Portuguese
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Xiapex (collagenase Clostridium histolyticum) – Resumo das características do medicamento - M09AB02

Updated on site: 11-Oct-2017

Nome do medicamentoXiapex
Código ATCM09AB02
Substânciacollagenase Clostridium histolyticum
FabricanteSwedish Orphan Biovitrum AB

1.NOME DO MEDICAMENTO

Xiapex 0,9 mg pó e solvente para solução injetável

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada frasco para injetáveis contém 0,9 mg de colagenase de clostridium histolyticum *.

*Uma formulação de duas enzimas de colagenase coexpressas e colhidas a partir da fermentação anaeróbia de uma estirpe da bactéria Clostridium histolyticum selecionada fenotipicamente.

Excipientes com efeito conhecido:

Sódio injetado por articulação no tratamento da contratura de Dupuytren:

Articulações metacarpofalângicas (MF): 0,9 mg,

Articulações interfalângicas proximais (IFP): 0,7 mg.

Sódio injetado por placa no tratamento da doença de Peyronie: 0,9 mg.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Pó e solvente para solução injetável.

O pó é um pó branco liofilizado.

O solvente é uma solução límpida e incolor.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1Indicações terapêuticas

O Xiapex é indicado:

No tratamento da contratura de Dupuytren em doentes adultos com cordão palpável.

No tratamento de homens adultos com a doença de Peyronie com uma placa palpável e deformidade em curvatura com pelo menos 30 graus no início da terapêutica (ver secções 4.2 e 4.4).

4.2Posologia e modo de administração

Contratura de Dupuytren

O Xiapex tem de ser administrado por um médico devidamente formado na correta administração do medicamento e experiente no diagnóstico e tratamento da doença de Dupuytren.

Posologia

A dose recomendada de Xiapex, num cordão palpável de Dupuytren é 0,58 mg por injeção. O volume de solvente necessário e o volume de Xiapex reconstituído a ser administrado no cordão de Dupuytren difere dependendo do tipo de articulação a ser tratada (para instruções de reconstituição, ver

secção 6.6, Tabela 13).

Para cordões que afetam articulações metacarpofalângicas (MF), cada dose é administrada num volume de injeção de 0,25 ml.

Para cordões que afetam articulações interfalângicas proximais (IFP), cada dose é administrada num volume de injeção de 0,20 ml.

Podem administrar-se injeções até dois cordões ou duas articulações afetadas na mesma mão, de acordo com o procedimento de injeção durante a visita de tratamento. Podem injetar-se dois cordões palpáveis que afetam duas articulações ou um cordão palpável que afeta duas articulações no mesmo dedo em dois locais durante uma visita de tratamento. Cada injeção contém uma dose de 0,58 mg. Se a doença tiver resultado em contraturas múltiplas, podem tratar-se cordões adicionais noutras visitas de tratamento, com um intervalo de aproximadamente 4 semanas.

Aproximadamente 24-72 horas após a injeção, se necessário, pode ser aplicado um procedimento de extensão do dedo para facilitar a rutura do cordão. Se não for obtida uma resposta satisfatória, a injeção e o procedimento de extensão do dedo podem ser repetidos após aproximadamente 4 semanas. As injeções e os procedimentos de extensão do dedo podem ser aplicados até 3 vezes por cordão em intervalos de aproximadamente 4 semanas.

A experiência em estudos clínicos com Xiapex está atualmente limitada até 3 injeções por cordão e até 8 injeções no total.

Doença de Peyronie

Xiapex deve ser administrado por um médico devidamente treinado na administração correta do medicamento e com experiência no diagnóstico e tratamento de doenças urológicas masculinas. Doentes com uma curvatura peniana >90° não foram incluídos nos estudos clínicos. Por conseguinte, o tratamento neste grupo não pode ser recomendado.

Posologia

A dose recomendada de Xiapex é de 0,58 mg por injeção administrada numa placa de Peyronie. O volume de Xiapex reconstituído a ser administrado na placa é de 0,25 ml (para instruções de reconstituição, ver secção 6.6, Tabela 13). Se estiver presente mais do que uma placa, deverá injetar-se apenas a placa que causa a deformidade em curvatura.

Um regime de tratamento consiste num máximo de 4 ciclos de tratamento. Cada ciclo de tratamento consiste em duas injeções de Xiapex e um procedimento de modelação peniana. A segunda injeção de Xiapex é administrada 1 a 3 dias após a primeira injeção. O procedimento de modelação peniana é realizado 1 a 3 dias após a segunda injeção de cada ciclo de tratamento. O intervalo entre ciclos de tratamento é de aproximadamente 6 semanas.

Populações especiais

Idosos

Devido à falta de níveis quantificáveis de exposição sistémica ao Xiapex em doentes com contratura de Dupuytren e à exposição sistémica mínima e de curta duração de Xiapex em doentes com doença de Peyronie, não é necessário ajuste da dose. De uma forma geral, não foram observadas diferenças na segurança e efetividade entre os doentes idosos e os doentes mais jovens.

Afeção hepática

Devido à falta de níveis quantificáveis de exposição sistémica ao Xiapex em doentes com contratura de Dupuytren e à exposição sistémica mínima e de curta duração de Xiapex em doentes com doença de Peyronie, não é necessário ajuste da dose.

Compromisso renal

Devido à falta de níveis quantificáveis de exposição sistémica ao Xiapex em doentes com contratura de Dupuytren e à exposição sistémica mínima e de curta duração de Xiapex em doentes com doença de Peyronie, não é necessário ajuste da dose.

População pediátrica

Xiapex não deve ser utilizado na população pediátrica com 0-18 anos de idade para o tratamento da contratura de Dupuytren.

A doença de Peyronie ocorre exclusivamente em doentes adultos do sexo masculino e, por isso, Xiapex não deve ser utilizado na população pediátrica com 0-18 anos de idade para o tratamento da doença de Peyronie.

Modo de administração

Uso intralesional.

O Xiapex tem de ser reconstituído com o solvente fornecido e com o volume apropriado antes da injeção intralesional (ver secção 6.6).

Deve utilizar-se uma seringa de utilização única com graduações de 0,01 ml com uma agulha de 12-13 mm de calibre 27 permanentemente fixa (não fornecida) para extrair o volume de solução reconstituída. Restará uma pequena quantidade de solução reconstituída no frasco para injetáveis.

Para instruções acerca da reconstituição do medicamento antes da administração, ver secção 6.6.

Contratura de Dupuytren

Procedimento de injeção

Não se recomenda a administração de um medicamento anestésico local antes da injeção de Xiapex num cordão de Dupuytren, uma vez que pode interferir com o posicionamento correto da injeção.

A articulação a ser tratada (MF ou IFP) deve ser confirmada e o volume de solvente necessário para a reconstituição é determinado pelo tipo de articulação (uma articulação IFP requer um volume menor para a injeção). O procedimento de injeção é descrito em pormenor no folheto informativo e no material de formação do médico, devendo ser cumprido.

Os doentes devem ser instruídos a:

Voltar ao seu médico aproximadamente 24 – 72 horas após a injeção para um exame à mão injetada e para um procedimento de extensão do dedo para a rutura do cordão.

Não fletir ou estender os dedos da mão injetada, de forma a reduzir a extravasão do Xiapex para fora do cordão, até que o procedimento de extensão do dedo esteja concluído.

Não tentar, em momento algum, romper o cordão injetado por automanipulação.

Elevar a mão injetada tanto quanto possível até ao dia a seguir ao procedimento de extensão do dedo.

Procedimento de extensão do dedo

Na visita de seguimento, aproximadamente 24 – 72 horas após a injeção, deverá ser verificado se a contratura foi resolvida. Se a contratura do cordão permanecer, será efetuado um procedimento de extensão passiva do dedo numa tentativa de romper o cordão. Durante o procedimento de extensão do dedo pode utilizar-se, se necessário, anestesia local.

Enquanto o pulso do doente se encontra em posição fletida, deve ser aplicada uma pressão moderada de alongamento no cordão injetado, estendendo o dedo durante, aproximadamente, 10 a 20 segundos. Para cordões que afetam a articulação IFP, o procedimento de extensão do dedo deve ser efetuado quando a articulação MF está numa posição fletida. Se o primeiro procedimento de extensão do dedo não resultar na rutura do cordão, podem ser efetuadas uma segunda e terceira tentativas em intervalos de 5 a 10 minutos. Não se recomendam mais de 3 tentativas (por articulação afetada) para romper o cordão.

Se, após 3 tentativas de extensão, o cordão não romper, deve programar-se uma visita de seguimento para, aproximadamente, 4 semanas após a injeção. Se nesta visita subsequente a contratura do cordão persistir, pode ser administrada uma injeção adicional e ser efetuado o procedimento de extensão do dedo.

Após o(s) procedimento(s) de extensão do dedo e após a colocação de uma tala no doente (com a articulação tratada em extensão máxima), os doentes devem ser instruídos a:

Não efetuarem atividades enérgicas com a mão injetada até serem informados de que o podem fazer.

Usarem a tala durante a noite durante até 4 meses.

Efetuarem uma série de exercícios de flexão e extensão do dedo várias vezes por dia, durante vários meses.

Doença de Peyronie

Procedimento de injeção

Sempre que desejado, a administração de anestesia regional (bloqueio peniano) ou de anestesia tópica poderá ser efetuada antes da injeção de Xiapex. Nos estudos clínicos principais, cerca de 30% dos doentes receberam bloqueio peniano antes da injeção.

A localização da zona de tratamento alvo na placa de Peyronie é identificada no ponto de concavidade máxima (ou ponto focal) no estado de pénis ereto e marcado com um marcador cirúrgico. Xiapex deve ser injetado na placa alvo quando o pénis está em estado flácido. O procedimento de injeção é descrito em pormenor no folheto informativo e no material de formação do médico, devendo ser cumprido.

Procedimento de modelação peniana

A modelação peniana ajuda a aliviar a deformidade em curvatura e a endireitar o eixo do pénis. Na visita de seguimento, 1 a 3 dias após a segunda injeção de cada ciclo de tratamento, o médico qualificado deve realizar um procedimento de modelação peniana no pénis flácido para esticar e alongar a placa tratada que Xiapex rompeu. Se desejado, pode aplicar-se anestesia local antes da modelação. Usando luvas, o médico deverá agarrar na placa ou porção endurecida do pénis flácido a uma distância de cerca de 1 cm proximal e distal do local de injeção. Deve evitar-se a pressão direta sobre o local de injeção. A placa alvo é utilizada como ponto de apoio das duas mãos para aplicar com firmeza uma pressão constante para alongar e esticar a placa. O objetivo é criar gradualmente uma curvatura oposta à curvatura do pénis do doente, esticando até ao ponto de resistência moderada.

A pressão no pénis deve ser mantida durante 30 segundos, sendo a seguir libertada com um período de repouso de 30 segundos antes de repetir a técnica de modelação peniana até um total de 3 tentativas de modelação com 30 segundos para cada tentativa.

Além do procedimento de modelação peniana em ambulatório, devem ser dadas instruções aos doentes sobre a técnica apropriada para os próprios efetuarem atividades de modelação peniana em casa todos os dias durante o período de 6 semanas após a visita ao médico para modelação da placa peniana de cada ciclo de tratamento, de acordo com as instruções detalhadas apresentadas no folheto informativo.

Se a deformidade em curvatura for inferior a 15 graus após o primeiro, segundo ou terceiro ciclo de tratamento, ou se o médico determinar que não é clinicamente indicado tratamento adicional, então os ciclos de tratamento subsequentes não devem ser administrados.

A segurança de mais de um regime de tratamento com Xiapex para a doença de Peyronie não é conhecida.

4.3Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

O tratamento de placas de Peyronie que envolvem a uretra peniana devido ao risco potencial para esta estrutura.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Reações alérgicas

Após a injeção de Xiapex, poderá ocorrer uma reação alérgica intensa e os doentes devem ser observados durante 30 minutos antes de terem alta para monitorização de sinais ou sintomas de uma reação alérgica grave, por exemplo, uma erupção cutânea ou vermelhidão generalizadas, edema, aperto na garganta ou dificuldade em respirar. Devem ser dadas instruções aos doentes para

consultarem imediatamente um médico se tiverem qualquer um destes sinais ou sintomas. Deve estar disponível medicação de emergência para o tratamento destas potenciais reações alérgicas.

Num estudo clínico pós-comercialização foi notificada uma reação anafilática num doente que tinha tido exposição prévia ao Xiapex para o tratamento da contratura de Dupuytren, demonstrando que podem ocorrer reações intensas incluindo anafilaxia após injeções de Xiapex. Alguns doentes com contratura de Dupuytren desenvolveram anticorpos IgE anti-medicamento em proporções maiores e títulos mais elevados com injeções sucessivas de Xiapex.

No segmento em dupla ocultação dos três estudos clínicos de fase 3, controlados por placebo na contratura de Dupuytren, 17% dos doentes tratados com Xiapex tiveram reações ligeiras (tal como prurido) após até 3 injeções. A incidência de prurido associado a Xiapex aumentou após mais injeções de Xiapex em doentes com contratura de Dupuytren.

No segmento em dupla ocultação dos dois ensaios clínicos de fase 3, controlados com placebo, na doença de Peyronie, uma maior proporção de doentes tratados com Xiapex (4%) tiveram prurido localizado em comparação com os doentes tratados com placebo (1%), após até 4 ciclos de tratamento (envolvendo até 8 injeções de Xiapex). A incidência de prurido associado a Xiapex foi semelhante após cada injeção independentemente do número de injeções administradas.

Rutura do tendão ou outros ferimentos graves na mão/dedo injetado no tratamento da contratura de Dupuytren

O Xiapex só pode ser injetado no cordão de Dupuytren. Uma vez que o Xiapex provoca a lise do colagénio, deve-se ter cuidado para evitar a injeção nos tendões, nervos, vasos sanguíneos ou outras estruturas da mão contendo colagénio. A injeção de Xiapex em estruturas contendo colagénio pode resultar na danificação dessas estruturas e em lesões permanentes tais como rutura do tendão ou lesão no ligamento. Deve ter-se cuidado ao injetar Xiapex em cordões que contraem articulações IFP dado que os estudos clínicos indicam haver um risco acrescido de rutura de tendão e de lesão de ligamentos associadas ao tratamento de contraturas IFP com Xiapex. Isto é particularmente importante em cordões situados na articulação IFP do quinto dedo. Ao injetar um tendão que afete uma articulação IFP do 5° dedo, a inserção da agulha não pode ter mais de 2 ou 3 mm de profundidade e não pode distar mais de 4 mm da prega palmar. Os doentes devem ser instruídos para seguirem as instruções de tratamento (ver secção 4.2) e para contactarem imediatamente o médico, se após a diminuição do edema, tiverem dificuldades em fletir o dedo (sintomas de rutura do tendão).

A maioria dos doentes com rutura ou lesão de tendões/ligamentos foram submetidos ulteriormente a uma reparação cirúrgica bem sucedida. O diagnóstico precoce e a avaliação e tratamento imediatos são importantes porque a rutura de tendão/lesão de ligamentos tem o potencial de afetar a função global da mão.

Os doentes com contraturas de Dupuytren que aderem à pele, podem correr um risco maior de lesões na pele que cobre o cordão alvo, devido ao efeito farmacológico do Xiapex e ao procedimento de extensão do dedo.

Foram notificados casos de laceração cutânea exigindo enxerto de pele após procedimentos de extensão do dedo, após a comercialização. Os sinais ou sintomas que podem refletir uma lesão grave do dedo/mão tratados após a injeção ou a manipulação devem ser prontamente avaliados, porque pode ser necessária uma intervenção cirúrgica. Foi demonstrada uma taxa mais elevada de laceração cutânea após duas injeções simultâneas na mesma mão num ensaio controlado após a comercialização (ver também secção 4.8).

Rutura do corpo (fratura peniana) ou outra lesão grave do pénis no tratamento da doença de Peyronie A injeção de Xiapex em estruturas contendo colagénio como os corpos cavernosos do pénis, pode resultar em lesão destas estruturas e em possíveis lesões tais como rutura do corpo (fratura peniana). Por conseguinte, Xiapex tem de ser injetado apenas na placa de Peyronie e deve ter-se o cuidado de evitar injetar na uretra, nervos, vasos sanguíneos, corpos cavernosos ou outras estruturas do pénis que contenham colagénio.

Foi notificada rutura do corpo como reação adversa grave após a injeção de Xiapex em 5 de um total de 1.044 doentes (0,5%) nos ensaios controlados e não controlados da doença de Peyronie. Noutros doentes tratados com Xiapex (9 de um total de 1.044; 0,9%), foi notificada uma associação de equimoses e hematoma do pénis, detumescência súbita do pénis e /ou de um som ou sensação de “estalido” no pénis e, nestes casos, não pode ser excluído um diagnóstico de rutura do corpo.

O hematoma peniano severo foi também notificado como reação adversa em 39 de um total de 1.044 doentes (3,7%) nos estudos clínicos controlados e não controlados da doença de Peyronie.

Os sinais e sintomas que podem refletir uma lesão grave do pénis devem ser prontamente avaliados para determinar a presença de rutura do corpo ou de hematoma peniano severo, que podem exigir intervenção cirúrgica.

Utilização em doentes com distúrbios de coagulação

O Xiapex deve ser utilizado com precaução em doentes com distúrbios de coagulação ou que estejam a tomar anticoagulantes. Nos três estudos clínicos de fase 3 em dupla ocultação, controlados por placebo na contratura de Dupuytren, 73 % dos doentes tratados com Xiapex notificaram uma equimose ou uma contusão e 38% notificaram uma hemorragia no local da injeção. Nos dois estudos de fase 3 em dupla ocultação, controlados com placebo, na doença de Peyronie, 65,5% dos doentes tratados com Xiapex desenvolveram hematoma peniano e 14,5% desenvolveram equimose peniana. Não é conhecida a eficácia e a segurança do Xiapex em doentes a receber medicamentos anticoagulantes, com exceção para um máximo de 150 mg diários de ácido acetilsalicílico antes da administração do Xiapex. Não é recomendada a utilização de Xiapex em doentes que receberam anticoagulantes (com exceção para um máximo de 150 mg diários de ácido acetilsalicílico) nos 7 dias anteriores a receberem uma injeção de Xiapex.

Imunogenicidade

Tal como com qualquer outro medicamento derivado de proteína não humana, os doentes podem desenvolver anticorpos contra a proteína terapêutica. Durante os estudos clínicos, amostras sanguíneas dos doentes com contratura de Dupuytren e doença de Peyronie foram analisadas em diferentes tempos de forma a detetar a presença de anticorpos contra os componentes da proteína do medicamento (AUX-I e AUX-II).

Nos ensaios clínicos na contratura de Dupuytren após 30 dias da primeira injeção, foram detetados anticorpos circulantes contra AUX-I em 92% dos doentes e contra AUX-II em 86% dos doentes. Decorridos cinco anos após a primeira injeção de Xiapex, 92,8% e 93,4% dos indivíduos eram seropositivos respetivamente para anti-AUX-I e anti-AUX-II.

Quase todos os doentes tiveram títulos positivos para os anticorpos anti-AUX-I (97,9%) e para os anticorpos anti-AUX-II (97,5%) 60 dias após duas injeções concomitantes.

Nos estudos clínicos na doença de Peyronie, 6 semanas após o primeiro ciclo de tratamento com Xiapex, aproximadamente 75% dos doentes tinha anticorpos contra AUX-I e aproximadamente 55% dos doentes tinha anticorpos contra AUX-II. Seis semanas após a oitava injeção (quarto ciclo de tratamento) de Xiapex >99% dos doentes tratados com Xiapex desenvolveram títulos elevados de anticorpos contra AUX-I e contra AUX-II. Foram analisados os anticorpos neutralizantes de um subconjunto de 70 amostras selecionado por representar respostas com títulos altos e baixos de anticorpos ligantes na semana 12 de tratamento. Em cada indivíduo no qual foi selecionada uma amostra da Semana 12, foram analisadas as amostras correspondentes das Semanas 6, 18, 24 e 52 para determinar se eram também positivas para anticorpos ligantes. Foram detetados anticorpos neutralizantes contra AUX-I ou AUX-II, respetivamente em 60% e 51,8% dos doentes testados.

Em doentes tratados para estas duas indicações, não se observou qualquer correlação aparente entre a frequência de anticorpos, títulos de anticorpos ou estado neutralizante e a resposta clínica ou reações adversas.

Uma vez que as enzimas presentes no XIAPEX têm alguma homologia sequencial com as metaloproteinases (MMPs) da matriz humana, anticorpos contra o medicamento podem teoricamente interferir com as MMPs humanas. Não foram observadas questões de segurança relacionadas com a inibição das MMPs endógenas, em particular não foram observados acontecimentos adversos que indiquem o desenvolvimento ou a exacerbação de doenças autoimunes ou o desenvolvimento de síndrome musculosquelética (MSS). Embora não haja evidência clínica do desenvolvimento de síndrome musculosquelética após a administração de Xiapex, a partir dos dados de segurança atuais, a possibilidade para que ocorra não pode ser excluída. Se se desenvolver esta síndrome, ocorrerá progressivamente e é caracterizado por um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: artralgia, mialgia, rigidez articular, rigidez dos ombros, edema da mão, fibrose palmar e espessamento ou formação de nódulos nos tendões.

Cirurgia pós-tratamento

Não é conhecido o impacto do tratamento com Xiapex na cirurgia subsequente, se necessária.

Patologias/doenças específicas do pénis não estudadas em ensaios clínicos

O tratamento com Xiapex em doentes com uma placa calcificada que poderia ter interferido com a técnica de injeção, curvatura na presença ou ausência de hipospadia, trombose da artéria e/ou veia dorsal do pénis, infiltração por uma massa benigna ou maligna causando curvatura do pénis, infiltração por um agente infeccioso, como no lymphogranuloma venereum, curvatura ventral por qualquer causa e deformidade isolada do pénis em forma de ampulheta não foi estudado e o tratamento nestes doentes deverá ser evitado.

A segurança a longo prazo de Xiapex na doença de Peyronie não está completamente caracterizada.

Excipientes

Este medicamento contém menos de 1 mmol de sódio (23 mg) por dose, ou seja, é praticamente “isento de sódio”.

4.5Interações medicamentosas e outras formas de interação

Não foram realizados estudos formais de interações medicamentosas com o Xiapex. Não há uma exposição sistémica quantificável após uma injeção única de Xiapex em doentes com contratura de Dupuytren e há apenas uma exposição sistémica mínima e de curta duração de Xiapex em doentes com doença de Peyronie.

Não existem diferenças clinicamente significativas na incidência de acontecimentos adversos após o tratamento com Xiapex com base na gravidade de uma disfunção erétil na linha de base ou na utilização concomitante de inibidores da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5).

Embora não exista evidência clínica de uma interação em concentrações farmacologicamente relevantes entre os antibióticos da família das tetraciclinas e das antraciclinas e derivados de antraquinona e o Xiapex, foi demonstrado que tais derivados inibem in vitro a degradação do colagénio mediado pelas metaloproteinases da matriz. Desta forma, não é recomendada a utilização de Xiapex em doentes que tomaram antibióticos da família das tetraciclinas (por ex. doxiciclina) no prazo de 14 dias antes da administração da injeção de Xiapex.

4.6Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez e fertilidade

Não existem dados clínicos sobre a exposição ao Xiapex durante a gravidez. Os estudos em animais não indicam efeitos nefastos diretos ou indiretos no que respeita à fertilidade, gravidez ou desenvolvimento embrionário/fetal, (ver secção 5.3). Não foram efetuados estudos sobre a gestação ou desenvolvimento pós-natal em animais, uma vez que os estudos farmacocinéticos em seres humanos demonstram que os níveis de Xiapex não são quantificáveis na circulação sistémica após a injeção do cordão de Dupuytren (ver secção 5.1). Após administração repetida, os doentes desenvolveram anticorpos contra o medicamento e não pode ser excluída a reatividade cruzada destes versus as

MMPs endógenas envolvidas na gestação e no parto. É desconhecido o risco potencial para o ser humano na gestação e desenvolvimento pós-natal. Desta forma a utilização de Xiapex não é recomendada na gravidez e o tratamento deve ser adiado para depois da gravidez.

A doença de Peyronie ocorre exclusivamente em doentes adultos do sexo masculino e, por isso, não existe informação relevante para utilização em mulheres. Os níveis baixos de Xiapex foram quantificados no plasma de doentes do sexo masculino avaliáveis durante um período até 30 minutos após a administração de Xiapex na placa peniana de doentes com doença de Peyronie (ver secção 5.2).

Amamentação

Desconhece-se se a colagenase de clostridium histolyticum é excretada no leite humano. Devem tomar-se precauções quando Xiapex é administrado a uma mulher que está a amamentar.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

O Xiapex pode ter efeitos consideráveis sobre capacidade de conduzir e utilizar máquinas devido ao edema e dor que pode prejudicar a utilização da mão tratada na doença de Dupuytren. Foram também notificados, após a injeção de Xiapex, outros efeitos reduzidos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas incluindo tonturas, parestesia, hipoestesia e cefaleias. Os doentes devem ser instruídos a evitar tarefas potencialmente perigosas como conduzir e utilizar máquinas até que seja seguro fazê-lo ou como aconselhado pelo médico.

4.8Efeitos indesejáveis

Contratura de Dupuytren

Resumo do perfil de segurança

As reações adversas notificadas mais frequentemente durante os estudos clínicos com Xiapex (272 de um total de 409 doentes receberam até três injeções únicas de Xiapex e 775 doentes receberam duas injeções concomitantes na mesma mão) foram reações no local de injeção tais como edema periférico (junto ao local de injeção), contusões (incluindo equimoses), hemorragia no local de injeção e dor no local de injeção. As reações no local de injeção foram muito frequentes, ocorrendo na grande maioria dos doentes, sendo geralmente de gravidade ligeira a moderada e geralmente desapareceram 1-2 semanas após a injeção. Foram notificadas reações adversas graves relacionadas com o medicamento, de rutura de tendão (6 casos), tendinites (1 caso), outras lesões de ligamentos (2 casos) e síndrome de dor regional complexo (1 caso). Foi notificada reação anafilática num doente anteriormente tratado com Xiapex (1 caso).

Lista tabelada de reações adversas

A tabela 1 apresenta as reações adversas listadas por classes de sistemas de órgãos e categorias de frequência, utilizando a seguinte convenção: muito frequentes (≥ 1/10), frequentes (≥ 1/100 a < 1/10), e pouco frequentes (≥ 1/1 000 a < 1/100). Dentro de cada grupo de frequências, as reações adversas são apresentadas por ordem decrescente de gravidade.As reações adversas notificadas a partir do programa clínico são aquelas que ocorreram nos estudos de fase 3 em dupla ocultação controlados por placebo no tratamento da contratura de Dupuytren em doentes adultos com cordão palpável (AUX-CC-857, AUX-CC-859) e nos estudos clínicos pós-comercialização (AUX-CC-864, AUX-CC-867) com duas injeções concomitantes na mesma mão.

Tabela 1: Lista de reações adversas.

Classe de sistema de

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

órgãos

 

 

 

Infeções e infestações

 

 

Celulite no local de injeção

 

 

 

Linfangite

Doenças do sangue e do

Linfadenopatia

Dor nos gânglios

Trombocitopenia

sistema linfático

 

linfáticos

Linfadenite

 

 

 

 

Classe de sistema de

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

órgãos

 

 

 

Doenças do sistema

 

 

Hipersensibilidade

imunitário

 

 

Reação anafilática

Perturbações do foro

 

 

Desorientação

psiquiátrico

 

 

Agitação

 

 

 

Insónia

 

 

 

Irritabilidade

 

 

 

Irrequietude

Doenças do sistema

 

Parestesias

Síndrome de dor regional

nervoso

 

Hipoestesia

complexa

 

 

Sensação de

Monoplegia

 

 

queimadura

Síncope vasovagal

 

 

Tonturas

Tremores

 

 

Cefaleia

Hiperestesia

Afeções oculares

 

 

Edema palpebral

 

 

 

 

Vasculopatias

 

 

Hematoma

 

 

 

Hipotensão

Doenças respiratórias,

 

 

Dispneia

torácicas e do mediastino

 

 

Hiperventilação

 

 

 

 

Doenças gastrointestinais

 

Náuseas

Diarreia

 

 

 

Vómitos

 

 

 

Dor abdominal alta

Afeções dos tecidos

Prurido

Vesícula

Erupção eritematosa ou erupção

cutâneos e subcutâneos

Equimose

sanguinolentaª

cutânea maculosa

 

 

Bolha

Eczema

 

 

Erupção cutânea

Cara inchada

 

 

Eritema

Doenças de pele, como

 

 

Hiperhidrose

exfoliação, lesões na pele, dor,

 

 

 

tensão, alteração de cor ou

 

 

 

crosta

Afeções

Dores nas

Artralgia

Dor na parede torácica, virilha,

musculosqueléticas e dos

extremidades

Massa axilar

pescoço ou ombro

tecidos conjuntivos

 

Tumefação

Mal-estar ou rigidez

 

 

articular

musculosquelético, rigidez ou

 

 

Mialgia

crepitação articular

 

 

 

Mal-estar dos membros

 

 

 

Tendinite

 

 

 

Espasmos ou fraqueza

 

 

 

musculares

 

 

 

 

Doenças dos órgãos

 

 

Hipersensibilidade dolorosa da

genitais e da mama

 

 

mama

 

 

 

Hipertrofia mamária

 

 

 

 

Perturbações gerais e

Edema

Dor axilar

Tumefação local

alterações no local de

periféricoc

Inflamação

Pirexia

administração

Hemorragia, dor

Calor, eritema,

Dor

 

ou tumefação no

inflamação,

Mal-estar

 

local de injeção

vesículas ou

Fadiga

 

Sensibilidade ao

prurido no local de

Sensação de calor

 

toque

injeção

Estado gripal

 

 

Tumefação

Reação, mal-estar, irritação,

 

 

 

anestesia, descamação, nódulo

 

 

 

ou descoloração no local da

Classe de sistema de

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

órgãos

 

 

 

 

 

 

injeção

 

 

 

 

Exames complementares

 

 

Gânglio linfático palpável

de diagnóstico

 

 

Aumento da alanina

 

 

 

aminotransferase

 

 

 

Aumento da aspartato

 

 

 

aminotransferase

 

 

 

Aumento da temperatura

 

 

 

corporal

 

 

 

 

Complicações de

Contusão

Laceração

Rutura de tendão

intervenções

 

cutâneaa,b

Lesão de ligamentos

relacionadas com lesões

 

 

Lesão traumática dos membros

e intoxicações

 

 

Ferida aberta

 

 

 

Deiscência da ferida

a.notificado com uma incidência superior (muito frequente) em doentes que receberam duas injeções concomitantes de Xiapex na mesma mão em comparação com indivíduos tratados com até três injeções únicas nos estudos principais de fase 3 controlados com placebo na contratura de Dupuytren.

b.“laceração cutânea” inclui “laceração no local de injeção” e “laceração”

c.“edema periférico” inclui “edema no local de injeção” e “edema”

A incidência de laceração cutânea (29,1%) foi superior em indivíduos tratados com duas injeções concomitantes de Xiapex no estudo clínico historicamente controlado AUX-CC-867 em comparação com indivíduos tratados com até três injeções únicas nos estudos principais de fase 3 controlados com placebo na contratura de Dupuytren (CORD I e CORD II) (8,8%). A maioria das lacerações cutâneas ocorreram no dia da manipulação. A maior incidência de laceração cutânea pode ser atribuível a procedimentos de extensão do dedo mais vigorosos em doentes depois de terem recebido anestesia na mão. No estudo AUX-CC-867, a maioria dos indivíduos (85%) recebeu anestesia local antes do procedimento de extensão do dedo.

Não houve quaisquer outras diferenças clinicamente relevantes entre duas injeções concomitantes de Xiapex na mesma mão e até três injeções únicas de Xiapex nos tipos de acontecimentos adversos notificados (ou seja, a maioria dos acontecimentos adversos foi local em relação à extremidade tratada e de intensidade ligeira a moderada).

O perfil de segurança global foi semelhante independentemente da altura em que se efetuou o procedimento de extensão do dedo após a injeção (ou seja, 24 horas, 48 horas e ≥72 horas após a injeção) entre os doentes que receberam duas injeções concomitantes de Xiapex no estudo AUX-CC-867.

Doença de Peyronie

Resumo do perfil de segurança

O perfil de segurança global foi semelhante nos dois estudos de Fase 3 em dupla ocultação, controlados com placebo (832 doentes do sexo masculino, 551 doentes tratados com Xiapex) e num estudo aberto de Fase 3 (189 doentes do sexo masculino) de doentes que tinham sido previamente tratados com placebo nos estudos controlados. Nos dois estudos de Fase 3 em dupla ocultação, controlados com placebo, a maior parte das reações adversas consistiu em acontecimentos locais do pénis e região inguinal e a maioria destes acontecimentos teve uma gravidade ligeira ou moderada, e a maior parte (79%) resolveu-se no período de 14 dias após a injeção. O perfil de reações adversas foi semelhante após cada injeção independentemente do número de injeções administradas. As reações adversas ao medicamento mais frequentemente notificadas (≥25%) durante os estudos clínicos controlados de Xiapex foram hematoma peniano, tumefação do pénis e dor no pénis. Foi notificado

hematoma severo do pénis incluindo hematoma severo no local de injeção com a frequência de muito frequentes.

Nos estudos clínicos controlados e não controlados de Xiapex na doença de Peyronie, foram notificadas com pouca frequência rutura do corpo e outras lesões graves do pénis (ver secção 4.4).

Um som semelhante a um “estalido” ou uma sensação de estalido no pénis, por vezes descrito como um “estalo” ou “um som de algo a quebrar” e por vezes acompanhado por detumescência, hematoma e/ou dor, foram notificados em 73/551 (13,2%) doentes tratados com Xiapex e em 1/281 (0,3%) doentes tratados com placebo nos Estudos 1 e 2 combinados.

Lista tabelada de reações adversas

A Tabela 2 apresenta as reações adversas indicadas pelas categorias de classes de sistemas de órgãos e frequência utilizando a seguinte convenção: muito frequentes (≥1/10), frequentes (≥1/100, <1/10), pouco frequentes (≥1/1.000, <1/100) e desconhecida: não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis. As reações adversas são apresentadas por ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência. As reações adversas notificadas com base no programa clínico são as que ocorreram nos estudos de Fase 3, controlados com placebo, em dupla ocultação.

Tabela 2: Lista tabelada de reações adversas

Classe de sistema

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

de órgãos

 

 

 

Infeções e

 

 

Infeção cutânea fúngica

infestações

 

 

Infeção

 

 

 

Infeção respiratória superior

 

 

 

 

Doenças do sangue

 

 

Dor nos gânglios linfáticos

e do sistema

 

 

Eosinofilia

linfático

 

 

Linfadenopatia

 

 

 

 

Doenças do

 

 

Hipersensibilidade a fármacos

sistema imunitário

 

 

Reação anafilática*

 

 

 

 

Doenças do

 

 

Retenção de líquidos

metabolismo e da

 

 

 

nutrição

 

 

 

Perturbações do

 

 

Sonhos anormais

foro psiquiátrico

 

 

Depressão

 

 

 

Inibição sexual

 

 

 

 

Doenças do

 

 

Cefaleia

sistema nervoso

 

 

Tonturas

 

 

 

Disgeusia

 

 

 

Parestesia

 

 

 

Sensação de ardor

 

 

 

Hiperestesia

 

 

 

Hipostesia

 

 

 

 

Afeções do ouvido

 

 

Acufeno

e do labirinto

 

 

 

 

 

 

 

Cardiopatias

 

 

Taquicardia

 

 

 

 

Vasculopatias

 

 

Hematoma

 

 

 

Hipertensão

 

 

 

Hemorragia

Classe de sistema

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

de órgãos

 

 

 

 

 

 

Linfangiopatia

 

 

 

Tromboflebite superficial

 

 

 

 

Doenças

 

 

Tosse

respiratórias,

 

 

 

torácicas e do

 

 

 

mediastino

 

 

 

Doenças

 

 

Distensão abdominal

gastrointestinais

 

 

Obstipação

 

 

 

 

Afeções dos

 

Vesícula sanguinolenta

Eritema

tecidos cutâneos e

 

Alteração da cor da pele

Ulceração do pénis

subcutâneos

 

 

Erupção eritematosa

 

 

 

Suores noturnos

 

 

 

Anomalia, nódulo, granuloma,

 

 

 

bolha, irritação ou edema da

 

 

 

pele

 

 

 

Doenças da pigmentação

 

 

 

Hiperpigmentação cutânea

 

 

 

 

Afeções

 

 

Dorsalgia, dor púbica ou

musculosqueléticas

 

 

inguinal

e dos tecidos

 

 

Afeção dos ligamentos

conjuntivos

 

 

Dores ligamentares

 

 

 

Mal-estar musculosquelético

 

 

 

 

Doenças renais e

 

 

Disúria

urinárias

 

 

Urgência urinária

 

 

 

 

Doenças dos

Hematomaa,

Vesícula do pénis

Aderência do pénis

órgãos genitais e

tumefaçãob, dorc

Prurido genital

Anomalia do pénis

da mama

ou equimosed do

Ereção dolorosa

Progressão da doença de

 

pénis

Disfunção erétil

Peyronie

 

 

Dispareunia

Disfunção sexual

 

 

Eritema peniano

Eritema escrotal

 

 

 

Mal-estar genital

 

 

 

Hemorragia genital

 

 

 

Dor pélvica

 

 

 

Pénis pequeno

 

 

 

Trombose das veias penianas

 

 

 

Edema do escroto

 

 

 

Dor no escroto

 

 

 

 

Perturbações

 

Vesículas ou prurido no

Sensação de calor

gerais e alterações

 

local de injeção

Reação ou descoloração no

no local de

 

Edema localizado

local de injeção

administração

 

Nódulo

Pirexia

 

 

Dor suprapúbica

Tumefação

 

 

 

Astenia

 

 

 

Arrepios

 

 

 

Quisto

 

 

 

Induração

 

 

 

Estado gripal

 

 

 

Edema

 

 

 

Descarga de secreção

Classe de sistema

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

de órgãos

 

 

 

 

 

 

Sensibilidade ao toque

 

 

 

 

Exames

 

 

Aumento da glicemia

complementares de

 

 

Aumento da tensão arterial

diagnóstico

 

 

sistólica

 

 

 

Aumento da temperatura

 

 

 

corporal

 

 

 

 

Complicações de

 

Dor relacionada com

Fratura do pénis

intervenções

 

intervenção

Laceração cutânea

relacionadas com

 

 

Ferida aberta

lesões e

 

 

Hematoma do escroto

intoxicações

 

 

Lesão da articulação

 

 

 

Lesão do pénis

aInclui: hematoma no local de injeção e hematoma peniano foram notificados com o termo literal de equimose no pénis ou equimose no local de injeção em 87% dos doentes.

bInclui: tumefação no local de injeção, edema do pénis, tumefação do pénis, tumefação local, tumefação do escroto e edema no local de injeção.

cInclui: dor no local de injeção, dor no pénis e mal-estar do local de injeção.

dInclui: contusão, equimose, hemorragia do pénis e hemorragia no local de injeção.

*notificado a partir de um estudo clínico durante a pós-comercialização num doente que tinha tido exposição prévia ao Xiapex para o tratamento da contratura de Dupuytren.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9Sobredosagem

É esperado que a administração de Xiapex em doses superiores às recomendadas esteja associada ao aumento de reações locais no local de injeção. No caso de sobredosagem, devem ser proporcionados cuidados médicos de suporte e sintomáticos.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: Outros medicamentos para afeções do sistema musculosquelético – Enzimas, código ATC: M09AB02

O Xiapex é um medicamento liofilizado para administração parentérica contendo colagenase de clostridium histolyticum que é composta por duas colagenases numa proporção de massa definida. Estas colagenases, denominadas AUX-I e AUX-II são representativas das duas maiores classes de colagenase (Classe I e Classe II) produzidas pela Clostridium histolyticum. As AUX-I e AUX-II são cadeias polipeptídicas simples compostas por cerca de 1000 aminoácidos de sequência conhecida com um peso molecular de 114 KDa e 113 KDa, respetivamente, determinado por espectroscopia de massa. Os dois polipeptídeos são purificados por processos comuns de cromatografia de forma a separar e isolar as proteínas bioterapêuticas para obter uma mistura consistente, bem caracterizada e controlada das duas enzimas de colagenase.

Uma vez que o processo de lise do colagénio após a administração do Xiapex é localizado e não requer ou resulta em níveis sistémicos quantificáveis de AUX-I e AUX-II, a atividade farmacodinâmica primária do Xiapex não pode ser avaliada em indivíduos e por este motivo, estes estudos não foram realizados.

Mecanismo de ação

As colagenases são proteases que, em condições fisiológicas, hidrolisam o colagénio. O Xiapex é composto por uma mistura de colagenases derivadas do clostridium de Classe I (AUX-I) e Classe II (AUX-II) numa proporção de massa definida. As duas classes de colagenases têm especificidade semelhante mas complementar para o substrato. Ambas as colagenases clivam eficazmente o colagénio intersticial mas em diferentes locais da molécula, adicionalmente estas preferem diferentes conformações (tripla helicoidal versus desnaturada ou clivada). Estas diferenças explicam a capacidade destas duas classes de enzimas para digerirem o colagénio de uma forma complementar.

As colagenases de Classe 1 (α, β, γ e η) são produto do gene colG, e iniciam a hidrólise do colagénio junto aos terminais amino e carboxi da estrutura de tripla hélice e geram grandes fragmentos proteolíticos. Contrariamente, as colagenases de Classe II (δ, ε, e ζ,) são produto do gene colH, estando os locais de clivagem inicial situados no interior da molécula de colagénio e geram fragmentos menores de colagénio. Ambas as classes de colagenases hidrolisam imediatamente a gelatina (colagénio desnaturado) e pequenos péptidos de colagénio, enquanto que a Classe II tem maior afinidade para pequenos fragmentos de colagénio. A colagenase de Classe I cliva o colagénio insolúvel de estrutura de tripla hélice com maior afinidade do que a colagenase de classe II. Juntas, estas colagenases trabalham de forma a fornecer uma ampla atividade hidrolítica junto do colagénio.

Contratura de Dupuytren

A injeção de Xiapex num cordão de Dupuytren, que é constituído principalmente por colagénio intersticial dos tipos I e III, causa a rutura enzimática do cordão.

Doença de Peyronie

Os sinais e sintomas da doença de Peyronie são causados por uma placa de colagénio. A injeção de Xiapex numa placa de Peyronie, que é constituída principalmente por colagénio, pode resultar na rutura enzimática da placa. Após esta rutura da placa, a deformidade peniana em curvatura e o incómodo do doente causados pela doença de Peyronie diminuem.

Eficácia e segurança clínicas

Contratura de Dupuytren

A eficácia do Xiapex 0,58 mg foi avaliada em dois estudos principais aleatorizados, em dupla ocultação controlados por placebo, CORD I (AUX-CC-857) e CORD II (AUX-CC-859), realizados em doentes adultos com contratura de Dupuytren. A população do estudo em dupla ocultação incluiu 409 doentes dos quais 272 receberam 0,58 mg de Xiapex e 137 receberam placebo. A idade média foi de 63 anos (intervalo de 33 a 89 anos) e 80% dos doentes era do sexo masculino. No início do estudo, os doentes dos estudos clínicos tinham: (1) uma contratura em flexão do dedo com um cordão palpável de pelo menos um dedo (outro que não o polegar) de 20° a 100° numa articulação MF ou 20° a 80° numa articulação IFP e (2) um resultado positivo no “teste de topo de mesa” definido como a incapacidade para simultaneamente colocar o(s) dedo(s) afetado(s) e a palma da mão contra o topo de uma mesa. O cordão a afetar uma articulação primária selecionada, recebeu até 3 injeções de 0,58 mg de Xiapex ou placebo. Foi efetuado, quando necessário, um procedimento de extensão do dedo aproximadamente 24 horas após a injeção de forma a facilitar a rutura do cordão. Cada injeção foi separada por aproximadamente 4 semanas.

O principal parâmetro de avaliação clínica de cada estudo foi avaliar a proporção de doentes que conseguiram uma redução na contratura da articulação primária selecionada (MF ou IFP) para 5° ou menos graus que o habitual, aproximadamente 4 semanas após a última injeção dessa articulação. Outros parâmetros de avaliação incluíram: redução na contratura de ≥ 50% em graus desde os valores de base, alteração percentual em graus da contratura desde os valores de base, alteração desde os valores de base da amplitude do movimento, avaliação global do indivíduo sobre a satisfação do tratamento e avaliação global do médico sobre a gravidade.

O Xiapex demonstrou benefícios clinicamente significativos quando comparado com o placebo na proporção de doentes que atingiram o parâmetro principal de avaliação clínica de uma redução da contratura para 5° ou menos graus de todas as articulações tratadas, aproximadamente 4 semanas após a última injeção (MF e IFP, apenas MF, apenas IFP). Para os doentes que atingiram uma contratura de 5° ou menos graus na articulação selecionada, o número médio de injeções necessárias para o atingir, foi nos 2 estudos, de 1,5. O Xiapex também demonstrou um benefício clinicamente significativo quando comparado com o placebo na diminuição do ângulo de contratura e no aumento tanto da amplitude de movimento desde os valores de base para todas as articulações tratadas (MF e IFP, apenas MF, apenas IFP) como na avaliação global do indivíduo sobre a satisfação do tratamento.

A Tabela 3 fornece as características demográficas e de valores de base para a população em estudo e as Tabelas 4-5 fornecem os resultados principais dos parâmetros de avaliação clínica de eficácia avaliados nos 2 estudos em dupla ocultação, controlados por placebo CORD I (AUX-CC-857) e CORD II (AUX-CC-859).

Tabela 3.

Características demográficas e dos valores de base

Estudos de fase 3, em dupla ocultação controlados por placebo (CORD I, CORD II)

 

Xiapex

Placebo

VARIÁVEIS

(N=249)

(N=125)

Idade (anos)

 

 

 

 

Média

62,7

64,2

Intervalos de idade (anos), n (%)

 

 

 

 

< 45

9 (3,6)

(4,0)

45 – 54

33 (13,2)

(13,6)

55 – 64

(41,4)

(35,2)

65 – 74

82 (33,0)

(32,0)

≥ 75

(8,8)

(15,2)

Género, n (%)

 

 

 

 

Masculino

(84,3)

(72,8)

Feminino

39 (15,7)

(27,2)

Com história familiar de doença de

 

 

 

 

Dupuytren, n (%)

 

 

 

 

Sim

(43,0)

(49,6)

Não

(57,0)

(50,4)

Avaliação médica da gravidade nos valores

 

 

 

 

de base

 

 

 

 

Ligeira

38 (15,4 %)

21 (16,8 %)

Moderada

148 (59,9 %)

71 (56,8 %)

Grave

61 (24,7 %)

33 (26,4 %)

Sem Avaliação1

2 (0,8 %)

 

-

Nota: Inclui todos os doentes que receberam pelo menos 1 injeção no estudo em dupla ocultação (0,58 mg de Xiapex ou placebo).

1Não utilizado para determinar a avaliação médica da gravidade no cálculo de percentagem dos valores de base – denominador atual utilizado de N=247.

Tabela 4.

Percentagem de doentes que atingiram uma redução da contratura para 5° ou menos graus (Última injeção)

ARTICULAÇÕES

CORD I

CORD II

PRIMÁRIAS TRATADAS

Xiapex

Placebo

Xiapex

Placebo

Todas as articulações

N=203c

N=103c

N=45

N=21

64,0 %

6,8 %

44,4 %

4,8 %

Valor de p

<0,001

-

<0,001

-

Articulações MFa

N=133

N=69

N=20

N=11

76,7 %

7,2 %

65,0 %

9,1 %

Valor de p

<0,001

-

0,003

-

Articulação IFP b

N=70

N=34

N=25

N=10

40,0 %

5,9 %

28,0 %

0,0 %

Valor de p

<0,001

-

0,069

-

a Articulação metacarpofalângica; b Articulação interfalângica proximal; c 2 articulações primárias foram excluídas da análise de eficácia (1 articulação do grupo placebo não foi avaliada e 1 articulação do grupo tratado com Xiapex tinha uma contratura com valor de base de 0 graus antes do tratamento).

Tabela 5.

Aumento médio da amplitude do movimento desde os valores de base (Última injeção)

ARTICULAÇÕES PRIMÁRIAS

CORD I

CORD II

TRATADAS

Xiapex

Placebo

Xiapex

Placebo

Todas as articulações

N=203 c

N=103 c

N=45

N=21

Média dos Valores de Base

 

 

 

 

(DP = desvio padrão)

43,9 (20,1)

45,3 (18,7)

40,3 (15,2)

44,0 (16,5)

Média Final (DP)

80,7 (19,0)

49,5 (22,1)

75,8 (17,7)

51,7 (19,6)

Aumento médio (DP)

36,7 (21,0)

4,0 (14,8)

35,4 (17,8)

7,6 (14,9)

Articulações MFa

N=133

N=69

N=20

N=11

Média dos Valores de Base (DP)

42,6 (20,0)

45,7 (19,2)

39,5 (11,8)

41,4 (20,8)

Média Final (DP)

83,7 (15,7)

49,7 (21,1)

79,5 (11,1)

50,0 (21,5)

Aumento médio (DP)

40,6 (20,0)

3,7 (12,6)

40,0 (13,5)

8,6 (14,7)

Articulações IFPb

N=70

N=34

N=25

N=10

Média dos Valores de Base (DP)

46,4 (20,4)

44,4 (17,9)

41,0 (17,7)

47,0 (10,3)

Média Final (DP)

74,9 (23,1)

49,1 (24,4)

72,8 (21,3)

53,5 (18,3)

Aumento médio (DP)

29,0 (20,9)

4,7 (18,5)

31,8 (20,1)

6,5 (15,8)

a Articulação metacarpofalângica; b Articulação interfalângica proximal; c 2 articulações primárias foram excluídas da análise de eficácia (1 articulação do grupo placebo não foi avaliada e 1 articulação do grupo tratado com Xiapex tinha uma contratura com valor de base de 0 graus antes do tratamento).

Todos os valores p < 0,001 para todas as comparações entre o Xiapex e o placebo, exceto para as articulações IFP no Estudo CORD II, que não foram elegíveis para testes estatísticos devido ao procedimento hierárquico de análise.

Nos estudos, CORD I e CORD II, a classificação do médico na alteração da gravidade da contratura foi descrita como melhorou muito ou muito melhor em 86% e 80% dos indivíduos no grupo de Xiapex comparativamente a 3% e 5% dos indivíduos do grupo placebo, respetivamente (p<0,001). De acordo com a avaliação global do doente sobre a satisfação do tratamento, mais de 85% dos indivíduos dos estudos CORD I e CORD II notificaram que ficaram bastante satisfeitos ou muito satisfeitos com o seu tratamento com Xiapex versus aproximadamente 30% dos indivíduos tratados com placebo (p<0,001). A maior satisfação dos doentes foi correlacionada com a melhoria da amplitude de movimento (r=0,51, p<0,001).

Tratamento com duas injeções concomitantes

Avaliou-se a administração de duas injeções concomitantes de Xiapex nos cordões de Dupuytren na mesma mão no estudo clínico AUX-CC-867, um ensaio multicêntrico, aberto, historicamente controlado em 715 indivíduos adultos (1450 injeções de Xiapex) com contratura de Dupuytren. Os procedimentos de extensão do dedo foram efetuados aproximadamente 24 a 72 horas após a injeção.

O parâmetro de avaliação primário foi a contratura de flexão fixa no subgrupo do par de articulações tratadas. Observou-se globalmente uma melhoria significativa média (74,4%) desde o início do tratamento até ao dia 31 na contratura de flexão fixa após a administração de duas injeções concomitantes de 0,58 mg de Xiapex (uma injeção por articulação) na mesma mão, ver tabela 6. Observou-se uma melhoria independentemente do tipo de articulação ou do envolvimento do dedo (intervalo: 60,5% a 83,9%). Observou-se também uma melhoria da contratura de flexão fixa total independentemente da altura em que se efetuou a extensão do dedo, 24, 48 ou 72 horas após a injeção, com uma melhoria média ao dia 31 de 75,2%, 74,8% e 72,4%, respetivamente. Observou-se também uma melhoria desde o início do tratamento na amplitude de movimento ao dia 31 para todos os subgrupos de pares de articulações tratadas, ver tabela 6.

Tabela 6.

Contratura de flexão fixa total e amplitude de movimento após a administração de duas injeções concomitantes de 0,58 mg de Xiapex na mesma mão, população intenção de tratar modificada (mITT), estudo AUX-CC-867 (primeiro ciclo de tratamento)

 

 

Dedos

Dedos

Dedos

 

 

Mesmo dedo,

diferentes,

diferentes,

diferentes,

 

 

1 MF, 1 IFP

Ambas as

Ambas a

1 MF, 1 IFP

Total

 

(n=350)

MFs

 

IFPs

(n=58)

(n=724)

 

 

(n=244)

(n=72)

 

 

Total CFF (°)

 

 

 

 

 

 

Início do tratamento,

102 (31)

(31)

109 (37)

96 (28)

98 (32)

média (DP)

 

 

 

 

 

 

Dia 31, média (DP)

30 (27)

(28)

47 (39)

31 (29)

27 (30)

Alteração, média (DP)

72 (29)

(29)

62 (32)

65 (34)

70 (30)

Alteração %, média

72 (22)

(23)

60 (29)

68 (27)

74 (25)

(DP)

 

 

 

 

 

 

Total ADM (°)

 

 

 

 

 

 

Início do tratamento,

87 (31)

(34)

93 (36)

92 (29)

90 (33)

média (DP)

 

 

 

 

 

 

Dia 31, média (DP)

154 (29)

163 (30)

148 (42)

155 (31)

156 (31)

Alteração, média (DP)

67 (30)

(34)

55 (28)

63 (37)

67 (32)

CFF = contratura de flexão fixa

ADM = amplitude de movimento

O sucesso clínico (uma redução da contratura para ≤5° no período de 30 dias) após duas injeções concomitantes de Xiapex (uma por articulação) na mesma mão foi atingido na maioria das articulações MF (64,6%) em comparação com 28,6% de articulações IFP após uma injeção única por articulação afetada. O tempo de extensão do dedo após a injeção não teve qualquer impacto na taxa de sucesso clínico para as articulações MF ou IFP. Observou-se uma melhoria clinicamente significativa da função da mão, conforme determinado pela pontuação da URAM (Unite´ Rheumatologique des Affections de la Main) ao dia 31 (-11,3) e ao dia 61 (-12,3).

Eficácia e segurança a longo prazo

Um estudo (AUX-CC-860) de seguimento a longo prazo, do Ano 2 até ao Ano 5, sem tratamento, foi efetuado para a avaliar a recorrência da contratura e a segurança a longo prazo em indivíduos que receberam até 8 injeções únicas em administrações únicas de Xiapex de 0,58 mg num estudo anterior de fase 3, sem ocultação ou em dupla ocultação, com uma extensão sem ocultação. Não se identificaram novos sinais de segurança nos indivíduos que foram seguidos durante 5 anos após a sua injeção inicial de Xiapex num estudo clínico anterior. A maioria dos acontecimentos adversos

notificados durante o período de seguimento a longo prazo não foram graves, apresentando uma intensidade ligeira ou moderada, e não estavam relacionados com a administração local de Xiapex. Estes dados apoiam o perfil de segurança a longo prazo de Xiapex confirmando que não foram identificados novos riscos de segurança durante o período de seguimento de 5 anos.

A recorrência foi avaliada em articulações tratadas com sucesso (ou seja, os indivíduos apresentavam uma redução da contratura para 5° ou menos na avaliação do Dia 30 após a última injeção de Xiapex num estudo anterior) e foi definida como um aumento da contratura de pelo menos 20° na presença de um cordão palpável, ou a articulação foi submetida a intervenção médica ou cirúrgica principalmente para corrigir uma nova contratura de Dupuytren ou o seu agravamento naquela articulação. Os dados sobre as taxas de recorrência a longo prazo após o tratamento com sucesso com XIAPEX são apresentados na Tabela 7.

Tabela 7:

Taxas de recorrência a longo prazo em articulações tratadas com sucesso com XIAPEX

Intervalo

 

 

 

 

 

Recorrência nominal

Taxa de

Alteração

N (%) de

N (%) de

cumulativa por tipo

nominal na

recorrência

de

articulações

articulações

de articulação (%)

taxa de

nominal

seguimento

em cada

recorrentes

 

 

recorrência

 

 

 

 

cumulativa

(dias)

intervaloa

em cada

MF

IFP

vs. ano

(%)c

 

 

 

intervalo

b

anterior (%)

 

 

 

 

 

 

 

0-365

(3,2)

(6,3)

 

1,8

6,4

3,0

-

366-730

(18,3)

(33,9)

14,2

33,7

19,6

16,6

731-1095

(20,1)

97 (31,9)

27,1

56,4

35,2

15,6

1096-1460

85 (13,6)

45 (14,8)

34,8

62,2

42,4

7,2

1461-1825

(27,1)

(8,9)

 

39,5

65,7

46,7

4,3

> 1825

(17,7)

(4,3)

 

41,9

66,9

48,8

2,1

aUma articulação era considerada num intervalo se a duração da avaliação coincidisse com o intervalo. A duração da avaliação tinha início no dia do sucesso (visita após a última injeção na qual foi registada pela primeira vez a medição de 0° a 5°). A duração da avaliação terminava na última medição disponível ou no dia da intervenção médica em articulações sem recorrência e no dia da recorrência em articulações recorrentes.

bUma articulação recorrente era uma articulação avaliada pelo investigador como tendo um agravamento da contratura de Dupuytren devido a um cordão palpável. O dia da recorrência correspondia à visita na qual a recorrência era notificada ou ao dia da intervenção se uma articulação fosse tratada devido a um agravamento da contratura de Dupuytren. Em articulações notificadas como recorrentes num estudo anterior, o dia da recorrência era a primeira visita com uma medição da contratura em flexão fixa de 20° ou superior após a notificação da recorrência.

cA taxa nominal de recorrência era o número total de recorrências que ocorreram antes do último dia do intervalo dividido pelo número total de articulações (×100).

Repetição do tratamento de contraturas recorrentes

Foi realizado um estudo AUX-CC-862 em doentes com contratura de Dupuytren que apresentaram recorrência da contratura numa articulação que foi tratada eficazmente com Xiapex num estudo clínico anterior. Não se identificaram novos sinais de segurança nos indivíduos que repetiram o tratamento com Xiapex. A maioria dos acontecimentos adversos não foi grave e teve uma intensidade ligeira ou moderada e estavam relacionados com a administração local de Xiapex ou com o procedimento de extensão do dedo para facilitar a rutura do cordão. A eficácia clínica no Estudo AUX-CC-862 foi semelhante à comunicada nos estudos CORD I e CORD II. No estudo AUX-CC-862, 64,5% das articulações MF com recorrência e 45,0% das articulações IFP com recorrência obtiveram o sucesso clínico após a repetição do tratamento com até três injeções de Xiapex.

No Estudo AUX-CC-862 de repetição do tratamento, foram avaliadas 150 amostras positivas para anticorpos anti-AUX-I e 149 amostras positivas para anticorpos anti-AUX-II para determinar a potencial reatividade cruzada com as MMPs-1, -2, -3, -8 e -13 humanas. Os resultados não revelaram reatividade cruzada com qualquer uma das cinco MMPs (metaloproteinases da matriz) testadas.

População pediátrica

A Agência Europeia de Medicamentos dispensou a obrigação de apresentação dos resultados dos estudos com Xiapex em todos os subgrupos da população pediátrica no tratamento da contratura de Dupuytren (ver secção 4.2 para informação sobre utilização pediátrica).

Doença de Peyronie

A eficácia de Xiapex foi avaliada em dois estudos aleatorizados, em dupla ocultação controlados com placebo, Estudo 1 (AUX-CC-803) e Estudo 2 (AUX-CC-804), em homens adultos com doença de Peyronie. A população do estudo em dupla ocultação incluiu 832 doentes masculinos dos quais

551 receberam Xiapex e 281 receberam placebo. A idade mediana foi de 58 anos (intervalo de 23 a 84 anos). Na altura da entrada no estudo, os doentes deviam ter tido deformidade em curvatura do pénis de pelo menos 30 graus na fase estável da doença de Peyronie. Os doentes eram excluídos se tivessem deformidade com curvatura ventral, uma deformidade isolada em forma de ampulheta ou uma placa calcificada que poderia interferir com a técnica da injeção. Na linha de base, a dor peniana não estava presente ou era ligeira na maioria dos doentes (98%).

Nestes estudos, eram administrados até 4 ciclos de tratamento com Xiapex ou com placebo (semanas 0, 6, 12, 18) aos doentes, sendo seguidos num período de seguimento sem tratamento (semanas 24-52). Em cada ciclo de tratamento, eram administradas duas injeções de 0,58 mg de

Xiapex ou duas injeções de placebo com um intervalo de 1 a 3 dias. Era realizado um procedimento de modelação peniana no centro do estudo 1 a 3 dias após a segunda injeção do ciclo. O ciclo de tratamento era repetido em intervalos de aproximadamente seis semanas por mais três vezes, até um máximo de um total de 8 procedimentos de injeção e um total de 4 procedimentos de modelação. Além disso, os doentes recebiam instruções para efetuarem a modelação peniana em casa durante seis semanas após cada ciclo de tratamento.

Nos Estudos 1 e 2, os critérios de avaliação co-primários foram:

a alteração em percentagem desde a linha de base até à Semana 52 da deformidade em curvatura do pénis e

a alteração desde a linha de base até à Semana 52 do domínio “Incómodo” do Questionário da Doença de Peyronie (QDP)

A pontuação do domínio “Incómodo” é um conjunto dos seguintes elementos comunicados pelo doente: preocupação sobre a dor em ereção, aspeto da ereção e o impacto da doença de Peyronie nas relações sexuais e na frequência das relações sexuais.

O tratamento com Xiapex melhorou significativamente a deformidade em curvatura do pénis em doentes com doença de Peyronie em comparação com o placebo (Tabela 9). A melhoria na deformidade em curvatura foi numericamente semelhante em doentes com deformidade na linha de base desde 30 a 60 graus e naqueles com deformidade em curvatura desde 61 a 90 graus.

Xiapex diminuiu significativamente o incómodo comunicado pelos doentes com doença de Peyronie em comparação com o placebo (Tabela 10). A redução da pontuação do domínio “Incómodo” foi numericamente semelhante em grupos de doentes estratificados por grau de deformidade em curvatura na linha de base (30 a 60 graus e 61 a 90 graus).

A Tabela 8 apresenta as características na linha de base da doença na população do estudo e as Tabelas 9-10 apresentam os resultados dos critérios co-primários da eficácia medidos nos dois estudos em dupla ocultação, controlados com placebo, AUX-CC-803 e AUX-CC-804.

Tabela 8: Características da doença na linha de base em doentesa com doença de Peyronie (DP)

 

Estudo 1

Estudo 2

 

XIAPEX

Placebo

XIAPEX

Placebo

 

N=277

N=140

N=274

N=141

 

 

 

 

 

Idade média (anos)

57,9

58,2

57,3

57,6

(Mín-Máx)

(28-79)

(30-81)

(23-84)

(33-78)

Duração média da DP (anos)

3,9

4,8

4,2

3,4

(Mín-Máx)

(1,0-35,9)

(1,0-50,8)

(1,1-30,9)

(1,1-17,1)

Deformidade em curvatura do

 

 

 

 

pénis média (graus)

48,8

49,0

51,3

49,6

(Mín-Máx)

(30-90)

(30-89)

(30-90)

(30-85)

Questionário da Doença de

 

 

 

 

Peyronie (QDP)b, – Pontuação

 

 

 

 

média do domínio “Incómodo

7,5

7,4

7,4

8,2

causado pela DP” comunicado pelo

 

 

 

 

doente (intervalo: 0-16) c

 

 

 

 

Antecedentes de disfunção erétil N

 

 

 

 

(%)

128 (46,2)

75 (53,6)

134 (48,9)

76 (53,9)

aIndivíduos de uma população de ITT que receberam pelo menos uma dose do medicamento em estudo nos Estudo 1 ou 2

bCada avaliação do QDP exigia que os indivíduos tivessem tido relações sexuais vaginais nos 3 meses antes da conclusão

cPontuações mais elevadas representam sintomas piores

Tabela 9: Alteração média em percentagem da deformidade em curvatura do pénis desde a linha de base até à Semana 52 – Estudos 1 e 2

 

Estudo 1

Estudo 2

 

XIAPEX

 

Placebo

XIAPEX

 

Placebo

 

N=199

 

N=104

N=202

 

N=107

Média na linha de base

48,8°

 

49,0°

51,3°

 

49,6°

(graus)

 

 

 

 

 

 

Alteração média em

-35,0%

 

-17,8%

-33,2%

 

-21,8%

percentagem a

 

 

 

 

 

 

Diferença entre

-17,2% b

 

-11,4% b

 

tratamentos

(-26,7%; -7,6%)

(-19,5%; -3,3%)

(IC 95%)

 

 

 

 

 

 

aA alteração média em percentagem, a diferença entre tratamentos, o IC 95% e o valor de p basearam-se num modelo ANOVA com fatores relativos ao tratamento, estrato da curvatura inicial do pénis e a sua interação e utilizaram a última observação transportada (last observation carried forward – LOCF) na população a tratar modificada (mITT). A população mITT foi definida como todos os indivíduos aleatorizados que tinham uma medição da deformidade em curvatura do pénis e uma avaliação do QDP na linha de base e num ou mais dos pontos de tempo subsequentes.

bvalor de p <0,01

Tabela 10: Alteração média da Pontuação do Domínio “Incómodo causado pela Doença de Peyronie” desde a linha de base até à Semana 52 – Estudos 1 e 2

 

Estudo 1

Estudo 2

 

XIAPEX

 

Placebo

XIAPEX

 

Placebo

 

N=199

 

N=104

N=202

 

N=107

Média inicial

7,5

 

7,4

7,4

 

8,2

Alteração média a

-2,8

 

-1,6

-2,6

 

-1,5

Diferença entre

 

-1,2 b

 

-1,1 b

tratamentos

(-2,4; -0,03)

(-2,1; -0,002)

(IC 95%)

 

 

 

 

 

 

aA alteração média, a diferença entre tratamentos, o IC 95% e o valor de p basearam-se todos num modelo ANOVA com fatores relativos ao tratamento, estrato da curvatura inicial do pénis e a sua interação e utilizaram a última observação transportada (last observation carried forward – LOCF) na população a tratar modificada (mITT). A população mITT foi definida como todos os indivíduos aleatorizados que tinham uma medição da deformidade em curvatura do pénis e uma avaliação do QDP na linha de base e num ou mais dos pontos de tempo subsequentes.

bvalor de p <0,05

Xiapex não foi associado a encurtamento do pénis em ensaios clínicos no tratamento da doença de Peyronie.

Um estudo aberto de Fase 3, AUX-CC-806, avaliou a segurança e a eficácia de Xiapex. Os critérios de inclusão e exclusão do estudo, assim como o esquema de tratamento e os critérios de avaliação co- primários da eficácia foram os mesmos que foram utilizados nos estudos de referência AUX-CC-803 e AUX-CC-804. Contudo, os doentes foram seguidos durante um período de até 36 semanas. No total, 189 doentes foram incluídos e tratados com Xiapex. Todos os doentes participaram e terminaram os estudos AUX-CC-803 ou AUX-CC-804, nos quais tinham sido tratados com placebo.

A idade mediana dos doentes incluídos foi de 60 anos, variando entre 33 e 77 anos. A duração mediana da doença foi de 4,9 anos (intervalo de 2,0 a 27,9). Foi notificada disfunção erétil em 52,9% dos doentes, e 27,5% notificaram traumatismo anterior do pénis.

As Tabelas 11-12 apresentam os resultados dos critérios de avaliação co-primários da eficácia medidos no estudo aberto de Fase 3 AUX-CC-806.

Tabela 11. Alteração média em percentagem em relação ao valor inicial da deformação em curvatura na Semana 36 (LOCF) (População mITT*) – estudo AUX-CC-806

 

Xiapex

 

N=126

Valor inicial

 

Média (DP)

46,9 (12,00)

Mín.; máx.

30; 85

Valor na semana 36

 

(LOCF)

 

Média (DP)

29,9 (15,56)

Mín.; máx.

0; 80

Alteração em

 

percentagem em relação

 

ao valor inicial

 

Média (DP)

-36,3 (30,72)

Mín.; máx.

-100; 100

IC 95% da média**

-41,6; -30,9

*A população mITT foi definida como todos os indivíduos aleatorizados que tinham uma medição da deformidade em curvatura do pénis e uma avaliação do QDP na linha de base e num ou mais dos pontos de tempo subsequentes.

**Com base no IC 95% da média não incluindo zero, a alteração em percentagem em relação ao valor inicial foi considerada estatisticamente significativa.

Tabela 12. Alteração média em relação ao valor inicial do incómodo causado pela doença de Peyronie na Semana 36 (LOCF) (População mITT*) – estudo AUX-CC-806

 

Xiapex

 

N=126

Valor inicial

 

Média (DP)

6,3 (3,60)

Mín.; máx.

1; 15

Valor na semana 36

 

(LOCF)

3,9 (3,65)

Média (DP)

Mín.; máx.

0; 16

Alteração em relação ao

 

valor inicial

 

Média (DP)

-2,4 (3,34)

Mín.; máx.

-12; 7

IC 95% da média**

-3,0; -1,8

*A população mITT foi definida como todos os indivíduos aleatorizados que tinham uma medição da deformidade em curvatura do pénis e uma avaliação do QDP na linha de base e num ou mais dos pontos de tempo subsequentes.

**Com base no IC 95% da média não incluindo zero, a alteração média em relação ao valor inicial foi considerada estatisticamente significativa.

Como análise exploratória, as parceiras sexuais preencheram dois questionários na visita de rastreio e na semana 36: o QDP das Parceiras Sexuais (uma adaptação dos domínios relativos ao incómodo causado pela doença de Peyronie e aos sintomas psicológicos do QDP para os homens, com pontuações de 0-12) e o Índice de Função Sexual Feminina (IFSF, escala de 2-36 na qual a pontuação mais alta representa a melhor função sexual). No total participaram no estudo 30 parceiras. No início, a pontuação média (DP) do QDP feminino foi de 4,7 (3,61) e de 2,7 (3,06) na semana 36, ou seja, uma

alteração em relação ao valor inicial de -2,0. A pontuação média (DP) do IFSF foi de 20,56 (10,08) no início e de 26,72 (7,73) na semana 36, ou seja, uma alteração em relação ao valor inicial de 7,54.

População pediátrica

A Agência Europeia de Medicamentos dispensou a obrigação de apresentação dos resultados dos estudos com Xiapex em todos os subgrupos da população pediátrica no tratamento da doença de Peyronie (ver secção 4.2 para informação sobre utilização pediátrica).

5.2Propriedades farmacocinéticas

Absorção

Após a administração de uma dose única de 0,58 mg de Xiapex a 16 doentes com contratura de Dupuytren ou de duas injeções concomitantes de 0,58 mg de Xiapex na mesma mão em 12 doentes com contratura de Dupuytren, não foram detetados níveis quantificáveis de Xiapex no plasma desde 5 minutos a 30 dias após a injeção.

Após cada uma das duas administrações intralesionais, separadas por um intervalo de 24 horas, de 0,58 mg de Xiapex na placa peniana de 19 doentes com doença de Peyronie, os níveis plasmáticos de AUX-I e AUX-II em doentes com níveis quantificáveis (82% e 40% respetivamente para AUX-I e para AUX-II) foram mínimos e de curta duração. As concentrações plasmáticas máximas individuais de AUX-I e de AUX-II foram respetivamente <29 ng/ml e <71 ng/ml. Todos os níveis plasmáticos foram inferiores aos limites de quantificação no período de 30 minutos após a administração da dose. Não houve qualquer evidência de acumulação após duas injeções sequenciais de Xiapex administradas com um intervalo de 24 horas. Nenhum doente teve níveis plasmáticos quantificáveis 15 minutos após a modelação da placa no Dia 3 (isto é, 24 horas após a Injeção 2 no Dia 2).

Distribuição

Não houve até à data, evidência de toxicidade sistémica nos estudos clínicos efetuados com administração de Xiapex através da injeção localizada no cordão de Dupuytren ou na placa de Peyronie.

Biotransformação

Uma vez que o Xiapex não é um substrato para o citocromo P450 ou outro medicamento de metabolização pela via enzimática, e porque não são esperados metabolitos ativos, não foram efetuados estudos sobre o metabolismo.

Eliminação

Não foram efetuados estudos formais sobre a eliminação. Não há uma exposição sistémica quantificável após uma injeção única de Xiapex em doentes com contratura de Dupuytren e apenas uma exposição sistémica mínima e de curta duração em doentes com doença de Peyronie.

Populações especiais

Não é necessário qualquer ajuste da dose em grupos especiais de doentes, p. ex., idosos, insuficientes renais ou hepáticos, por género ou raça.

População Pediátrica

O Xiapex não foi estudado em crianças e adolescentes com idades entre 0-18 anos e consequentemente não estão disponíveis dados farmacocinéticos.

5.3Dados de segurança pré-clínica

Toxicidade de dose repetida

Num estudo de fase de dose única ou num estudo de fase de dose repetida de 61 dias (3 vezes por semana de 3 em 3 semanas durante 3 ciclos) na administração intrapeniana de colagenase de clostridium histolyticum em cães com exposições inferiores ou iguais à dose humana máxima recomendada numa base de mg/m2, não houve evidência de toxicidade sistémica.

Toxicidade reprodutiva

Quando o Xiapex foi administrado de forma intravenosa em dias alternados a ratos macho e fêmea antes da coabitação e durante o acasalamento e implantação, não se verificaram efeitos no ciclo estral, no transporte do óvulo pelas trompas, no desenvolvimento da implantação e pré-implantação e/ou na libido ou na maturação do esperma epididimal com doses intravenosas até 0,13 mg/dose (aproximadamente 11 vezes a dose do ser humano com uma base de mg/m2). Não existiram reações adversas no desenvolvimento embrionário inicial (indicando que não existe evidência de teratogenicidade) em ratos. Neste estudo não foi observada toxicidade sistémica com qualquer nível de dose.

Mutagenicidade

A colagenase de clostridium histolyticum não foi mutagénica na Salmonella typhimurium (teste de AMES) e não foi clastogénica tanto no ensaio do micronúcleo do ratinho in vivo como no ensaio da aberração cromossómica in vitro em linfócitos humanos.

Carcinogenicidade

Não foram realizados bioensaios padrão durante dois anos em roedores com Xiapex. Portanto, o risco carcinogénico não é conhecido.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1.Lista dos excipientes

Sacarose Trometamol

Ácido clorídrico 2,4 % (p/p) (para ajuste de pH)

Solvente

Cloreto de cálcio di-hidratado Cloreto de sódio

Água para preparações injetáveis

6.2Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento não deve ser misturado com outros medicamentos, exceto os mencionados na secção 6.6.

6.3Prazo de validade

3 anos.

É recomendada a utilização imediata após a reconstituição. O Xiapex reconstituído pode ser mantido à temperatura ambiente (20°C-25°C) por um período máximo de uma hora ou no frigorífico entre 2°C- 8°C por um período máximo de 4 horas antes da administração. Se a solução reconstituída estiver refrigerada deve ser colocada à temperatura ambiente (20°C-25°C), aproximadamente durante 15 minutos, antes da utilização.

6.4Precauções especiais de conservação

Conservar no frigorífico (2°C-8°C).

Não congelar.

Condições de conservação do medicamento após reconstituição, ver secção 6.3.

6.5Natureza e conteúdo do recipiente

O Xiapex pó é fornecido num frasco para injetáveis de vidro transparente (3 ml, vidro tipo I) com uma rolha de borracha, selo de alumínio e cápsula de fecho de abertura fácil (polipropileno).

Solvente: Solução de 3 ml fornecida num frasco para injetáveis de vidro transparente (5 ml, vidro tipo I) com uma rolha de borracha, selo de alumínio e cápsula de fecho de abertura fácil (polipropileno).

Embalagem de 1 frasco para injetáveis de pó e 1 frasco para injetáveis de solvente.

6.6Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Instruções de utilização e manuseamento

Preparação – Procedimento de reconstituição

O frasco para injetáveis que contém Xiapex e o frasco para injetáveis que contém o solvente para solução injetável para reconstituição devem ser refrigerados. Antes da utilização, o frasco para injetáveis que contém o Xiapex e o frasco para injetáveis que contém o solvente para solução para reconstituição devem ser retirados do frigorífico e devem ficar à temperatura ambiente pelo menos durante 15 minutos e não mais de 60 minutos. Cada frasco para injetáveis de Xiapex e solvente estéril para reconstituição deve ser utilizado apenas para uma única injeção. Em caso de tratamento de dois cordões de articulações afetadas na mesma mão durante uma visita de tratamento, devem utilizar-se frascos para injetáveis e seringas separados para cada reconstituição e injeção.

Deve ser seguido o seguinte procedimento na reconstituição, utilizando técnica assética:

1.Contratura de Dupuytren: a articulação a ser tratada (MF ou IFP) deve ser confirmada uma vez que o volume de solvente necessário para a reconstituição é determinado pelo tipo de articulação (a articulação IFP requer um volume menor para a injeção).

Doença de Peyronie: a zona de tratamento deve ser identificada e marcada com um marcador cirúrgico no pénis ereto.

2.A cápsula de plástico de fecho de abertura fácil deve ser removida de ambos os frascos para injetáveis. A rolha de borracha e a superfície circundante do frasco para injetáveis que contém o Xiapex e do frasco para injetáveis que contém o solvente para reconstituição devem ser limpos com álcool esterilizado (não devem ser utilizados outros antisséticos).

3.Para a reconstituição deve ser utilizado apenas o solvente fornecido; este contém cálcio que é necessário para a atividade do Xiapex. Utilizando uma seringa estéril calibrada com graduações de 0,01 ml, a quantidade apropriada do solvente fornecido deve ser extraída para administração, como se segue:

Tabela 13. Volumes necessários para a administração

Zona de tratamento

Solvente

Volume de injeção

 

necessário para a

para administrar

 

reconstituição

Xiapex na dose de

 

 

0,58 mg†

Articulações MF de Dupuytren

0,39 ml

0,25 ml

 

 

 

Articulações IFP de Dupuytren

0,31 ml

0,20 ml

 

 

 

Placa de Peyronie

0,39 ml

0,25 ml

 

 

 

†É de notar que o volume de injeção para administração de uma dose de 0,58 mg é inferior ao volume total de solvente utilizado para a reconstituição.

4.O solvente deve ser injetado lentamente nos lados do frasco para injetáveis que contém o pó liofilizado de Xiapex. O frasco para injetáveis que contém a solução não deve ser invertido ou agitado. A solução deve ser movida lentamente para assegurar que todo o pó liofilizado é dissolvido em solução. A seringa e a agulha utilizadas para a reconstituição e o frasco para injetáveis do diluente devem ser removidas e eliminadas.

5.A solução, deve ser inspecionada visualmente para deteção de partículas e alteração de cor antes da administração. A solução de Xiapex reconstituída deve ser límpida. Se a solução contiver partículas, se estiver turva ou apresentar alteração de cor, não deve ser injetada.

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais.

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Swedish Orphan Biovitrum AB (publ)

SE-112 76 Stockholm

Suécia

8.NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

EU/1/11/671/001

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 28 fevereiro de 2011

Data da última renovação: 18 janeiro 2016

10.DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência Europeia de Medicamentos http://www.ema.europa.eu

Comentários

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • Ajuda
  • Get it on Google Play
  • Acerca
  • Info on site by:

  • Presented by RXed.eu

  • 27558

    Medicamentos para prescrição listados