Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Tyverb (lapatinib) – Resumo das características do medicamento - L01XE07

Updated on site: 10-Oct-2017

Nome do medicamentoTyverb
Código ATCL01XE07
Substâncialapatinib
FabricanteNovartis Europharm Limited

1.NOME DO MEDICAMENTO

Tyverb 250 mg comprimidos revestidos por película

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido revestido por película contém ditosilato de lapatinib mono-hidratado, equivalente a 250 mg de lapatinib.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película (comprimido).

Comprimidos ovais, biconvexos, amarelos, revestidos por película, com gravação “GS XJG” numa das faces.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1Indicações terapêuticas

Tyverb é indicado para o tratamento de doentes adultos com cancro da mama, cujos tumores sobre- expressem o HER2 (ErbB2);

em associação com capecitabina para os doentes com cancro da mama avançado ou metastizado com doença progressiva após terapêutica prévia, que deve ter incluído antraciclinas e taxanos e terapêutica com trastuzumab, em contexto metastático (ver secção 5.1).

em associação com trastuzumab para doentes com recetores hormonais negativos na doença metastizada que progrediu com terapêutica(s) prévia de trastuzumab em associação com quimioterapia (ver secção 5.1).

em associação com um inibidor da aromatase para mulheres pós-menopaúsicas com doença metastizada com recetores hormonais positivos, não elegíveis no presente para quimioterapia. Os doentes no estudo de registo não foram previamente tratados com trastuzumab ou com um inibidor da aromatase (ver secções 4.4 e 5.1). Não existem dados disponíveis sobre a eficácia desta associação relativamente a trastuzumab em associação com um inibidor da aromatase, nesta população de doentes.

4.2Posologia e modo de administração

O tratamento com Tyverb só deverá ser iniciado por um médico com experiência na administração de medicamentos antineoplásicos.

Os tumores que apresentem sobre-expressão do HER2 (ErbB2) são definidos por IHC3+, ou IHC2+ com amplificação do gene ou amplificação do gene isolado. O status HER2 deve ser determinado por métodos exatos e validados.

Posologia

Posologia da associação Tyverb/ capecitabina

A dose recomendada de Tyverb é 1250 mg (i.e. cinco comprimidos) uma vez por dia de forma contínua.

A dose recomendada de capecitabina é 2000 mg/m2/dia tomada em 2 doses com intervalo de 12 horas nos dias 1-14 em ciclos de 21 dias (ver secção 5.1). A capecitabina deve ser tomada com alimentos ou nos 30 minutos a seguir à refeição. Por favor consultar o Resumo das Características do Medicamento da capecitabina.

Posologia da associação Tyverb/ trastuzumab

A dose recomendada de Tyverb é 1000 mg (i.e. quatro comprimidos) uma vez por dia de forma contínua.

A dose recomendada de trastuzumab é 4 mg/kg administrada como dose inicial intravenosa (IV), seguida de 2 mg/kg IV semanalmente (ver secção 5.1). Por favor consultar o Resumo das Características do Medicamento do trastuzumab.

Posologia da associação Tyverb/ inibidor da aromatase

A dose recomendada de Tyverb é 1500 mg (i.e. seis comprimidos) uma vez por dia de forma contínua.

Por favor consultar o Resumo das Características do Medicamento do inibidor da aromatase administrado em associação para mais informações sobre a posologia.

Redução da dose ou atraso na sua administração

Acontecimentos cardíacos

De acordo com os Critérios de Terminologia Comum para Acontecimentos Adversos do Instituto Nacional do Cancro (NCI CTCAE) o tratamento com Tyverb deve ser descontinuado em doentes com sintomas associados com diminuição da fração de ejeção ventricular esquerda (LVEF) de grau 3 ou superior ou se a LVEF descer abaixo dos limites mínimos instituídos como normais (ver secção 4.4). Tyverb pode ser reiniciado a uma dose reduzida (750 mg/dia quando administrado com trastuzumab, 1000 mg/dia quando administrado com capecitabina ou 1250 mg/dia quando administrado com um inibidor da aromatase) após um intervalo mínimo de 2 semanas e se a LVEF recuperar a normalidade e o doente estiver assintomático.

Doença pulmonar intersticial/pneumonite

Tyverb deve ser descontinuado nos doentes que apresentem sintomas pulmonares de grau 3 ou superior segundo o NCI CTCAE (ver secção 4.4).

Diarreia

A administração de Tyverb deve ser interrompida em doentes com diarreia de grau 3 segundo o NCI CTCAE ou grau 1 ou 2 com complicações associadas (cólica abdominal moderada a grave, naúseas ou vómitos de grau 2 ou superior segundo os critérios NCI CTCAE, estado geral debilitado, febre, sépsis, neutropenia, hemorragia franca ou desidratação) (ver secções 4.4 e 4.8). Tyverb pode ser reiniciado a uma dose mais baixa (reduzida de 1000 mg/dia para 750 mg/dia, de 1250 mg/dia para 1000 mg/dia ou de 1500 mg/dia para 1250 mg/dia), quando a diarreia melhorar para grau 1 ou inferior. A administração de Tyverb deve ser descontinuada permanentemente nos doentes com diarreia de grau 4 segundo o NCI CTCAE.

Outras toxicidades

A descontinuação ou interrupção da administração de Tyverb pode ser considerada quando um doente desenvolve toxicidade de grau 2 ou superior segundo oNCI CTCAE. Quando a toxicidade reduzir para grau 1 ou inferior, a terapêutica pode ser reiniciada com 1000 mg/dia quando administrado com trastuzumab, 1250 mg/dia quando administrado com capecitabina ou com 1500 mg/dia quando

administrado com um inibidor da aromatase. Se a toxicidade reaparecer, então Tyverb deve ser reiniciado numa dose ainda mais baixa (750 mg/dia quando administrado com trastuzumab,

1000 mg/dia quando administrado com capecitabina ou 1250 mg/dia quando administrado com um inibidor da aromatase).

Compromisso Renal

Não é necessário ajuste da dose nos doentes com compromisso renal ligeiro a moderado. É recomendada precaução em doentes com compromisso renal grave uma vez que não existe informação sobre o uso de Tyverb nesta população (ver secção 5.2).

Compromisso hepático

Tyverb deve ser descontinuado se as alterações à função hepática forem graves e os doentes não devem voltar a ser tratados (ver secção 4.4).

A administração de Tyverb a doentes com compromisso hepático moderado a grave deve ser feita com precaução devido ao aumento na exposição ao medicamento. Os dados disponíveis em doentes com compromisso hepático são limitados para permitir recomendar um ajuste de dose (ver secção 5.2).

Idosos

A informação existente sobre o uso de Tyverb/ capecitabina e Tyverb/ trastuzumab em doentes de idade ≥ 65 anos é limitada.

No ensaio clínico de fase III de Tyverb em associação com letrozol, do total de doentes com cancro da mama metastático com recetores hormonais positivos (população em intenção de tratar N=642), 44% tinham ≥ 65 anos de idade. Globalmente não foram observadas diferenças na eficácia e segurança da associação de Tyverb e letrozol entre estes doentes e os de < 65 anos de idade.

População pediátrica

A segurança e eficácia de Tyverb em crianças com menos de 18 anos não foi ainda estabelecida. Não existem dados disponíveis.

Modo de administração

A dose diária de Tyverb não deve ser dividida. Tyverb deve ser tomado pelo menos uma hora antes, ou pelo menos uma hora após a refeição. Para minimizar a variabilidade individual do doente, a administração de Tyverb deve ser padronizada em relação à ingestão de alimentos, por exemplo ser sempre tomado uma hora antes de uma refeição (ver secção 4.5 e 5.2 para informação sobre absorção).

As doses esquecidas não devem ser compensadas e a posologia deve ser retomada na próxima dose diária habitual (ver secção 4.9).

Consultar a informação completa descrita no Resumo das Características do Medicamento administrado em associação com Tyverb, para obtenção de detalhes relevantes sobre a sua posologia, incluindo reduções de dose, contraindicações e informação de segurança.

4.3Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Os dados demonstraram que Tyverb associado a quimioterapia é menos efetivo do que trastuzumab quando associado a quimioterapia. Tyverb não está indicado em terapêutica adjuvante.

Toxicidade cardíaca

O lapatinib foi associado a notificações de diminuição na LVEF (ver secção 4.8). O lapatinib não foi avaliado em doentes com insuficiência cardíaca sintomática. Deve tomar-se precaução quando a administração de Tyverb se destina a doentes com condições que possam comprometer a função ventricular esquerda (incluindo a administração concomitante de medicamentos potencialmente cardiotóxicos). A avaliação da função cardíaca, incluindo a determinação da LVEF, deve ser realizada em todos os doentes previamente ao tratamento com Tyverb, para assegurar que o doente tem uma LVEF inicial dentro dos limites normais instituídos. A LVEF deve continuar a ser monitorizada durante o tratamento com Tyverb para assegurar que não desce a um nível inaceitável (ver secção 4.2). Nalguns casos, a diminuição da LVEF pode ser grave e levar a insuficiência cardíaca. Foram notificados casos fatais; a causalidade das mortes é incerta. Em estudos do programa de desenvolvimento clínico para o lapatinib foram notificados acontecimentos cardíacos incluindo diminuição na LVEF em aproximadamente 1% dos doentes. Observou-se diminuição sintomática na LVEF em aproximadamente 0,3% dos doentes que receberam lapatinib. Contudo, quando lapatinib foi administrado em associação com trastuzumab em contexto metastático, a incidência de acontecimentos cardíacos incluindo a diminuição da LVEF foi superior (7%) em relação ao braço de tratamento de lapatinib em monoterapia (2%) no ensaio principal. Os acontecimentos cardíacos observados neste estudo foram comparáveis em natureza e gravidade aos observados previamente com lapatinib.

Não foram efetuados estudos para avaliar especificamente o potencial do lapatinib em causar prolongamento do intervalo QT. Num estudo aberto, não-controlado, de escalonamento de dose de lapatinib, em doentes com cancro avançado, observou-se um pequeno aumento dependente da dose, do intervalo QTc, pelo que não se pode excluir um efeito no intervalo QT. Deve tomar-se precaução quando se administra Tyverb a doentes com situações que possam resultar em prolongamento QTc (incluindo hipocaliémia, hipomagnesémia, síndroma de QT longo congénito, ou coadministração de outro medicamento que cause prolongamento QT). A hipocaliémia ou a hipomagnesémia devem ser corrigidas antes do início do tratamento. Antes da administração de Tyverb e durante o tratamento deverão ser realizados eletrocardiogramas com medição QT.

Doença intersticial pulmonar e pneumonite

O lapatinib foi associado a notificações de toxicidade pulmonar incluindo doença intersticial pulmonar e pneumonite (ver secção 4.8). Os doentes devem ser monitorizados quanto a sintomas de toxicidade pulmonar (dispneia, tosse, febre) e o tratamento deverá ser descontinuado nos doentes com sintomas de grau 3 ou superior segundo os critérios NCI CTCAE. A toxicidade pulmonar poderá ser grave e levar a insuficiência respiratória. Foram notificados casos fatais; a causalidade das mortes é incerta.

Hepatotoxicidade

Ocorreu hepatotoxicidade com a utilização de Tyverb, a qual poderá ser fatal em casos raros. A hepatotoxicidade pode ocorrer desde dias a vários meses após início do tratamento. Ao iniciar o tratamento os doentes deverão ser avisados da potencial hepatotoxicidade. A função hepática (transaminases, bilirrubina e fosfatase alcalina) deve ser monitorizada antes do início do tratamento e depois mensalmente, ou conforme clinicamente indicado. A administração de Tyverb deve ser descontinuada se as alterações na função hepática forem graves e os doentes não devem voltar a ser tratados. Os doentes portadores dos alelos HLA DQA1*02:01 e DRB1*07:01 têm um maior risco de desenvolver hepatotoxicidade associada à utilização de Tyverb. Num ensaio clínico aleatorizado e alargado de Tyverb em monoterapia (n=1194), a frequência cumulativa de lesão hepática grave (ALT > 5 vezes o limite superior do normal, NCI CTCAE grau 3) após 1 ano de tratamento foi 2,8 % no global. A frequência cumulativa nos doentes com alelos DQA1*02:01 e DRB1*07:01 foi 10,3% e em doentes não portadores destes alelos foi 0,5%. É comum ser portador dos alelos de risco HLA (15 a 25%) nas populações caucasiana, asiática, africana e hispânica, sendo menos comum (1%) na população japonesa.

É essencial precaução caso Tyverb seja prescrito a doentes com compromisso hepático moderado ou grave (ver secções 4.2 e 5.2).

Recomenda-se precaução se Tyverb for prescrito a doentes com compromisso renal grave (ver secções 4.2 e 5.2).

Diarreia

Foram notificados casos de diarreia, incluindo diarreia grave no tratamento com Tyverb (ver secção 4.8). A diarreia pode ser potencialmente fatal se acompanhada de desidratação, insuficiência renal, neutropenia e/ou desiquilíbrio eletrolítico e foram notificados casos fatais. A diarreia ocorre geralmente numa fase inicial durante o tratamento com Tyverb, sendo que metade destes doentes tem a primeira experiência de diarreia nos primeiros 6 dias. Dura geralmente 4-5 dias. A diarreia induzida pelo Tyverb é geralmente de grau baixo, com diarreia grave de grau 3 e 4 segundo o NCI CTCAE a ocorrer em < 10% e < 1% dos doentes, respetivamente. Ao iniciar o tratamento, os padrões intestinais dos doentes e quaisquer outros sintomas (por exemplo febre, cãibras dolorosas, náuseas, vómitos, tonturas e sede) devem ser determinados, por forma a permitir a identificação das alterações durante o tratamento e para permitir identificar os doentes com maior risco de diarreia. Os doentes devem ser instruídos a notificarem rapidamente qualquer alteração dos padrões intestinais. Nos casos potencialmente graves de diarreia deve considerar-se a avaliação da contagem de neutrófilos e da temperatura corporal. É importante uma prevenção pró-ativa da diarreia com medicamentos antidiarreicos. Os casos graves de diarreia podem necessitar de administração oral ou intravenosa de eletrólitos e fluídos, utilização de antibióticos como as fluoroquinolonas (especialmente se a diarreia persiste mais de 24 horas, se existir febre ou neutropenia de grau 3 ou 4) e interrupção ou descontinuação do tratamento com Tyverb (ver secção 4.2 - redução da dose ou atraso na sua administração-diarreia).

Reações cutâneas graves

Foram notificadas reações cutâneas graves com Tyverb. Se houver suspeita de eritema multiforme ou reações potencialmente fatais tais como a síndrome de Stevens-Johnson, ou necrólise epidérmica tóxica (p. ex. erupção cutânea progressiva frequentemente com vesículas ou lesões da mucosa) deve descontinuar o tratamento com Tyverb.

Tratamento concomitante com inibidores ou indutores do CYP3A4

Deve ser evitado o tratamento concomitante com indutores do CYP3A4 devido ao risco de diminuição na exposição ao lapatinib (ver secção 4.5).

Deve ser evitado o tratamento concomitante com inibidores potentes do CYP3A4 devido ao risco de aumento na exposição ao lapatinib (ver secção 4.5).

Deve ser evitado o sumo de toranja durante o tratamento com Tyverb (ver secção 4.5).

Deve evitar-se a administração concomitante de Tyverb com medicamentos com janelas terapêuticas estreitas administrados por via oral que sejam substrato do CYP3A4 e/ou CYP2C8 (ver secção 4.5).

Deve evitar-se o tratamento concomitante com substâncias que aumentem o pH gástrico, uma vez que a solubilidade e a absorção de lapatinib podem diminuir (ver secção 4.5).

4.5Interações medicamentosas e outras formas de interação

Efeitos de outros medicamentos sobre lapatinib

O lapatinib é predominantemente metabolizado pelo CYP3A (ver secção 5.2).

Em voluntários saudáveis a receber cetoconazol, um potente inibidor do CYP3A4, na dose de 200 mg duas vezes por dia durante 7 dias, a exposição sistémica ao lapatinib (100 mg diários) aumentou aproximadamente 3,6 vezes, e o tempo de semivida aumentou 1,7 vezes. Deve evitar-se a administração concomitante de Tyverb com inibidores potentes do CYP3A4 (p.ex. ritonavir, saquinavir, telitromicina, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, nefazodona). A administração concomitante de Tyverb com inibidores moderados do CYP3A4 deve ser feita com precaução e as reações adversas clínicas cuidadosamente monitorizadas.

Em voluntários saudáveis a receber carbamazepina, um indutor do CYP3A4, na dose de 100 mg duas vezes por dia durante 3 dias e 200 mg duas vezes por dia durante 17 dias, a exposição sistémica ao lapatinib diminuiu aproximadamente 72%. Deve evitar-se a administração concomitante de Tyverb com indutores conhecidos do CYP3A4 (p.ex. rifampicina, rifabutina, carbamazepina, fenitoína ou

Hypericum perforatum (Hipericão).

O lapatinib é um substrato para as proteínas transportadoras da Pgp (glicoproteína P) e BCRP. Os inibidores (cetoconazol, itraconazol, quinidina, verapamil, ciclosporina, eritromicina) e os indutores (rifampicina, Hipericão) destas proteínas podem alterar a exposição e/ou distribuição do lapatinib (ver secção 5.2).

A solubilidade do lapatinib é dependente do pH. O tratamento concomitante com substâncias que aumentem o pH gástrico deve ser evitado, uma vez que a solubilidade e a absorção do lapatinib podem diminuir. O tratamento prévio com um inibidor da bomba de protões (esomeprazol) diminuiu, em média, 27% a exposição ao lapatinib (intervalo: 6% a 49%). Este efeito diminui com o aumento da idade, aproximadamente, dos 40 aos 60 anos.

Efeitos do lapatinib sobre outros medicamentos

O lapatinib inibe in vitro o CYP3A4 a concentrações clínicas relevantes. A administração concomitante de Tyverb com midazolam administrado por via oral resultou num aumento de aproximadamente 45% da AUC do midazolam. Não houve um aumento clínico significativo da AUC quando o midazolam foi administrado por via intravenosa. Deve evitar-se a administração concomitante de Tyverb com medicamentos com janelas terapêuticas estreitas administrados por via oral que sejam substrato do CYP3A4 (p.ex. cisaprida, pimozida e quinidina) (ver secções 4.4 e 5.2).

O lapatinib inibe in vitro o CYP2C8 a concentrações clínicas relevantes. Deve evitar-se a administração concomitante de Tyverb com medicamentos com janelas terapêuticas estreitas que sejam substrato do CYP2C8 (por exemplo repaglinida) (ver secções 4.4 e 5.2).

A administração concomitante de lapatinib com paclitaxel intravenoso aumentou em 23% a exposição ao paclitaxel, devido à inibição do CYP2C8 e/ou da Pgp pelo lapatinib. Nos estudos clínicos, observou-se um aumento da incidência e da gravidade da diarreia e da neutropenia com esta associação. Recomenda-se precaução se lapatinib for administrado concomitantemente com paclitaxel.

A administração concomitante de lapatinib com docetaxel administrado por via intravenosa não afetou significativamente a AUC ou a Cmax de qualquer uma das substâncias ativas. No entanto, aumentou a ocorrência de neutropeia induzida pelo docetaxel.

A administração concomitante de Tyverb com irinotecano (quando administrado como parte do regime FOLFIRI) resultou num aumento de aproximadamente 40% da AUC do SN-38, o metabolito ativo do irinotecano. Desconhece-se o mecanismo preciso desta interação, mas assume-se que seja devido à inibição de uma ou mais proteínas transportadoras pelo lapatinib. Quando o Tyverb é administrado concomitantemente com irinotecano, as reações adversas devem ser cuidadosamente monitorizadas, e deverá considerar-se uma redução da dose do irinotecano.

O lapatinib inibe in vitro a proteína transportadora da Pgp a concentrações clínicas relevantes. A administração concomitante de lapatinib com digoxina administrada por via oral resultou num aumento de aproximadamente 80% da AUC da digoxina. Recomenda-se precaução quando se

administra lapatinib com medicamentos com janelas terapêuticas estreitas que são substratos da Pgp, devendo considerar-se uma redução na dose do substrato da Pgp.

O lapatinib inibe in vitro as proteínas de transporte BCRP e OATP1B1. A relevância clínica deste efeito não foi avaliada. Não se pode excluir a possibilidade de lapatinib afetar a farmacocinética dos substratos da BCRP (por exemplo, topotecano) e da OATP1B1 (por exemplo, rosuvastatina) (ver secção 5.2).

A administração concomitante de Tyverb com capecitabina, letrozol ou trastuzumab não alterou significativamente a farmacocinética destes medicamentos (ou dos metabolitos da capecitabina) ou de lapatinib.

Interações com alimentos e bebidas

A biodisponibilidade do lapatinib é aumentada até cerca de 4 vezes com alimentos, dependendo, por exemplo, do conteúdo em matéria gorda da refeição. Para além disso, dependendo do tipo de alimentos, a biodisponibilidade é aumentada aproximadamente 2 a 3 vezes, quando lapatinib é tomado 1 hora após a refeição, comparativamente à administração 1 hora antes da primeira refeição do dia (ver secções 4.2 e 5.2).

O sumo de toranja pode inibir o CYP3A4 na parede intestinal e aumentar a biodisponibilidade do lapatinib devendo por isso ser evitado durante o tratamento com Tyverb.

4.6Fertilidade, gravidez e aleitamento

Mulheres com potencial para engravidar

As mulheres com potencial para engravidar deverão ser aconselhadas a utilizar um método contracetivo adequado e evitar engravidar durante o tratamento com Tyverb.

Gravidez

Não existem dados suficientes sobre a utilização de Tyverb em mulheres grávidas. Estudos em animais demonstraram toxicidade reprodutiva (ver secção 5.3). Desconhece-se o risco potencial para o ser humano.

O Tyverb não deve ser utilizado durante a gravidez, a menos que seja claramente necessário.

Amamentação

A segurança da utilização de Tyverb no aleitamento ainda não foi estabelecida. Desconhece-se se o lapatinib é excretado no leite humano. No rato, foi observado atraso no crescimento das crias expostas ao lapatinib através do aleitamento. Nas mulheres submetidas a tratamento com Tyverb o aleitamento deve ser descontinuado.

Fertilidade

Não existem dados suficientes sobre a utilização de Tyverb em mulheres com potencial para engravidar.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Através da farmacologia de lapatinib não é possível prever o efeito prejudicial sobre estas atividades. O estado clínico do doente e o perfil de efeitos indesejáveis ao lapatinib deve ser tido em conta ao considerar a capacidade do doente para desenvolver tarefas que requeiram capacidades de julgamento, motoras ou cognitivas.

4.8Efeitos indesejáveis

Resumo do Perfil de Segurança

A segurança de lapatinib foi avaliada como monoterapia ou em associação com outras quimioterapias para vários tipos de cancro em mais de 20.000 doentes, incluindo 198 doentes que receberam lapatinib em associação com capecitabina, 149 doentes que receberam lapatinib em associação com trastuzumab e 654 doentes que receberam lapatinib em associação com letrozol (ver secção 5.1).

As reações adversas mais frequentes (> 25%) durante o tratamento com lapatinib foram acontecimentos gastrointestinais (tais como diarreia, náuseas e vómitos) e erupção cutânea. A Eritrodisestesia palmo-plantar [EPP] também foi frequente (> 25%) quando o lapatinib foi administrado em associação com capecitabina. A incidência de EPP foi semelhante no braço de tratamento de lapatinib em associação com capecitabina e no braço de tratamento de capecitabina em monoterapia. A diarreia foi a reação adversa mais frequente que resultou em descontinuação do tratamento quando o lapatinib foi administrado em associação com capecitabina ou com letrozol.

Não foram notificadas reações adversas adicionais relativas ao lapatinib em associação com trastuzumab. Existiu um aumento na incidência de toxicidade cardíaca, mas estes acontecimentos foram comparáveis em natureza e gravidade aos notificados no programa clínico de lapatinib (ver secção 4.4 - toxicidade cardíaca). Estes dados baseiam-se na exposição a esta associação em 149 doentes no ensaio principal.

A seguinte convenção foi utilizada para a classificação da frequência: muito frequentes ( 1/10), frequentes ( 1/100 a < 1/10), pouco frequentes ( 1/1000 a < 1/100), raros ( 1/10.000 a < 1/1.000), muito raros (< 1/10.000), desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis).

Os efeitos indesejáveis são apresentados por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência.

Tabela de reações adversas

As seguintes reações adversas foram notificadas como tendo uma associação causal à monoterapia com lapatinib ou à associação de lapatinib com capecitabina, trastuzumab ou letrozol.

Doenças do sistema imunitário

Raros

Reações de hipersensibilidade incluindo anafilaxia (ver secção 4.3)

Doenças do metabolismo e da nutrição

Muito frequentes

Anorexia

Perturbações do foro psiquiátrico

Muito frequentes

Insónia*

Doenças do sistema nervoso

Muito frequentes

Cefaleias

Frequentes

Cefaleias*

Cardiopatias

 

Frequentes

Diminuição da fração de ejeção ventricular esquerda (ver secção 4.2 –

 

redução da dose – efeitos cardíacos e secção 4.4)

Vasculopatias

 

Muito frequentes

Afrontamentos

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino

Muito frequentes

Epistaxe, tosse, dispneia.

Pouco frequentes

Doença intersticial pulmonar/pneumonite.

Doenças gastrointestinais

Muito frequentes

Diarreia, que pode levar à desidratação (ver secção 4.2 - redução da dose

 

ou atraso na sua administração – outras toxicidades e secção 4.4), náuseas,

 

vómitos, dispepsia*, estomatite*, obstipação*, dor abdominal*.

Frequentes

Obstipação

Afeções hepatobiliares

Frequentes

Hiperbilirrubinémia, hepatotoxicidade (ver secção 4.4)

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

Muito frequentes

Erupção cutânea (incluindo dermatite acneiforme) (ver secção 4.2 -

 

redução da dose ou atraso na sua administração – outras toxicidades), pele

 

seca*, eritrodisestesia palmo-plantar*, alopécia, prurido.

Frequentes

Afeções das unhas incluindo paroníquia

Desconhecido

Reações cutâneas graves

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos

Muito frequentes

Dor nas extremidades*, dor nas costas*, artralgia.

Perturbações gerais e alterações no local de administração

Muito frequentes

Fadiga, inflamação das mucosas*, astenia.

* Estas reações adversas foram observadas quando lapatinib foi administrado em associação com capecitabina.

Estas reações adversas foram observadas quando lapatinib foi administrado em associação com letrozol.

Descrição de reações adversas selecionadas

Diminuição da fração de ejeção ventricular esquerda e prolongamento do intervalo QT

Foi notificado diminuição da fração de ejeção ventricular esquerda (LVEF) em aproximadamente 1% dos doentes a receber lapatinib e mais de 70% dos casos eram assintomáticos. Em mais de 70% dos casos a diminuição da LVEF resolveu-se ou melhorou, sendo que em aproximadamente 60% dos quais a melhoria ou resolução deu-se após descontinuação da terapêutica com lapatinib, e em aproximadamente 40% dos casos a terapêutica com lapatinib foi continuada. Foi observado em cerca de 0,3% dos doentes a receber lapatinib em monoterapia ou em associação com outros medicamentos antineoplásicos uma diminuição sintomática da LVEF. As reações adversas observadas incluiram dispneia, insuficiência cardíaca e palpitações. No global, recuperaram 58% dos doentes sintomáticos. Foram notificadas diminuições na LVEF em 2,5% dos doentes a receber lapatinib em associação com capecitabina, comparativamente a 1,0% com capecitabina em monoterapia. Foram notificadas diminuições na LVEF em 3,1% dos doentes a receber lapatinib em associação com letrozol, comparativamente a 1,3% dos doentes a receber letrozol mais placebo. As diminuições da LVEF foram notificadas em 6,7% dos doentes que receberam lapatinib em associação com trastuzumab, comparativamente a 2,1% dos doentes que receberam lapatinb em monoterapia.

Num ensaio de fase I não-controlado, observou-se um pequeno aumento dependente da dose do intervalo QTc. O potencial do lapatinib para prolongar o intervalo QTc não foi excluído (ver secção 4.4).

Diarreia

Ocorreu diarreia em aproximadamente 65% dos doentes que receberam lapatinib em associação com capecitabina, em 64% dos doentes que receberam lapatinib em associação com letrozol e em 62% dos doentes que receberam lapatinib em associação com trastuzumab. A maioria dos casos de diarreia foi de grau 1 ou 2 e não causaram descontinuação do tratamento com lapatinib. A diarreia responde bem ao tratamento pró-ativo (ver secção 4.4). No entanto, foram notificados alguns casos de falência renal aguda consequentes a desidratação grave devida a diarreia.

Erupções cutâneas

Ocorreram erupções cutâneas em aproximadamente 28% dos doentes que receberam lapatinib em associação com capecitabina, em 45% dos doentes que receberam lapatinib em associação com letrozol e em 23% dos doentes que receberam lapatinib em associação com trastuzumab. As erupções cutâneas foram de uma maneira geral de baixo grau e não causaram descontinuação do tratamento

com lapatinib. Os médicos prescritores são aconselhados a examinar a pele antes do tratamento com lapatinib e depois regularmente durante o tratamento. Os doentes que apresentem reações cutâneas devem ser encorajados a evitar a exposição solar e aplicar um protetor solar de largo espectro com Fator de Proteção Solar (SPF) 30. Se ocorrer uma reação cutânea deverá examinar-se todo o corpo em cada consulta médica, até um mês após a resolução. Os doentes com reações cutâneas extensas ou persistentes devem ser referenciados a um dermatologista.

Hepatotoxicidade

O risco de hepatotoxicidade induzida pelo lapatinib foi associada aos alelos HLA DQA1*02:01 e DRB1*07:01 (ver secção 4.4).

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9Sobredosagem

Não existe nenhum antídoto específico para a inibição da fosforilação da tirosina do EGFR(ErbB1) e/ou HER2 (ErbB2). A dose máxima oral de lapatinib administrada nos estudos clínicos foi de 1800 mg uma vez por dia.

Foram notificados casos de sobredosagem sintomáticos e assintomáticos em doentes tratados com Tyverb. Em doentes que tomaram até 5000 mg de lapatinib, os sintomas observados incluíram reações adversas conhecidamente associadas ao lapatinib (ver secção 4.8) e, nalguns casos, couro cabeludo ferido e/ou inflamação das mucosas. Num caso de um doente que tomou 9000 mg de Tyverb foi também observada taquicardia sinusal (com ECG de outro modo normal).

O lapatinib não é excretado significativamente por via renal e apresenta uma forte ligação às proteínas plasmáticas, pelo que a hemodiálise não será um método efetivo para aumentar a eliminação de lapatinib.

Para uma gestão adicional deve atuar-se de acordo com as indicações clínicas ou de acordo com as recomendações do centro de intoxicações nacional, caso disponível.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Medicamentos antineoplásicos, outros medicamentos antineoplásicos, inibidores da proteína cinase, código ATC: L01XE07

Mecanismo de ação

O lapatinib, uma 4-anilinoquinazolina, é um inibidor do recetor da tirosina cinase no domínio intracelular, de ambos o EGFR (ErbB1) e HER2 (ErbB2) (valores estimados de Kiapp de 3 nM e

13 nM, respetivamente) com um abrandamento da taxa a partir destes recetores (tempo de semivida superior ou igual a 300 minutos). O lapatinib inibe o crescimento das células tumorais associadas a ErbB in vitro e em vários modelos animais.

A associação do lapatinib com trastuzumab pode oferecer mecanismos de ação complementares assim como a possibilidade de não sobreposição de mecanismos de resistência. Os efeitos inibitórios de lapatinib sobre o crescimento foram avaliados em linhas celulares condicionadas pelo trastuzumab. O lapatinib manteve uma atividade significativa in vitro contra linhas celulares HER2 amplificadas de cancro da mama selecionadas por crescimento de longo termo em meio contendo trastuzumab e foi sinérgico em associação com trastuzumab nestas linhas celulares.

Eficácia e segurança clínicas

Terapêutica de associação com Tyverb e capecitabina

A eficácia e segurança de Tyverb em associação com capecitabina foi avaliada num estudo aleatorizado de fase III, em doentes com cancro da mama com bom estado geral (performance status). Os doentes elegíveis para inclusão apresentavam cancro da mama localizado avançado ou metastizado, sobre-expressão do HER2, com progressão após tratamento prévio com taxanos, antraciclinas e trastuzumab. A LVEF foi avaliada em todos os doentes (utilizando ecocardiograma [ECG] ou Multi Gated Acquisiton Scan [MUGA]) previamente ao início do tratamento com Tyverb para garantir que os valores iniciais da LVEF estavam dentro dos limites normais instituídos. No estudo clínico a LVEF foi monitorizada em intervalos de aproximadamente oito semanas durante o tratamento com Tyverb para garantir que esta não descia abaixo dos valores limite mínimos instituídos como normais. A maioria das diminuições de LVEF (mais de 60% dos acontecimentos) foram observadas durante as primeiras nove semanas de tratamento, contudo os dados disponíveis sobre exposição a longo prazo são limitados.

Os doentes foram aleatorizados para receber Tyverb 1250 mg uma vez por dia (continuamente) mais capecitabina (2000 mg/m2/dia nos dias 1-14 durante 21 dias), ou para receber capecitabina em monoterapia (2500 mg/m2/dia nos dias 1-14 durante 21 dias). O tempo até à progressão (TTP) foi o parâmetro de avaliação primário. As avaliações foram feitas pelos investigadores do estudo e por um painel de revisão independente, com ocultação ao tratamento. O estudo foi interrompido baseado nos resultados de uma análise interina pré-específica que demonstrou uma melhoria no TTP nos doentes a receber Tyverb e capecitabina. Foram envolvidos mais 75 doentes no estudo entre a altura da análise intermédia e o fim do recrutamento. A análise dos dados pelos investigadores no final do recrutamento é apresentada na Tabela 1.

Tabela 1 Dados de Tempo para Progressão do Estudo EGF100151 (Tyverb / capecitabina)

 

Avaliação do Investigador

 

 

 

 

 

Tyverb (1250 mg/dia) +

 

Capecitabina (2500 mg/m2/dia,

 

capecitabina (2000

 

dias 1-14 q21 dias)

 

mg/m2/dia,

 

 

 

dias 1-14 q21 dias)

 

 

 

(N = 198)

 

(N = 201)

Número de acontecimentos

 

TTP

 

 

 

TTP médio, semanas

23,9

 

18,3

Hazard Ratio

 

0, 72

(IC 95%)

 

(0,56 ; 0,92)

valor de p

 

0,008

A avaliação independente dos dados também demonstrou que Tyverb quando administrado em associação com capecitabina aumentou significativamente o tempo até progressão (Hazard Ratio 0,57 [IC 95% 0,43; 0,77] p=0,0001) comparativamente à capecitabina em monoterapia.

Apresentam-se na Tabela 2 os resultados de uma análise atualizada dos dados de sobrevivência global até 28 setembro 2007.

Tabela 2 Dados de sobrevivência global do estudo EGF100151 (Tyverb / capecitabina)

 

Tyverb (1250 mg/dia) +

Capecitabina (2500

 

capecitabina (2000 mg/m2/dia,

mg/m2/dia, dias 1-14 q21 dias)

 

dias 1-14 q21 dias)

 

 

 

(N=207)

 

(N=201)

Número de indivíduos que

 

morreram

 

 

 

Média de sobrevivência global,

74,0

 

65,9

semanas

 

 

 

Hazard Ratio

 

0.9

(IC 95%)

 

(0,71; 1,12)

valor de p

 

0,3

No braço com terapêutica combinada, houve 4 (2%) progressões no sistema nervoso central em comparação com 13 (6%) progressões no braço da capecitabina em monoterapia.

Estão disponíveis dados de eficácia e segurança de Tyverb em associação com capecitabina relativamente a trastuzumab em associação com capecitabina. Um estudo aleatorizado de fase III (EGF111438) (N=540) comparou o efeito dos dois regimes na incidência do SNC como local de primeira recaída em mulheres com cancro de mama metastizado com sobreexpressão HER2. As doentes foram aleatorizadas em grupos com Tyverb 1250 mg uma vez por dia (continuamente) associado a capecitabina (2000 mg/m2/dia nos dias 1-14 de ciclos de 21 dias) ou trastuzumab (dose inicial de 8 mg/kg seguida de perfusão de 6 mg/kg de 3 em 3 semanas) associado a capecitabina (2500 mg/m2/dia, dias 1-14, de ciclos de 21 dias). A aleatorização foi estratificada de acordo com tratamento prévio de trastuzumab e número de tratamentos prévios para doença metastática. O estudo foi interrompido assim que a análise interina (N=475) mostrou uma baixa incidência de acontecimentos no SNC e, eficácia superior no braço trastuzumab associado a capecitabina em termos de sobrevivência livre de progressão e de sobrevivência global (ver resultados da análise final na Tabela 3).

No braço Tyverb mais capecitabina 8 doentes (3,2%) tiveram o SNC como local de primeira progressão, comparativamente a 12 doentes (4,8%) no braço trastuzumab mais capecitabina.

Efeito de lapatinib nas metástases do SNC

O lapatinib demonstrou, em termos de respostas objectivas, uma actividade modesta no tratamento de metástases estabelecidas no SNC. Na prevenção de metástases no SNC em casos de cancro da mama inicial e metastático a actividade observada foi limitada.

Tabela 3 Avaliação do investigador da Sobrevivência Livre de Progressão e Sobrevivência Global

 

Avaliação do investigador -

Sobrevivência global

 

Sobrevivência Livre de Progressão

 

 

 

Tyverb (1250

Trastuzumab

Tyverb (1250

Trastuzumab

 

mg/dia) +

(dose inicial de 8

mg/dia) +

(dose inicial de 8

 

capecitabina

mg/kg seguida de

capecitabina

mg/kg seguida de

 

(2000 mg/m2/dia,

perfusão de 6

(2000 mg/m2/dia,

perfusão de 6

 

dias 1-14 q21

mg/kg q3

dias 1-14 q 21

mg/kg q3

 

dias)

semanais) +

dias)

semanais) +

 

 

capecitabina

 

capecitabina

 

 

(2500 mg/m2/dia,

 

(2500 mg/m2/dia,

 

 

dias 1-14 q21

 

dias 1-14 q 21

 

 

dias)

 

dias)

População ITT

 

 

 

 

N

Número (%) de

160 (59)

134 (50)

70 (26)

58 (22)

acontecimentos 1

 

 

 

 

Estimativa

 

 

 

 

Kaplan-Meier,

 

 

 

 

meses a

 

 

 

 

Mediana (IC 95%)

6,6 (5,7; 8,1)

8,0 (6,1; 8,9)

22,7 (19,5; - )

27,3 (23,7 ; - )

Hazard Ratio

 

 

 

 

estratificado b

 

 

 

 

Hazard Ratio (IC

1,30 (1,04; 1,64)

 

1,34 (0,95; 1,90)

 

95%)

 

 

 

 

Valor de p

0,021

 

0,095

 

Doentes que receberam previamente trastuzumab*

 

 

N

Número (%) de

103 (62)

86 (54)

43 (26)

38 (24)

acontecimentos 1

 

 

 

 

Mediana (IC 95%)

6,6 (5,7 ; 8,3)

6,1 (5,7; 8,0)

22,7 (20,1; -)

27,3 (22,5; 33,6)

Hazard Ratio (IC

1,13 (0,85;1,50)

 

1,18 (0,76; 1,83)

 

95%)

 

 

 

 

Doentes que não receberam previamente trastuzumab *

 

 

N

Número (%) de

57 (55)

48 (44)

27 (26)

20 (18)

acontecimentos 1

 

 

 

 

Mediana (IC 95%)

6,3 (5,6; 8,1)

10,9 (8,3; 15,0)

NE 2 (14,6; -)

NE 2 (21,6; -)

Hazard Ratio (IC

1,70 (1,15; 2,50)

 

1,67 (0,94; 2,96)

 

95%)

 

 

 

 

IC – Intervalo de confiança

a.A Sobrevivência Livre de Progressão foi definida como o tempo desde a aleatorização até à data de início de progressão da doença ou morte de qualquer causa, ou até à data de registo.

b.A estimativa máxima do hazard ratio do tratamento, <1 indica um risco mais baixo para o Tyverb mais capecitabina comparativamente a Trastuzumab mais capecitabina.

1. Um Acontecimento na Sobrevivência Livre de Progressão é Progressão ou Morte e um Acontecimento na Sobrevivência Global é Morte devido a qualquer causa

2. NE = Mediana não foi atingida *Análise post hoc

Terapêutica de associação com Tyverb e trastuzumab

A eficácia e segurança da associação de lapatinib com trastuzumab no cancro da mama metastizado foram avaliadas num ensaio aleatorizado. Os doentes elegíveis foram mulheres com cancro da mama metastizado no estadio IV com amplificação do gene ErbB2 (ou sobre-expressão da proteína) que foram expostas ao tratamento com antraciclinas e taxanos. Adicionalmente, de acordo com o protocolo, as doentes teriam sido avaliadas pelos investigadores como tendo progressão no seu regime mais recente contendo trastuzumab em contexto metastático. O número médio dos regimes prévios contendo trastuzumab foi três. As doentes foram aleatorizadas para receber ou lapatinib oral 1000 mg uma vez por dia mais trastuzumab 4 mg/kg administrados por via intravenosa (IV) como dose inicial,

seguido por 2mg/kg IV semanalmente (N=148), ou lapatinib oral 1500 mg uma vez por dia (N=148). As doentes que tiveram progressão objetiva da doença após receberem pelo menos 4 semanas de tratamento com monoterapia de lapatinib foram elegíveis para transferência para a terapêutica de associação. Das 148 doentes que receberam tratamento em monoterapia, 77 (52%) das doentes foram seleccionadas na altura de progressão da doença para receberem tratamento em associação.

A sobrevivência livre de progressão (PFS) foi o parâmetro de avaliação primário do estudo com taxa de resposta e sobrevivência global como parâmetros de avaliação secundários. A idade média foi 51 anos e 13% tinham 65 anos ou mais. Noventa e quatro por cento (94%) eram Caucasianas. A maioria das doentes em ambos os braços de tratamento tinha doença visceral (215 [73%] doentes no global). Adicionalmente, 150 [50%] das doentes tinham recetores hormonais negativos. Um resumo dos parâmetros de avaliação de eficácia e sobrevivência global é apresentado na Tabela 4. A análise dos resultados nos subgrupos baseada num fator de estratificação predefinido (status do recetor hormonal) é também referida na Tabela 5.

Tabela 4 Dados de sobrevivência livre de progressão e sobrevivência global (Tyverb/ trastuzumab)

 

Lapatinib + trastuzumab

Lapatinib em monoterapia

 

(N=148)

(N=148)

PFS1média, semanas

12,0

8,1

(IC 95%)

(8,1; 16,0)

(7,6; 9,0)

Hazard Ratio (IC 95%)

0,73 (0,57; 0,93)

 

Valor de p

0,008

 

 

 

 

Taxa de resposta, %

10,3

6,9

(IC 95%)

(5,9; 16,4)

(3,4; 12,3)

Mortes

 

 

 

Sobrevivência global1 média,

14,0

9,5

meses (IC 95%)

(11,9; 17,2)

(7,6; 12,0)

 

Hazard Ratio (IC 95%)

0,74 (0,57; 0,97)

 

Valor de p

0,026

 

 

 

 

PFS = Sobrevivência livre de progressão; IC – intervalo de confiança. 1 Estimativa Kaplan- Meier

Tabela 5 Resumo da PFS e sobrevivência global em estudos com recetores hormonais negativos

 

PFS mediana

Sobrevivência global mediana

Lap + Tras

15,4 semanas (8,4; 16,9)

17,2 meses (13,9; 19,2)

 

 

 

Lap

8,2 semanas (7,4; 9,3)

8,9 meses (6,7; 11,8)

 

 

 

Hazard Ratio (IC 95%)

0,73 (0,52; 1,03)

0,62 (0,42; 0,90)

 

 

 

Terapêutica de associação com Tyverb e letrozol

Tyverb foi estudado em associação com letrozol para o tratamento de mulheres pós-menopaúsicas com cancro da mama avançado ou metastizado, com recetores hormonais positivos (recetor dos estrogénios [ER] positivo e/ou recetor da progesterona [PgR] positivo).

O ensaio de Fase III (EGF30008) foi aleatorizado, em dupla-ocultação e controlado com placebo. O estudo envolveu doentes que não tinham recebido previamente terapêutica para a doença metastática. O período de recrutamento para o estudo (dezembro 2003 – dezembro 2006) precedeu a adoção de trastuzumab em associação com um inibidor da aromatase. Não foi conduzido nesta população de

doentes um estudo comparativo entre lapatinib e trastuzumab.

Na população com sobre-expressão do HER2 apenas foram incluidos 2 doentes que tinham recebido trastuzumab anteriormente, 2 doentes que tinham recebido terapêutica com inibidores da aromatase e, aproximadamente metade tinha recebido tamoxifeno.

Os doentes foram aleatorizados para receber letrozol 2,5 mg uma vez por dia mais Tyverb 1500 mg uma vez por dia, ou letrozol com placebo. A aleatorização foi estratificada por locais da doença e pelo tempo de descontinuação da terapêutica adjuvante antiestrogénios prévia. O status dos recetores HER2 foi retrospectivamente determinado por testes laboratoriais centralizados. De todos os doentes aleatorizados para o tratamento, 219 doentes tinham tumores com sobre-expressão do recetor HER2, e esta foi a população principal pré-especificada para a análise de eficácia. 952 doentes tinham tumores HER2-negativos, e num total de 115 doentes o status dos HER2 não foi especificado (sem amostra do tumor, sem resultado do ensaio ou outro motivo).

Em doentes com cancro da mama metastizado com sobre-expressão HER2, a sobrevivência livre de progressão (PFS) determinada pelo investigador foi significativamente maior com letrozol mais Tyverb comparativamente a letrozol mais placebo. Na população HER2-negativo, não se verificou benefício na PFS quando se comparou letrozol e Tyverb com letrozol e placebo (ver Tabela 6).

Tabela 6 Dados de sobrevivência livre de progressão (PFS) do estudo EGF30008 (Tyverb / letrozol)

 

População com sobre-expressão

População HER2 negativa

 

HER2

 

 

 

 

N = 111

 

N = 108

N = 478

 

N = 474

 

Tyverb 1500

 

 

Tyverb 1500

 

 

 

mg/dia

 

Letrozol 2,5

mg/dia

 

Letrozol 2,5

 

+ Letrozol 2,5

 

mg/dia

+ Letrozol 2,5

 

mg/dia

 

mg/dia

 

+ placebo

mg/dia

 

+ placebo

PFS mediana, semanas (IC

35,4

 

13,0

59,7

 

58,3

95%)

(24,1; 39,4)

 

(12,0; 23,7)

(48,6; 69,7)

 

(47,9; 62,0)

Hazard Ratio

0,71 (0,53; 0,96)

0,90 (0,77; 1,05)

Valor de p

0,019

 

0,188

 

Taxa de Resposta Objetiva

27,9%

 

14,8%

32,6%

 

31,6%

(ORR)

 

 

 

 

 

 

Taxa de

0,4 (0,2; 0,9)

0,9 (0,7; 1,3)

probabilidade

 

 

 

 

 

 

(Odds Ratio)

 

 

 

 

 

 

Valor de p

0,021

 

0,26

 

Taxa de Benefício Clínico

47,7%

 

28,7%

58,2%

 

31,6%

(CBR)

 

 

 

 

 

 

Taxa de

0,4 (0,2; 0,8)

1,0 (0,7; 1,2)

probabilidade

 

 

 

 

 

 

(Odds Ratio)

 

 

 

 

 

 

Valor de p

0,003

 

0,199

 

IC- intervalo de confiança

 

 

 

 

 

 

Sobre-expressão HER2= IHC 3+ e/ou FISH positivo; HER2 negativo= IHC 0, 1+ ou 2+ e/ou FISH negativo

A Taxa de Benefício Clínico foi definida como a resposta parcial ou completa mais doença estável por 6 meses

No momento da análise do PFS final (com uma média de 2,64 anos de seguimento), os dados de sobrevivência global não foram suficientemente conclusivos e não houve diferença significativa entre os grupos de tratamento na população com HER2 positivo; não houve alterações com o seguimento adicional (tempo médio seguimento >7,5 anos; Tabela 7).

Tabela 7 Resultados de sobrevivência global (OS) do estudo EGF30008 (apenas na população HER2 positiva)

 

Tyverb 1500 mg / dia

Letrozol 2.5 mg /dia

 

+ Letrozol 2.5 mg /dia

+ placebo

 

N = 111

N = 108

Análises de OS pré-planeada (realizada no momento da análise do PFS final, 03 junho 2008)

Seguimento médio (anos)

2,64

2,64

Mortes (%)

50 (45)

54 (50)

Hazard Ratioa (IC 95%), valor

0,77 (0,52; 1,14); 0,185

de pb

 

 

Análise de OS final (análise post-hoc, 07 Agosto 2013)

 

Seguimento médio (anos)

7,78

7,55

Mortes (%)

86 (77)

78 (72)

Hazard Ratio (IC 95%), valor

0,97 (0,07;1,33); 0,848

de p

 

 

Valores médios da análise Kaplan-Meier; HR e valores de p dos modelos de regressão de COX ajustados para factores de prognóstico importantes.

a.Estimativa do hazard ratio do tratamento, no qual <1 indica um risco diminuido com letrozol 2,5 mg + lapatinib 1500 mg em comparação com letrozol 2,5 mg + placebo.

b.Valor de p do modelo de regressão de Cox, estratificação para o local da doença e para a terapêutica prévia adjuvante durante o rastreio.

Efeitos dos alimentos na exposição ao lapatinib

A biodisponibilidade e, consequentemente, as concentrações plasmáticas de lapatinib são aumentadas pelos alimentos, dependendo do conteúdo e da altura da refeição. A administração de lapatinib uma hora após a refeição resulta num aumento de, aproximadamente, 2-3 vezes a exposição sistémica, comparativamente à administração uma hora antes da refeição (ver secções 4.5 e 5.2).

A Agência Europeia de Medicamentos dispensou a obrigação de apresentação dos resultados dos estudos com Tyverb em todos os subgrupos da população pediátrica no tratamento do cancro da mama (ver secção 4.2 para informação sobre utilização pediátrica).

5.2Propriedades farmacocinéticas

Absorção

A biodisponibilidade absoluta de lapatinib após administração oral é desconhecida, contudo é incompleta e variável (coeficiente de variação aproximadamente 70% na AUC). As concentrações serológicas surgem após um tempo médio de latência de 0,25 horas (variável entre 0 a 1,5 horas). O pico de concentração plasmática (Cmáx) de lapatinib é atingido aproximadamente 4 horas após administração. Com a dose diária de 1250 mg obtêm-se valores de média geométrica (coeficiente de variação) de Cmáx 2,43 (76%) µg/ml e valores de AUC de 36,2 (79%) µg*hr/ml, no estado de equilíbrio.

A exposição sistémica ao lapatinib aumenta quando é administrado com alimentos. Os valores de AUC de lapatinib foram aproximadamente 3 e 4 vezes superiores (Cmax aproximadamente 2,5 e 3 vezes superior) quando administrado com uma refeição baixa em gordura (5% gordura [500 calorias]) ou com uma refeição rica em gordura (50% gordura [1000 calorias]), respetivamente, em comparação com a administração em jejum. A exposição sistémica ao lapatinib é também afetada pelo tempo entre a administração e a ingestão de alimentos. Comparativamente à administração 1 hora antes de um pequeno-almoço baixo em gordura, os valores médios de AUC foram aproximadamente 2 e 3 vezes superiores, quando lapatinib foi administrado 1 hora após uma refeição baixa ou rica em gordura, respetivamente.

Distribuição

O lapatinib liga-se fortemente (mais de 99%) à albumina e à glicoproteína acídica alfa-1. Os estudos realizados in vitro indicam que lapatinib é um substrato dos transportadores BCRP (ABCG1) e da glicoproteína-p (ABCB1). O lapatinib demonstrou também in vitro inibir estes transportadores de efluxo, assim como o transportador hepático OATP 1B1, em concentrações clínicas relevantes (os valores de CI50 foram iguais a 2,3 µg/ml). Não se conhece o significado clínico destes efeitos sobre a farmacocinética de outros medicamentos ou sobre a atividade farmacológica de outros medicamentos antineoplásicos.

Biotransformação

O lapatinib é extensamente metabolizado, principalmente pelo CYP3A4 e CYP3A5, com menor contribuição do CYP2C19 e CYP2C8, a uma variedade de metabolitos oxidados, nenhum dos quais contribuindo para mais do que 14% da dose libertada nas fezes ou 10% da concentração de lapatinib no plasma.

O lapatinib inibe in vitro o CYP3A (Ki 0,6 a 2,3 µg/ml) e o CYP2C8 (0,3 µg/ml) em concentrações clínicas relevantes. O lapatinib não inibe significativamente as seguintes enzimas nos microssomas hepáticos humanos: CYP1A2, CYP2C9, CYP2C19, e CYP2D6 ou enzimas UGT (os valores de CI50 in vitro foram superiores ou iguais a 6,9 µg/ml).

Eliminação

O tempo de semivida avaliado para lapatinib após administração de doses únicas aumenta com o aumento da dose. Contudo, a dose diária de lapatinib levou a que fosse atingido o estado de equilíbrio em 6 a 7 dias, indicando um tempo de semivida efetivo de 24 horas. O lapatinib é predominantemente eliminado por metabolização pelo CYP3A4/5. A excreção biliar também pode contribuir para a sua eliminação. A principal via de excreção do lapatinib e seus metabolitos é pelas fezes. A percentagem de lapatinib inalterado recuperado nas fezes conta para uma média de 27% (intervalo entre 3 a 67%) de uma dose oral. Uma percentagem inferior a 2% da dose oral administrada é excretada na urina (como lapatinib e metabolitos).

Compromisso renal

A farmacocinética de lapatinib não foi especificamente estudada em doentes com compromisso renal ou submetidos a hemodiálise. Os dados disponíveis sugerem que não é necessário um ajuste da dose em doentes com compromisso renal ligeiro a moderado.

Compromisso hepático

A farmacocinética de lapatinib foi avaliada em doentes com compromisso hepático moderado (n=8) ou grave (n=4) (escala de Child-Pugh de 7-9, ou superior a 9, respetivamente) e em 8 doentes saudáveis como controlo. A exposição sistémica (AUC) ao lapatinib após uma dose única oral de 100 mg aumentou aproximadamente 56% e 85% em doentes com compromisso hepático moderado e grave, respetivamente. A administração de lapatinib a doentes com compromisso hepático deve ser feita com precaução (ver secções 4.2 e 4.4).

5.3Dados de segurança pré-clínica

O lapatinib foi estudado em ratos fêmea e coelhas grávidas em doses orais de 30, 60 e 120 mg/kg/dia. Não ocorreram efeitos teratogénicos; contudo, ocorreram pequenas anomalias (artéria umbilical do lado esquerdo, apófise cervical e ossificação precoce) em ratos com 60 mg/kg/dia (4 vezes a exposição clínica humana esperada). Nos coelhos, o lapatinib foi associado a toxicidade materna em doses de 60 e 120 mg/Kg/dia (8% e 23% da exposição clínica humana esperada, respetivamente) e ocorrência de aborto com 120 mg/Kg/dia. Com 60 mg/kg/dia ocorreu diminuição do peso corporal do feto e alterações menores no esqueleto. Nos estudos de desenvolvimento pré- e pós-natal no rato,

ocorreu uma diminuição na sobrevivência das crias entre o nascimento e 21 dias do pós-natal a doses de 60 mg/Kg/dia ou superiores (5 vezes a exposição clínica humana esperada). A dose sem efeito mais elevada usada neste estudo foi de 20 mg/Kg/dia.

Em estudos de carcinogenicidade oral com lapatinib, foram observadas lesões cutâneas graves com as doses mais altas testadas que originaram exposições até 2 vezes a AUC no ratinho e rato macho e até 15 vezes no rato fêmea, comparativamente à exposição humana com 1250 mg de lapatinib uma vez por dia. Não houve evidência de carcinogenicidade no ratinho. No rato, a incidência de hemangioma benigno dos nódulos linfáticos mesentéricos foi superior nalguns grupos do que nos grupos controlo. Houve também um aumento nos enfartes renais e na necrose papilar no rato fêmea, a exposições 7 a 10 vezes superior às humanas com 1250 mg de lapatinib uma vez por dia. A relevância destes dados para o ser humano é incerta.

Não ocorreram efeitos na função gonadal, acasalamentos, ou fertilidade nos ratos macho ou fêmea nas doses até 120 mg/Kg/dia (fêmeas) e até 180 mg/Kg/dia (machos) (8 e 3 vezes a exposição clínica humana esperada, respetivamente). É desconhecido o efeito sobre a fertilidade humana.

O lapatinib não apresentou características clastogénicas ou mutagénicas no conjunto de testes realizados incluindo o ensaio de aberração cromossómica em hamsters Chineses, o ensaio de Ames, o ensaio de aberrações cromossómicas nos linfócitos humanos e o ensaio de aberração cromossómica em medula de rato in vivo.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1.Lista dos excipientes

Núcleo:

Celulose microcristalina

Povidona (K30)

Carboximetilamido sódico (Tipo A)

Estearato de magnésio

Revestimento:

Hipromelose

Dióxido de titânio (E171) Macrogol 400 Polissorbato 80

Óxido de ferro amarelo (E172) Óxido de ferro vermelho (E172)

6.2Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3Prazo de validade

2 anos.

6.4Precauções especiais de conservação

Não conservar acima de 30ºC.

6.5Natureza e conteúdo do recipiente

Tyverb está disponível em blisters ou frascos.

Blisters

Posologia da associação Tyverb/ capecitabina

Cada embalagem de Tyverb contém 70 comprimidos revestidos por película em blisters (poliamida / alumínio / cloreto de polivinilo / alumínio) de 10 comprimidos cada. Cada blister apresenta uma perfuração no centro, permitindo a sua separação na dose diária de 5 comprimidos.

As embalagens múltiplas contêm 140 comprimidos revestidos por película (2 embalagens de 70).

Posologia da associação Tyverb/ inibidor da aromatase

Cada embalagem de Tyverb contém 84 comprimidos revestidos por película em blisters (poliamida / alumínio / cloreto de polivinilo / alumínio) de 12 comprimidos cada. Cada blister apresenta uma perfuração no centro, permitindo a sua separação na dose diária de 6 comprimidos.

Frascos

Tyverb está também disponível em frascos de polietileno de alta densidade (HDPE) com fecho de polipropileno resistente à abertura por crianças que contém 70, 84, 105 ou 140 comprimidos revestidos por película.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6Precauções especiais de eliminação

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Novartis Europharm Limited

Frimley Business Park

Camberley GU16 7SR

United Kingdom

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/07/440/001-007

9.DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 10 junho 2008

Data da última renovação: 10 junho 2013

10.DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) http://www.ema.europa.eu.

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados