Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Neupopeg (pegfilgrastim) – Resumo das características do medicamento - L03AA13

Updated on site: 08-Oct-2017

Nome do medicamentoNeupopeg
Código ATCL03AA13
Substânciapegfilgrastim
FabricanteDompé Biotec S.p.A.

Conteúdo do Artigo

1.NOME DO MEDICAMENTO

Neupopeg 6 mg solução injectável

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada seringa pré-cheia contém 6 mg de pegfilgrastim* em 0,6 ml de solução injectável. Considerando apenas a parte proteica, a concentração é de 10 mg/ml**.

*Produzido por tecnologia ADN recombinante em células de Escherichia coli, seguido de conjugação com polietilenoglicol (PEG).

**A concentração é de 20 mg/ml, se a parte do PEG for incluída.

A potência deste medicamento não deve ser comparada à potência de outra proteína peguilada ou não peguilada da mesma classe terapêutica. Para mais informações, ver secção 5.1.

Excipientes:

Excipientes conhecidos por terem uma acção confirmada: sorbitol E420, acetato de sódio (ver secção 4.4).

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

 

autorizado

3.

FORMA FARMACÊUTICA

 

não

 

 

Solução injectável.

 

Solução injectável límpida e incolor.

 

 

 

 

 

 

 

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

 

 

 

4.1

Indicações terapêuticas

 

 

 

 

Medicamento

 

 

 

Redução da duração da neutropenia e da incidência da neutropenia febril em doentes tratados com quimioterapia citotóxica para doença maligna (com excepção da leucemia mielóide crónica e de síndromes mielodisplásicos).

4.2 Posologia e modo de administração

O tratamento com Neupopeg deve ser iniciado e supervisionado por médicos com experiência em oncologia e/ou hematologia.

Recomenda-se uma dose de 6 mg (uma única seringa pré-cheia) de Neupopeg por cada ciclo de quimioterapia, administrada por injecção subcutânea aproximadamente 24 horas após a quimioterapia citotóxica.

Neupopeg não é recomendado em crianças com idade inferior a 18 anos devido a dados insuficientes de segurança e eficácia.

Disfunção renal: não é recomendada qualquer alteração à dose em doentes com disfunção renal, incluindo os doentes com insuficiência renal terminal.

4.3Contra-indicações

Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Dados clínicos limitados sugerem um efeito comparável entre o pegfilgrastim e filgrastim, no tempo de recuperação da neutropenia severa em doentes com leucemia mielóide aguda de novo (ver secção 5.1). No entanto, os efeitos a longo prazo de Neupopeg não foram ainda estabelecidos na leucemia mielóide aguda; pelo que, deve ser utilizado com precaução nesta população de doentes.

O factor de estimulação de colónias de granulócitos pode promover o crescimento de células mielóides in vitro e podem também ser observados in vitro efeitos similares em algumas células não mielóides.

A segurança e eficácia de Neupopeg não foram investigadas em doentes com síndromes mielodisplásicos, leucemia mielógena aguda e em doentes com leucemia mielóide aguda (LMA) secundária; desta forma, não deve ser administrado nestes doentes. Deve ter-se especial cuidado na distinção de um diagnóstico de transformação blástica de leucemia mielóide aguda em leucemia mielóide crónica.

A segurança e eficácia da administração de Neupopeg não foi estabelecida em doentes com LMA de novo e idade < 55 anos, com citogenética t(15;17).

A segurança e a eficácia de Neupopeg não foram investigadas em doentes submetidos a quimioterapia

em doses elevadas.

autorizado

 

Foram notificados raros efeitos adversos pulmonares (≥ 1/10 000, < 1/1 000), em particular

pneumonia intersticial, após administração de G-CSF. Doentes com história recente de infiltrados

 

 

não

pulmonares ou pneumonia podem ter um risco superior.

 

 

O aparecimento de sinais pulmonares, tais como tosse, febre e dispneia em associação com sinais

Medicamento

 

 

radiológicos de infiltração pulmonar e deterioração da função pulmonar concomitantemente com o aumento do número de neutrófilos, podem ser sinais preliminares indicativos do síndrome de dificuldade respiratória aguda no adulto (SDRA). Nestas circunstâncias, a administração do Neupopeg deve ser interrompida, consoante critério médico, e aplicado o tratamento apropriado.

Após a administração de pegfilgrastim foram notificados casos frequentes (≥ 1/100, < 1/10), mas geralmente assintomáticos de esplenomegália e casos muito raros (< 1/10 000) de ruptura esplénica, incluindo alguns casos fatais. Como tal, as dimensões do baço devem ser cuidadosamente monitorizadas (por exemplo, exame clínico, ultrasonografia). Um diagnóstico de possível ruptura esplénica deve ser considerado em dadores e/ou doentes que apresentem dor abdominal no quadrante superior esquerdo ou dor em pontada no ombro esquerdo.

O tratamento isolado com Neupopeg não exclui a possibilidade de trombocitopenia e de anemia, uma vez que é mantida dose completa de quimioterapia mielossupressiva no programa de prescrição. Recomenda-se a monitorização regular da contagem plaquetária e do hematócrito.

O Neupopeg não deve ser utilizado para aumentar a dose de quimioterapia citotóxica para além dos regimes posológicos estabelecidos.

Foi associado com a administração de pegfilgrastim crises de células falciformes em doentes com anemia das células falciformes. Assim, os clínicos devem ter um cuidado especial quando administram Neupopeg a doentes com anemia das células falciformes, devendo efectuar-se uma monitorização apropriada dos parâmetros clínicos e laboratoriais e ter atenção a uma possível associação do Neupopeg com o aumento do volume do baço e com uma crise veno-oclusiva.

Observaram-se contagens de glóbulos brancos, iguais ou superiores a 100 x 109/l em menos de 1% dos doentes que receberam Neupopeg. Não foram notificados quaisquer efeitos adversos directamente atribuíveis a este grau de leucocitose. Este aumento de glóbulos brancos é transitório, tipicamente observado 24 a 48 horas após a administração, e é consistente com os efeitos farmacodinâmicos de Neupopeg.

Não foram avaliadas, de maneira adequada, a segurança e a eficácia do Neupopeg para a mobilização de células progenitoras do sangue (CPS) tanto em doentes como em dadores saudáveis.

A protecção da agulha da seringa pré-cheia contém borracha natural seca (um derivado do látex), que pode causar reacções alérgicas.

O aumento da actividade hematopoiética da medula óssea em resposta à terapêutica com factor de crescimento, tem sido associada a resultados imagiológicos positivos e transitórios do osso. Este facto

deve ser considerado aquando da interpretação de resultados imagiológicos do osso. autorizado

Neulasta contém sorbitol. Este medicamento não deve ser administrado a doentes com problemas hereditários de intolerância à frutose.

Neulasta contém menos de 1 mmol (23 mg) de sódio por 6 mg de dose, isto é, essencialmente “sódio- livre”.

4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

Devido à potencial sensibilidade das células mielóides em divisão rápida à quimioterapia citotóxica, o

Neupopeg deve ser administrado aproximadamente 24 horas após a administração da quimioterapia

citotóxica. Em ensaios clínicos, o Neupopeg foi administrado com segurança até 14 dias antes da

O potencial de interacção com o lítio, que também favorece a libertação de neutrófilos, não foi investigada especificamente. Não há qualquer evidência de que este tipo de interacção seja nociva.

quimioterapia. A administração concomitante do Neupopeg com agentes quimioterapêuticos não foi

estudada em doentes. Em modelos animais, a administração concomitante do Neupopeg e

 

 

não

5-fluorouracilo (5-FU) ou outros antimetabolitos demonstrou potenciar a mielosupressão.

 

 

Interacções possíveis com outros factores de estimulação hematopoiéticos e com citocinas não foram

investigadas especificamente em ensaios clínicos.

 

Medicamento

 

 

A segurança e a eficácia do Neupopeg não foram avaliadas em doentes que receberam quimioterapia associada com uma mielossupressão mais tardia (e.g. nitrosoureias).

Não foram efectuados estudos específicos de interacções ou de metabolismo , no entanto, os ensaios clínicos não indicaram a existência de interacções do Neupopeg com qualquer outro medicamento.

4.6 Gravidez e aleitamento

Não existem dados suficientes sobre a utilização de pegfilgrastim em mulheres grávidas. Os estudos em animais revelaram toxicidade reprodutiva (ver secção 5.3). Desconhece-se o risco potencial para o ser humano.

Neupopeg não deverá ser utilizado durante a gravidez, a menos que seja claramente necessário.

Não existe experiência clínica com mulheres a amamentar. Assim sendo, o Neupopeg não deve ser administrado a mulheres que estejam a amamentar.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

4.8Efeitos indesejáveis

Em ensaios clínicos aleatorizados efectuados em doentes com doença maligna a receber Neupopeg após quimioterapia citotóxica, a maioria dos efeitos indesejáveis foram causados pela doença subjacente ou pela quimioterapia citotóxica.

O efeito indesejável, relacionado com o fármaco em estudo, muito frequente e notificado com maior frequência foi a dor óssea . Em termos de gravidade, a dor óssea foi na generalidade ligeira a moderada, passageira e, na maioria dos doentes, pôde ser controlada com os analgésicos convencionais.

Foram notificadas reacções do tipo alérgico, incluindo anafilaxia, rash cutâneo, urticária, angioedema, dispneia, hipotensão, reacções no local de administração, eritema e rubor durante o período inicial ou

subsequente ao tratamento com Neupopeg. Nalguns casos, os sintomas recorreram com a reexposição,

< 1/10)os aumentos, ligeiros a moderados, reversíveis do ácidoautorizadoúrico e da fosfatase alcalina, sem efeitos clínicos associados; foram muito frequentes (≥ 1/10) os aumentos, ligeiros a moderados,

sugerindo uma relação causal. Se ocorrer uma reacção alérgica grave, deve ser utilizada a terapêutica

adequada, com acompanhamento próximo do doente durante vários dias. Pegfilgrastim deve ser permanentemente interrompido nos doentes que manifestaram reacções alérgicas graves.

Nos doentes que receberam Neupopeg após quimioterapia citotóxica, foram frequentes (≥ 1/100,

reversíveis da lactato-desidrogenase, sem efeitos clínicos associados.

Observaram-se náuseas em voluntários saudáveis e em doentes a receber quimioterapia.

Após administração pegfilgrastim foram notificados casos frequentes (≥ 1/100, < 1/10), mas geralmente assintomáticos de esplenomegália e casos muito raros de ruptura esplénica, incluindo

alguns casos fatais (ver secção 4.4). Outros efeitos secundários notificados de forma frequente incluem

dor, dor no local de injecção; dor torácica (não cardíaca); enxaqueca; artralgia; mialgia; dor nas costas,

membros, musculo-esqueléticas e no pescoço.

não

 

 

Foram notificados efeitos adversos pulmonares raros (≥ 1/10 000, < 1/1 000) incluindo, pneumonia

intersticial, edema pulmonar, infiltrados e fibrose pulmonares. Alguns destes casos notificados

Medicamento

 

 

resultaram em insuficiência respiratória e Sindrome de Dificuldade Respiratória do Adulto (SDRA), que podem ser fatais (ver secção 4.4).

Foram notificados casos raros (≥ 1/10 000, < 1/1 000) de trombocitopenia e leucocitose.

Foram notificados casos raros (≥ 1/10 000, < 1/1 000) de Síndrome de Sweet, embora em alguns casos doenças malignas hematológicas subjacentes possam contribuir para a sua ocorrência.

Foram notificados em doentes tratados com Neupopeg casos muito raros (< 1/10 000) de vasculite cutânea. Não é conhecido o mecanismo da vasculite em doentes que recebem Neupopeg.

Foram observadas, muito raramente (<1/10 000), alterações dos testes de função hepática, nomeadamente elevações da ALT (alanina aminotransferase) ou AST (aspartato aminotransferase) em doentes a receber pegfilgrastim após quimioterapia citotóxica. Estas elevações foram transitórias e retornaram aos valores basais.

Foram notificados casos isolados de crises de células falciformes em doentes com anemia das células falciformes (ver secção 4.4).

4.9Sobredosagem

Não existe experiência em humanos com sobredosagem com o Neupopeg.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Citocinas, código ATC: L03AA

O factor de estimulação das colónias de granulócitos humano (G-CSF) é uma glicoproteína que regula a produção e a libertação de neutrófilos da medula óssea. O pegfilgrastim é um conjugado covalente do G-CSF humano recombinante (r-metHuG-CSF) com uma molécula única de polietilenoglicol (PEG) de 20 kd. O pegfilgrastim permite prolongar a acção do filgrastim devido à diminuição da depuração renal.

O pegfilgrastim e o filgrastim demonstraram ter mecanismos de acção idênticos causando, num espaço de 24 horas, um aumento marcado do número de neutrófilos no sangue periférico, com aumentos

hematopoiéticos, o G-CSF demonstrou in vitro possuir propriedades estimuladoras das células

mínimos dos monócitos e/ou linfócitos. Tal como com o filgrastim, os neutrófilos produzidos em resposta ao pegfilgrastim apresentam função normal ou aumentada,autorizadocomo demonstrado em ensaios sobre as funções fagocítica e quimiotáxica. Tal como com outros factores de crescimento

endoteliais humanas. O G-CSF pode promover o crescimento de células mielóides, incluindo células

malignas, in vitro e podem observar-se efeitos similares em algumas células não mielóides in vitro.

Em dois estudos clínicos, aleatorizados, com dupla ocultação em doentes de alto risco com cancro da

mama em estadio II-IV, submetidos a quimioterapia mielossupressora composta por doxorrubicina e

docetaxel, o uso do pegfilgrastim, uma única vez por ciclo, reduziu a duração da neutropenia e a de

incidência da neutropenia febril de forma semelhante ao observado com as administrações diárias de filgrastim (mediana igual a 11 administrações diárias)não. Na ausência de tratamento de suporte com

factor de crescimento, foi referida com este regime uma neutropenia de grau 4 com duração média de 5 a 7 dias e uma incidência de neutropenia febril de 30-40%. Num dos estudos (n=157) em que se

utilizou uma dose fixa de 6 mg de pegfilgrastima duração média da neutropenia de grau 4 foi de 1,8

dias para o grupo do pegfilgrastim e de 1,6 dias no grupo do filgrastim (diferença 0,23 dias, IC 95% de

-0,15; 0,63). Durante todo o estudo, a taxa de neutropenia febril foi de 13% nos doentes tratados com pegfilgrastimMedicamentoe de 20% nos doentes tratados com filgrastim (diferença 7%, IC 95% de –19%; 5%). Num segundo estudo (n=310), em que se utilizou uma dose ajustada ao peso (100 microgramas/kg), a

duração média da neutropenia de grau 4 para o grupo com pegfilgrastim foi 1,7 dias e de 1,8 dias no grupo com filgrastim (diferença 0,03 dias, IC 95% de –0,36; 0,30). A taxa global de neutropenia febril foi de 9% nos doentes tratados com pegfilgrastim e de 18% nos doentes tratados com filgrastim (diferença 9%, IC 95% de –16,8%; -1,1%).

Num estudo clínico, com dupla ocultação controlado com placebo, em doentes com cancro da mama foi avaliado o efeito do pegfilgrastim sobre a incidência da neutropenia febril, após a administração de um regime de quimioterapia associado a uma taxa de neutropenia febril de 10-20% (docetaxel 100mg/m2 de 3 em 3 semanas durante 4 ciclos). Novecentos e vinte e oito doentes foram aleatorizados para receber uma dose única de pegfilgrastim ou placebo aproximadamente 24 horas (dia 2) após quimioterapia em cada ciclo. A incidência da neutropenia febril foi inferior nos doentes aleatorizados para receber pegfilgrastim quando comparados com o grupo placebo (1% contra 17%, p<0.001). A incidência de hospitalizações e do uso de fármacos anti-infecciosos IV associados ao diagnóstico clínico de neutropenia febril foi inferior no grupo pegfilgrastim quando comparado com o grupo placebo (1% contra 14%, p<0.001; e 2% contra 10%, p<0.001).

Um estudo pequeno (n = 83), de fase II, aleatorizado, em dupla ocultação realizado em doentes a receber quimioterapia para a leucemia mielóide aguda de novo, comparou o pegfilgrastim (dose única de 6 mg) com filgrastim, administrados durante a quimioterapia de indução. O tempo mediano para recuperação da neutropenia febril foi estimado em 22 dias, nos 2 grupos de tratamento. O resultado a longo prazo não foi estudado (ver Secção 4.4).

5.2Propriedades farmacocinéticas

Após uma administração subcutânea única de pegfilgrastim a concentração sérica máxima do pegfilgrastim ocorre entre as 16 e 120 horas após a administração e as concentrações séricas do pegfilgrastim mantêm-se durante o período de neutropenia após a quimioterapia mielossupressora. A eliminação do pegfilgrastim tem uma relação não linear com a dose; a depuração sérica do pegfilgrastim diminui com o aumento da dose. A eliminação do pegfilgrastim é atribuída a uma depuração mediada pelos percursores dos neutrófilos, que fica saturada com doses mais elevadas. Consistente com um mecanismo de depuração auto-regulador, a concentração sérica de pegfilgrastim diminui rapidamente após o início da recuperação dos neutrófilos (ver figura 1).

Figura 1. Perfil da Mediana da Concentração Sérica de Pegfilgrastim e Contagem Absoluta de Neutrófilos em Doentes Tratados com Quimioterapia Após uma Injecção Única de 6 mg

(ng/ml)

 

 

 

 

 

Conc. de pegfilgrastim

 

 

[CAN]

 

 

 

 

 

 

 

 

autorizado

Pegfilgrastim

 

 

 

 

 

CAN

 

 

 

 

Neutrófilosde

9

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Séricade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Absoluta

)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

x(células10

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conc.daMediana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ContagemdaMediana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

0.1

 

 

 

 

 

 

 

0.1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia do Estudo

 

 

 

 

 

 

Medicamento

 

 

 

 

 

 

 

 

Devido ao mecanismo de depuração mediada pelos neutrófilos não se espera que a farmacocinética do pegfilgrastim seja afectada pela insuficiência renal ou hepática. Num ensaio clínico aberto com dose única (n=31), os vários estadios de disfunção renal, incluindo a insuficiência renal terminal, não tiveram impacto na farmacocinética do pegfilgrastim.

Os dados indicam que a farmacocinética do pegfilgrastim em indivíduos idosos (> 65 anos) foi semelhante à dos adultos.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Os dados pré-clínicos, obtidos a partir de estudos convencionais de toxicidade com doses repetidas, revelou os efeitos farmacológicos esperados incluindo aumentos da contagem leucocitária, hiperplasia mielóide da medula óssea, hematopoiese extramedular e hipertrofia esplénica.

Não se observaram efeitos adversos na descendência de ratos gestantes aos quais se administrou pegfilgrastim por via subcutânea, mas demonstrou-se que, em coelhos, o pegfilgrastim causou toxicidade embriofetal (perda de embriões) em doses subcutâneas baixas. Em estudos com ratos, demonstrou-se que o pegfilgrastim pode atravessar a placenta. Desconhece-se qual é a importância destas observações para humanos.

30 meses.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1.Lista dos excipientes

Acetato de sódio* Sorbitol (E420) Polissorbato 20

Água para preparações injectáveis

*O acetato de sódio é formado por titulação de ácido acético glacial com hidróxido de sódio.

6.2Incompatibilidades

Este medicamento não deve ser misturado com outros, particularmente com soluções de cloreto de sódio.

6.3Prazo de validade

6.4Precauções especiais de conservação

Conservar no frigorífico (2°C – 8°C).

 

Neupopeg pode ser exposto à temperatura ambiente (não acima dos 30ºC) por um único período

 

autorizado

máximo de 72 horas. O Neupopeg exposto à temperatura ambiente por mais de 72 horas deve ser

eliminado.

 

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

0,6 ml de solução injectável em seringa pré-cheia (vidro Tipo I), com um êmbolo de borracha e com uma agulha de aço inoxidável. Embalagens de 1 seringa pré-cheia, disponíveis quer em embalagens blister, quer em embalagens não blister. Apenas para administração única.

Não congelar. Uma exposição acidental a temperaturas de congelação por um único período inferior a

 

 

não

24 horas não afecta negativamente a estabilidade do Neupopeg.

 

 

Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.

Medicamento

 

 

A protecção da agulha da seringa pré-cheia contém borracha natural seca (um derivado do látex) (ver secção 4.4).

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação

Antes da administração, a solução de Neupopeg deve ser inspeccionada visualmente para se assegurar que não contém partículas. Devem apenas administrar-se soluções que sejam límpidas e incolores.

A agitação excessiva pode produzir a agregação do pegfilgrastim, tornando-o biologicamente inactivo.

Retirar a seringa pré-cheia do frigorífico para atingir a temperatura ambiente antes de administrar a injecção.

Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Dompé Biotec S.p.A.

Via San Martino 12

I-20122 Milan

Itália

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/02/228/001-002

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE

INTRODUÇÃO NO MERCADO

 

 

autorizado

Data da primeira autorização: 22 Agosto 2002

 

 

 

Data da última renovação: 16 Julho 2007

 

 

 

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

 

 

 

17 Janeiro 2008

 

não

 

 

 

 

Informação pormenorizada sobre este medicamento está disponível na Internet no site da Agência

Europeia de Medicamentos (EMEA) http://www.emea.europa.eu/

Medicamento

 

 

 

 

 

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

1.NOME DO MEDICAMENTO

Neupopeg 6 mg solução injectável em caneta pré-cheia

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada caneta pré-cheia contém 6 mg de pegfilgrastim* em 0,6 ml de solução injectável. Considerando apenas a parte proteíca, a concentração é de 10 mg/ml**.

Produzido por tecnologia ADN recombinate em células de Escherichia. coli ,seguido de conjugação com polietilenoglicol (PEG).

**A concentração é de 20 mg/ml, se a parte do PEG for incluída.

Excipientes:

A potência deste medicamento não deve ser comparada à potência de outra proteína peguilada ou não peguilada da mesma classe terapêutica. Para mais informação, verautorizadosecção 5.1.

Excipientes conhecidos por terem uma acção confirmada: sorbitol E420, acetato de sódio (ver secção 4.4).

3.

FORMA FARMACÊUTICA

 

não

Solução injectável em caneta pré-cheia (SureClick).

Solução injectável límpida e incolor.

 

 

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

 

 

 

4.1

Indicações terapêuticas

 

 

 

Medicamento

 

 

Redução da duração da neutropenia e da incidência da neutropenia febril em doentes tratados com quimioterapia citotóxica para doença maligna (com excepção da leucemia mielóide crónica e de síndromes mielodisplásicos).

4.2 Posologia e modo de administração

O tratamento com Neupopeg deve ser iniciado e supervisionado por médicos com experiência em oncologia e/ou hematologia.

Recomenda-se uma dose de 6 mg (uma única caneta pré-cheia) de Neupopeg (SureClick) por cada ciclo de quimioterapia, administrada por injecção subcutânea aproximadamente 24 horas após a quimioterapia citotóxica.

Neupopeg não é recomendado em crianças com idade inferior a 18 anos devido a dados insuficientes de segurança e de eficácia.

Disfunção renal: não é recomendada qualquer alteração à dose em doentes com disfunção renal, incluindo os doentes com insuficiência renal terminal.

4.3Contra-indicações

Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Dados clínicos limitados sugerem um efeito comparável entre o pegfilgrastim e filgrastim, no tempo de recuperação da neutropenia severa em doentes com leucemia mielóide aguda de novo (ver secção 5.1). No entanto, os efeitos a longo prazo de Neupopeg não foram ainda estabelecidos na leucemia mielóide aguda; pelo que, deve ser utilizado com precaução nesta população de doentes.

O factor de estimulação de colónias de granulócitos pode promover o crescimento de células mielóides in vitro e podem também ser observados in vitro efeitos similares em algumas células não mielóides.

A segurança e eficácia de Neupopeg não foram investigadas em doentes com síndromes mielodisplásicos, leucemia mielógena aguda e em doentes com leucemia mielóide aguda (LMA)

secundária; desta forma, não deve ser administrado nestes doentes. Deve ter-se especial cuidado na autorizado

distinção de um diagnóstico de transformação blástica de leucemia mielóide aguda em leucemia mielóide crónica.

A segurança e eficácia da administração de Neupopeg não foi estabelecida em doentes com LMA de novo e idade < 55 anos, com citogenética t(15;17).

A segurança e a eficácia de Neupopeg não foram investigadas em doentes submetidos a quimioterapia

em doses elevadas.

 

Foram notificados raros efeitos adversos pulmonares (≥ 1/10 000, < 1/1 000), em particular

 

não

pneumonia intersticial, após administração de G-CSF. Doentes com história recente de infiltrados

pulmonares ou pneumonia podem ter um risco superior.

 

O aparecimento de sinais pulmonares, tais como tosse, febre e dispneia em associação com sinais radiológicos de infiltração pulmonar e deterioração da função pulmonar concomitantemente com o

Após a administração de pegfilgrastim foram notificados casos frequentes (≥ 1/100, < 1/10), mas geralmente assintomáticos de esplenomegália e casos muito raros (< 1/10 000) de ruptura esplénica, incluindo alguns casos fatais. Como tal, as dimensões do baço devem ser cuidadosamente monitorizadas (por exemplo, exame clínico, ultrasonografia). Um diagnóstico de possível ruptura esplénica deve ser considerado em dadores e/ou doentes que apresentem dor abdominal no quadrante superior esquerdo ou dor em pontada no ombro esquerdo.

aumento do número de neutrófilos, podem ser sinais preliminares indicativos do síndrome de dificuldadeMedicamentorespiratória aguda no adulto (SDRA). Nestas circunstâncias, a administração do Neupopeg deve ser interrompida, consoante critério médico, e aplicado o tratamento apropriado.

O tratamento isolado com Neupopeg não exclui a possibilidade de trombocitopenia e de anemia, uma vez que é mantida dose completa de quimioterapia mielossupressiva no programa de prescrição. Recomenda-se a monitorização regular da contagem plaquetária e do hematócrito.

O Neupopeg não deve ser utilizado para aumentar a dose de quimioterapia citotóxica para além dos regimes posológicos estabelecidos.

Foi associado com a administração de pegfilgrastim crises de células falciformes em doentes com anemia das células falciformes. Assim, os clínicos devem ter um cuidado especial quando administram Neupopeg a doentes com anemia das células falciformes, devendo efectuar-se uma monitorização apropriada dos parâmetros clínicos e laboratoriais e ter atenção a uma possível associação do Neupopeg com o aumento do volume do baço e com uma crise veno-oclusiva.

Observaram-se contagens de glóbulos brancos, iguais ou superiores a 100 x 109/l em menos de 1% dos doentes que receberam Neupopeg. Não foram notificados quaisquer efeitos adversos directamente atribuíveis a este grau de leucocitose. Este aumento de glóbulos brancos é transitório, tipicamente

observado 24 a 48 horas após a administração, e é consistente com os efeitos farmacodinâmicos de Neupopeg.

Não foram avaliadas, de maneira adequada, a segurança e a eficácia do Neupopeg para a mobilização de células progenitoras do sangue (CPS) tanto em doentes como em dadores saudáveis.

A protecção da agulha da caneta pré-cheia contém borracha natural seca (um derivado do látex), que pode causar reacções alérgicas.

O aumento da actividade hematopoiética da medula óssea em resposta à terapêutica com factor de crescimento, tem sido associada a resultados imagiológicos positivos e transitórios do osso. Este facto deve ser considerado aquando da interpretação de resultados imagiológicos do osso.

Neupopeg contém sorbitol. Este medicamento não deve ser administrado a doentes com problemas hereditários de intolerância à frutose.

Neupopeg contém menos de 1 mmol (23 mg) de sódio por 6 mg de dose, isto é, essencialmente “sódio-livre”.

4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

Devido à potencial sensibilidade das células mielóides em divisão rápida à quimioterapia citotóxica, o

Neupopeg deve ser administrado aproximadamente 24 horas após a administração da quimioterapia

citotóxica. Em ensaios clínicos, o Neupopeg foi administrado com segurança até 14 dias antes da

autorizado

quimioterapia. A administração concomitante do Neupopeg com agentes quimioterapêuticos não foi

 

 

não

estudada em doentes. Em modelos animais, a administração concomitante do Neupopeg e

5-fluorouracilo (5-FU) ou outros antimetabolitos demonstrou potenciar a mielosupressão.

 

 

Interacções possíveis com outros factores de estimulação hematopoiéticos e com citocinas não foram

investigadas especificamente em ensaios clínicos.

 

Medicamento

 

 

O potencial de interacção com o lítio, que também favorece a libertação de neutrófilos, não foi investigada especificamente. Não há qualquer evidência de que este tipo de interacção seja nociva.

A segurança e a eficácia do Neupopeg não foram avaliadas em doentes que receberam quimioterapia associada com uma mielossupressão mais tardia (e.g. nitrosoureias).

Não foram efectuados estudos específicos de interacções ou de metabolismo , no entanto, os ensaios clínicos não indicaram a existência de interacções do Neupopeg com qualquer outro medicamento.

4.6 Gravidez e aleitamento

Não existem dados suficientes sobre a utilização de pegfilgrastim em mulheres grávidas. Os estudos em animais revelaram toxicidade reprodutiva (ver secção 5.3). Desconhece-se o potencial risco para os humanos.

Neupopeg não deverá ser utilizado durante a gravidez, a menos que seja claramente necessário.

Não existe experiência clínica com mulheres a amamentar. Assim sendo, o Neupopeg não deve ser administrado a mulheres que estejam a amamentar.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

4.8Efeitos indesejáveis

Em ensaios clínicos aleatorizados efectuados em doentes com doença maligna a receber Neupopeg após quimioterapia citotóxica, a maioria dos efeitos indesejáveis foram causados pela doença subjacente ou pela quimioterapia citotóxica.

O efeito indesejável, relacionado com o fármaco em estudo, muito frequente e notificado com maior frequência foi a dor óssea . Em termos de gravidade, a dor óssea foi na generalidade ligeira a moderada, passageira e, na maioria dos doentes, pôde ser controlada com os analgésicos convencionais.

Foram notificadas reacções do tipo alérgico, incluindo anafilaxia, rash cutâneo, urticária, angioedema, dispneia, hipotensão, reacções no local de administração, eritema e rubor durante o período inicial ou subsequente ao tratamento com Neupopeg. Nalguns casos, os sintomas recorreram com a reexposição,

Nos doentes que receberam Neupopeg após quimioterapia citotóxica, foram frequentes (≥ 1/100,

sugerindo uma relação causal. Se ocorrer uma reacção alérgica grave, deve ser utilizada a terapêutica adequada, com acompanhamento próximo do doente durante váriosautorizadodias. Pegfilgrastim deve ser permanentemente interrompido nos doentes que manifestaram reacções alérgicas graves.

< 1/10) os aumentos, ligeiros a moderados, reversíveis do ácido úrico e da fosfatase alcalina, sem efeitos clínicos associados; foram muito frequentes (≥ 1/10) os aumentos, ligeiros a moderados,

reversíveis da lactato-desidrogenase, sem efeitos clínicos associados.

Observaram-se náuseas em voluntários saudáveis e em doentes a receber quimioterapia.

Após administração de pegfilgrastim foram notificados casos frequentes (≥ 1/100, < 1/10), mas geralmente assintomáticos de esplenomegália e casosnãomuito raros de ruptura esplénica, incluindo

alguns casos fatais (ver secção 4.4). Outros efeitos secundários notificados de forma frequente incluem dor, dor no local de injecção; dor torácica (não cardíaca); enxaqueca; artralgia; mialgia; dor nas costas,

membros, musculo-esqueléticas e no pescoço.

que podem ser fatais (ver secção 4.4).

Foram notificados efeitos adversos pulmonares raros (≥ 1/10 000, < 1/1 000), incluindo, pneumonia intersticial,Medicamentoedema pulmonar, infiltrados e fibrose pulmonares. Alguns destes casos notificados resultaram em insuficiência respiratória e Sindrome de Dificuldade Respiratória do Adulto (SDRA),

Foram notificados casos raros (≥ 1/10 000, < 1/1 000) de trombocitopenia e leucocitose.

Foram notificados casos raros (≥ 1/10 000, < 1/1 000) de Síndrome de Sweet, embora em alguns casos doenças malignas hematológicas subjacentes possam contribuir para a sua ocorrência.

Foram notificados em doentes tratados com Neupopeg casos muito raros (< 1/10 000) de vasculite cutânea. Não é conhecido o mecanismo da vasculite em doentes que recebem Neupopeg.

Foram observadas, muito raramente (<1/10 000), alterações dos testes de função hepática, nomeadamente elevações da ALT (alanina aminotransferase) ou AST (aspartato aminotransferase) em doentes a receber pegfilgrastim após quimioterapia citotóxica. Estas elevações foram transitórias e retornaram aos valores basais.

Foram notificados casos isolados de crises de células falciformes em doentes com anemia das células falciformes (ver secção 4.4).

4.9Sobredosagem

Não existe experiência em humanos com sobredosagem com o Neupopeg.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Citocinas, código ATC: L03AA

O factor de estimulação das colónias de granulócitos humano (G-CSF) é uma glicoproteína que regula a produção e a libertação de neutrófilos da medula óssea. O pegfilgrastim é um conjugado covalente do G-CSF humano recombinante (r-metHuG-CSF) com uma molécula única de polietilenoglicol (PEG) de 20 kd. O pegfilgrastim permite prolongar a acção do filgrastim devido à diminuição da depuração renal.

O pegfilgrastim e o filgrastim demonstraram ter mecanismos de acção idênticos causando, num espaço de 24 horas, um aumento marcado do número de neutrófilos no sangue periférico, com aumentos mínimos dos monócitos e/ou linfócitos. Tal como com o filgrastim, os neutrófilos produzidos em

resposta ao pegfilgrastim apresentam função normal ou aumentada, como demonstrado em ensaios sobre as funções fagocítica e quimiotáxica. Tal como com outrosautorizadofactores de crescimento hematopoiéticos, o G-CSF demonstrou in vitro possuir propriedades estimuladoras das células

endoteliais humanas. O G-CSF pode promover o crescimento de células mielóides, incluindo células

malignas, in vitro e podem observar-se efeitos similares em algumas células não mielóides in vitro.

Em dois estudos clínicos, aleatorizados, com dupla ocultação em doentes de alto risco com cancro da

mama em estadio II-IV, submetidos a quimioterapia mielossupressora composta por doxorrubicina e

docetaxel, o uso do pegfilgrastim, uma única vez por ciclo, reduziu a duração da neutropenia e a de

5 a 7 dias e uma incidência de neutropenia febril de 30-40%. Num dos estudos (n=157) em que se utilizou uma dose fixa de 6 mg de pegfilgrastim a duração média da neutropenia de grau 4 foi de 1,8

incidência da neutropenia febril de forma semelhante ao observado com as administrações diárias de filgrastim (mediana igual a 11 administrações diárias). Na ausência de tratamento de suporte com factor de crescimento, foi referida com este regime umanãoneutropenia de grau 4 com duração média de

dias para o grupo do pegfilgrastim e de 1,6 diasno grupo do filgrastim (diferença 0,23 dias, IC 95% de

-0,15; 0,63). Durante todo o estudo, a taxa de neutropenia febril foi de 13% nos doentes tratados com

pegfilgrastim e de 20% nos doentes tratados com filgrastim (diferença 7%, IC 95% de –19%; 5%). Num segundoMedicamentoestudo (n=310), em que se utilizou uma dose ajustada ao peso (100 microgramas/kg), a duração média da neutropenia de grau 4 para o grupo com pegfilgrastim foi 1,7 dias e de 1,8 dias no

grupo com filgrastim (diferença 0,03 dias, IC 95% de –0,36; 0,30). A taxa global de neutropenia febril foi de 9% nos doentes tratados com pegfilgrastim e de 18% nos doentes tratados com filgrastim (diferença 9%, IC 95% de –16,8%; -1,1%).

Num estudo clínico, com dupla ocultação controlado com placebo, em doentes com cancro da mama foi avaliado o efeito do pegfilgrastim sobre a incidência da neutropenia febril, após a administração de um regime de quimioterapia associado a uma taxa de neutropenia febril de 10-20% (docetaxel 100mg/m2 de 3 em 3 semanas durante 4 ciclos). Novecentos e vinte e oito doentes foram aleatorizados para receber uma dose única de pegfilgrastim ou placebo aproximadamente 24 horas (dia 2) após quimioterapia em cada ciclo. A incidência da neutropenia febril foi inferior nos doentes aleatorizados para receber pegfilgrastim quando comparados com o grupo placebo (1% contra 17%, p<0.001). A incidência de hospitalizações e do uso de fármacos anti-infecciosos IV associados ao diagnóstico clínico de neutropenia febril foi inferior no grupo pegfilgrastim quando comparado com o grupo placebo (1% contra 14%, p<0.001; e 2% contra 10%, p<0.001).

Um estudo pequeno (n = 83), de fase II, aleatorizado, em dupla ocultação realizado em doentes a receber quimioterapia para a leucemia mielóide aguda de novo, comparou o pegfilgrastim (dose única de 6 mg) com filgrastim, administrados durante a quimioterapia de indução. O tempo mediano para recuperação da neutropenia febril foi estimado em 22 dias, nos 2 grupos de tratamento. O resultado a longo prazo não foi estudado (ver Secção 4.4).

5.2Propriedades farmacocinéticas

Após uma administração subcutânea única de pegfilgrastim a concentração sérica máxima do pegfilgrastim ocorre entre as 16 e 120 horas após a administração e as concentrações séricas do pegfilgrastim mantêm-se durante o período de neutropenia após a quimioterapia mielossupressora. A eliminação do pegfilgrastim tem uma relação não linear com a dose; a depuração sérica do pegfilgrastim diminui com o aumento da dose. A eliminação do pegfilgrastim é atribuída a uma depuração mediada pelos percursores dos neutrófilos, que fica saturada com doses mais elevadas. Consistente com um mecanismo de depuração auto-regulador, a concentração sérica de pegfilgrastim diminui rapidamente após o início da recuperação dos neutrófilos (ver figura 1).

Figura 1. Perfil da Mediana da Concentração Sérica de Pegfilgrastim e Contagem Absoluta de Neutrófilos em Doentes Tratados com Quimioterapia Após uma Injecção Única de 6 mg

(ng/ml)

 

 

 

 

 

 

 

[CAN]

 

 

 

 

 

Conc. de pegfilgrastim

 

 

 

Pegfilgrastim

 

 

 

 

CAN

 

 

 

 

de Neutrófilos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

9

Mediana da Conc. Sérica de

 

 

 

 

 

 

 

 

Mediana da Contagem Absoluta

(células x 10

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

0.1

 

 

 

 

 

 

 

0.1

 

 

 

 

Dia do Estudo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

não

 

 

 

 

 

Devido ao mecanismo de depuração mediada pelos neutrófilos não se espera que a farmacocinética do

 

pegfilgrastim seja afectada pela insuficiência renal ou hepática. Num ensaio clínico aberto com dose

única (n=31), os vários estadios de disfunção renal, incluindo a insuficiência renal terminal, não

tiveram impacto na farmacocinética do pegfilgrastim.

Os dados indicam que a farmacocinética do pegfilgrastim em indivíduos idosos (> 65 anos) foi

semelhante à dos adultos.

 

Medicamento

 

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Os dados pré-clínicos, obtidos a partir de estudos convencionais de toxicidade com doses repetidas, revelou os efeitos farmacológicos esperados incluindo aumentos da contagem leucocitária, hiperplasia mielóide da medula óssea, hematopoiese extramedular e hipertrofia esplénica.

Não se observaram efeitos adversos na descendência de ratos gestantes aos quais se administrou pegfilgrastim por via subcutânea, mas demonstrou-se que, em coelhos, o pegfilgrastim causou toxicidade embriofetal (perda de embriões) em doses subcutâneas baixas. Em estudos com ratos, demonstrou-se que o pegfilgrastim pode atravessar a placenta. Desconhece-se qual é a importância destas observações para humanos.

30 meses.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1.Lista dos excipientes

Acetato de sódio* Sorbitol (E420) Polissorbato 20

Água para preparações injectáveis

*O acetato de sódio é formado por titulação de ácido acético glacial com hidróxido de sódio.

6.2Incompatibilidades

Este medicamento não deve ser misturado com outros, particularmente com soluções de cloreto de sódio.

6.3Prazo de validade

6.4Precauções especiais de conservação

Conservar no frigorífico (2°C – 8°C).

 

Neupopeg pode ser exposto à temperatura ambiente (não acima dos 30ºC) por um único período

 

autorizado

máximo de 72 horas. O Neupopeg exposto à temperatura ambiente por mais de 72 horas deve ser

eliminado.

 

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Não congelar. Uma exposição acidental a temperaturas de congelação por um único período inferior a

 

 

não

24 horas não afecta negativamente a estabilidade do Neupopeg.

 

 

Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.

Medicamento

 

 

A seringa no interior da caneta é feita de vidro Tipo I com um êmbolo de borracha e com uma agulha de aço inoxidável: contém 0,6 ml de solução injectável. Embalagem de 1 caneta pré-cheia, apenas para administração única.

A protecção da agulha da caneta pré-cheia contém borracha natural seca (um derivado do látex) (ver secção 4.4).

6.6 Precauções especiais de eliminação

A embalagem contém um folheto informativo com instruções completas de uso e manipulação.

O Neupopeg (SureClick) é uma solução estéril mas sem conservantes

Antes da administração, a solução de Neupopeg deve ser inspeccionada visualmente para se assegurar que não contém partículas visíveis. Devem apenas administrar-se soluções que sejam límpidas e incolores. Cada caneta deve apenas ser utilizada uma única vez.

A agitação excessiva pode produzir a agregação do pegfilgrastim, tornando-o biologicamente inactivo.

Retirar a caneta pré-cheia do frigorífico para atingir a temperatura ambiente antes de administrar a injecção.

Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Dompé Biotec S.p.A.

Via San Martino 12

I-20122 Milan

Itália

9.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/02/228/003

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 22 Agosto 2002

Data da última renovação: 16 Julho 2007

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

autorizado

17 Janeiro 2008

 

Informação pormenorizada sobre este medicamento está disponível na Internet no site da Agência

 

 

não

Europeia de Medicamentos (EMEA) http://www.emea.europa.eu/

Medicamento

 

 

 

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados