 10 mg de terazosina, um dos 21 doentes teve hipotensão postural sintomática. Não se verificou hipotensão quando a administração de 5 mg de vardenafil e terazosina foi separada por 6 horas.

Quando se administrou vardenafil (comprimidos revestidos por película) em doses de 5 ou 10 mg com antecedentes de uma terapêutica estável com alfuzosina, em comparação com o placebo, não se observou uma redução sintomática da pressão sanguínea.

Assim, o tratamento concomitante só deve ser iniciado se o doente estiver estabilizado na sua terapêutica com bloqueadores-alfa. Naqueles doentes que estão estabilizados sob terapêutica com bloqueador-alfa, vardenafil deve ser iniciado com a dose inicial recomendada mais baixa de 5 mg. Levitra pode ser administrado em qualquer altura com tansulosina ou alfuzosina. Deve-se considerar fazer um intervalo entre tomas quando vardenafil é prescrito concomitantemente com outros bloqueadores-alfa (ver secção 4.4).

Não foram demonstradas interações significativas quando foi concomitantemente administrada varfarina (25 mg), a qual é metabolizada pelo CYP2C9, ou digoxina (0,375 mg) com vardenafil

(20 mg comprimidos revestidos por película). A biodisponibilidade relativa da glibenclamida (3,5 mg) não foi afetada quando foi concomitantemente administrada com vardenafil (20 mg). Num estudo específico em que vardenafil (20 mg) foi coadministrado com nifedipina de libertação lenta (30 mg ou 60 mg) a doentes hipertensos houve uma redução adicional de 6 mmHg da pressão arterial sistólica em supino e de 5 mmHg da pressão arterial diastólica em supino, acompanhada por um aumento de 4 bpm na frequência cardíaca.

Quando vardenafil (20 mg comprimidos revestidos por película) e álcool (nível sanguíneo máximo médio de álcool de 73 mg/dl) foram simultaneamente ingeridos, o vardenafil não potenciou os efeitos do álcool sobre a pressão arterial e frequência cardíaca, nem alterou a farmacocinética do vardenafil.

O vardenafil (10 mg) não potenciou o aumento do tempo de hemorragia provocado pelo ácido acetilsalicílico (2 x 81 mg).

Riociguat

Estudos pré-clínicos mostraram um efeito hipotensor sistémico aditivo com a administração concomitante de inibidores da PDE5 e riociguat. Em estudos clínicos, riociguat demonstrou aumentar os efeitos hipotensores dos inibidores da PDE5. Não houve evidência de um efeito clínico favorável com a administração concomitante na população estudada. A administração concomitante de riociguat e inibidores da PDE5, incluindo vardenafil, está contraindicada (ver secção 4.3).

4.6Fertilidade, gravidez e aleitamento

Levitra não está indicado para utilização pela mulher. Não existem estudos com vardenafil em mulheres grávidas.

Não existem dados de fertilidade disponíveis.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

Dado que no decurso dos ensaios clínicos realizados com vardenafil foram notificadas tonturas e alterações da visão, os doentes devem ter conhecimento da forma como reagem a Levitra, antes de conduzirem ou utilizarem máquinas.

4.8Efeitos indesejáveis

As reações adversas notificadas com Levitra comprimidos revestidos por película ou 10 mg comprimidos orodispersíveis, em ensaios clínicos, foram geralmente de natureza ligeira a moderada e

transitórias. A reação adversa medicamentosa notificada mais frequentemente, ocorrendo em 10% dos doentes, consiste em cefaleias.

As reações adversas são listadas de acordo com a convenção de frequências MedDRA: muito

frequentes (1/10), frequentes (1/100, <1/10), pouco frequentes (1/1.000, <1/100), raras (1/10.000, <1/1.000) e desconhecida (não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis).

As reações adversas são apresentadas por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência.

Foram notificadas as seguintes reações adversas:

Classe de

Muito

Frequentes

Pouco

Raras

Desconhecido

Sistemas de

frequentes

(1/100,

frequentes

(1/10.000,

(não pode ser

Órgãos

(1/10)

<1/10)

(1/1.000,

<1/1.000)

calculado a partir

 

 

 

<1/100)

 

dos dados

 

 

 

 

 

disponíveis)

Infeções e

 

 

 

Conjuntivite

 

infestações

 

 

 

 

 

Doenças do

 

 

Edema alérgico

Reação

 

sistema

 

 

e angioedema

alérgica

 

imunitário

 

 

 

 

 

Perturbações

 

 

Alterações do

Ansiedade

 

do foro

 

 

sono

 

 

psiquiátrico

 

 

 

 

 

Doenças do

Cefaleias

Tonturas

Sonolência

Síncope

 

sistema

 

 

Parestesia e

Convulsões

 

nervoso

 

 

disestesia

Amnésia

 

Afeções

 

 

Perturbação

Aumento da

Neuropatia ótica

oculares

 

 

visual

pressão

isquémica

 

 

 

Hiperemia

intraocular

anterior não

 

 

 

ocular

Aumento do

arterítica

 

 

 

Distorções

lacrimejo

Anomalias

 

 

 

visuais das cores

 

visuais

 

 

 

Dor ocular e

 

 

 

 

 

desconforto

 

 

 

 

 

ocular

 

 

 

 

 

Fotofobia

 

 

Afeções do

 

 

Zumbidos

 

Surdez súbita

ouvido e do

 

 

Vertigens

 

 

labirinto

 

 

 

 

 

Classe de

Muito

Frequentes

Pouco

Raras

Desconhecido

Sistemas de

frequentes

(1/100,

frequentes

(1/10.000,

(não pode ser

Órgãos

(1/10)

<1/10)

(1/1.000,

<1/1.000)

calculado a partir

 

 

 

<1/100)

 

dos dados

 

 

 

 

 

disponíveis)

Cardiopatias

 

 

Palpitações

Enfarte do

 

 

 

 

Taquicardia

miocárdio

 

 

 

 

 

Taquiarritmias

 

 

 

 

 

ventriculares

 

 

 

 

 

Angina

 

 

 

 

 

pectoris

 

Vasculopatias

 

Rubor

 

Hipertensão

 

 

 

 

 

Hipotensão

 

Doenças

 

Congestão

Dispneia

Epistaxe

 

respiratórias,

 

nasal

Congestão

 

 

torácicas e do

 

 

sinusal

 

 

mediastino

 

 

 

 

 

Doenças

 

Dispepsia

Doença do

 

 

gastrointes-

 

 

refluxo gastro-

 

 

tinais

 

 

esofágico

 

 

 

 

 

Gastrite

 

 

 

 

 

Dor

 

 

 

 

 

gastrointestinal

 

 

 

 

 

e abdominal

 

 

 

 

 

Diarreia

 

 

 

 

 

Vómitos

 

 

 

 

 

Náuseas

 

 

 

 

 

Boca seca

 

 

Afeções

 

 

Aumento das

Aumento da

 

hepatobilia-

 

 

transaminases

gamaglutamilt

 

res

 

 

 

ransferase

 

Afeções dos

 

 

Eritema

Reação de

 

tecidos

 

 

Erupções

fotossensibilid

 

cutâneos e

 

 

cutâneas

ade

 

subcutâneos

 

 

 

 

 

Afeções

 

 

Dor lombar

 

 

músculo-

 

 

Aumento da

 

 

esqueléticas e

 

 

creatina

 

 

dos tecidos

 

 

fosfoquinase

 

 

conjuntivos

 

 

Mialgia

 

 

 

 

 

Tónus muscular

 

 

 

 

 

aumentado e

 

 

 

 

 

cãibras

 

 

Doenças

 

 

 

 

Hematúria

renais e

 

 

 

 

 

urinárias

 

 

 

 

 

Doenças dos

 

 

Aumento da

Priapismo

Hemorragia

órgãos

 

 

ereção

 

peniana

genitais e da

 

 

 

 

Hematospermia

mama

 

 

 

 

 

Perturbações

 

 

Indisposição

Dor torácica

 

gerais e

 

 

 

 

 

alterações no

 

 

 

 

 

local de

 

 

 

 

 

administra-

 

 

 

 

 

ção

 

 

 

 

 

Foram notificadas hemorragia peniana, hematospermia e hematúria em ensaios clínicos e em dados espontâneos após comercialização com a utilização de todos os inibidores de PDE5, incluindo vardenafil.

Na dose de 20 mg de Levitra comprimidos revestidos por película, os doentes idosos (≥ 65 anos de idade) tiveram maiores frequências de dores de cabeça (16,2% versus 11,8%) e de tonturas (3,7% versus 0,7%) do que doentes mais novos (<65 anos de idade). De uma forma geral, a incidência de reações adversas (especialmente “tonturas”) mostrou ser ligeiramente mais elevada em doentes com história de hipertensão.

Notificações pós-comercialização com outro medicamento desta classe

Vasculopatias

Com outro medicamento desta classe foram notificadas reações cardiovasculares graves em associação temporal, na fase pós-comercialização, incluindo hemorragia cérebro-vascular, morte súbita cardíaca, acidente isquémico transitório, angina instável e arritmia ventricular.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9Sobredosagem

Em estudos de dose única, voluntários toleraram doses até 80 mg (inclusive) por dia de vardenafil (comprimidos revestidos por película), sem manifestarem reações adversas graves.

Foram notificados casos de dor lombar grave quando vardenafil foi administrado em doses mais elevadas e mais frequentemente do que o regime posológico recomendado (40 mg comprimidos revestidos por película duas vezes ao dia). Este facto não foi associado com qualquer toxicidade muscular ou neurológica.

Em casos de sobredosagem, devem ser adotadas as medidas de apoio necessárias usuais. Não é previsível que a diálise renal acelere a taxa de depuração uma vez que o vardenafil apresenta uma extensa ligação às proteínas plasmáticas e não é significativamente eliminado através da urina.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Aparelho geniturinário, medicamentos usados na disfunção erétil, código ATC: G04BE09.

O vardenafil é uma terapêutica oral para melhorar a função erétil em homens com disfunção erétil. Em circunstâncias normais, i.e. com estimulação sexual, restabelece a função erétil diminuída através do aumento do fluxo sanguíneo para o pénis.

A ereção do pénis é um processo hemodinâmico. Durante a estimulação sexual o óxido nítrico é libertado. O óxido nítrico ativa então a enzima guanilato ciclase, resultando num nível aumentado de monofosfato de guanosina cíclico (GMPc) nos corpos cavernosos. Isto por sua vez produz um relaxamento da musculatura lisa, permitindo um aumento do afluxo de sangue para o pénis. O nível de GMPc é regulado pela velocidade de síntese através da guanilato ciclase e pela velocidade de degradação através das fosfodiesterases que hidrolisam o GMPc (PDEs).

O vardenafil é um inibidor potente e seletivo da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5) específica do GMPc, a PDE mais abundante nos corpos cavernosos humanos. O vardenafil exerce uma potenciação dos

efeitos do óxido nítrico endógeno nos corpos cavernosos através da inibição da PDE5. Quando o óxido nítrico é libertado como resposta à estimulação sexual, a inibição da PDE5 pelo vardenafil resulta no aumento dos níveis de GMPc nos corpos cavernosos. A estimulação sexual é pois requerida para que o vardenafil exerça os seus efeitos terapêuticos benéficos.

Estudos in vitro demonstraram que vardenafil é mais potente sobre a PDE5 que sobre as outras fosfodiesterases conhecidas (>15 vezes relativamente à PDE6, >130 vezes relativamente à PDE1, >300 vezes relativamente à PDE11 e >1000 vezes relativamente às PDE2, PDE3, PDE4, PDE7, PDE8, PDE9 e PDE10).

Num estudo de pletismografia do pénis (RigiScan), 20 mg de vardenafil produziram, em alguns homens, ereções consideradas suficientes para penetração (60% de rigidez por RigiScan) após um período tão breve como 15 minutos após a administração. A resposta global destes indivíduos ao vardenafil tornou-se estatisticamente significativa em comparação com o placebo 25 minutos após a administração.

O vardenafil provoca uma diminuição ligeira e transitória da pressão arterial que, na maioria dos casos, não se traduz em efeitos clínicos. Após a administração de doses de vardenafil de 20 mg e 40 mg as diminuições máximas médias da pressão arterial sistólica em supino foram de – 6,9 mmHg

com 20 mg e de – 4,3 mmHg com 40 mg em comparação com placebo. Estes efeitos são consistentes com os efeitos vasodilatadores dos inibidores da PDE5 e devem-se provavelmente ao aumento do nível de GMPc nas células da musculatura lisa vascular. Em voluntários saudáveis do sexo masculino doses orais únicas e múltiplas de vardenafil até 40 mg não produziram alterações clinicamente relevantes dos ECG.

Um estudo de dose única, em dupla ocultação, cruzado, aleatorizado realizado em 59 indivíduos saudáveis do sexo masculino comparou os efeitos sobre o intervalo QT do vardenafil (10 mg e 80 mg), sildenafil (50 mg e 400 mg) e placebo. A moxifloxacina (400 mg) foi incluída como controlo interno ativo. Os efeitos sobre o intervalo QT foram medidos uma hora após a administração (tmax médio para o vardenafil). O objetivo primário do estudo foi o de excluir um efeito superior a 10 mseg. (i.e., demonstrar ausência de efeito) de uma dose oral individual de 80 mg de vardenafil sobre o intervalo QTc comparado com o placebo, tal como medido pela alteração da fórmula de correção de Fridericia (QTcF=QT/RR1/3) a partir do nível basal até 1 hora pós administração. Os resultados com vardenafil mostraram um aumento do intervalo QTc (Fridericia) comparativamente ao placebo de 8 mseg.

(IC 90%: 6-9) e de 10 mseg. (IC 90%: 8-11) com as doses de 10 e 80 mg e um aumento do QTci de 4 mseg. (IC 90%: 3-6) e de 6 mseg. (IC 90%: 4-7) com as doses de 10 e 80 mg em comparação com o placebo uma hora após a administração. No tmax apenas a alteração média do QTcF para o vardenafil

80 mg estava fora do limite estabelecido do estudo (média 10 mseg., IC 90% 8-11). Ao usar a fórmula de correção individual, nenhum dos valores se encontrou fora do limite.

Num estudo pós-comercialização separado de 44 voluntários saudáveis, doses individuais de 10 mg de vardenafil ou de 50 mg de sildenafil foram coadministradas concomitantemente com 400 mg de gatifloxacina, um fármaco com efeito QT comparável. Tanto o vardenafil como o sildenafil mostraram um aumento do efeito QTc Fredericia de 4 mseg. (vardenafil) e de 5 mseg. (sildenafil) quando comparados com qualquer um dos fármacos isoladamente. Desconhece-se atualmente o impacto clínico destas alterações QT.

Outras informações relativas aos ensaios clínicos com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis A eficácia e segurança de vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis foram demonstradas separadamente numa larga população em dois estudos incluindo 701 doentes aleatorizados, com disfunção erétil, que foram tratados durante 12 semanas. A distribuição de doentes nos sub-grupos pré- definidos abrangeu doentes idosos (51%), doentes com antecedentes de diabetes mellitus (29%), dislipidemia (39%) e hipertensão (40%).

Nos dados agrupados dos dois ensaios clínicos com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis, os valores do índice IIEF-EF foram significativamente mais elevados com vardenafil 10 mg comprimido orodispersível versus placebo.

Uma percentagem de 71% de todas as tentativas de ter relações sexuais notificadas nos ensaios clínicos conseguiu atingir a penetração com sucesso, comparativamente a 44% de todas as tentativas no grupo placebo. Estes resultados foram também refletidos nos sub-grupos, nos doentes idosos (65%), nos doentes com antecedentes de diabetes mellitus (63%), doentes com antecedentes de dislipidemia (66%) e hipertensão (70%) de todas as tentativas de ter relações sexuais reportadas atingiram a penetração com sucesso.

Cerca de 63% de todas as tentativas de ter relações sexuais reportadas com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis tiveram sucesso em termos de manutenção da ereção comparativamente com cerca de 26% de todas as tentativas de ter relações sexuais, com placebo. Nos sub-grupos pré- definidos 57% (doentes idosos), 56% (doentes com antecedentes de diabetes mellitus), 59% (doentes com antecedentes de dislipidemia) e 60% (doentes com antecedentes de hipertensão) de todas as tentativas notificadas com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis tiveram sucesso em termos de manutenção da ereção.

Outras informações relativas aos ensaios clínicos

Nos ensaios clínicos, vardenafil foi administrado a mais de 17.000 homens com disfunção erétil (DE) com idades entre os 18 - 89 anos, muitos dos quais apresentavam várias comorbilidades. Mais de 2.500 doentes foram tratados com vardenafil por seis ou mais meses. Destes, 900 doentes foram tratados durante um período igual ou superior a um ano.

Estiveram representados os seguintes grupos de doentes: idosos (22%), doentes com hipertensão (35%), diabetes mellitus (29%), doença isquémica cardíaca e outras doenças cardiovasculares (7%), doença pulmonar crónica (5%), hiperlipidemia (22%), depressão (5%), prostatectomia radical (9%). Os grupos seguintes não estiveram bem representados nos ensaios clínicos: idosos (> 75 anos, 2,4%), e doentes com certas condições cardiovasculares (ver secção 4.3). Não foram realizados ensaios clínicos em doentes com doenças do SNC (exceto lesões da espinal medula), doentes com compromisso hepático ou renal grave, cirurgia pélvica (exceto prostatectomia conservadora dos nervos) ou trauma ou radioterapia e desejo sexual hipoativo ou deformações anatómicas do pénis.

No decurso dos ensaios pivot, o tratamento com vardenafil (comprimidos revestidos por película) resultou numa melhoria da função erétil em comparação com o placebo. No pequeno número de doentes que tentaram relações sexuais durante um período de quatro a cinco horas após a administração a taxa de sucesso para a penetração e manutenção de ereção foi consistentemente superior ao placebo.

Nos estudos de dose fixa (comprimidos revestidos por película) efetuados numa larga população de homens com disfunção erétil, 68% (5 mg), 76% (10 mg) e 80% (20 mg) dos doentes experienciaram penetrações bem sucedidas (SEP 2), em comparação com 49% dos doentes tratados com placebo, no decurso do período de três meses do estudo. A capacidade de manter a ereção (SEP 3) nesta larga população com DE foi de 53% (5 mg), 63% (10 mg) e 65% (20 mg) em comparação com 29% para o placebo.

Nos dados agrupados dos principais estudos de eficácia, a proporção de doentes que obteve uma penetração bem sucedida com vardenafil foi a seguinte: disfunção erétil psicogénica (77-87%), disfunção erétil mista (69-83%), disfunção erétil orgânica (64-75%), idosos (52-75%), doença isquémica cardíaca (70-73%), hiperlipidemia (62-73%), doença pulmonar crónica (74-78%), depressão (59-69%), e doentes concomitantemente tratados com anti-hipertensores (62-73%).

Num ensaio clínico em doentes com diabetes mellitus, doses de 10 e 20 mg de vardenafil aumentaram significativamente, comparativamente ao placebo, os resultados do índice da função erétil, a capacidade de obter e manter uma ereção suficientemente prolongada para uma relação sexual bem sucedida e a rigidez do pénis. Para os doentes que completaram três meses de tratamento as taxas de resposta relativamente à capacidade de obter e manter uma ereção foram respetivamente de 61% e 49% com 10 mg e de 64% e 54% com 20 mg de vardenafil, em comparação com 36% e 23% com o placebo.

Num ensaio clínico em doentes pós-prostatectomizados, doses de 10 e 20 mg de vardenafil melhoraram significativamente, comparativamente ao placebo, os resultados do índice da função erétil, a capacidade de obter e manter uma ereção suficientemente prolongada para uma relação sexual bem sucedida e a rigidez do pénis. Nos doentes que completaram três meses de tratamento as taxas de resposta relativamente à capacidade de obter e manter uma ereção foram de 47% e 37% com 10 mg e de 48% e 34% com 20 mg de vardenafil em comparação com os 22% e 10% obtidos com o placebo.

Num ensaio clínico de dose flexível em doentes com Lesões da Espinal Medula, vardenafil melhorou significativamente os resultados do índice da função erétil, a capacidade de obter e manter uma ereção durante o tempo suficiente para uma relação sexual bem sucedida e a rigidez peniana em comparação

com o placebo. O número de doentes que regressou a um valor normal do IIEF (≥26) foi de 53% com vardenafil em comparação com 9% com placebo. As taxas de resposta para a capacidade de obter e manter uma ereção foram de 76% e 59% com vardenafil em comparação com 41% e 22% com placebo para os doentes que completaram três meses de tratamento e que foram clínica e estatisticamente significativos (p<0,001).

A segurança e eficácia de vardenafil foi mantida no decurso dos estudos de longa duração.

População pediátrica

A Agência Europeia de Medicamentos dispensou a obrigação de apresentação de resultados de estudos em todos os subgrupos da população pediátrica no tratamento da disfunção erétil. Ver secção 4.2 para informação sobre a utilização pediátrica.

5.2Propriedades farmacocinéticas

Os estudos de bioequivalência demonstraram que vardenafil 10 mg comprimido orodispersível não é bioequivalente a vardenafil 10 mg comprimidos revestidos por película; assim, a formulação orodispersível não deve ser utilizada como um equivalente de vardenafil 10 mg comprimidos revestidos por película.

Absorção

No vardenafil comprimidos revestidos por película, o vardenafil é rapidamente absorvido observando- se que as concentrações plasmáticas máximas são alcançadas em alguns homens tão cedo como 15 minutos após administração oral. Contudo, em 90% do tempo, as concentrações plasmáticas máximas são atingidas num intervalo de 30 a 120 minutos (mediana 60 minutos) após a administração oral em jejum. A biodisponibilidade oral absoluta média é de 15%. Após a administração oral de vardenafil a AUC e a Cmax aumentam de forma quase proporcional à dose no intervalo posológico recomendado (5 - 20 mg).

Quando os comprimidos revestidos por película de vardenafil são administrados com uma refeição rica em gorduras (contendo 57% de gorduras), a velocidade de absorção é reduzida, com um aumento

de 1 hora na mediana do tmax e uma redução média de 20% da Cmax. A AUC do vardenafil não é afetada. Após uma refeição contendo 30% de gordura, a velocidade e o grau de absorção do vardenafil

(tmax, Cmax e AUC) permanecem inalterados em comparação com a administração em jejum.

O vardenafil é rapidamente absorvido após a administração dos comprimidos orodispersíveis de vardenafil 10 mg sem água. O tempo mediano para atingir a Cmax varia entre 45 e 90 minutos e foi semelhante ou ligeiramente retardado (em 8 a 45 min.) comparativamente aos comprimidos revestidos por película. A AUC média de vardenafil aumentou em 21 a 29% (doentes de meia idade e idosos com DE) ou 44% (indivíduos jovens saudáveis) com 10 mg comprimidos orodispersíveis comparativamente com comprimidos revestidos por película, como resultado da absorção oral local de uma pequena quantidade de fármaco na cavidade bucal. Não houve uma diferença consistente na Cmax média entre comprimidos orodispersíveis e comprimidos revestidos por película.

Nos indivíduos a tomar vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis com uma refeição rica em gorduras, não se observou nenhum efeito sobre a AUC e tmax do vardenafil, enquanto que a Cmax do

vardenafil foi reduzida em 35% após as refeições. Com base nestes resultados, vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis pode ser tomado com ou sem alimentos.

Se vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis for tomado com água, a AUC é reduzida em 29%, a Cmax permanece inalterada e o tmax mediano é encurtado em 60 minutos comparativamente a tomar sem água. Vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis deve ser tomado sem líquidos.

Distribuição

O valor médio do volume de distribuição no estado estacionário do vardenafil é de 208 L, indicativo de distribuição aos tecidos.

O vardenafil e o seu principal metabolito circulante (M1) apresentam um elevado grau de ligação às proteínas plasmáticas (aproximadamente 95% para o vardenafil ou para o M1). Tanto para o vardenafil como para o M1, a ligação às proteínas é independente da concentração total do fármaco. Com base em medições de vardenafil no sémen de indivíduos saudáveis 90 minutos após a administração, não mais que 0,00012% da dose administrada pode aparecer no sémen dos doentes.

Biotransformação

O vardenafil nos comprimidos revestidos por película de é predominantemente metabolizado através do metabolismo hepático pela isoforma 3A4 do citocromo P450 (CYP) com alguma contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C.

Nos humanos, o principal metabolito circulante (M1) resulta da desetilação do vardenafil o qual é sujeito a uma posterior metabolização com uma semivida de eliminação plasmática de aproximadamente 4 horas. Partes do M1 encontram-se na forma de glucoronido na circulação sistémica. Em comparação com o vardenafil o metabolito M1 apresenta um perfil de seletividade semelhante relativamente à fosfodiesterase e uma potência in vitro para a fosfodiesterase tipo 5 de aproximadamente 28%, resultando numa contribuição de cerca de 7% para eficácia.

A semivida média terminal do vardenafil em doentes a tomar vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis varia entre 4 - 6 horas. A semivida de eliminação do metabolito M1 é cerca de 3 a 5 horas, em semelhança ao fármaco parental.

Eliminação

A taxa de depuração total do vardenafil do organismo é de 56 L/h com uma semivida terminal resultante de aproximadamente 4-5 horas. Após administração oral, o vardenafil é excretado na forma de metabolitos predominantemente através das fezes (cerca de 91-95% da dose administrada) e em menor extensão através da urina (cerca de 2-6% da dose administrada).

Farmacocinética em grupos especiais de doentes

Idosos

A taxa de depuração hepática do vardenafil em voluntários saudáveis idosos (65 anos ou mais) foi reduzida em comparação com voluntários saudáveis jovens (18 - 45 anos). Em média, os idosos do sexo masculino a tomar vardenafil comprimidos revestidos por película, apresentaram uma AUC 52% mais elevada e uma Cmax 34% mais elevada relativamente a indivíduos mais jovens do mesmo sexo (ver secção 4.2).

A AUC e a Cmax do vardenafil em doentes idosos (65 anos ou mais) a tomar vardenafil comprimidos orodispersíveis aumentou em 31 a 39% e 16 a 21%, respetivamente, em comparação com doentes com idade igual ou inferior a 45 anos. O vardenafil não demonstrou sofrer acumulação no plasma dos doentes com idade igual ou inferior a 45 anos ou com idade igual ou superior a 65 anos após a administração uma vez ao dia de vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis durante dez dias.

Compromisso renal

Em voluntários com compromisso renal ligeiro a moderado (taxa de depuração da creatinina de

30 - 80 ml/min.), a farmacocinética do vardenafil foi similar à do grupo de controlo com função renal normal. Em voluntários com compromisso renal grave (taxa de depuração da creatinina < 30 ml/min.)

a AUC média aumentou em 21% e a Cmax média diminuiu em 23% em comparação com voluntários sem compromisso renal. Não se observou nenhuma correlação estatisticamente significativa entre a taxa de depuração da creatinina e a exposição ao vardenafil (AUC e Cmax) (ver secção 4.2). A farmacocinética do vardenafil não foi estudada em doentes submetidos a diálise (ver secção 4.3).

Compromisso hepático

Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado (Child-Pugh A e B), a taxa de depuração do vardenafil foi reduzida em proporção ao grau de compromisso hepático. Em doentes com compromisso hepático ligeiro (Child-Pugh A), a AUC e a Cmax médias foram aumentadas em 17% e 22% respetivamente, em comparação com o grupo controlo de indivíduos saudáveis. Em doentes com compromisso moderado (Child-Pugh B), a AUC e a Cmax médias foram aumentadas em 160% e 133% respetivamente, em comparação com o grupo controlo de indivíduos saudáveis (ver secção 4.2). A farmacocinética do vardenafil não foi estudada em doentes com compromisso hepático grave (Child- Pugh C) (ver secção 4.3).

5.3Dados de segurança pré-clínica

Os dados não clínicos não revelam riscos especiais para o ser humano, segundo estudos convencionais de farmacologia de segurança, toxicidade de dose repetida, genotoxicidade, potencial carcinogénico e toxicidade reprodutiva.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1.Lista dos excipientes

Núcleo do comprimido:

Crospovidona.

Estearato de magnésio.

Celulose microcristalina.

Sílica coloidal anidra.

Revestimento do comprimido: Macrogol 400.

Hipromelose.

Dióxido de titânio (E171) Óxido de ferro amarelo (E172) Óxido de ferro vermelho (E172)

6.2Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3Prazo de validade

3 anos

6.4Precauções especiais de conservação

O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.

6.5Natureza e conteúdo do recipiente

Blister de folha PP/Alumínio em embalagens de 2, 4, 8, 12 e 20 comprimidos.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6Precauções especiais de eliminação

Não existem requisitos especiais para a eliminação.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Bayer AG

51368 Leverkusen

Alemanha

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/03/248/001-004, 021

EU/1/03/248/005-008, 022

EU/1/03/248/009-012, 023

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 6 março 2003

Data da última renovação : 6 março 2008

10.DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência Europeia de Medicamentos http://www.ema.europa.eu/.

1. NOME DO MEDICAMENTO

Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido orodispersível contém 10 mg de vardenafil (na forma de cloridrato).

Excipientes:

7,96 mg de sorbitol (E420) e 1,80 mg de aspartamo (E951) por comprimido orodispersível.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido orodispersível.

Comprimidos redondos brancos.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Tratamento da disfunção erétil em homens adultos. Disfunção erétil é a incapacidade para obter ou manter uma ereção do pénis suficiente para um desempenho sexual satisfatório.

Para que Levitra seja eficaz é necessário que haja estimulação sexual.

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia

Levitra 10 mg comprimido orodispersível não é bioequivalente a Levitra 10 mg comprimido revestido por película (ver secção 5.1). A dose máxima de Levitra comprimido orodispersível é de 10 mg/dia.

Utilização em homens adultos

Os comprimidos orodispersíveis de Levitra 10 mg devem ser tomados, conforme necessário, aproximadamente 25 a 60 minutos antes da atividade sexual.

Populações especiais

População idosa (≥ 65 anos de idade)

Não são necessários ajustes posológicos em doentes idosos. No entanto, um aumento para uma dose máxima de Levitra 20 mg comprimidos revestidos por película deverá ser cuidadosamente ponderado, dependendo da tolerabilidade individual (ver secções 4.4 e 4.8).

Compromisso hepático

Os comprimidos orodispersíveis de Levitra 10 mg não se encontram indicados como dose inicial em doentes com compromisso hepático ligeiro (Child-Pugh A).

Os doentes com compromisso hepático ligeiro devem iniciar o tratamento com Levitra 5 mg comprimidos revestidos por película. Com base na tolerabilidade e na eficácia, a dose pode ser aumentada para Levitra 10 mg e 20 mg comprimidos revestidos por película, ou Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis.

A dose máxima recomendada em doentes com compromisso hepático moderado (Child-Pugh B) é de 10 mg de Levitra na forma de comprimidos revestidos por película (ver secção 5.2).

Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis não deve ser utilizado em doentes com compromisso hepático moderado (Child-Pugh B) e grave (Child-Pugh C; ver secção 4.3).

Compromisso renal

Nos doentes com compromisso renal ligeiro a moderado não é necessário ajuste posológico.

Em doentes com compromisso renal grave (taxa de depuração de creatinina <30 ml/min), deve considerar-se uma dose inicial de 5 mg de Levitra comprimidos revestidos por película. Com base na tolerabilidade e na eficácia, a dose pode ser aumentada para Levitra 10 mg e 20 mg comprimidos revestidos por película, ou Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis.

Levitra comprimidos orodispersíveis não deve ser utilizado em doentes com insuficiência renal terminal (ver secção 4.3).

População pediátrica

Os comprimidos orodispersíveis de Levitra não se encontram indicados para indivíduos de idade inferior a 18 anos. Não existe nenhuma indicação relevante para utilização de Levitra comprimidos orodispersíveis em crianças e adolescentes.

Utilização em doentes a usar outros medicamentos

Utilização concomitante de inibidores moderados ou potentes do CYP3A4

Se se administrarem concomitantemente inibidores moderados ou potentes do CYP3A4, é necessário proceder ao ajuste posológico de vardenafil (ver secção 4.5).

Modo de administração Por via oral.

O comprimido orodispersível deve ser colocado na boca, sobre a língua, onde rapidamente se desintegrará, devendo ser posteriormente engolido. Os comprimidos orodispersíveis de Levitra devem ser tomados sem líquidos e imediatamente após terem serem retirados do blister.

Os comprimidos orodispersíveis de Levitra podem ser tomados com ou sem alimentos.

4.3 Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

A coadministração de vardenafil com nitratos ou dadores de óxido nítrico (tais como o nitrito de amilo) em qualquer forma é contraindicada (ver secções 4.5 e 5.1).

Levitra está contraindicado em doentes que tenham perda de visão num dos olhos devido a neuropatia ótica isquémica anterior não arterítica (NAION), independentemente se este acontecimento esteve ou não relacionado com a exposição prévia a um inibidor da fosfodiesterase 5 (PDE5) (ver secção 4.4).

Os medicamentos para o tratamento da disfunção erétil não devem geralmente ser usados em homens para os quais não é aconselhável atividade sexual (por ex. doentes com doenças cardiovasculares graves tais como angina instável ou insuficiência cardíaca grave [New York Heart Association III ou IV]).

A segurança de vardenafil não foi estudada nos seguintes sub-grupos de doentes, pelo que a sua utilização está contraindicada até estar disponível mais informação:

-compromisso hepático grave (Child-Pugh C),

-doença renal terminal carecendo de diálise,

-hipotensão (pressão sanguínea < 90/50 mmHg),

-antecedentes recentes de acidente vascular cerebral ou enfarte do miocárdio (nos últimos 6 meses),

-angina instável e perturbações hereditárias degenerativas da retina tais como retinite pigmentosa.

A utilização concomitante de vardenafil com os inibidores potentes do CYP3A4 cetoconazol e itraconazol (forma oral) está contraindicada em homens com mais de 75 anos de idade.

A utilização concomitante de vardenafil com inibidores da protease do VIH tais como o ritonavir e indinavir está contraindicada, pois são inibidores muito potentes do CYP3A4 (ver secção 4.5).

A administração concomitante de inibidores da PDE5, incluindo vardenafil, com estimuladores da guanilato ciclase como, por exemplo, o riociguat, está contraindicada, devido à possibilidade de originar hipotensão sintomática (ver secção 4.5).

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Antes de se considerar o tratamento farmacológico deve proceder-se à realização de um exame físico e da história clínica para diagnóstico da disfunção erétil e determinação das potenciais causas subjacentes.

Antes de iniciar qualquer tratamento para a disfunção erétil o médico deve considerar a situação cardiovascular dos seus doentes, uma vez que existe um grau de risco cardíaco associado à atividade sexual (ver secção 4.3). Vardenafil possui propriedades vasodilatadoras de onde resultam diminuições ligeiras e transitórias da pressão sanguínea (ver secção 5.1). Doentes com obstrução do fluxo ventricular esquerdo, por ex.: estenose aórtica e estenose subaórtica hipertrófica idiopática, podem ser sensíveis à ação de vasodilatadores, incluindo os inibidores da fosfodiesterase Tipo 5.

Os medicamentos para o tratamento da disfunção erétil devem ser usados com prudência em doentes com deformações anatómicas do pénis (tais como angulação, fibrose cavernosa ou doença de Peyronie), ou em doentes com condições predisponentes à ocorrência de priapismo (tais como anemia das células falciformes, mieloma múltiplo ou leucemia).

A segurança e eficácia de associações de Levitra comprimidos orodispersíveis com Levitra comprimidos revestidos por película, ou com outros tratamentos para a disfunção erétil, não foram estudadas. Por este motivo, a utilização deste tipo de associações não é recomendada.

A tolerabilidade à dose máxima de Levitra 20 mg comprimidos revestidos por película pode ser menor em doentes idosos (≥ 65 anos de idade) (ver secções 4.2 e 4.8).

Utilização concomitante de bloqueadores-alfa

A utilização concomitante de bloqueadores-alfa e de vardenafil pode, em alguns doentes, resultar em hipotensão sintomática, pois ambos são vasodilatadores. O tratamento concomitante com vardenafil só deve ser iniciado caso o doente esteja estabilizado com o tratamento com o bloqueador-alfa. Naqueles doentes que estão estabilizados com terapêutica com bloqueadores-alfa, vardenafil deve ser iniciado com a dose inicial recomendada mais baixa de 5 mg comprimidos revestidos por película. Os doentes sob tratamento com bloqueadores-alfa não devem utilizar Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis como dose inicial. Vardenafil pode ser administrado em qualquer altura com tansulosina ou com alfuzosina. Deve-se considerar fazer um intervalo entre tomas quando vardenafil é prescrito concomitantemente com outros bloqueadores-alfa (ver secção 4.5). Em doentes já a tomar uma dose de vardenafil otimizada, o tratamento com bloqueadores-alfa deve ser iniciado com a dose mais baixa. O aumento gradual da dose do bloqueador-alfa pode estar associado a uma diminuição acrescida da pressão arterial em doentes que estão a tomar vardenafil.

Utilização concomitante de inibidores do CYP3A4

A utilização concomitante de vardenafil com inibidores potentes do CYP3A4 tais como o itraconazol e o cetoconazol (forma oral) deve ser evitada pois obtém-se concentrações plasmáticas de vardenafil muito elevadas quando estes medicamentos são associados (ver secções 4.5 e 4.3).

Em caso de administração concomitante de inibidores moderados do CYP3A4, tais como eritromicina e claritromicina, pode ser necessário ajustar a dose de vardenafil (ver secções 4.2 e 4.5).

A ingestão simultânea de toranja ou de sumo de toranja é esperada que aumente as concentrações plasmáticas de vardenafil. Esta associação deve ser evitada (ver secção 4.5).

Efeito no intervalo QTc

Foi demonstrado que doses orais individuais de 10 mg e 80 mg de vardenafil provocam um prolongamento do intervalo QTc num valor médio de 8 mseg. e 10 mseg., respetivamente. E doses individuais de 10 mg de vardenafil coadministrado concomitantemente com 400 mg de gatifloxacina, uma substância ativa com efeito QT comparável, demonstraram um efeito QTc aditivo de 4 mseg. quando comparado com qualquer das substâncias ativas sozinhas. O impacto clínico destas alterações QT é desconhecido (ver secção 5.1).

A relevância clínica desta observação é desconhecida e não pode ser generalizada a todos os doentes, em todas as circunstâncias, pois depende de fatores de risco e suscetibilidades individuais que se podem manifestar em qualquer momento, em qualquer doente. É conveniente evitar o uso de medicamentos que podem prolongar o intervalo QTc, incluindo o vardenafil, em doentes com fatores de risco relevantes, tais como, hipocaliemia, prolongamento congénito do intervalo QT, administração concomitante de medicamentos antiarritmicos da Classe IA (por ex.: quinidina, procainamida) ou da Classe III (por ex.: amiodarona, sotalol).

Efeito na visão

Têm sido notificadas anomalias visuais e casos de neuropatia ótica isquémica anterior não arterítica (NAION) relacionados com a toma de Levitra e de outros inibidores da PDE5. O doente deve ser avisado que, em caso de anomalia visual súbita, deve parar de tomar Levitra comprimidos orodispersíveis e consultar imediatamente o médico (ver secção 4.3).

Efeito na hemostase

Estudos efetuados in vitro, com plaquetas humanas, indicam que vardenafil não possui por si só efeitos antiagregantes, embora em concentrações elevadas (superterapêuticas) potencie o efeito anti-agregante do dador de óxido nítrico, nitroprussiato de sódio. Nos humanos, vardenafil não exerce efeito sobre o tempo de hemorragia, tanto sozinho como em associação com ácido acetilsalicílico (ver secção 4.5). Não existe informação disponível sobre a segurança de administração de vardenafil em doentes com alterações da hemostase ou úlcera péptica ativa. Por este motivo, vardenafil apenas deve ser administrado a estes doentes após uma cautelosa avaliação risco-benefício.

Aspartamo

Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis contém aspartamo, uma fonte de fenilalanina o que pode ser prejudicial em indivíduos com fenilcetonúria.

Sorbitol

Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis contém sorbitol. Doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose não devem tomar Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Efeitos de outros medicamentos sobre vardenafil

Estudos in vitro

Vardenafil é metabolizado predominantemente por enzimas hepáticas através da isoforma 3A4 do citocromo P450 (CYP), com alguma contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C. Assim, os inibidores destas isoenzimas reduzem a taxa de depuração do vardenafil.

Estudos in vivo

A administração concomitante do inibidor das proteases do VIH indinavir (800 mg três vezes ao dia), um potente inibidor do CYP3A4, com vardenafil (10 mg comprimido revestido por película) resultou

num aumento de 16 vezes da AUC de vardenafil e de 7 vezes da Cmax de vardenafil. Ao fim de

24 horas, os níveis plasmáticos de vardenafil tinham diminuído para aproximadamente 4% dos níveis plasmáticos máximos de vardenafil (Cmax).

A administração concomitante de vardenafil 5 mg com ritonavir (600 mg duas vezes ao dia) resultou

num aumento de 13 vezes da Cmax do vardenafil e num aumento de 49 vezes na AUC0-24 do vardenafil. A interação é uma consequência do bloqueio do metabolismo hepático do vardenafil pelo ritonavir,

um inibidor do CYP3A4 muito potente, que também inibe o CYP2C9. O ritonavir prolongou significativamente a semivida do vardenafil para 25,7 horas (ver secção 4.3).

A administração concomitante de cetoconazol (200 mg), um potente inibidor do CYP3A4, com

vardenafil (5 mg) resultou num aumento de 10 vezes da AUC do vardenafil e de 4 vezes da Cmax do vardenafil (ver secção 4.4).

Embora não se tenham realizado estudos de interação específicos, é previsível que a utilização concomitante de outros inibidores potentes do CYP3A4 (tais como o itraconazol) produzam níveis plasmáticos de vardenafil comparáveis aos produzidos pelo cetoconazol. A utilização concomitante de vardenafil com inibidores potentes do CYP3A4 tais como o itraconazol e o cetoconazol (via oral) deve ser evitada (ver secções 4.3 e 4.4). A utilização concomitante de vardenafil com itraconazol ou cetoconazol é contraindicada em homens com idade superior a 75 anos (ver secção 4.3).

A administração concomitante de eritromicina (500 mg três vezes ao dia), um inibidor do CYP3A4,

com vardenafil (5 mg) resultou num aumento de 4 vezes da AUC do vardenafil e de 3 vezes da Cmax. Embora não tenha sido conduzido um estudo de interação específica, prevê-se que a coadministração

de claritromicina resulte em efeitos similares na AUC e Cmax do vardenafil. Pode ser necessário ajustar a posologia de vardenafil quando usado em associação com um inibidor moderado do CYP3A4, tal como a eritromicina ou a claritromicina (ver secções 4.2 e 4.4).

A cimetidina (400 mg duas vezes ao dia), um inibidor não específico do citocromo P450, não exerceu efeito sobre a AUC e a Cmax do vardenafil, quando coadministrada com vardenafil (20 mg) a voluntários saudáveis.

Sendo um inibidor fraco do metabolismo do CYP3A4 a nível da parede intestinal, o sumo de toranja poderá dar origem a aumentos modestos dos níveis plasmáticos de vardenafil (ver secção 4.4).

A farmacocinética do vardenafil (20 mg) não foi afetada pela administração concomitante do antagonista-H2 ranitidina (150 mg duas vezes ao dia), digoxina, varfarina, glibenclamida, álcool (nível sanguíneo máximo médio de álcool de 73 mg/dl) ou doses únicas de antiácido (hidróxido de magnésio/hidróxido de alumínio).

Apesar de não se terem realizado estudos específicos de interação para todos os medicamentos, a análise farmacocinética da população não mostrou que a administração concomitante dos medicamentos seguidamente indicados exercesse efeito sobre a farmacocinética de vardenafil: ácido acetilsalicílico, IECAs, bloqueadores-beta, inibidores fracos do CYP3A4, diuréticos e medicamentos para o tratamento da diabetes (sulfonilureias e metformina).

Efeitos do vardenafil sobre outros medicamentos

Não existem dados sobre a interação do vardenafil e de inibidores não específicos da fosfodiesterase, tais como a teofilina ou o dipiridamol.

Estudos in vivo

Num estudo realizado em 18 voluntários saudáveis do sexo masculino não se observou potenciação do efeito hipotensor da nitroglicerina sublingual (0,4 mg) quando se administrou vardenafil (10 mg) a intervalos variáveis (de 1 h a 24 h) antes da dose de nitroglicerina. Em indivíduos saudáveis de meia idade vardenafil 20 mg comprimido revestido por película potenciou os efeitos hipotensores da nitroglicerina sub-lingual (0,4 mg) tomada 1 e 4 horas após a administração de vardenafil. Não se observou efeito sobre a pressão sanguínea quando a nitroglicerina foi tomada 24 horas após a administração de uma dose individual de 20 mg comprimido revestido por película de vardenafil. Contudo, não existe informação em doentes sobre a possível potenciação dos efeitos hipotensores dos nitratos pelo vardenafil, estando por isso contraindicado o uso concomitante de Levitra comprimidos orodispersíveis e nitratos (ver secção 4.3).

O nicorandilo é um composto híbrido ativador dos canais de potássio (abertura) e nitrato. Devido ao seu componente nitrato, este fármaco tem o potencial de gerar interações graves com o vardenafil.

Uma vez que a monoterapia com bloqueadores-alfa pode provocar uma acentuada descida da pressão sanguínea, especialmente hipotensão postural e síncope, realizaram-se estudos de interação com vardenafil. Em dois estudos de interações em voluntários saudáveis normotensos, após titulação forçada a doses elevadas dos bloqueadores-alfa tansulosina ou terazosina, foi notificada hipotensão (sintomática em alguns casos) num número significativo de indivíduos, após coadministração de vardenafil. Entre os indivíduos tratados com terazosina, observou-se com mais frequência hipotensão quando vardenafil e terazosina foram administrados simultaneamente, do que quando a administração foi separada por um intervalo de 6 horas.

Com base em resultados de estudos de interações conduzidos com vardenafil em doentes com hiperplasia benigna da próstata (HBP) com terapêutica estabilizada com tansulosina, terazosina ou alfuzosina:

Quando se administrou vardenafil (comprimidos revestidos por película) em doses de 5, 10 ou 20 mg, num quadro de terapêutica estabilizada com tansulosina, não se verificou uma redução sintomática da pressão sanguínea, ainda que 3/21 dos indivíduos tratados com tansulosina tenham exibido uma pressão sanguínea sistólica transitória inferior a 85 mmHg.

Quando se administrou 5 mg de vardenafil (comprimidos revestidos por película) simultaneamente com 5 ou 10 mg de terazosina, um dos 21 doentes teve hipotensão postural sintomática. Não se verificou hipotensão quando a administração de 5 mg de vardenafil e terazosina foi separada por 6 horas.

Quando se administrou vardenafil (comprimidos revestidos por película) em doses de 5 ou 10 mg com antecedentes de uma terapêutica estável com alfuzosina, em comparação com o placebo, não se observou uma redução sintomática da pressão sanguínea.

Assim, o tratamento concomitante só deve ser iniciado se o doente estiver estabilizado na sua terapêutica com bloqueadores-alfa. Naqueles doentes que estão estabilizados sob terapêutica com bloqueador-alfa, vardenafil deve ser iniciado com a dose inicial recomendada mais baixa de 5 mg. Levitra pode ser administrado em qualquer altura com tansulosina ou alfuzosina. Deve-se considerar fazer um intervalo entre tomas quando vardenafil é prescrito concomitantemente com outros bloqueadores-alfa (ver secção 4.4).

Levitra 10 mg comprimidos orodispersíveis não deve ser tomado como dose inicial por doentes sob tratamento com bloqueadores-alfa (ver secção 4.4).

Não foram demonstradas interações significativas quando foi concomitantemente administrada varfarina (25 mg), a qual é metabolizada pelo CYP2C9, ou digoxina (0,375 mg) com vardenafil

(20 mg comprimidos revestidos por película). A biodisponibilidade relativa da glibenclamida (3,5 mg) não foi afetada quando foi concomitantemente administrada com vardenafil (20 mg). Num estudo específico, em que vardenafil (20 mg) foi coadministrado com nifedipina de libertação lenta (30 mg ou 60 mg) a doentes hipertensos, houve uma redução adicional de 6 mmHg da pressão arterial sistólica em supino e de 5 mmHg da pressão arterial diastólica em supino, acompanhada por um aumento de

4 bpm na frequência cardíaca.

Quando vardenafil (20 mg comprimidos revestidos por película) e álcool (nível sanguíneo máximo médio de álcool de 73 mg/dl) foram simultaneamente ingeridos, o vardenafil não potenciou os efeitos do álcool sobre a pressão arterial e frequência cardíaca, nem alterou a farmacocinética do vardenafil.

O vardenafil (10 mg) não potenciou o aumento do tempo de hemorragia provocado pelo ácido acetilsalicílico (2 x 81 mg).

Riociguat

Estudos pré-clínicos mostraram um efeito hipotensor sistémico aditivo com a administração concomitante de inibidores da PDE5 e riociguat. Em estudos clínicos, riociguat demonstrou aumentar os efeitos hipotensores dos inibidores da PDE5. Não houve evidência de um efeito clínico favorável com a administração concomitante na população estudada. A administração concomitante de riociguat e inibidores da PDE5, incluindo vardenafil, está contraindicada (ver secção 4.3).

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Levitra não está indicado para utilização pela mulher. Não existem estudos com vardenafil em mulheres grávidas.

Não existem dados de fertilidade disponíveis.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

Dado que no decurso dos ensaios clínicos realizados com vardenafil foram notificadas tonturas e alterações da visão, os doentes devem ter conhecimento da forma como reagem a Levitra comprimidos orodispersíveis, antes de conduzirem ou utilizarem máquinas.

4.8 Efeitos indesejáveis

As reações adversas notificadas com Levitra comprimidos revestidos por película ou 10 mg comprimidos orodispersíveis, em ensaios clínicos, foram geralmente de natureza ligeira a moderada e transitórias. A reação adversa medicamentosa notificada mais frequentemente, ocorrendo em ≥ 10% dos doentes, consiste em cefaleias.

As reações adversas são listadas de acordo com a convenção de frequências MedDRA: muito frequentes (≥1/10), frequentes (≥1/100, <1/10), pouco frequentes (≥1/1.000, <1/100), raras (≥1/10.000, <1/1.000) e desconhecida (não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis).

As reações adversas são apresentadas por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência.

Foram notificadas as seguintes reações adversas:

Classe de

Muito

Frequentes

Pouco

Raras

Desconhecido

sistemas de

frequentes

(≥1/100,

frequentes

(≥1/10.000,

(não pode ser

órgãos

(≥1/10)

<1/10)

(≥1/1.000,

<1/1.000)

calculado a partir

 

 

 

<1/100)

 

dos dados

 

 

 

 

 

disponíveis)

Infeções e

 

 

 

Conjuntivite

 

infestações

 

 

 

 

 

Doenças do

 

 

Edema

Reação

 

sistema

 

 

alérgico e

alérgica

 

imunitário

 

 

angioedema

 

 

Perturbações

 

 

Alterações do

Ansiedade

 

do foro

 

 

sono

 

 

psiquiátrico

 

 

 

 

 

Doenças do

Cefaleias

Tonturas

Sonolência

Síncope

 

sistema

 

 

Parestesia e

Convulsões

 

nervoso

 

 

disestesia

Amnésia

 

Classe de

Muito

Frequentes

Pouco

Raras

Desconhecido

sistemas de

frequentes

(1/100,

frequentes

(1/10.000,

(não pode ser

órgãos

(1/10)

<1/10)

(1/1.000,

<1/1.000)

calculado a partir

 

 

 

<1/100)

 

dos dados

 

 

 

 

 

disponíveis)

Afeções

 

 

Perturbação

Aumento da

Neuropatia ótica

oculares

 

 

visual

pressão

isquémica

 

 

 

Hiperemia

intraocular

anterior não

 

 

 

ocular

Aumento do

arterítica

 

 

 

Distorções

lacrimejo

Anomalias

 

 

 

visuais das

 

visuais

 

 

 

cores

 

 

 

 

 

Dor ocular e

 

 

 

 

 

desconforto

 

 

 

 

 

ocular

 

 

 

 

 

Fotofobia

 

 

Afeções do

 

 

Zumbidos

 

Surdez súbita

ouvido e do

 

 

Vertigens

 

 

labirinto

 

 

 

 

 

Cardiopatias

 

 

Palpitações

Enfarte do

 

 

 

 

Taquicardia

miocárdio

 

 

 

 

 

Taquiarritmias

 

 

 

 

 

ventriculares

 

 

 

 

 

Angina

 

 

 

 

 

pectoris

 

Vasculopatias

 

Rubor

 

Hipotensão

 

 

 

 

 

Hipertensão

 

Doenças

 

Congestão

Dispneia

Epistaxe

 

respiratórias,

 

nasal

Congestão

 

 

torácicas e do

 

 

sinusal

 

 

mediastino

 

 

 

 

 

Doenças

 

Dispepsia

Doença do

 

 

gastrointesti-

 

 

refluxo gastro-

 

 

nais

 

 

esofágico

 

 

 

 

 

Gastrite

 

 

 

 

 

Dor

 

 

 

 

 

gastrointestinal

 

 

 

 

 

e abdominal

 

 

 

 

 

Diarreia

 

 

 

 

 

Vómitos

 

 

 

 

 

Náuseas

 

 

 

 

 

Boca seca

 

 

Afeções

 

 

Aumento das

Aumento da

 

hepatobiliares

 

 

transaminases

gamaglutamiltr

 

 

 

 

 

ansferase

 

Afeções dos

 

 

Eritema

Reação de

 

tecidos

 

 

Erupções

fotossensibilid

 

cutâneos e

 

 

cutâneas

ade

 

subcutâneos

 

 

 

 

 

Classe de

Muito

Frequentes

Pouco

Raras

Desconhecido

sistemas de

frequentes

(1/100,

frequentes

(1/10.000,

(não pode ser

órgãos

(1/10)

<1/10)

(1/1.000,

<1/1.000)

calculado a partir

 

 

 

<1/100)

 

dos dados

 

 

 

 

 

disponíveis)

Afeções

 

 

Dor lombar

 

 

músculo-

 

 

Aumento da

 

 

esqueléticas e

 

 

creatina

 

 

dos tecidos

 

 

fosfoquinase

 

 

conjuntivos

 

 

Mialgia

 

 

 

 

 

Tónus

 

 

 

 

 

muscular

 

 

 

 

 

aumentado e

 

 

 

 

 

cãibras

 

 

Doenças

 

 

 

 

Hematúria

renais e

 

 

 

 

 

urinárias

 

 

 

 

 

Doenças dos

 

 

Aumento da

Priapismo

Hemorragia

órgãos

 

 

ereção

 

peniana

genitais e da

 

 

 

 

Hematospermia

mama

 

 

 

 

 

Perturbações

 

 

Indisposição

Dor torácica

 

gerais e

 

 

 

 

 

alterações no

 

 

 

 

 

local de

 

 

 

 

 

administração

 

 

 

 

 

Foram notificadas hemorragia peniana, hematospermia e hematúria em ensaios clínicos e em dados espontâneos após comercialização com a utilização de todos os inibidores de PDE5, incluindo vardenafil.

Na dose de 20 mg de Levitra comprimidos revestidos por película, os doentes idosos (≥ 65 anos de idade) tiveram maiores frequências de dores de cabeça (16,2% versus 11,8%) e de tonturas (3,7% versus 0,7%) do que doentes mais novos (<65 anos de idade). De uma forma geral, a incidência de reações adversas (especialmente “tonturas”) mostrou ser ligeiramente mais elevada em doentes com história de hipertensão.

Notificações pós-comercialização com outro medicamento desta classe

Vasculopatias

Com outro medicamento desta classe foram notificadas reações cardiovasculares graves em associação temporal, na fase pós-comercialização, incluindo hemorragia cérebro-vascular, morte súbita cardíaca, acidente isquémico transitório, angina instável e arritmia ventricular.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9 Sobredosagem

Em estudos de dose única, voluntários toleraram doses até 80 mg (inclusive) por dia de vardenafil (comprimidos revestidos por película), sem manifestarem reações adversas graves.

Foram notificados casos de dor lombar grave quando vardenafil foi administrado em doses mais elevadas e mais frequentemente do que o regime posológico recomendado (40 mg comprimidos

revestidos por película duas vezes ao dia). Este facto não foi associado com qualquer toxicidade muscular ou neurológica.

Em casos de sobredosagem, devem ser adotadas as medidas de apoio necessárias usuais. Não é previsível que a diálise renal acelere a taxa de depuração uma vez que o vardenafil apresenta uma extensa ligação às proteínas plasmáticas e não é significativamente eliminado através da urina.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Aparelho geniturinário, medicamentos usados na disfunção erétil, código ATC: G04BE09.

O vardenafil é uma terapêutica oral para melhorar a função erétil em homens com disfunção erétil. Em circunstâncias normais, i.e. com estimulação sexual, restabelece a função erétil diminuída através do aumento do fluxo sanguíneo para o pénis.

A ereção do pénis é um processo hemodinâmico. Durante a estimulação sexual o óxido nítrico é libertado. O óxido nítrico ativa então a enzima guanilato ciclase, resultando num nível aumentado de monofosfato de guanosina cíclico (GMPc) nos corpos cavernosos. Isto por sua vez produz um relaxamento da musculatura lisa, permitindo um aumento do afluxo de sangue para o pénis. O nível de GMPc é regulado pela velocidade de síntese através da guanilato ciclase e pela velocidade de degradação através das fosfodiesterases que hidrolisam o GMPc (PDEs).

O vardenafil é um inibidor potente e seletivo da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5) específica do GMPc, a PDE mais abundante nos corpos cavernosos humanos. O vardenafil exerce uma potenciação dos efeitos do óxido nítrico endógeno nos corpos cavernosos através da inibição da PDE5. Quando o óxido nítrico é libertado como resposta à estimulação sexual, a inibição da PDE5 pelo vardenafil resulta no aumento dos níveis de GMPc nos corpos cavernosos. A estimulação sexual é pois requerida para que o vardenafil exerça os seus efeitos terapêuticos benéficos.

Estudos in vitro demonstraram que vardenafil é mais potente sobre a PDE5 que sobre as outras fosfodiesterases conhecidas (>15 vezes relativamente à PDE6, >130 vezes relativamente à PDE1, >300 vezes relativamente à PDE11 e >1000 vezes relativamente às PDE2, PDE3, PDE4, PDE7, PDE8, PDE9 e PDE10).

Num estudo de pletismografia do pénis (RigiScan), 20 mg de vardenafil produziram, em alguns homens, ereções consideradas suficientes para penetração (60% de rigidez por RigiScan) após um período tão breve como 15 minutos após a administração. A resposta global destes indivíduos ao vardenafil tornou-se estatisticamente significativa em comparação com o placebo 25 minutos após a administração.

O vardenafil provoca uma diminuição ligeira e transitória da pressão arterial que, na maioria dos casos, não se traduz em efeitos clínicos. Após a administração de doses de vardenafil de 20 mg e 40 mg as diminuições máximas médias da pressão arterial sistólica em supino foram de – 6,9 mmHg

com 20 mg e de – 4,3 mmHg com 40 mg em comparação com placebo. Estes efeitos são consistentes com os efeitos vasodilatadores dos inibidores da PDE5 e devem-se provavelmente ao aumento do nível de GMPc nas células da musculatura lisa vascular. Em voluntários saudáveis do sexo masculino doses orais únicas e múltiplas de vardenafil até 40 mg não produziram alterações clinicamente relevantes dos ECG.

Um estudo de dose única, em dupla ocultação, cruzado, aleatorizado realizado em 59 indivíduos saudáveis do sexo masculino comparou os efeitos sobre o intervalo QT do vardenafil (10 mg e 80 mg), sildenafil (50 mg e 400 mg) e placebo. A moxifloxacina (400 mg) foi incluída como controlo interno ativo. Os efeitos sobre o intervalo QT foram medidos uma hora após a administração (tmax médio para

o vardenafil). O objetivo primário do estudo foi o de excluir um efeito superior a 10 mseg. (i.e., demonstrar ausência de efeito) de uma dose oral individual de 80 mg de vardenafil sobre o intervalo QTc comparado com o placebo, tal como medido pela alteração da fórmula de correção de Fridericia (QTcF=QT/RR1/3) a partir do nível basal até 1 hora pós administração. Os resultados com vardenafil mostraram um aumento do intervalo QTc (Fridericia) comparativamente ao placebo de 8 mseg.

(IC 90%: 6-9) e de 10 mseg. (IC 90%: 8-11) com as doses de 10 e 80 mg e um aumento do QTci de 4 mseg.(IC 90%: 3-6) e de 6 mseg. (IC 90%: 4-7) com as doses de 10 e 80 mg em comparação com o placebo uma hora após a administração. No tmax apenas a alteração média do QTcF para o vardenafil

80 mg estava fora do limite estabelecido do estudo (média 10 mseg., IC 90% 8-11). Ao usar a fórmula de correção individual, nenhum dos valores se encontrou fora do limite.

Num estudo pós-comercialização separado de 44 voluntários saudáveis, doses individuais de 10 mg de vardenafil ou de 50 mg de sildenafil foram coadministradas concomitantemente com 400 mg de gatifloxacina, um fármaco com efeito QT comparável. Tanto o vardenafil como o sildenafil mostraram um aumento do efeito QTc Fredericia de 4 mseg. (vardenafil) e de 5 mseg. (sildenafil) quando comparados com qualquer um dos fármacos isoladamente. Desconhece-se atualmente o impacto clínico destas alterações QT.

Outras informações relativas aos ensaios clínicos com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis A eficácia e segurança de vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis foram demonstradas separadamente numa larga população em dois estudos incluindo 701 doentes aleatorizados, com disfunção erétil, que foram tratados durante 12 semanas. A distribuição de doentes nos sub-grupos pré- definidos abrangeu doentes idosos (51%), doentes com antecedentes de diabetes mellitus (29%), dislipidemia (39%) e hipertensão (40%).

Nos dados agrupados dos dois ensaios clínicos com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis, os valores do índice IIEF-EF foram significativamente mais elevados com vardenafil 10 mg comprimido orodispersível versus placebo.

Uma percentagem de 71% de todas as tentativas de ter relações sexuais notificadas nos ensaios clínicos conseguiu atingir a penetração com sucesso, comparativamente a 44% de todas as tentativas no grupo placebo. Estes resultados foram também refletidos nos sub-grupos, nos doentes idosos (65%), nos doentes com antecedentes de diabetes mellitus (63%), doentes com antecedentes de dislipidemia (66%) e hipertensão (70%) de todas as tentativas de ter relações sexuais reportadas atingiram a penetração com sucesso.

Cerca de 63% de todas as tentativas de ter relações sexuais reportadas com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis tiveram sucesso em termos de manutenção da ereção comparativamente com cerca de 26% de todas as tentativas de ter relações sexuais, com placebo. Nos sub-grupos pré- definidos 57% (doentes idosos), 56% (doentes com antecedentes de diabetes mellitus), 59% (doentes com antecedentes de dislipidemia) e 60% (doentes com antecedentes de hipertensão) de todas as tentativas notificadas com vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis tiveram sucesso em termos de manutenção da ereção.

Outras informações relativas aos ensaios clínicos

Nos ensaios clínicos, vardenafil foi administrado a mais de 17.000 homens com disfunção erétil (DE) com idades entre os 18 - 89 anos, muitos dos quais apresentavam várias comorbilidades. Mais de 2.500 doentes foram tratados com vardenafil por 6 ou mais meses. Destes, 900 doentes foram tratados durante um período igual ou superior a um ano.

Estiveram representados os seguintes grupos de doentes: idosos (22%), doentes com hipertensão (35%), diabetes mellitus (29%), doença isquémica cardíaca e outras doenças cardiovasculares (7%), doença pulmonar crónica (5%), hiperlipidemia (22%), depressão (5%), prostatectomia radical (9%).

Os grupos seguintes não estiveram bem representados nos ensaios clínicos: idosos (> 75 anos, 2,4%), e doentes com certas condições cardiovasculares (ver secção 4.3). Não foram realizados ensaios clínicos em doentes com doenças do SNC (exceto lesões da espinal medula), doentes com compromisso

hepático ou renal grave, cirurgia pélvica (exceto prostatectomia conservadora dos nervos) ou trauma ou radioterapia e desejo sexual hipoativo ou deformações anatómicas do pénis.

No decurso dos ensaios pivot, o tratamento com vardenafil (comprimidos revestidos por película) resultou numa melhoria da função erétil em comparação com o placebo. No pequeno número de doentes que tentaram relações sexuais durante um período de quatro a cinco horas após a administração, a taxa de sucesso para a penetração e manutenção de ereção foi consistentemente superior ao placebo.

Nos estudos de dose fixa (comprimidos revestidos por película) efetuados numa larga população de homens com disfunção erétil, 68% (5 mg), 76% (10 mg) e 80% (20 mg) dos doentes experienciaram penetrações bem sucedidas (SEP 2), em comparação com 49% dos doentes tratados com placebo, no decurso do período de três meses do estudo. A capacidade de manter a ereção (SEP 3) nesta larga população com DE foi de 53% (5 mg), 63% (10 mg) e 65% (20 mg) em comparação com 29% para o placebo.

Nos dados agrupados dos principais estudos de eficácia, a proporção de doentes que obteve uma penetração bem sucedida com vardenafil foi a seguinte: disfunção erétil psicogénica (77-87%), disfunção erétil mista (69-83%), disfunção erétil orgânica (64-75%), idosos (52-75%), doença isquémica cardíaca (70-73%), hiperlipidemia (62-73%), doença pulmonar crónica (74-78%), depressão (59-69%), e doentes concomitantemente tratados com anti-hipertensores (62-73%).

Num ensaio clínico em doentes com diabetes mellitus, doses de 10 e 20 mg de vardenafil aumentaram significativamente, comparativamente ao placebo, os resultados do índice da função erétil, a capacidade de obter e manter uma ereção suficientemente prolongada para uma relação sexual bem sucedida e a rigidez do pénis. Para os doentes que completaram três meses de tratamento as taxas de resposta relativamente à capacidade de obter e manter uma ereção foram respetivamente de 61% e 49% com 10 mg e de 64% e 54% com 20 mg de vardenafil, em comparação com 36% e 23% com o placebo.

Num ensaio clínico em doentes pós-prostatectomizados, doses de 10 e 20 mg de vardenafil melhoraram significativamente, comparativamente ao placebo, os resultados do índice da função erétil, a capacidade de obter e manter uma ereção suficientemente prolongada para uma relação sexual bem sucedida e a rigidez do pénis. Nos doentes que completaram três meses de tratamento as taxas de resposta relativamente à capacidade de obter e manter uma ereção foram de 47% e 37% com 10 mg e de 48% e 34% com 20 mg de vardenafil em comparação com os 22% e 10% obtidos com o placebo.

Num ensaio clínico de dose flexível em doentes com Lesões da Espinal Medula, vardenafil melhorou significativamente os resultados do índice da função erétil, a capacidade de obter e manter uma ereção durante o tempo suficiente para uma relação sexual bem sucedida e a rigidez peniana em comparação

com o placebo. O número de doentes que regressou a um valor normal do IIEF (≥26) foi de 53% com vardenafil em comparação com 9% com placebo. As taxas de resposta para a capacidade de obter e manter uma ereção foram de 76% e 59% com vardenafil em comparação com 41% e 22% com placebo para os doentes que completaram três meses de tratamento e que foram clínica e estatisticamente significativos (p<0,001).

A segurança e eficácia de vardenafil foi mantida no decurso dos estudos de longa duração.

População pediátrica

A Agência Europeia de Medicamentos dispensou a obrigação de apresentação de resultados de estudos em todos os subgrupos da população pediátrica no tratamento da disfunção erétil. Ver secção 4.2 para informação sobre a utilização pediátrica.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Os estudos de bioequivalência demonstraram que vardenafil 10 mg comprimido orodispersível não é bioequivalente a vardenafil 10 mg comprimidos revestidos por película; assim, a formulação

orodispersível não deve ser utilizada como um equivalente de vardenafil 10 mg comprimidos revestidos por película.

Absorção

No vardenafil comprimidos revestidos por película, o vardenafil é rapidamente absorvido observando- se que as concentrações plasmáticas máximas são alcançadas em alguns homens tão cedo como 15 minutos após administração oral. Contudo, em 90% do tempo, as concentrações plasmáticas máximas são atingidas num intervalo de 30 a 120 minutos (mediana 60 minutos) após a administração oral em jejum. A biodisponibilidade oral absoluta média é de 15%. Após a administração oral de vardenafil a AUC e a Cmax aumentam de forma quase proporcional à dose no intervalo posológico recomendado (5-20 mg).

Quando os comprimidos revestidos por película de vardenafil são administrados com uma refeição rica em gorduras (contendo 57% de gorduras), a velocidade de absorção é reduzida, com um aumento

de 1 hora na mediana do tmax e uma redução média de 20% da Cmax. A AUC do vardenafil não é afetada. Após uma refeição contendo 30% de gordura, a velocidade e o grau de absorção do vardenafil

(tmax, Cmax e AUC) permanecem inalterados em comparação com a administração em jejum.

O vardenafil é rapidamente absorvido após a administração dos comprimidos orodispersíveis de vardenafil 10 mg sem água. O tempo mediano para atingir a Cmax varia entre 45 e 90 minutos e foi semelhante ou ligeiramente retardado (em 8 a 45 min.) comparativamente aos comprimidos revestidos por película. A AUC média de vardenafil aumentou em 21 a 29% (doentes de meia idade e idosos com DE) ou 44% (indivíduos jovens saudáveis) com 10 mg comprimidos orodispersíveis comparativamente com comprimidos revestidos por película, como resultado da absorção oral local de uma pequena quantidade de fármaco na cavidade bucal. Não houve uma diferença consistente na Cmax média entre comprimidos orodispersíveis e comprimidos revestidos por película.

Nos indivíduos a tomar vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis com uma refeição rica em gorduras, não se observou nenhum efeito sobre a AUC e tmax do vardenafil, enquanto que a Cmax do vardenafil foi reduzida em 35% após as refeições. Com base nestes resultados, vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis pode ser tomado com ou sem alimentos.

Se vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis for tomado com água, a AUC é reduzida em 29%, a Cmax permanece inalterada e o tmax mediano é encurtado em 60 minutos comparativamente a tomar sem água. Vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis deve ser tomado sem líquidos.

Distribuição

O valor médio do volume de distribuição no estado estacionário do vardenafil é de 208 L, indicativo de distribuição aos tecidos.

O vardenafil e o seu principal metabolito circulante (M1) apresentam um elevado grau de ligação às proteínas plasmáticas (aproximadamente 95% para o vardenafil ou para o M1). Tanto para o vardenafil como para o M1, a ligação às proteínas é independente da concentração total do fármaco.

Com base em medições de vardenafil no sémen de indivíduos saudáveis 90 minutos após a administração, não mais que 0,00012% da dose administrada pode aparecer no sémen dos doentes.

Biotransformação

O vardenafil nos comprimidos revestidos por película de é predominantemente metabolizado através do metabolismo hepático pela isoforma 3A4 do citocromo P450 (CYP) com alguma contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C.

Nos humanos, o principal metabolito circulante (M1) resulta da desetilação do vardenafil o qual é sujeito a uma posterior metabolização com uma semivida de eliminação plasmática de aproximadamente 4 horas. Partes do M1 encontram-se na forma de glucoronido na circulação sistémica. Em comparação com o vardenafil o metabolito M1 apresenta um perfil de seletividade

semelhante relativamente à fosfodiesterase e uma potência in vitro para a fosfodiesterase tipo 5 de aproximadamente 28%, resultando numa contribuição de cerca de 7% para eficácia.

A semivida média terminal do vardenafil em doentes a tomar vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis varia entre 4 - 6 horas. A semivida de eliminação do metabolito M1 é cerca de 3 a 5 horas, em semelhança ao fármaco parental.

Eliminação

A taxa de depuração total do vardenafil do organismo é de 56 L/h com uma semivida terminal resultante de aproximadamente 4-5 horas. Após administração oral, o vardenafil é excretado na forma de metabolitos predominantemente através das fezes (cerca de 91-95% da dose administrada) e em menor extensão através da urina (cerca de 2-6% da dose administrada).

Farmacocinética em grupos especiais de doentes

Idosos

A taxa de depuração hepática do vardenafil em voluntários saudáveis idosos (65 anos ou mais) foi reduzida em comparação com voluntários saudáveis jovens (18-45 anos). Em média, os idosos do sexo masculino a tomar vardenafil comprimidos revestidos por película, apresentaram uma AUC 52% mais elevada e uma Cmax 34% mais elevada relativamente a indivíduos mais jovens do mesmo sexo (ver secção 4.2).

A AUC e a Cmax do vardenafil em doentes idosos (65 anos ou mais) a tomar vardenafil comprimidos orodispersíveis aumentou em 31 a 39% e 16 a 21%, respetivamente, em comparação com doentes com idade igual ou inferior a 45 anos. O vardenafil não demonstrou sofrer acumulação no plasma dos doentes com idade igual ou inferior a 45 anos ou com idade igual ou superior a 65 anos após a administração uma vez ao dia de vardenafil 10 mg comprimidos orodispersíveis durante dez dias.

Compromisso renal

Em voluntários com compromisso renal ligeiro a moderado (taxa de depuração da creatinina de 30-80 ml/min), a farmacocinética do vardenafil foi similar à do grupo de controlo com função renal

normal. Em voluntários com compromisso renal grave (taxa de depuração da creatinina < 30 ml/min) a AUC média aumentou em 21% e a Cmax diminuiu em 23%, em comparação com voluntários sem compromisso renal. Não se observou nenhuma correlação estatisticamente significativa entre a taxa de depuração da creatinina e a exposição ao vardenafil (AUC e Cmax) (ver secção 4.2). A farmacocinética do vardenafil não foi estudada em doentes submetidos a diálise (ver secção 4.3).

Compromisso hepático

Em doentes com compromisso hepático ligeiro a moderado (Child-Pugh A e B), a taxa de depuração do vardenafil foi reduzida em proporção ao grau de compromisso hepático. Em doentes com compromisso hepático ligeiro (Child-Pugh A), a AUC e a Cmax médias foram aumentadas em 17% e 22% respetivamente, em comparação com o grupo controlo de indivíduos saudáveis. Em doentes com compromisso moderado (Child-Pugh B), a AUC e a Cmax médias foram aumentadas em 160% e 133% respetivamente, em comparação com o grupo controlo de indivíduos saudáveis (ver secção 4.2). A farmacocinética do vardenafil não foi estudada em doentes com compromisso hepático grave (Child- Pugh C) (ver secção 4.3).

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Os dados não clínicos não revelam riscos especiais para o ser humano, segundo estudos convencionais de farmacologia de segurança, toxicidade de dose repetida, genotoxicidade, potencial carcinogénico e toxicidade reprodutiva.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1. Lista dos excipientes

Aspartamo (E951)

Essência de hortelã-pimenta.

Estearato de magnésio.

Crospovidona.

Manitol (E421)

Sílica coloidal hidratada.

Sorbitol (E420)

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

3 anos

6.4 Precauções especiais de conservação

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade e da luz.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

1 x 1 comprimido orodispersível em blister perfurado de alu/alu para dose unitária,

2 x 1 comprimidos orodispersíveis em blisters perfurados de alu/alu para dose unitária, 4 x 1 comprimidos orodispersíveis em blisters perfurados de alu/alu para dose unitária, 8 x 1 comprimidos orodispersíveis em blisters perfurados de alu/alu para dose unitária.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação

Não existem requisitos especiais para a eliminação.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Bayer AG

51368 Leverkusen

Alemanha

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/03/248/013-020

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 6 março 2003

Data da última renovação : 6 março 2008

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência Europeia de Medicamentos http://www.ema.europa.eu/

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados