Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

M-M-RVaxPro (measles virus Enders Edmonston strain...) – Resumo das características do medicamento - J07BD52

Updated on site: 08-Oct-2017

Nome do medicamentoM-M-RVaxPro
Código ATCJ07BD52
Substânciameasles virus Enders Edmonston strain (live, attenuated) / mumps virus Jeryl Lynn (level B) strain (live, attenuated) / rubella virus Wistar RA 27/3 strain (live, attenuated)
FabricanteMSD VACCINS

1.NOME DO MEDICAMENTO

M-M-RVAXPRO pó e veículo para suspensão injetável. Vacina contra o sarampo, papeira e rubéola (viva)

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Após reconstituição, uma dose (0,5 ml) contém:

Vírus do sarampo1 estirpe Enders’ Edmonston (vivo, atenuado) Vírus da papeira1 estirpe Jeryl Lynn™ (Nível B) (vivo, atenuado) Vírus da rubéola2 estirpe Wistar RA 27/3 (vivo, atenuado)

* dose infecciosa para 50% da cultura de células.

(1) Produzido em células embrionárias de pinto.

(2) Produzido em fibroblastos pulmonares diploides humanos WI-38.

não inferior a 1x103 CCID50* não inferior a 12.5x103 CCID50* não inferior a 1x103 CCID50*

A vacina pode conter vestígios de albumina humana recombinante (rHA).

Esta vacina contém quantidades vestigiais de neomicina. Ver secção 4.3.

Excipientes com efeito conhecido:

A vacina contém 14,5 mg de sorbitol. Ver secção 4.4.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Pó e veículo para suspensão injetável.

Antes da reconstituição, o pó apresenta-se sob a forma de um aglomerado cristalino, compacto, ligeiramente amarelado e o veículo é um líquido incolor e límpido.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1Indicações terapêuticas

M-M-RVAXPRO está indicado na vacinação simultânea contra o sarampo, a papeira e a rubéola em indivíduos a partir dos 12 meses de idade (ver secção 4.2).

Em circunstâncias especiais, M-M-RVAXPRO pode ser administrado a lactentes a partir dos 9 meses de idade (ver secções 4.2, 4.4 e 5.1).

Para utilização em surtos de sarampo, na vacinação pós-exposição ou para utilização em indivíduos com mais de 9 meses de idade que não tenham sido previamente vacinados e que estão em contacto com mulheres grávidas suscetíveis e em pessoas com provável suscetibilidade à papeira e à rubéola, ver secção 5.1.

M-M-RVAXPRO deve ser usado com base nas recomendações oficiais.

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia

Indivíduos com 12 ou mais meses de idade:

Os indivíduos com 12 ou mais meses de idade devem receber uma dose numa data selecionada. Poderá ser administrada uma segunda dose pelo menos 4 semanas após a primeira dose, em conformidade com a recomendação oficial. A segunda dose destina-se a indivíduos que, por qualquer motivo, não responderam à primeira dose.

Lactentes entre os 9 e os 12 meses de idade

Os dados de imunogenicidade e de segurança mostram que M-M-RVAXPRO pode ser administrado a lactentes entre os 9 e os 12 meses de idade, de acordo com as recomendações oficiais, ou quando é considerado necessário obter uma proteção mais precoce (por exemplo: creches, situações de surtos, ou viagem para uma região com elevada prevalência de sarampo). Estes lactentes devem ser revacinados entre os 12 e os 15 meses de idade. Deve ser considerada uma dose adicional de uma vacina contra o sarampo, de acordo com as recomendações oficiais (ver secções 4.4 e 5.1).

Lactentes com menos de 9 meses de idade

Não estão atualmente disponíveis dados relativos à eficácia ou à segurança de M-M-RVAXPRO para utilização em lactentes com menos de 9 meses de idade.

Modo de Administração

A vacina deve ser injetada por via intramuscular (IM) ou por via subcutânea (SC).

Os locais de injeção preferenciais são a zona antero-lateral da coxa nas crianças mais jovens e a região deltoide nas crianças mais velhas, adolescentes e adultos.

A vacina deverá ser administrada por via subcutânea nos indivíduos com trombocitopenia ou com algum problema de coagulação.

Para precauções a ter em conta antes de manusear ou administrar o medicamento e para instruções acerca da reconstituição do medicamento antes da administração, ver secção 6.6.

NÃO INJETAR POR VIA INTRAVASCULAR.

4.3Contraindicações

Antecedentes de hipersensibilidade a qualquer vacina contra o sarampo, papeira ou rubéola ou a qualquer dos excipientes, incluindo a neomicina (ver secções 2, 4.4 e 6.1).

Gravidez. A gravidez deve ainda ser evitada no mês seguinte à vacinação (ver secção 4.6).

A vacinação deve ser adiada durante qualquer patologia com febre > 38,5°C.

Tuberculose ativa não tratada. As crianças submetidas a tratamento para a tuberculose não apresentaram uma exacerbação da doença quando imunizadas com a vacina viva contra o sarampo. Não existem estudos descritos até à data, sobre o efeito das vacinas virais contra o sarampo em crianças com tuberculose não tratada.

Discrasias sanguíneas, leucemia, linfomas de qualquer tipo ou outros neoplasmas malignos que afetem o sistema hematopoiético e linfático.

Terapêutica imunosupressora atual (incluindo doses elevadas de corticosteroides). M-M-RVAXPRO não está contraindicado em indivíduos medicados com corticosteroides tópicos ou com doses baixas de corticosteroides administrados por via parentérica (ex. para a profilaxia da asma ou como terapêutica de substituição).

Imunodeficiência humoral ou celular grave (primária ou adquirida), ex: imunodeficiência combinada grave, agamaglobulinémia e SIDA ou infeção por VIH sintomática ou uma percentagem de linfócitos T CD4+ específicos da idade, em crianças com menos de 12 meses: CD4+ <25%; crianças entre os 12- 35 meses: CD4+ <20%; crianças entre 36-59 meses: CD4+ <15% (ver secção 4.4).

Em indivíduos gravemente imunocomprometidos inadvertidamente vacinados com a vacina contra o sarampo, tem sido referida a ocorrência de encefalite de corpos de inclusão do sarampo, pneumonite e desfecho fatal como uma consequência direta da disseminação da infeção do vírus da vacina contra o sarampo.

Antecedentes familiares de imunodeficiência congénita ou hereditária, exceto nos casos em que se encontra demonstrada a competência imunitária do potencial recetor da vacina.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Tal como para todas as vacinas injetáveis, deverá estar prontamente à disposição tratamento médico adequado no caso de uma rara reação anafilática após a administração da vacina (ver secção 4.8).

Os adultos e adolescentes com antecedentes de alergias podem potencialmente ter um risco acrescido de reação anafilática ou anafilatoide. Após a administração, recomenda-se uma monitorização cuidada dos sinais precoces destas reações.

Dado que a vacina viva contra o sarampo e a vacina viva contra a papeira são produzidas em culturas de células embrionárias de pinto, as pessoas com antecedentes de reações anafiláticas, anafilatoides ou outras reações imediatas (ex. urticária, edema orofaríngeo, dificuldades respiratórias, hipotensão ou choque) subsequentes à ingestão de ovos, podem apresentar um risco aumentado de reações de hipersensibilidade de tipo imediato. A potencial relação risco-benefício deverá ser cuidadosamente avaliada antes de se considerar a vacinação em tais casos.

Deverão tomar-se precauções na administração de M-M-RVAXPRO a pessoas com antecedentes individuais ou familiares de convulsões ou antecedentes de lesões cerebrais. O médico deverá estar alerta para o caso de ocorrer um aumento da temperatura após a vacinação (ver secção 4.8).

Os lactentes dos 9 aos 12 meses de idade vacinados com uma vacina contra o sarampo durante os surtos de sarampo, ou por outras razões, podem não ter resposta à vacina devido à presença de anticorpos de origem materna em circulação e/ou à imaturidade do sistema imunitário (ver secções 4.2 e 5.1).

Esta vacina contém 14,5 mg de sorbitol, como um excipiente. Os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose, não devem ser vacinados com esta vacina.

Trombocitopenia

Esta vacina deve ser administrada por via subcutânea a indivíduos com trombocitopenia ou com algum problema de coagulação, porque pode ocorrer hemorragia após uma administração intramuscular nestes indivíduos.

Os indivíduos com trombocitopenia podem desenvolver uma trombocitopenia mais grave após a vacinação. Adicionalmente, os indivíduos que apresentam trombocitopenia após a primeira dose de M-M-RVAXPRO (ou das vacinas dos seus componentes), podem desenvolver trombocitopenia com doses repetidas. O estado serológico pode ser avaliado para determinar se são ou não necessárias doses adicionais da vacina. Nestes casos, a potencial relação risco-benefício deve ser cuidadosamente avaliada antes de se considerar a vacinação (ver secção 4.8).

Outros

A vacinação pode ser considerada em indivíduos com determinadas deficiências imunes, em que os benefícios superem os riscos (ex: indivíduos VIH assintomáticos, deficiências de subclasses de IgG, neutropenia congénita, doença granulomatosa crónica e doenças de deficiência do complemento).

Os indivíduos imunocomprometidos que não tenham nenhuma contraindicação para esta vacinação (ver secção 4.3) podem não responder tão bem como os indivíduos imunocompetentes; por este motivo alguns destes indivíduos podem adquirir sarampo, papeira ou rubéola em caso de contacto, apesar da administração apropriada da vacina. Estes indivíduos devem ser cuidadosamente monitorizados para sinais de sarampo, parotidite e rubéola.

A vacinação com M-M-RVAXPRO poderá não resultar na proteção de todos os indivíduos vacinados.

Transmissão

A excreção de pequenas quantidades do vírus da rubéola vivo atenuado através do nariz ou da garganta tem ocorrido na maioria dos indivíduos suscetíveis, 7 a 28 dias após a vacinação. Não existem provas que indiquem que este vírus é transmitido a pessoas suscetíveis que estão em contacto com os indivíduos vacinados. Consequentemente, a transmissão através de um estreito contacto pessoal, embora aceite como uma possibilidade teórica, não é considerado como um risco significativo; Contudo, tem sido documentada a transmissão do vírus da rúbeola da vacina a recém- nascidos através do leite materno, sem qualquer evidência de patologia clínica (ver secção 4.6).

Não existem relatórios de transmissão da estirpe Enders’ Edmonston mais atenuada do vírus do sarampo ou da estirpe Jeryl Lynn™ do vírus da papeira dos indivíduos vacinados para contactos suscetíveis.

Interferência com exames laboratoriais: ver secção 4.5.

4.5Interações medicamentosas e outras formas de interação

Imunoglobulina

Não deverá administrar-se uma imunoglobulina (IG) concomitantemente com M-M-RVAXPRO.

A administração de imunoglobulinas concomitantemente com M-M-RVAXPRO pode interferir com a esperada resposta imunitária. A vacinação deverá ser adiada, durante pelo menos 3 meses após transfusões de sangue ou plasma ou administração de imunoglobulinas séricas humanas.

A administração de produtos derivados do plasma contendo anticorpos contra o sarampo, a papeira ou a rubéola, incluindo preparações de imunoglobulinas, devem ser evitadas no espaço de 1 mês após a dose de M-M-RVAXPRO, a menos que seja considerada essencial.

Exames laboratoriais

Tem sido referido que as vacinas vivas atenuadas contra o sarampo, papeira e rubéola administradas individualmente podem resultar numa depressão temporária do teste dérmico de sensibilidade à tuberculina. Assim, se for necessário efetuar o teste da tuberculina, este deverá ser realizado em qualquer momento antes, em simultâneo com, ou pelo menos 4 a 6 semanas após a vacinação com M-M-RVAXPRO.

Utilização com outras vacinas

Não foram efetuados até à data estudos específicos relativamente à utilização concomitante de M-M-RVAXPRO e outras vacinas. Contudo, dado que M-M-RVAXPRO revelou possuir perfis de segurança e imunogenicidade semelhantes aos da formulação anterior da vacina combinada contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., pode ser considerada a experiência com esta vacina.

Ensaios clínicos publicados dão suporte à administração concomitante da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc. com outras vacinações da infância, incluindo a DTaP (ou DTwP), IPV (ou OPV), HIB (Haemophilus influenzae do tipo b), HIB- HBV (Haemophilus influenzae do tipo b com a vacina contra a Hepatite B) e VAR (varicela). M-M-RVAXPRO deve ser administrado, se concomitantemente, em diferentes locais de injeção ou um mês antes ou após a administração de outras vacinas virais vivas.

Com base em ensaios clínicos com a vacina tetravalente contra o sarampo, papeira, rubéola e varicela e com a formulação anterior da vacina combinada contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., M-M-RVAXPRO pode ser administrado simultaneamente (mas em diferentes locais de administração) com Prevenar e/ou vacina contra a hepatite A.

Nestes ensaios clínicos, foi demonstrado que as respostas imunitárias não foram afetadas e que os perfis globais de segurança das vacinas administradas foram semelhantes.

4.6Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Mulheres grávidas não devem ser vacinadas com M-M-RVAXPRO.

Não foram realizados estudos com M-M-RVAXPRO em mulheres grávidas. Não se sabe se M-M-RVAXPRO pode provocar lesões fetais quando administrado a mulheres grávidas ou afetar a capacidade de reprodução.

No entanto, não foram documentadas lesões fetais quando vacinas contra o sarampo ou papeira foram administradas a mulheres grávidas. Apesar de um risco teórico não poder ser excluído, não foram notificados casos de síndrome de rubéola congénita em mais de 3500 mulheres suscetíveis que estavam no início da gravidez sem o saberem, quando foram vacinadas com vacina contendo rubéola. Assim, a vacinação inadvertida de mulheres grávidas que não sabiam estar grávidas, com vacinas contendo sarampo, papeira ou rubéola não deverá ser uma razão para interromper a gravidez.

A gravidez deve ser evitada durante 1 mês após a vacinação. As mulheres que pretendem engravidar devem ser devidamente aconselhadas a adiar a gravidez durante este período.

Amamentação

Os estudos revelaram que as mulheres que amamentam e que são vacinadas após o parto com vacinas vivas atenuadas contra a rubéola, podem secretar o vírus no leite materno e transmiti-lo para os recém- nascidos que estão a ser amamentados. Dos recém-nascidos com evidência serológica da infeção da rubéola, nenhum apresentou sintomas da doença. Não se sabe se os vírus da vacina contra o sarampo ou a papeira são secretados no leite materno. Deste modo, devem tomar-se precauções quando se considera a administração de M-M-RVAXPRO a mulheres durante o aleitamento.

Fertilidade

M-M-RVAXPRO não foi avaliado em estudos de fertilidade.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir ou utilizar máquinas. É expetável que os efeitos de M-M-RVAXPRO sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas sejam nulos ou desprezáveis.

4.8Efeitos indesejáveis

a. Resumo do perfil de segurança

Em ensaios clínicos, M-M-RVAXPRO foi administrado a 1965 crianças (ver secção 5.1) e o perfil geral de segurança foi comparável ao da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc.

Num ensaio clínico, 752 crianças receberam M-M-RVAXPRO por via intramuscular ou por via subcutânea. O perfil geral de segurança de ambas as vias de administração foi comparável, apesar das reações no local de injeção terem sido menos frequentes no grupo IM (15,8%) comparado com o grupo SC (25,8%)

Todas as reações adversas foram avaliadas em 1940 crianças. Nestas crianças, após a vacinação com M-M-RVAXPRO, foram observadas as reações adversas relacionadas com a vacina, resumidas na secção b (excluindo comunicações isoladas com uma frequência <0,2%).

Em comparação com a primeira dose, uma segunda dose de M-M-RVAXPRO não está associada a um aumento de incidência e gravidade dos sintomas clínicos, incluindo os sugestivos de reação de hipersensibilidade.

Adicionalmente, estão disponíveis e são resumidas na secção b outras reações adversas notificadas durante a comercialização de M-M-RVAXPRO e/ou ensaios clínicos e comercialização de formulações anteriores das vacinas monovalentes ou combinadas contra o sarampo, papeira e rubéola, fabricadas pela Merck & Co., Inc. independentemente da causalidade ou frequência. A frequência destas reações adversas é qualificada como “desconhecido” uma vez que não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis. Estes dados foram apresentados com base em mais de 400 milhões de doses distribuídas a nível mundial.

As reações adversas notificadas mais frequentemente com a utilização de M-M-RVAXPRO foram: febre (38,5ºC ou mais elevada); reações no local de injeção incluindo dor, tumefação e eritema.

b. Resumo das reações adversas em forma tabelar

As reações adversas encontram-se listadas sob títulos de frequência utilizando a seguinte convenção:

[Muito frequentes (≥1/10); Frequentes (≥1/100, <1/10); Pouco frequentes (≥1/1,000, <1/100); Desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis)]

Reações adversas

Frequência

Infeções e infestações

 

Nasofaringite, Infeção do trato respiratório superior ou infeção viral

Pouco frequentes

Meningite assética, Sarampo atípico, Epididimite, Orquite, Otite

 

média, Parotidite, Rinite, Panencefalite Esclerosante Subaguda (SSPE)

Desconhecido

Doenças do sangue e do sistema linfático

 

Linfadenopatia regional, Trombocitopenia

Desconhecido

Doenças do sistema imunitário

 

Reação anafilatoide, Anafilaxia e fenómenos relacionados como Edema

Desconhecido

angioneurótico, Edema facial e Edema periférico

 

Perturbações do foro psiquiátrico

 

Irritabilidade

Desconhecido

Doenças do sistema nervoso

 

Convulsões ou crises afebris, Ataxia, Tonturas, Encefalite,

Desconhecido

Encefalopatia, Convulsão febril (em crianças), Síndrome de Guillain-

 

Barré, Cefaleias, Encefalite de corpos de inclusão do sarampo (MIBE)

 

(ver secção 4.3), Paralisias oculares, Neurite ótica, Parestesia,

 

Polineurite, Polineuropatia, Neurite retrobulbar, Síncope

 

Afeções oculares

 

Conjuntivite, Retinite

Desconhecido

Afeções do ouvido e do labirinto

 

Surdez neurossensorial

Desconhecido

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino

 

Rinorreia

Pouco frequentes

Broncospasmo, Tosse, Pneumonia, Pneumonite (ver secção 4.3), Dor

Desconhecido

de garganta

 

Doenças gastrointestinais

 

Diarreia ou vómitos

Pouco frequentes

Náuseas

Desconhecido

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

 

Erupção cutânea morbiliforme ou outra erupção cutânea

Frequentes

Urticária

Pouco frequentes

Paniculite, Prurido, Púrpura, Induração da pele, Síndrome de Stevens-

Desconhecido

Johnson

 

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos

 

Artritee/ou Artralgia(geralmente transitórias e raramente crónicas),

Desconhecido

Mialgia

 

Perturbações gerais e alterações no local de administração

 

Febre (38,5ºC ou mais elevada), Eritema no local de injeção, Dor no

Muito frequentes

local de injeção, Tumefação no local de injeção

 

Equimose no local de injeção

Frequentes

Erupção cutânea no local de injeção

Pouco frequentes

Sensação de queimadura e/ou picada de curta duração no local de

Desconhecido

administração, Mal-estar geral, Papilite, Edema periférico, Tumefação,

 

Hiperestesia, Vesículas no local de injeção, Mácula e Pápula no local

 

de injeção

 

Vasculopatias

 

Vasculite

Desconhecido

ver secção c

 

c. Descrição de reações adversas selecionadas

Meningite assética

Têm sido notificados casos de meningite assética após a vacinação contra o sarampo, papeira e rubéola. Embora tenha sido demonstrada uma relação causal entre outras estirpes da vacina contra a

papeira e meningite assética, não existe evidência que ligue a vacina contra a papeira Jeryl Lynn™ à meningite assética.

Encefalite e Encefalopatia

Em indivíduos gravemente imunocomprometidos vacinados inadvertidamente com uma vacina contra o sarampo foram notificados casos de encefalite de corpos de inclusão do sarampo, pneumonite e desfecho fatal como consequência direta da disseminação da infeção do vírus da vacina contra o sarampo (ver secção 4.3). Também foram notificados casos de disseminação da infeção dos vírus das vacinas contra a papeira e rubéola.

Panencefalite esclerosante subaguda

Não existe evidência de que as vacinas contra o sarampo possam provocar SSPE. Têm sido notificados casos de SSPE em crianças sem antecedentes de infeção do sarampo de tipo selvagem mas que receberam a vacina contra o sarampo. Alguns destes casos podem ter resultado de sarampo não reconhecido no primeiro ano de vida ou possivelmente da vacinação contra o sarampo. Os resultados de um estudo retrospetivo caso-controlo realizado pela US Centers for Disease Control and Prevention sugerem que o efeito global da vacina contra o sarampo tem sido a proteção contra SSPE através da prevenção do sarampo com o seu risco inerente de SSPE.

Artralgia e/ou artrite

A artralgia e/ou artrite (geralmente transitórias e raramente crónicas) e a polineurite são características da infeção da rubéola de tipo selvagem e variam em termos de frequência e de gravidade com a idade e o sexo, sendo mais frequentes e intensas nas mulheres adultas e menos pronunciadas nas crianças na pré-puberdade. Após a vacinação nas crianças, os efeitos nas articulações são geralmente pouco frequentes (0-3%) e de curta duração. Nas mulheres, as taxas de incidência da artrite e artralgia são geralmente mais elevadas do que as observadas em crianças (12-20%) e as reações têm tendência para ser mais pronunciados e de maior duração. Os sintomas podem persistir durante alguns meses ou, em raras ocasiões, durante anos. Nas raparigas adolescentes, os efeitos parecem ser intermédios, em termos de incidência entre os observados nas crianças e nas mulheres adultas. Mesmo nas mulheres mais velhas (35-45 anos), estas reações são geralmente bem toleradas e raramente interferem com as atividades normais.

Artrite crónica

A artrite crónica tem sido associada à infeção da rubéola do tipo selvagem e foi relacionada com a persistência do vírus e/ou antigénio viral, isolado a partir dos tecidos corporais. O desenvolvimento de sintomas articulares crónicos nos indivíduos vacinados foi uma ocorrência rara.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9Sobredosagem

Foi notificada raramente, a administração de doses de M-M-RVAXPRO superiores às recomendadas e, o perfil de reações adversas foi comparável ao observado com a dose de M-M-RVAXPRO recomendada.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Vacina viral, código ATC: J07BD52.

Avaliação da imunogenicidade e da eficácia clínica

Num estudo comparativo realizado em 1.279 indivíduos que receberam M-M-RVAXPRO ou a formulação anterior (fabricada com albumina sérica humana) da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., demonstrou-se que a imunogenicidade e a segurança eram semelhantes nos dois produtos.

Os estudos clínicos realizados em 284 crianças triplamente seronegativas, com idades compreendidas entre os 11 meses e os 7 anos, demonstraram que a formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., é altamente imunogénica e geralmente bem tolerada. Nestes estudos, uma injeção única da vacina induziu a formação de anticorpos de hemaglutinação-inibição (HI) do sarampo em 95%, anticorpos neutralizantes da papeira em 96% e anticorpos de HI da rubéola em 99% das pessoas suscetíveis.

Avaliação da imunogenicidade em lactentes dos 9 aos 12 meses de idade no momento da primeira dose

Foi realizado um ensaio clínico com a vacina tetravalente contra o sarampo, papeira, rubéola e varicela fabricada pela Merck & Co., Inc., administrada com um esquema de vacinação de 2 doses, com 3 meses de intervalo, em 1620 lactentes saudáveis dos 9 aos 12 meses de idade, no momento da administração da primeira dose.

O perfil de segurança após a dose 1 e a dose 2 foi, de um modo geral, comparável para as coortes de todas as idades.

No Total da População Analisada (Full Analysis Set) (indivíduos vacinados independentemente dos seus títulos basais de anticorpos), foram detetadas após a dose 2, taxas de seroproteção elevadas de > 99% contra a papeira e rubéola, independentemente da idade do indivíduo no momento da administração da primeira dose. Após 2 doses, as taxas de seroproteção contra o sarampo foram de 98,1% quando a primeira dose foi administrada aos 11 meses de idade, em comparação com 98,9% quando a primeira dose foi administrada aos 12 meses de idade (objetivo do ensaio de não- inferioridade alcançado). Após 2 doses, as taxas de seroproteção contra o sarampo foram de 94,6%, quando a primeira dose foi administrada aos 9 meses, em comparação com 98,9% quando a primeira dose foi administrada aos 12 meses (objetivo do ensaio de não-inferioridade não alcançado).

As taxas de seroproteção contra o sarampo, papeira e rubéola, para o Total da População Analisada (Full Analysis Set), são apresentadas na Tabela 1.

Tabela 1: Taxas de seroproteção contra o Sarampo, Papeira e Rubéola, 6 semanas após a dose 1 e 6 semanas após a dose 2 da vacina tetravalente contra o sarampo, papeira, rubéola e varicela fabricada pela Merck & Co., Inc., - Total da População Analisada (Full Analysis Set)

Valência

Momento

Dose 1 aos 9 meses/

Dose 1 aos 11 meses/

Dose 1 aos 12 meses/

(nível de

da análise

Dose 2 aos 12 meses

Dose 2 aos 14 meses

Dose 2 aos 15 meses

seroproteção)

 

N = 527

N = 480

N = 466

 

 

Taxas de

Taxas de seroproteção

Taxas de seroproteção

 

 

seroproteção

[IC de 95%]

[IC de 95%]

 

 

[IC de 95%]

 

 

Sarampo

Pós-Dose 1

72,3%

87,6%

90,6%

(títulos ≥ 255

 

[68,2; 76,1]

[84,2; 90,4]

[87,6; 93,1]

mUI/ml)

Pós-Dose 2

94,6%

98,1%

98,9%

 

 

[92,3; 96,4]

[96,4; 99,1]

[97,5; 99,6]

Papeira

Pós-Dose 1

96,4%

98,7%

98,5%

(títulos ≥ 10

 

[94,4; 97,8]

[97,3; 99,5]

[96,9; 99,4]

unidades

Pós-Dose 2

99,2%

99,6%

99,3%

ELISA Ac/ml)

 

[98,0; 99,8]

[98,5; 99,9]

[98,1; 99,9]

Rubéola

Pós-Dose 1

97,3%

98,7%

97,8%

(títulos ≥ 10

 

[95,5; 98,5]

[97,3; 99,5]

[96,0; 98,9]

UI/ml)

Pós-Dose 2

99,4%

99,4%

99,6%

 

 

[98,3; 99,9]

[98,1; 99,9]

[98,4; 99,9]

Os títulos médios geométricos (TMGs) contra a papeira e a rubéola pós-dose 2 foram comparáveis em todas as categorias de idade, enquanto que os TMGs contra o sarampo foram inferiores em indivíduos que receberam a primeira dose aos 9 meses de idade, em comparação com os indivíduos que receberam a primeira dose aos 11 ou 12 meses de idade.

Um estudo comparativo em 752 indivíduos que receberam M-M-RVAXPRO por via intramuscular ou por via subcutânea demonstrou um perfil de imunogenicidade semelhante entre ambas as vias de administração.

A eficácia dos componentes da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., foi estabelecida numa série de estudos de campo controlados realizados em dupla ocultação, os quais demonstraram um elevado grau de eficácia em termos de proteção garantida pelos componentes individuais da vacina. Estes estudos também estabeleceram que a seroconversão em resposta à vacinação contra o sarampo, papeira e rubéola foi semelhante à proteção contra estas doenças.

Exposição após a vacinação

A vacinação de indivíduos expostos ao sarampo de tipo selvagem pode proporcionar alguma proteção se a vacina puder ser administrada no espaço de 72 horas após a exposição. Se, contudo, a vacina for administrada alguns dias antes da exposição, poderá conseguir-se uma proteção substancial. Não existe evidência conclusiva relativamente ao facto da vacinação de indivíduos recentemente expostos à papeira de tipo selvagem ou rubéola de tipo selvagem proporcionar proteção.

Efetividade

A nível mundial foram distribuídos mais de 400 milhões de doses da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc. (1978 a 2003). O uso alargado de um esquema de vacinação com 2 doses nos Estados Unidos e em países como a Finlândia e a Suécia deu origem a uma redução > 99% na incidência de cada uma das 3 doenças alvo.

Mulheres adultas e adolescentes não grávidas

A vacinação de mulheres adultas e adolescentes não grávidas em idade fértil com a vacina contendo o vírus da rubéola vivo e atenuado, está indicada se foram tomadas certas precauções (ver secções 4.4 e 4.6). A vacinação de mulheres suscetíveis pós-puberdade confere uma proteção individual contra uma subsequente infeção de rubéola durante a gravidez, o que, por seu lado, impede a infeção do feto e as consequentes lesões congénitas devidas à rubéola.

Os indivíduos com mais de 9 meses que não foram previamente vacinados e que estão em contacto com mulheres grávidas suscetíveis, devem receber uma vacina viva atenuada contendo rubéola (como é o caso da M-M-RVAXPRO ou de uma vacina monovalente contra a rubéola) para redução do risco de exposição da mulher grávida.

Indivíduos com provável suscetibilidade à papeira e à rubéola

É preferível a utilização de M-M-RVAXPRO para a vacinação de pessoas com provável suscetibilidade à papeira e à rubéola. Os indivíduos que requerem uma vacinação contra o sarampo, podem receber M-M-RVAXPRO independentemente do seu estado imunitário relativamente à papeira e à rubéola, se não estiver imediatamente disponível uma vacina monovalente contra o sarampo.

5.2Propriedades farmacocinéticas

Não aplicável.

5.3Dados de segurança pré-clínica

Não foram realizados estudos não-clínicos.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1Lista dos Excipientes

Sorbitol

Fosfato de sódio Fosfato de potássio Sacarose

Gelatina hidrolisada

Meio 199 com Sais de Hanks

Meio Essencial Mínimo, Eagle (MEM) L-glutamato monossódico

Neomicina Vermelho de fenol Bicarbonato de sódio

Ácido clorídrico (para ajuste do pH) Hidróxido de sódio (para ajuste do pH)

Veículo

Água para preparações injetáveis

6.2Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, a vacina não deve ser misturada com outros medicamentos.

6.3Prazo de validade

2 anos.

Após a reconstituição, a vacina deve ser imediatamente utilizada; contudo, foi demonstrada uma estabilidade na utilização durante 8 horas quando conservada entre 2 C e 8 C.

6.4Precauções especiais de conservação

Conservar e transportar refrigerado (2°C-8 C). Não congelar. Manter o frasco para injetáveis com o pó dentro da embalagem exterior para proteger da luz.

Condições de conservação do medicamento após a reconstituição, ver secção 6.3.

6.5Natureza e conteúdo do recipiente

O pó apresenta-se num frasco para injetáveis (vidro) com tampa (borracha butílica) e o veículo apresenta-se num frasco para injetáveis (vidro) com tampa (borracha clorobutílica) em embalagens de 1 e 10 frascos para injetáveis.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Para reconstituição, utilize o veículo fornecido. O veículo é um líquido incolor límpido. Antes de misturar com o veículo, o pó apresenta-se sob a forma de um aglomerado cristalino, compacto, ligeiramente amarelado. Depois da reconstituição estar completa, a vacina é um líquido amarelado transparente.

É importante que se utilizem seringas e agulhas estéreis diferentes para cada pessoa, com vista a evitar a transmissão de infeções de umas pessoas para as outras.

Instruções de reconstituição

Retire todo o veículo para uma seringa que será usada para a reconstituição e administração. Injete todo o conteúdo da seringa no frasco para injetáveis que contém o pó. Agite suavemente para misturar bem.

A vacina reconstituída não pode ser usada se forem detetadas quaisquer partículas ou se o aspeto do veículo ou do pó ou da vacina reconstituída forem diferentes do acima descrito.

Retire todo o conteúdo da vacina reconstituída do frasco para injetáveis para a mesma seringa e injete todo o volume.

Se forem fornecidas duas agulhas separadas: use uma agulha para reconstituir a vacina e outra para a administração da vacina na pessoa a ser vacinada.

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

MSD VACCINS

162 avenue Jean Jaurès

69007 Lyon França

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/06/337/001

EU/1/06/337/002

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 11 de maio de 2006

Data da última renovação: 11 de maio de 2011

10.DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da Internet da Agência Europeia de Medicamentos http://www.ema.europa.eu.

1. NOME DO MEDICAMENTO

M-M-RVAXPRO pó e veículo para suspensão injetável em seringa pré-cheia Vacina contra o sarampo, papeira e rubéola (viva).

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Após reconstituição, uma dose (0,5 ml) contém:

Vírus do sarampo1 estirpe Enders’ Edmonston (vivo, atenuado) Vírus da papeira1 estirpe Jeryl Lynn™ (Nível B) (vivo, atenuado) Vírus da rubéola2 estirpe Wistar RA 27/3 (vivo, atenuado)

* dose infecciosa para 50% da cultura de células.

(1) Produzido em células embrionárias de pinto.

(2) Produzido em fibroblastos pulmonares diploides humanos WI-38.

não inferior a 1x103 CCID50* não inferior a 12.5x103 CCID50* não inferior a 1x103 CCID50*

A vacina pode conter vestígios de albumina humana recombinante (rHA).

Esta vacina contém quantidades vestigiais de neomicina. Ver secção 4.3.

Excipientes com efeito conhecido:

A vacina contém 14,5mg de sorbitol. Ver secção 4.4.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Pó e veículo para suspensão injetável em seringa pré-cheia.

Antes da reconstituição, o pó apresenta-se sob a forma de um aglomerado cristalino, compacto, ligeiramente amarelado e o veículo é um líquido incolor e límpido.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

M-M-RVAXPRO está indicado na vacinação simultânea contra o sarampo, a papeira e a rubéola em indivíduos a partir dos 12 meses de idade (ver secção 4.2).

Em circunstâncias especiais, M-M-RVAXPRO pode ser administrado a lactentes a partir dos 9 meses de idade (ver secções 4.2, 4.4 e 5.1).

Para utilização em surtos de sarampo, na vacinação pós-exposição ou para utilização em indivíduos com mais de 9 meses de idade que não tenham sido previamente vacinados e que estão em contacto com mulheres grávidas suscetíveis e em pessoas com provável suscetibilidade à papeira e à rubéola, ver secção 5.1.

M-M-RVAXPRO deve ser usado com base nas recomendações oficiais.

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia

Indivíduos com 12 ou mais meses de idade

Os indivíduos com 12 ou mais meses de idade devem receber uma dose numa data selecionada. Poderá ser administrada uma segunda dose pelo menos 4 semanas após a primeira dose, em conformidade

com a recomendação oficial. A segunda dose destina-se a indivíduos que, por qualquer motivo, não responderam à primeira dose.

Lactentes entre os 9 e os 12 meses de idade

Os dados de imunogenicidade e de segurança mostram que M-M-RVAXPRO pode ser administrado a lactentes entre os 9 e os 12 meses de idade, de acordo com as recomendações oficiais ou quando é considerado necessário obter uma proteção mais precoce (por exemplo: creches, situações de surtos, ou viagem para uma região com elevada prevalência de sarampo). Estes lactentes devem ser revacinados entre os 12 e os 15 meses de idade. Deve ser considerada uma dose adicional de uma vacina contra o sarampo de acordo com as recomendações oficiais (ver secções 4.4 e 5.1).

Lactentes com menos de 9 meses de idade

Não estão atualmente disponíveis dados relativos à eficácia ou à segurança de M-M-RVAXPRO para utilização em lactentes com menos de 9 meses de idade.

Modo de Administração

A vacina deve ser injetada por via intramuscular (IM) ou por via subcutânea (SC).

Os locais de injeção preferenciais são a zona antero-lateral da coxa nas crianças mais jovens e a região deltoide nas crianças mais velhas, adolescentes e adultos.

A vacina deverá ser administrada por via subcutânea nos indivíduos com trombocitopenia ou com algum problema de coagulação.

Para precauções a ter em conta antes de manusear ou administrar o medicamento e para instruções acerca da reconstituição do medicamento antes da administração, ver secção 6.6.

NÃO INJETAR POR VIA INTRAVASCULAR.

4.3 Contraindicações

Antecedentes de hipersensibilidade a qualquer vacina contra o sarampo, papeira ou rubéola ou a qualquer dos excipientes, incluindo a neomicina (ver secções 2, 4.4 e 6.1).

Gravidez. A gravidez deve ainda ser evitada no mês seguinte à vacinação (ver secção 4.6).

A vacinação deve ser adiada durante qualquer patologia com febre > 38,5°C.

Tuberculose ativa não tratada. As crianças submetidas a tratamento para a tuberculose não apresentaram uma exacerbação da doença quando imunizadas com a vacina viva contra o sarampo. Não existem estudos descritos até à data, sobre o efeito das vacinas virais contra o sarampo em crianças com tuberculose não tratada.

Discrasias sanguíneas, leucemia, linfomas de qualquer tipo ou outros neoplasmas malignos que afetem o sistema hematopoiético e linfático.

Terapêutica imunosupressora atual (incluindo doses elevadas de corticosteroides). M-M-RVAXPRO não está contraindicado em indivíduos medicados com corticosteroides tópicos ou com doses baixas de corticosteroides administrados por via parentérica (ex. para a profilaxia da asma ou como terapêutica de substituição).

Imunodeficiência humoral ou celular grave (primária ou adquirida), ex: imunodeficiência combinada grave, agamaglobulinémia e SIDA ou infeção por VIH sintomática ou uma percentagem de linfócitos T CD4+ específicos da idade, em crianças com menos de 12 meses: CD4+ <25%; crianças entre os 12- 35 meses: CD4+ <20%; crianças entre 36-59 meses: CD4+ <15% (ver secção 4.4).

Em indivíduos gravemente imunocomprometidos inadvertidamente vacinados com a vacina contra o sarampo, tem sido referida a ocorrência de encefalite de corpos de inclusão do sarampo, pneumonite e desfecho fatal como uma consequência direta da disseminação da infeção do vírus da vacina contra o sarampo.

Antecedentes familiares de imunodeficiência congénita ou hereditária, exceto nos casos em que se encontra demonstrada a competência imunitária do potencial recetor da vacina.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Tal como para todas as vacinas injetáveis, deverá estar prontamente à disposição tratamento médico adequado no caso de uma rara reação anafilática após a administração da vacina (ver secção 4.8).

Os adultos e adolescentes com antecedentes de alergias podem potencialmente ter um risco acrescido de reação anafilática ou anafilatoide. Após a administração, recomenda-se uma monitorização cuidada dos sinais precoces destas reações.

Dado que a vacina viva contra o sarampo e a vacina viva contra a papeira são produzidas em culturas de células embrionárias de pinto, as pessoas com antecedentes de reações anafiláticas, anafilatoides ou outras reações imediatas (ex. urticária, edema orofaríngeo, dificuldades respiratórias, hipotensão ou choque) subsequentes à ingestão de ovos, podem apresentar um risco aumentado de reações de hipersensibilidade de tipo imediato. A potencial relação risco-benefício deverá ser cuidadosamente avaliada antes de se considerar a vacinação em tais casos.

Deverão tomar-se precauções na administração de M-M-RVAXPRO a pessoas com antecedentes individuais ou familiares de convulsões ou antecedentes de lesões cerebrais. O médico deverá estar alerta para o caso de ocorrer um aumento da temperatura após a vacinação (ver secção 4.8).

Os lactentes dos 9 aos 12 meses de idade vacinados com uma vacina contra o sarampo durante os surtos de sarampo, ou por outras razões podem não ter resposta à vacina devido à presença de anticorpos de origem materna em circulação e/ou à imaturidade do sistema imunitário (ver secções 4.2 e 5.1).

Esta vacina contém 14,5 mg de sorbitol, como um excipiente. Os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose, não devem ser vacinados com esta vacina.

Trombocitopenia

Esta vacina deve ser administrada por via subcutânea a indivíduos com trombocitopenia ou com algum problema de coagulação, porque pode ocorrer hemorragia após uma administração intramuscular nestes indivíduos.

Os indivíduos com trombocitopenia podem desenvolver uma trombocitopenia mais grave após a vacinação. Adicionalmente, os indivíduos que apresentam trombocitopenia após a primeira dose de M-M-RVAXPRO (ou das vacinas dos seus componentes), podem desenvolver trombocitopenia com doses repetidas. O estado serológico pode ser avaliado para determinar se são ou não necessárias doses adicionais da vacina. Nestes casos, a potencial relação risco-benefício deve ser cuidadosamente avaliada antes de se considerar a vacinação (ver secção 4.8).

Outros

A vacinação pode ser considerada em indivíduos com determinadas deficiências imunes, em que os benefícios superem os riscos (ex: indivíduos VIH assintomáticos, deficiências de subclasses de IgG, neutropenia congénita, doença granulomatosa crónica e doenças de deficiência do complemento).

Os indivíduos imunocomprometidos que não tenham nenhuma contraindicação para esta vacinação (ver secção 4.3) podem não responder tão bem como os indivíduos imunocompetentes; por este motivo alguns destes indivíduos podem adquirir sarampo, papeira ou rubéola em caso de contacto, apesar da administração apropriada da vacina. Estes indivíduos devem ser cuidadosamente monitorizados para sinais de sarampo, parotidite e rubéola.

A vacinação com M-M-RVAXPRO poderá não resultar na proteção de todos os indivíduos vacinados.

Transmissão

A excreção de pequenas quantidades do vírus da rubéola vivo atenuado através do nariz ou da garganta tem ocorrido na maioria dos indivíduos suscetíveis, 7 a 28 dias após a vacinação. Não existem provas que indiquem que este vírus é transmitido a pessoas suscetíveis que estão em contacto com os indivíduos vacinados. Consequentemente, a transmissão através de um estreito contacto pessoal, embora aceite como uma possibilidade teórica, não é considerado como um risco significativo; Contudo, tem sido documentada a transmissão do vírus da rúbeola da vacina a recém- nascidos através do leite materno, sem qualquer evidência de patologia clínica (ver secção 4.6).

Não existem relatórios de transmissão da estirpe Enders’ Edmonston mais atenuada do vírus do sarampo ou da estirpe Jeryl Lynn™ do vírus da papeira dos indivíduos vacinados para contactos suscetíveis.

Interferência com exames laboratoriais: ver secção 4.5.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Imunoglobulina

Não deverá administrar-se uma imunoglobulina (IG) concomitantemente com M-M-RVAXPRO.

A administração de imunoglobulinas concomitantemente com M-M-RVAXPRO pode interferir com a esperada resposta imunitária. A vacinação deverá ser adiada, durante pelo menos 3 meses após transfusões de sangue ou plasma ou a administração de imunoglobulinas séricas humanas.

A administração de produtos derivados do plasma contendo anticorpos contra o sarampo, a papeira ou a rubéola, incluindo preparações de imunoglobulinas, devem ser evitadas no espaço de 1 mês após a dose de M-M-RVAXPRO, a menos que seja considerada essencial.

Exames laboratoriais

Tem sido referido que as vacinas vivas atenuadas contra o sarampo, papeira e rubéola administradas individualmente podem resultar numa depressão temporária do teste dérmico de sensibilidade à tuberculina. Assim, se for necessário efetuar o teste da tuberculina, este deverá ser realizado em qualquer momento antes, em simultâneo com, ou pelo menos 4 a 6 semanas após a vacinação com M-M-RVAXPRO.

Utilização com outras vacinas

Não foram efetuados até à data estudos específicos relativamente à utilização concomitante de M-M-RVAXPRO e outras vacinas. Contudo, dado que M-M-RVAXPRO revelou possuir perfis de segurança e imunogenicidade semelhantes aos da formulação anterior da vacina combinada contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., pode ser considerada a experiência com esta vacina.

Ensaios clínicos publicados dão suporte à administração concomitante da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc. com outras vacinações da infância, incluindo a DTaP (ou DTwP), IPV (ou OPV), HIB (Haemophilus influenzae do tipo b), HIB- HBV (Haemophilus influenzae do tipo b com a vacina contra a Hepatite B) e VAR (varicela). M-M-RVAXPRO deve ser administrado, se concomitantemente, em diferentes locais de injeção ou um mês antes ou após a administração de outras vacinas virais vivas.

Com base em ensaios clínicos com a vacina tetravalente contra o sarampo, papeira, rubéola e varicela e com a formulação anterior da vacina combinada contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., M-M-RVAXPRO pode ser administrado simultaneamente (mas em diferentes locais de administração) com Prevenar e/ou vacina contra a hepatite A.

Nestes ensaios clínicos, foi demonstrado que as respostas imunitárias não foram afetadas e que os perfis globais de segurança das vacinas administradas foram semelhantes.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Mulheres grávidas não devem ser vacinadas com M-M-RVAXPRO.

Não foram realizados estudos com M-M-RVAXPRO em mulheres grávidas. Não se sabe se M-M-RVAXPRO pode provocar lesões fetais quando administrado a mulheres grávidas ou afetar a capacidade de reprodução.

No entanto, não foram documentadas lesões fetais quando vacinas contra o sarampo ou papeira foram administradas a mulheres grávidas. Apesar de um risco teórico não poder ser ainda, não foram notificados casos de síndrome de rubéola congénita em mais de 3500 mulheres suscetíveis que estavam no início da gravidez sem o saberem, quando foram vacinadas com vacina contendo rubéola. Assim, a vacinação inadvertida de mulheres grávidas que não sabiam estar grávidas, com vacinas contendo sarampo, papeira ou rubéola não deverá ser uma razão para interromper a gravidez.

A gravidez deve ser evitada durante 1 mês após a vacinação. As mulheres que pretendem engravidar devem ser devidamente aconselhadas a adiar a gravidez durante este período.

Amamentação

Os estudos revelaram que as mulheres que amamentam e que são vacinadas após o parto com vacinas vivas atenuadas contra a rubéola, podem secretar o vírus no leite materno e transmiti-lo para os recém- nascidos que estão a ser amamentados. Dos recém-nascidos com evidência serológica da infeção da rubéola, nenhum apresentou sintomas da doença. Não se sabe se os vírus da vacina contra o sarampo ou a papeira são secretados no leite materno. Deste modo, devem tomar-se precauções quando se considera a administração de M-M-RVAXPRO a mulheres durante o aleitamento.

Fertilidade

M-M-RVAXPRO não foi avaliado em estudos de fertilidade.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir ou utilizar máquinas. É expetável que os efeitos de M-M-RVAXPRO sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas sejam nulos ou desprezáveis.

4.8 Efeitos indesejáveis

a. Resumo do perfil de segurança

Em ensaios clínicos, M-M-RVAXPRO foi administrado a 1965 crianças (ver secção 5.1) e o perfil geral de segurança foi comparável ao da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc.

Num ensaio clínico, 752 crianças receberam M-M-RVAXPRO por via intramuscular ou por via subcutânea. O perfil geral de segurança de ambas as vias de administração foi comparável, apesar das reações no local de injeção terem sido menos frequentes no grupo IM (15,8%) comparado com o grupo SC (25,8%).

Todas as reações adversas foram avaliadas em 1940 crianças. Nestas crianças, após a vacinação com M-M-RVAXPRO, foram observadas as reações adversas relacionadas com a vacina, resumidas na secção b (excluindo comunicações isoladas com uma frequência <0,2%).

Em comparação com a primeira dose, uma segunda dose de M-M-RVAXPRO não está associada a um aumento de incidência e gravidade dos sintomas clínicos, incluindo os sugestivos de reação de hipersensibilidade.

Adicionalmente, estão disponíveis e são resumidos na secção b outras reações adversas notificadas durante a comercialização de M-M-RVAXPRO e/ou ensaios clínicos e comercialização de formulações anteriores das vacinas monovalentes ou combinadas contra o sarampo, papeira e rubéola, fabricadas pela Merck & Co., Inc. independentemente da causalidade ou frequência. A frequência destas reações adversas é classificada como “desconhecido” uma vez que não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis. Estes dados foram apresentados com base em mais de 400 milhões de doses distribuídas a nível mundial.

As reações adversas notificadas mais frequentemente com a utilização de M-M-RVAXPRO foram: febre (38,5ºC ou mais elevada); reações no local de injeção incluindo dor, tumefação e eritema.

b. Resumo das reações adversas em forma tabelar

As reações adversas encontram-se listadas sob títulos de frequência utilizando a seguinte convenção:

[Muito frequentes (≥1/10); Frequentes (≥1/100, <1/10); Pouco frequentes (≥1/1,000, <1/100)], Desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis)]

Reações adversas

Frequência

Infeções e infestações

 

Nasofaringite, Infeção do trato respiratório superior ou infeção viral

Pouco frequentes

Meningite assética, Sarampo atípico, Epididimite, Orquite, Otite

 

média, Parotidite, Rinite, Panencefalite Esclerosante Subaguda (SSPE)

Desconhecido

Doenças do sangue e do sistema linfático

 

Linfadenopatia regional, Trombocitopenia

Desconhecido

Doenças do sistema imunitário

 

Reação anafilatoide, Anafilaxia e fenómenos relacionados como Edema

Desconhecido

angioneurótico, Edema facial e Edema periférico

 

Perturbações do foro psiquiátrico

 

Irritabilidade

Desconhecido

Doenças do sistema nervoso

 

Convulsões ou crises afebris, Ataxia, Tonturas, Encefalite,

Desconhecido

Encefalopatia, Convulsão febril (em crianças), Síndrome de Guillain-

 

Barré, Cefaleias, Encefalite de corpos de inclusão do sarampo (MIBE)

 

(ver secção 4.3), Paralisias oculares, Neurite ótica, Parestesia,

 

Polineurite, Polineuropatia, Neurite retrobulbar, Síncope

 

Afeções oculares

 

Conjuntivite, Retinite

Desconhecido

Afeções do ouvido e do labirinto

 

Surdez neurossensorial

Desconhecido

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino

 

Rinorreia

Pouco frequentes

Broncospasmo, Tosse, Pneumonia, Pneumonite (ver secção 4.3), Dor

Desconhecido

de garganta

 

Doenças gastrointestinais

 

Diarreia ou vómitos

Pouco frequentes

Náuseas

Desconhecido

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

 

Erupção cutânea morbiliforme ou outra erupção cutânea

Frequentes

Urticária

Pouco frequentes

Paniculite, Prurido, Púrpura, Induração da pele, Síndrome de Stevens-

Desconhecido

Johnson

 

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos

 

Artritee/ou Artralgia(geralmente transitórias e raramente crónicas),

Desconhecido

Mialgia

 

Perturbações gerais e alterações no local de administração

 

Febre (38,5ºC ou mais elevada), Eritema no local de injeção, Dor no

Muito frequentes

local de injeção, Tumefação no local de injeção

 

Equimose no local de injeção

Frequentes

Erupção cutânea no local de injeção

Pouco frequentes

Sensação de queimadura e/ou picada de curta duração no local de

Desconhecido

administração, Mal-estar geral, Papilite, Edema periférico, Tumefação,

 

Hiperestesia, Vesículas no local de injeção, Mácula e Pápula no local

 

de injeção

 

Vasculopatias

 

Vasculite

Desconhecido

ver secção c

 

c. Descrição de reações adversas selecionadas

Meningite assética

Têm sido notificados casos de meningite assética após a vacinação contra o sarampo, papeira e rubéola. Embora tenha sido demonstrada uma relação causal entre outras estirpes da vacina contra a

papeira e meningite assética, não existe evidência que ligue a vacina contra a papeira Jeryl Lynn™ à meningite assética.

Encefalite e Encefalopatia

Em indivíduos gravemente imunocomprometidos vacinados inadvertidamente com uma vacina contra o sarampo foram notificados casos de encefalite de corpos de inclusão do sarampo, pneumonite e desfecho fatal como consequência direta da disseminação da infeção do vírus da vacina contra o sarampo (ver secção 4.3). Também foram notificados casos de disseminação da infeção dos vírus das vacinas contra a papeira e rubéola.

Panencefalite esclerosante subaguda

Não existe evidência de que a vacina contra o sarampo possa provocar SSPE. Têm sido notificados casos de SSPE em crianças sem antecedentes de infeção do sarampo de tipo selvagem mas que receberam a vacina contra o sarampo. Alguns destes casos podem ter resultado de sarampo não reconhecido no primeiro ano de vida ou possivelmente da vacinação contra o sarampo. Os resultados de um estudo retrospetivo de caso-controlo realizado pelo US Centers for Disease Control and Prevention sugerem que o efeito global da vacina contra o sarampo tem sido a proteção contra a SSPE através da prevenção do sarampo com o seu risco inerente de SSPE.

Artralgia e/ou artrite

A artralgia e/ou artrite (geralmente transitórias e raramente crónicas) e a polineurite são características da infeção da rubéola de tipo selvagem e variam em termos de frequência e de gravidade com a idade e o sexo, sendo mais frequentes e intensas nas mulheres adultas e menos pronunciadas nas crianças na pré-puberdade. Após a vacinação nas crianças, os efeitos nas articulações são geralmente pouco frequentes (0 a 3%) e de curta duração. Nas mulheres, as taxas de incidência de artrite e artralgia são geralmente mais elevadas do que as observadas em crianças (12 a 20%) e as reações têm tendência para serem mais pronunciados e de maior duração. Os sintomas podem persistir durante alguns meses ou, em raras ocasiões, durante anos. Nas raparigas adolescentes, os efeitos parecem ser intermédios, em termos de incidência, entre os observados nas crianças e nas mulheres adultas. Mesmo nas mulheres mais velhas (35 a 45 anos), estas reações são geralmente bem toleradas e raramente interferem com as atividades normais.

Artrite crónica

A artrite crónica tem sido associada à infeção da rubéola do tipo selvagem e foi relacionada com a persistência do vírus e/ou do antigénio viral isolado de tecidos corporais. O desenvolvimento de sintomas articulares crónicos nos indivíduos vacinados foi uma ocorrência rara.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9 Sobredosagem

Foi notificada raramente a administração de doses de M-M-RVAXPRO superiores às recomendadas e o perfil de reações adversas foi comparável ao observado com a dose de M-M-RVAXPRO recomendada.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Vacina viral, código ATC: J07BD52.

Avaliação da imunogenicidade e da eficácia clínica

Num estudo comparativo realizado em 1.279 indivíduos que receberam M-M-RVAXPRO ou a formulação anterior (fabricada com albumina sérica humana) da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., demonstrou-se que a imunogenicidade e a segurança eram semelhantes nos dois produtos.

Os estudos clínicos realizados em 284 crianças triplamente seronegativas, com idades compreendidas entre os 11 meses e os 7 anos, demonstraram que a formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., é altamente imunogénica e geralmente bem tolerada. Nestes estudos, uma injeção única da vacina induziu a formação de anticorpos de hemaglutinação-inibição (HI) do sarampo em 95%, anticorpos neutralizantes da papeira em 96% e anticorpos de HI da rubéola em 99% das pessoas suscetíveis.

Avaliação da imunogenicidade em lactentes dos 9 aos 12 meses de idade no momento da primeira dose

Foi realizado um ensaio clínico com a vacina tetravalente contra o sarampo, papeira, rubéola e varicela fabricada pela Merck & Co., Inc., administrada com um esquema de vacinação de 2 doses, com 3 meses de intervalo, em 1620 lactentes saudáveis dos 9 aos 12 meses de idade, no momento da administração da primeira dose.

O perfil de segurança após a dose 1 e a dose 2 foi, de um modo geral, comparável para as coortes de todas as idades.

No Total da População Analisada (Full Analysis Set) (indivíduos vacinados independentemente dos seus títulos basais de anticorpos), foram detetadas após a dose 2, taxas de seroproteção elevadas de > 99% contra a papeira e rubéola, independentemente da idade do indivíduo no momento da administração da primeira dose. Após 2 doses, as taxas de seroproteção contra o sarampo foram de 98,1% quando a primeira dose foi administrada aos 11 meses de idade, em comparação com 98,9% quando a primeira dose foi administrada aos 12 meses de idade (objetivo do ensaio de não- inferioridade alcançado). Após 2 doses, as taxas de seroproteção contra o sarampo foram de 94,6%, quando a primeira dose foi administrada aos 9 meses, em comparação com 98,9% quando a primeira dose foi administrada aos 12 meses (objetivo do ensaio de não-inferioridade não alcançado).

As taxas de seroproteção contra o sarampo, papeira e rubéola, para o Total da População Analisada (Full Analysis Set), são apresentadas na Tabela 1.

Tabela 1: Taxas de seroproteção contra o Sarampo, Papeira e Rubéola, 6 semanas após a dose 1 e 6 semanas após a dose 2 da vacina tetravalente contra o sarampo, papeira, rubéola e varicela fabricada pela Merck & Co., Inc., - Total da População Analisada (Full Analysis Set)

Valência

Momento

Dose 1 aos 9 meses/

Dose 1 aos 11 meses/

Dose 1 aos 12 meses/

(nível de

da análise

Dose 2 aos 12 meses

Dose 2 aos 14 meses

Dose 2 aos 15 meses

seroproteção)

 

N = 527

N = 480

N = 466

 

 

Taxas de

Taxas de seroproteção

Taxas de seroproteção

 

 

seroproteção

[IC de 95%]

[IC de 95%]

 

 

[IC de 95%]

 

 

Sarampo

Pós-Dose 1

72,3%

87,6%

90,6%

(títulos ≥ 255

 

[68,2; 76,1]

[84,2; 90,4]

[87,6; 93,1]

mUI/ml)

Pós-Dose 2

94,6%

98,1%

98,9%

 

 

[92,3; 96,4]

[96,4; 99,1]

[97,5; 99,6]

Papeira

Pós-Dose 1

96,4%

98,7%

98,5%

(títulos ≥ 10

 

[94,4; 97,8]

[97,3; 99,5]

[96,9; 99,4]

unidades

Pós-Dose 2

99,2%

99,6%

99,3%

ELISA Ac/ml)

 

[98,0; 99,8]

[98,5; 99,9]

[98,1; 99,9]

Rubéola

Pós-Dose 1

97,3%

98,7%

97,8%

(títulos ≥ 10

 

[95,5; 98,5]

[97,3; 99,5]

[96,0; 98,9]

UI/ml)

Pós-Dose 2

99,4%

99,4%

99,6%

 

 

[98,3; 99,9]

[98,1; 99,9]

[98,4; 99,9]

Os títulos médios geométricos (TMGs) contra a papeira e a rubéola pós-dose 2 foram comparáveis em todas as categorias de idade, enquanto que os TMGs contra o sarampo foram inferiores em indivíduos que receberam a primeira dose aos 9 meses de idade, em comparação com os indivíduos que receberam a primeira dose aos 11 ou 12 meses de idade.

Um estudo comparativo em 752 indivíduos que receberam M-M-RVAXPRO por via intramuscular ou por via subcutânea demonstrou um perfil de imunogenicidade semelhante entre ambas as vias de administração.

A eficácia dos componentes da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc., foi estabelecida numa série de estudos de campo controlados realizados em dupla ocultação, os quais demonstraram um elevado grau de eficácia em termos de proteção garantida pelos componentes individuais da vacina. Estes estudos também estabeleceram que a seroconversão em resposta à vacinação contra o sarampo, papeira e rubéola foi semelhante à proteção contra estas doenças.

Exposição após a vacinação

A vacinação de indivíduos expostos ao sarampo de tipo selvagem pode proporcionar alguma proteção se a vacina puder ser administrada no espaço de 72 horas após a exposição. Se, contudo, a vacina for administrada alguns dias antes da exposição, poderá conseguir-se uma proteção substancial. Não existe evidência conclusiva relativamente ao facto da vacinação de indivíduos recentemente expostos à papeira de tipo selvagem ou rubéola de tipo selvagem proporcionará proteção.

Efetividade

A nível mundial foram distribuídos mais de 400 milhões de doses da formulação anterior da vacina contra o sarampo, papeira e rubéola fabricada pela Merck & Co., Inc. (1978 a 2003). O uso alargado de um esquema de vacinação com 2 doses nos Estados Unidos e em países como a Finlândia e a Suécia deu origem a uma redução > 99% na incidência de cada uma das 3 doenças alvo.

Mulheres adultas e adolescentes não grávidas

A vacinação de mulheres adultas e adolescentes não grávidas em idade fértil com a vacina contendo o vírus da rubéola vivo e atenuado, está indicada se foram tomadas certas precauções (ver secções 4.4 e 4.6). A vacinação de mulheres suscetíveis pós-puberdade confere uma proteção individual contra uma subsequente infeção de rubéola durante a gravidez, o que, por seu lado, impede a infeção do feto e as consequentes lesões congénitas devidas à rubéola.

Os indivíduos com mais de 9 meses que não foram previamente vacinados e que estão em contacto com mulheres grávidas suscetíveis, devem receber uma vacina viva atenuada contendo rubéola (como é o caso da M-M-RVAXPRO ou de uma vacina monovalente contra a rubéola) para redução do risco de exposição da mulher grávida.

Indivíduos com provável suscetibilidade à papeira e à rubéola

É preferível a utilização de M-M-RVAXPRO para a vacinação de pessoas com provável suscetibilidade à papeira e à rubéola. Os indivíduos que requerem uma vacinação contra o sarampo, podem receber M-M-RVAXPRO independentemente do seu estado imunitário relativamente à papeira e à rubéola, se não estiver imediatamente disponível uma vacina monovalente contra o sarampo.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Não aplicável.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Não foram realizados estudos não-clínicos.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos Excipientes

Sorbitol

Fosfato de sódio Fosfato de potássio Sacarose

Gelatina hidrolisada

Meio 199 com Sais de Hanks

Meio Essencial Mínimo, Eagle (MEM) L-glutamato monossódico

Neomicina Vermelho de fenol Bicarbonato de sódio

Ácido clorídrico (para ajuste do pH) Hidróxido de sódio (para ajuste do pH)

Veículo

Água para preparações injetáveis

6.2 Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, a vacina não deve ser misturada com outros medicamentos.

6.3 Prazo de validade

2 anos.

Após a reconstituição, a vacina deve ser imediatamente utilizada; contudo, foi demonstrada uma estabilidade na utilização durante 8 horas quando conservada entre 2 C e 8 C.

6.4 Precauções especiais de conservação

Conservar e transportar refrigerado (2°C-8 C). Não congelar. Manter o frasco para injetáveis com o pó dentro da embalagem exterior para proteger da luz.

Condições de conservação do medicamento após reconstituição, ver secção 6.3.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

O pó apresenta-se num frasco para injetáveis (vidro) com tampa (borracha butílica) e o veículo apresenta-se numa seringa pré-cheia (vidro) com agulha acoplada com tampão no êmbolo (borracha clorobutílica) e proteção da agulha (borracha natural) em embalagens de 1 e 10 unidades.

O pó apresenta-se num frasco para injetáveis (vidro) com tampa (borracha butílica) e o veículo apresenta-se numa seringa pré-cheia (vidro) com tampão no êmbolo (borracha clorobutílica) e cápsula na extremidade (borracha butadieno estireno), sem agulha, em embalagens de 1, 10 e 20 unidades.

O pó apresenta-se num frasco para injetáveis (vidro) com tampa (borracha butílica) e o veículo apresenta-se numa seringa pré-cheia (vidro) com tampão no êmbolo (borracha clorobutílica) e cápsula na extremidade (borracha butadieno estireno), com uma ou duas agulhas não acopladas, em embalagens de 1, 10 e 20 unidades.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Para reconstituição, utilize o veículo fornecido, O veículo é um líquido incolor límpido. Antes de misturar com o veículo, o pó apresenta-se sob a forma de um aglomerado cristalino, compacto, ligeiramente amarelado. Depois da reconstituição estar completa, a vacina é um líquido amarelado transparente.

É importante que se utilizem seringas e agulhas estéreis diferentes para cada pessoa, com vista a evitar a transmissão de infeções de umas pessoas para as outras.

Instruções de reconstituição

Retire todo o conteúdo da seringa para o frasco para injetáveis que contém o pó. Agite suavemente para misturar bem. A vacina reconstituída não pode ser usada se forem detetadas quaisquer partículas ou se o aspeto do veículo ou do pó ou da vacina reconstituída forem diferentes do acima descrito. Retire todo o conteúdo da vacina reconstituída do frasco para injetáveis para a mesma seringa e injete todo o volume.

Se forem fornecidas duas agulhas separadas: use uma agulha para reconstituir a vacina e outra para a administração da vacina na pessoa a ser vacinada.

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

MSD VACCINS

162 avenue Jean Jaurès

69007 Lyon França

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/06/337/003

EU/1/06/337/004

EU/1/06/337/005

EU/1/06/337/006

EU/1/06/337/007

EU/1/06/337/008

EU/1/06/337/009

EU/1/06/337/010

EU/1/06/337/011

EU/1/06/337/012

EU/1/06/337/013

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 11 de maio de 2006

Data da última renovação: 11 de maio de 2011

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação promenorizada sobre este medicamento no sítio da Internet da Agência Europeia de Medicamentos http://ema.europa.eu.

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados